AS PALAVRAS DA NOSSA CASA

O Núcleo Teatro de Imersão estreia a peça imersiva e itinerante “As Palavras da Nossa Casa”, livremente inspirada em obras do cineasta sueco Ingmar Bergman (1918-2007), no dia 17 de janeiro de 2020, na Casa das Rosas, da Rede de Museus-Casas Literários da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo, gerenciada pela Poiesis. Sem separação entre palco e plateia, a ideia é que o público seja conduzido por diferentes cômodos dessa mansão histórica na Avenida Paulista para acompanhar a história. A temporada segue até 27 de março (totalizando 20 apresentações), com sessões duplas às sextas-feiras, às 18h30 e às 20h. Os ingressos custam até R$60.

A dramaturgia da peça foi escrita por Adriana Câmara, que também assina a direção, e Glau Gurgel a partir de vários filmes de Bergman. “A principal referência é o ‘Sonata de Outono’ (1978), que tem uma personagem a mais. Fomos reduzindo os personagens, situações e a quantidade de espaços para poder fazer na Casa das Rosas. Mas também fazemos referências a ‘Morangos Silvestres’ (1957), ‘Através do Espelho’ (1961) e ‘Gritos e Sussurros’ (1972). O espetáculo tem elementos de vários longas dele”, revela a diretora.

Situada nos anos de 1960, a trama narra a visita da famosa cantora lírica Charlote (interpretada pela atriz Gizelle Menon) ao casarão que sua filha única, Eva (Adriana Câmara), divide com o marido Victor (Glau Gurgel), que é um pastor presbiteriano. As duas, que não se vêm há bastante tempo, tentam se reaproximar e resolver questões dolorosas do passado, como o fato de que a filha precisou lidar com a perda de seu único filho, enquanto a mãe tentava administrar as demandas de sua carreira internacional.

Para resgatar os sentimentos nobres que ainda existem entre elas, mãe e filha precisam encarar todas as mágoas, e, nesse processo, acabam proferindo palavras muito duras, de que, possivelmente, se arrependerão. A montagem sensível busca a identificação imediata com o espectador, ao tratar de temas como o amor, as cobranças e expectativas na criação dos filhos, as diferenças de geração, a falta de comunicação em relacionamentos, a esperança e os recomeços após dores profundas, em uma abordagem que parte de situações e conflitos parecidos com os que todos já vivenciaram ou testemunharam.

Os espectadores assistem a tudo isso acomodados em cadeiras espalhadas pelos diferentes cômodos da Casa das Rosas, como se estivessem mesmo na residência das personagens, e são obrigados pela própria cena a mudar de ambiente. “Pensamos em fazer a peça para a Casa das Rosas, que foi moldando totalmente a encenação. Nesse tipo de teatro, temos que fazer tudo pensando em um espaço, porque se mudamos de lugar, temos que trocar, por exemplo, todas as marcações”, revela Adriana sobre o processo criativo.

“As Palavras da Nossa Casa” é o segundo espetáculo do Núcleo Teatro de Imersão. A primeira peça do grupo, “Tio Ivan”, ganhou o Aplauso Brasil 2018 na categoria Melhor Espetáculo de Grupo por voto popular.

FACE

As Palavras da Nossa Casa

Com Adriana Câmara, Glau Gurgel, Gizelle Menon

Casa das Rosas (Avenida Paulista, 37, Bela Vista – São Paulo)

Duração 60 minutos

17/01 a 27/03 (exceto dia 21/2)

Sexta – 18h30 e 20h

$60 (Venda de ingressos no local da apresentação é realizada apenas 30 minutos antes de cada sessão)

Classificação 14 anos

A PAIXÃO DO VAZIO

Estreia no dia 1º de novembro, sexta-feira, o solo de Helder Mariani, A Paixão do Vazio, na Casa das Rosas – Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura, às 20 horas. O texto do espetáculo teatral, dirigido por Dagoberto Feliz, traz poemas de Horácio Costa, em sua maioria do livro Satori, e escritos autobiográficos da mística espanhola Teresa d’Ávila, alinhados com canções populares.

Ambientado em um cabaré, o monólogo traça um itinerário poético-espiritual do homem moderno, que vive dilacerado entre a fé e a razão. “Ele é um solitário vivendo a noite escura da alma”, comenta o ator. A trajetória da personagem passa pelos tormentos da alma até o êxtase ou “satori”. Os poemas e textos que compõem a dramaturgia ora são apresentados de forma poética, ora diretamente à plateia. E os momentos musicais trazem mais lirismo à encenação.

O ator e dramaturgo – assim como em outros projetos poéticos, entre eles a série de espetáculos Poeta em Cena (de 2008 a 2010), realizados na Casa das Rosas, a qual integra a Rede de Museus-Casas Literários da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo, gerenciada pela Poiesis – trabalha com o teatro épico, transformando a poesia em dramaturgia.  Uma passagem representativa desse discurso em A Paixão do Vazio é a cena do poema que dá nome ao espetáculo, escrito por Horácio Costa em memória de Ana Cristina César, poeta marginal que se suicidou em 1983, aos 31 anos, com quem ele se correspondia, mas não houve tempo de se conhecerem. Na encenação, essa história é narrada para o público.

A Paixão do Vazio dá continuidade à linha de pesquisa que Helder vem desenvolvendo nos últimos anos, iniciada com Theresinha, a partir dos textos autobiográficos e poéticos de Theresa de Lisieux. A segunda montagem foi João da Cruz, inspirada nos escritos de São João da Cruz, poeta e místico espanhol do século XVI, assim como Teresa d’Ávila, sua contemporânea. Os três foram carmelitas descalços que viveram essa ‘noite escura’ nos questionamentos de suas existências. Segundo Helder, “esse termo se refere ao conflito pessoal, à busca pelo sentido da vida que sempre atormentou o homem e que, de forma mais intensa, ainda ocorre em tempos atuais, levando à depressão e aos altos índices de suicídio, principalmente entre os jovens”.

Em junho deste ano, A Paixão do Vazio foi apresentado no formato de leitura dramática no Chico Discos, um casarão-bar frequentado por poetas e intelectuais, em São Luiz (MA). E o livro Satori, de Horácio Costa, que teve sua primeira edição em 1989, foi relançado recentemente pela editora Sexo da Palavra, de Uberlândia, MG.

FACE (1)

A Paixão do Vazio

Com Helder Mariani

Casa das Rosas – Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura (Av. Paulista, 37 – Bela Vista. São Paulo)

Duração 60 minutos

01 a 29/11 (15/11 – não haverá apresentação)

Sexta – 20h

$40

Classificação 16 anos