ILHADA EM MIM – SYLVIA PLATH

Os últimos meses de vida da poeta norte-americana Sylvia Plath (1932-1963),  antes de cometer suicídio aos 30 anos, são um enigma. Recém-separada do poeta britânico Ted Hughes, com quem teve dois filhos e viveu uma intensa história de amor, Sylvia coloca-se simultaneamente entre o extremo desespero e a liberação de uma energia criativa sem precedentes. Uma identidade poética única se forma neste período. E não é com o objetivo de decifrar este enigma, mas de experienciá-lo, que a Cia. Estúdio Lusco-Fusco apresenta “Ilhada em mim – Sylvia Plath”, a partir de 11 de março no Biblioteca Mário de Andrade, com sessões às segundas-feiras, 19h. Já apresentado em diversos festivais e cidades como Rio de Janeiro, Santos, Recife, Belo Horizonte, Tiradentes, Jundiaí e Londrina, o espetáculo retorna, assim, ao local de sua criação, São Paulo.

Com direção e cenografia de André Guerreiro Lopes e dramaturgia de Gabriela Mellão, a partir da obra de Sylvia Plath, o espetáculo é sucesso de crítica e público desde sua estréia em 2014, indicado ao Prêmio APCA de Melhor Direção (Associação Paulista de Críticos de Arte), ao Prêmio Especial Botequim Cultural pela “brilhante fusão de linguagens” e contribuição à cena teatral carioca, e ainda Prêmio APTR de Melhor Iluminação. No palco, a premiada atriz Djin Sganzerla vive Sylvia Plath e André Guerreiro Lopes interpreta o poeta Ted Hughes, em um espaço cênico de forte simbologia visual: o cenário concebido pelo diretor é composto por um espelho d’água, onde o mobiliário e os atores vão aos poucos submergindo. Objetos congelados relacionados à vida de Sylvia – como livros, sapatos e um telefone – vão degelando lentamente durante a apresentação. O elemento água é a metáfora articuladora de toda a encenação, em diálogo simbólico com os estados mentais da persona

Para o diretor e ator André Guerreiro Lopes, a força poética e revolucionária da poeta, seus tormentos internos, o conflito com as convenções sociais dos anos 50 e a relação de amor obsessivo com o poeta Ted Hughes são abordados no espetáculo em um registro que se distancia do realismo e da linearidade. “Mais do que narrar a vida de Sylvia Plath, busquei transpor poeticamente para o palco seu universo único, paradoxal, vanguardista, cheio de contrastes e extremos, criando um poema cênico. Todos os elementos trabalham de forma integrada – a atuação, a simbologia visual, os sons, a luz, as palavras e o movimento preciso dos atores – criando um ambiente de imersão sensorial em que a imaginação e sensibilidade do espectador são convidadas a participar do jogo.”, descreve.

A montagem pretende ser fiel a poética de Sylvia, com sua ferocidade e ironia. “Incorporo na encenação elementos da sua obra, como o surrealismo tenso, a energia condensada e ironia feroz. Há um mistério em torno da persona artística de Sylvia que o espetáculo não pretende solucionar, mas compartilhar. Utilizamos todos os elementos possíveis para criar uma atmosfera de suspensão e perigo em cena”, completa André.

Para a atriz Djin Sganzerla, “representar Sylvia Plath no palco é uma mistura de muito prazer com desafio. Passo por muitos estados físicos e emocionais na peça, acho que parte da riqueza da montagem também está nisso, o público se depara com a complexidade humana desta mulher. Nesta montagem, Sylvia é uma brasa de vulcão que anda sobre as águas… Carregando o mar em sua alma, com olhar infinito. Uma mulher decidida, frágil, intensa, que pode ser infantil, capaz de escrever uma obra absolutamente genial três meses antes de sua morte, o livro “Ariel”.

Os figurinos assinados pelo estilista Fause Haten também vão se desintegrando conforme o espetáculo avança. “Pensei em uma Sylvia Plath que aparece, se constrói e desconstrói aos olhos da plateia. Ela é revelada, revela-se, vai se despindo e escorre pelo palco. Perde as cores e se veste de todas as cores”, define o estilista.

A trilha original do espetáculo é especialmente composta pelo premiado músico Gregory Slivar, colaborador da Cia. Estúdio Lusco-fusco em diversos trabalhos.

FACE (1)

Ilhada em mim – Sylvia Plath

Com Djin Sganzerla e André Guerreiro Lopes

Biblioteca Mário de Andrade – Auditório Rubens Borba de Moraes (Rua da Consolação, 94 – República, São Paulo)

Duração 60 minutos

11/03 até 01/04

Segunda – 19h

Entrada gratuita (As senhas começarão a ser distribuídas uma hora antes)

Classificação 12 anos

70 ANOS DO TBC

Duas leituras cênicas muito especiais vão reunir mais de 30 artistas, entre atores, diretores e técnicos, no aniversário de São Paulo, dia 25, no Auditório da Biblioteca Mário de Andrade, para comemorar também os 70 anos do TBC (Teatro Brasileiro de Comédia), completados em outubro último e lembrados em premiação recente da APCA.

As leituras serão precedidas de contextualizações históricas e de projeções de fotos, às 14h, apresentadas pela ATBC, sobre as montagens originais no célebre teatro do Bixiga.

Seis horas seguidas, a partir das 14h, serão dedicadas a dois dos maiores diretores do TBC em sua época áurea: o polonês Ziembinski e o paulista Flávio Rangel, com espetáculos emblemáticos que dirigiram, sucessos de crítica e público: “Volpone”, de Ben Jonson, em adaptação de Stefan Zweig; e “A Semente” de Gianfranceso Guarnieri, respectivamente.

A primeira leitura, às 14h30, é de VOLPONE, do autor inglês (elisabetano) BEN JONSON (1572-1637), em adaptação do escritor austríaco Stefan Zweig, com direção de JOHANA ALBUQUERQUE que presta especial homenagem ao diretor Ziembinski e à montagem TBC de 1955. No elenco: Daniel Alvim, Luciano Gatti, Joca Andreazza, Élcio Nogueira Seixas, Cacá Toledo e atores da Cia. Bendita Trupe.

 VOLPONE (termo emprestado da língua italiana, que significa “raposa velha”) foi adaptado em 1925 por Stefan Zweig, o escritor austríaco que viria a se exilar no Brasil durante a 2ª Guerra Mundial. Sua versão serviu como base a muitas das adaptações ocidentais modernas, fazendo muito sucesso na França e na Alemanha. Chegou em 1955 ao TBC por Ziembinski, o ator e diretor polonês que também veio para o Brasil fugido da guerra, em 1940.

Décio de Almeida Prado, crítico que ajudou a formar o público do TBC, assim descreve o texto: “‘Voltore’, ‘Corvino’, ‘Corbaccio – Ben Jonson não teria reunido assim esse bando de aves de rapina se não pretendesse escrever a mais estranha e inesperada das comédias: a comédia da morte”.

A trama é verdadeiramente diabólica: o usurário Volpone é um especialista na arrecadação de riquezas e, para mais amealhar, cria uma armadilha: finge estar agonizante e diverte-se com o desfile de bajuladores que, na expectativa de serem contemplados em seu testamento, o cumulam de favores e se prestam a todas as humilhações.

A montagem, de 1955, elevou Ziembinski a um dos mais prestigiados diretores dentro da cia, como também, foi a revelação de Walmor Chagas como um dos protagonistas do conjunto. De alguma forma, Volpone representou o sucesso e a superação cômica de fatos dramáticos que vinham ocorrendo dentro do TBC: o começo da debandada de suas estrelas, com a saída de Tônia Carrero e Paulo Autran para formarem sua própria companhia; além de um incêndio que destruíra parte das instalações do teatro, assim como o cenário da peça, antes da estreia.

A leitura que encerra as comemorações é de A SEMENTE, de Gianfrancesco Guarnieri (1934-2006), às 17h,montada em 1961 no TBC.

“A Semente”, que Guarnieri considerava seu melhor texto teatral, marcou uma ocupação do prédio do TBC pelo diretor e pelo elenco, quando, em meio aos ensaios, o empresário Franco Zampari comunicou ao elenco que a legenda TBC estava encerrada. Os atores dormiram no prédio até conseguirem diversos apoios – do governo do Estado, de empresas e da Comissão Estadual de Teatro, bem como dos teatrólogos Décio de Almeida Prado e Alfredo Mesquita, que permitiram o TBC continuar por mais três anos. Foi um esforço conjunto da classe teatral para manterem atividades e mostrarem a peça, que detém um dos processos de censura mais volumosos e extensos do teatro brasileiro, por tratar de organização política e greves operárias e das muitas vezes conturbadas relações dos trabalhadores com o proscrito Partido Comunista Brasileiro. O espetáculo foi liberado diretamente pelo presidente Jânio Quadros, mas depois entravado de novo pela Censura Federal, até ser aprovado para maiores com algumas modificações.

A direção de “A Semente” é de CIBELE FORJAZ (diretora da Cia. Livre de SP, professora no Departamento de Teatro da ECA-USP). A leitura também marca os trinta anos de morte do diretor paulista Flávio Rangel (1934-1988). No elenco estarão Celso Frateschi, Denise Fraga, Lúcia Romano e atores e atrizes colaboradores da Cia. Livre.

CARMEN.png

70 Anos do TBC – Leitura Cênica

Auditório da Biblioteca Mário de Andrade (R. da Consolação, 94 – República, São Paulo)

25/01

Sexta – Volpone (14h30) e A Semente (17h)

Grátis, com senhas distribuídas uma hora antes de cada espetáculo.

Classificação 14 anos

Volpone

Com Daniel Alvim, Luciano Gatti, Joca Andreazza, Sérgio Pardal, Elcio Nogueira Seixas, Vera Bonilha, Johana Albuquerque, Cacá Toledo, Luciano Schwab

A Semente

Com Atores-criadores da Cia. Livre e convidados:Adriano Salhab, Elcio Nogueira (à confirmar), Fernanda Haucke, Lucia Romano, Marcos Damigo, Raoni Garcia, Sergio Siviero, Denise Fraga e Celso Frateschi

CINDY

Acabar com as definições atuais de homem e mulher e apresentar um novo gênero, livre de tabus e sem tantas predefinições. Esta é a missão de Cindy Spencer, que se autointitula “A Nova Mulher”. A comédia Cindy, com dramaturgia de Gabriel Miziara Marcelo Lazzaratto, é inspirada em personagens de autores homossexuais, como Caio Fernando Abreu, Oscar Wilde, Gore Vidal e Pedro Almodóvar, figuras que desafiam a fronteira dos gêneros conhecidos.

Pensei em fazer uma colcha de retalhos de diversos autores. No entanto, durante o período de pesquisa e o começo dos ensaios, conversando com Marcelo Lazzaratto, entendemos que poderíamos construir uma única figura baseada em várias personagens e, assim, discutir o masculino e o feminino presentes em um único ser. E fazemos isso através do humor e não do drama”, explica Miziara, que também dá vida à protagonista.

Outras referências da peça são o livro “Amor em Tempos Sombrios”, do irlandês Colm Tóibim, textos das escritoras Elisabeth Bishop, Gertrud Stein e Marguerite Yourcenar e autorretratos do ícone da pop art Andy Warhol vestido de drag queen.

Fã do cinema das décadas de 1930 e 1940, Cindy tem o sonho de ser atriz, por isso, os mitos hollywoodianos estão constantemente presentes em sua fala. Não há nada que a excite mais do que um bom desafio. Seu ex-marido Prince Spencer cometeu suicídio, e, desde então, ela faz análise via correspondência com o terapeuta e dentista Dr. Boyle.

Este trabalho marca o retorno de uma longa parceria entre Lazzaratto e Miziara. Gabriel integrou por mais de dez anos a Cia Elevador de Teatro Panorâmico, dirigida por Lazzaratto. Este é o primeiro projeto dos dois juntos, depois que o ator deixou a Companhia.

SINOPSE

Cindy Spencer, que se autointitula “A Nova Mulher”, tem a missão de apresentar outras possibilidades de vivenciar o ser humano, para além das noções de homem e mulher, um outro gênero, sem tantas predefinições e tabus. A peça é livremente inspirada em personagens de Caio Fernando Abreu, Gore Vidal, Oscar Wilde e Pedro Almodóvar, nos autorretratos Andy Warhol montado de drag queen e em textos de Elisabeth Bishop, Gertrud Stein e Marguerite Yourcenar.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Cindy
Com Gabriel Miziara
Duração: 60 minutos
Classificação: 14 anos
Biblioteca Municipal Mário de Andrade – Auditório Rubens Borba de Moraes (Rua da Consolação, 94, Centro, São Paulo)
04 a 25/09
Segunda – 19h
Ingresso grátis (Distribuição de ingressos 30 minutos antes de cada sessão)
Viga Espaço Cênico – Sala Piscina (Rua Capote Valente, 1323, Sumaré, São Paulo)
2 a 31/10
Segunda e Terça – 21h;
$40

 

QUASE UMA ADAPTAÇÃO

Resultado de uma pesquisa iniciada em 2014, no centenário do autor argentino Julio Cortázar, pela Nossa Companhia, a peça Quase Uma Adaptação estreia no dia 12 de fevereiro, sexta-feira, às 20 horas, no Auditório da Biblioteca Mario de Andrade.
Primeira montagem profissional de um texto do dramaturgo Lucas Lassen, tem direção da atriz e produtora Tatiana Bueno, e elenco formado pelos atores Alexandra DaMattta, Bia Toledo e Everson Romito.
A certeza de que a montagem deveria acontecer veio depois que Tatiana e Lucas participaram do Ato Público de reconhecimento ao registro de 22 coletivos teatrais como Patrimônio Cultural Imaterial da Cidade de São Paulo. “Fizemos um paralelo do conto de Cortázar, por meio da alegoria de uma casa sendo tomada com o momento artístico do teatro paulista. O centro de São Paulo passa por um processo de gentrificação que afeta , companhias e grupos, que mesmo tombados não tem garantia da continuidade de seus espaços, e muitos estão perdendo suas sedes por conta da especulação imobiliária. Com isso, temos que pensar que cidade queremos. ”, explica Lucas.
Esse é o segundo trabalho da Nossa Companhia, que é um coletivo de arte aberta, sem nomes fixos e que pode ter novos integrantes a cada trabalho.
Quase Uma Adaptação mostra a história de um grupo de teatro, que tem a sua sede, e está montando uma peça baseada no conto Casa Tomada, de Júlio Cortázar, no qual a história é centrada em dois irmãos, mergulhados na mesma rotina que se resume a casa em que vivem. Subitamente ela é tomada por barulhos inusitados e desprovidos de razão, e sem questionar seus ocupantes não veem outra saída senão abandonar o casarão. Nesta adaptação, no decorrer dos ensaios acontecimentos fantásticos mudam o cotidiano do grupo e aos poucos as duas realidades, conto e vida, se fundem até o momento que o teatro é tomado.
O nome do espetáculo é um reflexo do que acontece com os personagens da peça, que não conseguem finalizar a adaptação por conta dos ruídos externos. Segundo o dramaturgo Lucas Lassen, apesar de não ser uma versão literal do texto de Cortázar, a peça segue a mesma estrutura do conto e em determinado momento os personagens passam a viver o que os personagens do conto vivem.
O conto de Cortázar é desconstruído , assim como tudo o que o público vê na primeira parte do espetáculo. Uma metáfora sutil disso são os dois cachecóis que uma das atrizes produz em cena usando a técnica de tricô de mãos. Ela tricota, desfaz e refaz todo o trabalho ao longo da peça.
Quase_uma_Adaptacao_-_Nossa_Companhia_-_Joao_Valerio__4
 
Quase Uma Adaptação
Com Alexandra DaMatta, Bia Toledo e Everson Romito
Auditório da Biblioteca Mario de Andrade (Rua da Consolação, 94 – Consolação, São Paulo)
Duração 60 minutos
12/02 até 20/03
Quinta, Sexta e Sábado – 20 horas; Domingo – 18 horas
Recomendação 12 anos
Entrada gratuita
 
Texto – Julio Cortázar.
Dramaturgia – Lucas Lassen.
Direção –Tatiana Bueno.
Consultoria Histórica – Ricardo Cardoso.
Preparação de Atores – Inês Aranha.
Iluminação – Lisa Medeiros.
Cenário e Figurino – Osvaldo Piva.
Trilha Original – Ivan Chiarelli.
Costureira – Therezinha Bueno.
Fotos – João Valério.
Video – FVFilmes.
Realização – Prêmio Zé Renato de Teatro.
Idealização – Nossa Companhia.
Produção – Clube do Mecenas.