O PIROTÉCNICO ZACARIAS

Conhecido e consagrado na cena teatral brasileira em seus quase 50 anos de atuação, o Grupo Giramundo construiu uma trajetória que inclui um vasto repertório com mais de 35 espetáculos teatrais, 1.500 bonecos confeccionados e objetos de cena, além da participação na formação teatral de diversos nomes importantes da dramaturgia e teatralidade contemporânea do país.

Agora, o Giramundo promove em São Paulo, a temporada de estreia do espetáculo “O Pirotécnico Zacarias”, montagem que dialoga e experimenta as linguagens do teatro e do cinema, apresentando 5 adaptações de contos de Murilo Rubião, considerado um dos mais significativos escritores da literatura fantástica no Brasil.

O espetáculo é resultado da nova vertente de trabalho do grupo, que após mais de 30 anos atuando especificamente como um grupo de teatro passa a promover ações como a formação de um núcleo multimídia experimentador de uma cena de animação, convivendo com bonecos reais e suas versões digitais.

Essa mistura do teatro de bonecos, vídeo, animação, música, dança e artes plásticas que originaram neste mais recente espetáculo do grupo, poderá ser visto a partir do dia 19 de abril, no Centro Cultural Banco do Brasil São Paulo (CCBB SP). A temporada segue até 24 de junho.

O PIROTÉCNICO ZACARIAS

A dramaturgia foi construída a partir da continuidade entre os roteiros de cada adaptação, estabelecendo uma conexão entre 5 contos de Rubião, interligados pela figura central do Pirotécnico Zacarias. Assim, o público é convidado a acompanhar a história do próprio protagonista, seguida pelas adaptações de “O Ex-Mágico”, “Teleco, o Coelinho”, “O Bloqueio” e “Os Comensais”.

Desde o início dos anos 2000 temos norteado nossa produção na experimentação com outras mídias, principalmente com as possibilidades híbridas com o audiovisual. Com a montagem “Pirotécnico Zacarias” fomos mais além, trazendo o cinema como um processo duplo de planejamento e produção, seguindo convenções de realização focadas na criação de um filme, mas ao mesmo tempo incorporando as características cinematográficas para uma linguagem teatral. É um campo cênico híbrido, que corresponde à uma inquietude midiática de sentimentos no mundo contemporâneo.”, conta Marcos Malafaia, diretor da montagem.

O espetáculo traz como novidade a influência do cinema no campo da linguagem e na própria construção da composição de cena. Contudo, apesar de seguir uma nova linha de experimentação no que diz respeito às possibilidades técnicas e linguísticas do teatro, a montagem mantém o rigor metodológico e a atenção estética no planejamento e produção que é adotado pelo Giramundo desde a década de 70. Assim, incorpora formas e temas adultos, dialogando com questões formais, plásticas e políticas complexas e essências para o mundo contemporâneo, seja para o contexto cultural e social, ou para a cena teatral.

Os contos de Murilo Rubião são surpreendentemente contemporâneos e importantíssimos para a cultura brasileira, apesar de não serem tão populares entre o público. À medida que realizamos as adaptações e experimentações para construção do espetáculo, percebemos que eles vão ficando cada vez mais eloquentes e que possuem traços cinematográficos fortes. Por isso, enxergamos não só a necessidade, mas também a importância em trazer vida à obra de Rubião.”, conta o diretor.

A montagem estreou oficialmente em Belo Horizonte, onde fica a sede do grupo e inicia a circulação nacional pela capital paulista. Depois, segue ainda para Rio de Janeiro e Brasília. Serão ao todo, 107 apresentações do espetáculo, transformando-se na maior temporada da história do grupo Giramundo desde a sua fundação, em 1970.

FACE

O Pirotécnico Zacarias

Com Grupo Giramundo

Centro Cultural Banco do Brasil SP (rua Álvares Penteado, 112 – Centro, São Paulo)

Duração 70 minutos

19/04 até 24/06

Sexta e Sábado – 20h, Domingo – 18h, Segunda – 20h

$30

Classificação 12 anos

VAMOS COMPRAR UM POETA

Inspirado no livro homônimo de Afonso Cruz, o musical infantojuvenil inédito Vamos Comprar um Poeta estreia no dia 23 de março, no Centro Cultural Banco do Brasil São Paulo (CCBB São Paulo), e segue em cartaz até 31 de agosto.

O musical narra a chegada de um Poeta à casa de uma família comum. Nesse lar, moram um pai que só pensa em ganhar dinheiro; uma mãe que organiza todos os dias os trabalhos domésticos; uma menina esperta e curiosa que gosta de entender o significado das coisas; e um menino que adora fazer contas.

O poeta ensina os pequenos a observar borboletas, compor os próprios poemas e aprender a dar abraços. A montagem cria uma divertida reflexão sobre a nossa capacidade de invenção, fazendo um importante paralelo entre cultura e economia. É uma homenagem à cultura, em um espetáculo que mistura poesia, música e dança.

Vamos Comprar um Poeta é a última parte da trilogia de histórias de amor para crianças, composta também pelos premiados musicais A Gaiola e Contos Partidos de Amor.

FACE

Vamos Comprar um Poeta

Com Letícia Medella, Luan Vieira, Sergio Kauffmann

Centro Cultural Banco do Brasil (R. Álvares Penteado, 112 – Centro, São Paulo)

Duração 60 minutos

23/03 até 31/08

Sábado – 11h

$30

Livre

A CATÁSTROFE DO SUCESSO

Desde outubro de 2018, o diretor Marco Antônio Pâmio e a atriz Camila dos Anjos, criadora da Episódica Companhia, ocupam o Instituto Cultural Capobianco em uma residência artística que possibilitou o aprofundamento da pesquisa, desenvolvimento de linguagem, tradução de textos, ensaios e montagem da peça A Catástrofe do Sucesso.

Trata-se de uma união das peças Mister Paradise e Fala Comigo Como a Chuva e me Deixa Escutar com o artigo autobiográfico A Catástrofe do Sucesso, todos de autoria do dramaturgo americano Tennessee Williams (1911 – 1983).

Marcando os 19 anos do Instituto Cultural Capobianco e os 10 de sua residência artística, o espetáculo estreia dia 8 de março, sexta-feira, 20 horas, no Instituto Cultural Capobianco (Rua Álvaro de Carvalho, 97 – Centro). Camila dos Anjos, idealizadora do projeto, também está em cena ao lado do ator Iuri Saraiva.Com figurino e direção de movimento de Marco Aurélio Nunes, iluminação de Wagner Antônio e trilha sonora de Gregory Slivar, a montagem tem cenário minimalista, criado por Cesar Rezende, e recursos do teatro físico trabalhados por Marco Aurélio Nunes com os atores.

Residência

Sobre a residência artística no Capobianco, Pâmio ressalta que a iniciativa possibilitou a verticalização de todos os aspectos que compõem uma montagem cênica. “O fato de termos quase seis meses para ensaiar nos permitiu dedicar cinco semanas inteiras somente ao trabalho de mesa e análise de texto, além de realizar uma pesquisa muito mais aprofundada sobre a obra de Tennessee Williams como um todo, o que seria inconcebível num processo tradicional de montagem”, diz.

Camila dos Anjos complementa que a residência também se destaca por possibilitar que os ensaios ocorram no mesmo lugar em que a peça fará temporada, o que auxilia no ganho de intimidade dos atores com o espaço. “Foi possível conduzir o processo com liberdade e com um tempo ideal para cada etapa”, ressalta a atriz.

A peça marca uma continuidade da parceria de Camila dos Anjos e Marco Antônio Pâmio, que, em 2014, montaram a peça Propriedades Condenadas, união de dois textos curtos de Tennessee Williams: Esta Propriedade Está Condenada Por Que Você Fuma Tanto, Lily?. Neste novo projeto, a dupla optou po exibir as peças na íntegra e em sequência, entremeadas por trechos do artigo de Williams. Para Pâmio, querer picotar e alternar os textos ou movê-los de outra forma poderia confundir o espectador ou propor um “invencionismo” desnecessário aos escritos de Williams. O artigo está dissolvido em três momentos: no início, entre as duas peças e no final.

Para Pâmio, o maior desafio do projeto foi criar um fio narrativo que fizesse com que os três textos dialogassem entre si. Durante o processo, a pesquisa do quinteto – formado por Pâmio, Camila, Iuri Saraiva, o assistente de direção Gonzaga Pedrosa e o diretor de movimento Marco Aurélio Nunes – incluiu também o documentário Tennessee Williams: Orfeu do Teatro Americano que, segundo o diretor, é um material fundamental para quem quer se aprofundar na obra de Williams. “Como resultado, chegamos a uma narrativa clara, onde as ideias aparecem de forma a aproximar a plateia do mundo e da cabeça de Tennessee Williams, e não a afastar dele”, diz o diretor.

Camila chegou às peças Mister Paradise e Fala Comigo Como a Chuva e me Deixa Escutar enquanto buscava textos e personagens que fossem projeções autobiográficas das experiências vividas pelo autor. A atriz explica que a obra de Williams se baseia essencialmente nos seus conflitos familiares. Filho de mãe com temperamento instável e extremamente opressora e de um pai alcoólatra e viciado em jogos, o artista também teve que lidar com a internação psiquiátrica de sua irmã Rose, que em seguida foi submetida a um tratamento de lobotomia que a incapacitou pelo resto da vida.

Das memórias desse ambiente familiar ríspido, Tennessee encontrou inspiração para criar suas personagens e um universo imaginário”, conta Camila. Segundo ela, o artigo A Catástrofe do Sucesso não é apenas um elemento de inspiração, mas sim um recurso dramatúrgico que une os dois textos e serve como base textual para o espetáculo.

Nele, o autor discorre sobre a dificuldade de lidar com a fama e o reconhecimento repentino devido ao sucesso de sua primeira peça, À Margem da Vida. “Nas duas peças as personagens são cheias de camadas e conexões com o artigo A Catástrofe do Sucesso. São personagens que experimentam o desejo de exílio, inadequações e conflitos familiares, questões que eram reais e que Tennessee sublimava na sua escrita”, diz Camila.

Mister Paradise conta a história de um escritor de um único livro de poemas que recebe a visita de uma estudante após anos recluso em seu apartamento; Fala Comigo Como a Chuva e me Deixa Escutar acompanha a trajetória de um casal perturbado que vive um de seus muitos momentos de crise em meio a sua relação disfuncional.

Marco Antônio Pâmio avalia que Tennessee se projeta nas personagens desajustadas que existem nas duas peças. “Só que desta vez as peças são alinhavadas pelo artigo A Catástrofe do Sucesso, em que o autor faz um depoimento contundente sobre sua relação com a fama, as consequências sofridas por quem a tem como objetivo principal na realização artística e de como ela pode se revelar um animal traiçoeiro e implacável”, complementa o diretor.

Sinopses

A Catástrofe do Sucesso – O artigo é um depoimento publicado pelo New York Times em 1947, em que Tennessee revela como o sucesso da noite para o dia de sua primeira peça, À Margem da Vida, o lançou do anonimato para o hall da fama; de como, do precário aluguel de quartos mobiliados em várias regiões do país, ele foi parar em um apartamento de hotel de primeira classe e de quanto esse processo foi surpreendentemente estéril e interferiu diretamente na sua capacidade de criação.

Mister Paradise – Uma garota encontra em um antiquário um livrinho de versos que servia como calço para uma mesa. Encantada com a poesia contida no livro, ela começa a escrever cartas para o autor. Não obtendo resposta, ela decide ir até a residência de Anthony Paradise, o autor do livro, com o objetivo de conhecê-lo e resgatar sua obra esquecida. Há um embate entre eles, pois Mister Paradise é extremamente descrente em relação ao poder que a arte pode exercer na sociedade atual.

Fala Comigo Como a Chuva e me Deixa Escutar – Em um quarto mobiliado na Oitava Avenida de Manhattan, um homem e uma mulher mantêm uma relação distante. A situação em que vivem é precária e sem esperança de mudança. Ele começa a narrar para a mulher o pouco que recorda da noite anterior e propõe uma reaproximação. Para confrontar a solidão de seu presente, a mulher começa a narrar um futuro repleto de situações que não acontecerão. Em sua imaginação ela se registrará sob um nome falso, em um pequeno hotel da costa, onde envelhecerá.

CARMEN

 A Catástrofe do Sucesso

Com Camila dos Anjos e Iuri Saraiva

Instituto Cultural Capobianco (R. Álvaro de Carvalho, 97 – Centro, São Paulo)

Duração 60 minutos

08/03 até 28/04

Sexta e Sábado – 20h, Domingo – 18h

$30

Classificação 14 anos

PEÇA PARA ADULTOS FEITA POR CRIANÇAS

É uma peça provocativa feita por crianças para adultos assistirem. Cada criança pensa, atua, dança Hamlet a partir das próprias experiências de vida, a partir da condição singular de cada uma. O texto foi escrito juntamente com as crianças e Elisa Ohtake respeitou o nível e o limite de entendimento que cada uma das cinco crianças tem de Hamlet de W. Shakespeare. “As crianças mergulham em Hamlet, ou seja, na apoteose da consciência humana, na entidade do mundo ocidental em crise, para aí sim poderem fazer estudos do transumano, de novas possibilidades do humano, da expansão da noção de humanidade. É o mergulho em Hamlet que permite a imaginação delas voar para o transumano” diz Ohtake.

As crianças atuam, dançam, vivem, passam por Hamlet, fazem estudos do transumano em todas as paredes do teatro, inventam brincadeiras para adultos contra a chatice, contra o antropocentrismo, contra a morte em vida. Posto isso, a peça vasculha como o mundo infantil pode potencializar o mundo adulto e vice-versa.

Os ensaios da peça duraram cerca de um ano e meio, sem parar e sem patrocínio algum. Em tempos catastróficos, obtusos e medrosos como o nosso Elisa Ohtake e as cinco crianças, sem desânimo, fizeram a dificuldade se transformar em força de união numa espécie de equipe de guerrilha amorosa resistente no backstage da produção.

A peça termina com a participação do ator Paulo César Pereio que entra em cena nos últimos 15 minutos. “Existem âmbitos de Hamlet nos quais, obviamente, crianças não penetram, não entendem ainda. Até para adultos Hamlet não é de todo compreensível, ele bruxuleia. Por isso a participação de Pereio, grande ator aparentemente oposto ao mundo infantil, é crucial”, explica Ohtake. “Há forças no mundo pedindo outras configurações e uma das questões principais do pensamento filosófico de hoje é saber como ultrapassar a figura chata do homem, que esteja para além da ideia egoísta de indivíduo. Essa questão também está sugerida em Hamlet, ‘a entidade do ocidente em crise’. Por isso, em PEÇA PARA ADULTOS FEITA POR CRIANÇAS, Hamlet e sua consciência infinita serviram de ponto de partida”, conclui Ohtake.

CARMEN (2).png

Peça para Adultos feita por Crianças

Com Davi Hamer, Felipe Bisetto, Joana Arantes, Michel Felberg, Vitória Reich e Paulo Cesar Pereio

Duração 90 minutos

Espaço Parlapatões (Praça Franklin Roosevelt, 158 – Centro, São Paulo)

10/02 a 31/03

Domingo – 19h

$30

Classificação 10 anos

A CABEÇA DE YORICK

os Parlapatões estreiam a peça A Cabeça de Yorick, no Espaço Parlapatões. Em cena Hugo Possolo, Raul Barretto e Nando Bolognese revelam como palhaços encaram os assuntos trágicos.

Na mais famosa tragédia de Shakespeare, Hamlet, a única cênica cômica é a dos coveiros. Hamlet empunha caveiras nas mãos e se depara com a de Yorick, que foi o bobo da corte e alegrou sua infância. A imagem que mais representa a tragédia do velho bardo é de Hamlet com caveira erguida. Ou seja, o momento da tragédia que ficou imortalizado no imaginário é exatamente aquele no qual a comédia está destacada pela tragédia. Neste espetáculo, os palhaços buscam uma inversão, levantando imagens trágicas dentro do ambiente cômico.

Em diferentes quadros da peça, que têm uma sutil ligação entre si, os três palhaços se vêm diante da perda e da finitude para buscar saídas, cujo ângulo de visão busca fugir do trágico ou que, ao menos, contenha alguma esperança. Os três circulam em variadas abordagens como a de uma palestra motivacional sobre a vida eterna até outro quadro que traz um compêndio de diferentes maneiras de se suicidar. Em outro quadro, um palhaço se surpreende pelo encontro com o corpo de outro palhaço morto, descrevendo todas as suas impressões tragicômicas levadas ao absurdo da compreensão cômica sobre a vida. O público participa, feito por jogo de improviso, dando ideias sobre como a inversão dos ícones básicos da tragédia podem ser vistos, revistos e anarquizados pela comédia.

A Cabeça de Yorik é mais um resultado da pesquisa que os Parlapatões em torno da figura do palhaço e do bufão. A peça é mais das atividades do grupo Parlapatões, comtemplado pelo Programa de Fomento ao Teatro da Cidade de São Paulo, da Secretaria Municipal de Cultura. 

CARMEN (3)

A Cabeça de Yorick

Com Hugo Possolo, Raul Barretto e Nando Bolognese

Espaço Parlapatões (Praça Franklin Roosevelt, 158 – Centro, São Paulo)

Duração 55 minutos

16/10 até 07/11

Terça e Quarta – 21h

$40

Classificação 12 anos

OS ARQUEÓLOGOS

Depois de uma temporada de estreia aclamada por público e crítica e da participação no Festival de Curitiba e Palco Giratório (Porto Alegre), Os Arqueólogos volta à São Paulo em temporada no Instituto Cultural Capobianco. Escrito por Vinicius Calderoni, dirigido por Rafael Gomes interpretado por Guilherme Magon e Vinicius Calderoni.

O espetáculo rendeu o Prêmio APCA 2016 na categoria Melhor Autor para Vinicius Calderoni e recebeu outras quatro importantes indicações (Prêmio APCA: Melhor Espetáculo; Prêmio Shell: Melhor Autor; Prêmio Aplauso Brasil: Melhor Autor e Melhor Espetáculo de Grupo).

Dois narradores transmitem – com linguagem que parodia os jargões de modalidades esportivas como futebol, boxe e automobilismo – cenas corriqueiras que se passam na praça de uma grande cidade:  um pai que ensina ao filho como fotografar com uma câmera analógica, um casal que discute na calçada, uma garota que conta quanto tempo cada pessoa demora pra desfazer o sorriso do rosto depois que se despede de um conhecido, etc. Dois arqueólogos do futuro avaliam com rigor científico e frieza vestígios de uma estranha civilização: a nossa.

O oitavo espetáculo da Cia. Empório de Teatro Sortido detém-se na grandeza do ínfimo: dependendo do valor que se atribui a cada gesto cotidiano, o ordinário converte-se em extraordinário. Assim se ergue uma costura de pequenos detalhes mundanos que constituem algo próximo de uma “arqueologia íntima” para traçar um painel do nosso tempo.

O texto de Os arqueólogos foi publicado em livro em agosto de 2018 pela Editora Cobogó, bem como os três textos que compõem a Trilogia Placas Tectônicas, escrita por Vinicius Calderoni e composta por Não nem nada (Indicada ao Prêmio Shell de Melhor Autor), Ãrrã (Vencedora do Prêmio Shell de Melhor Autor) e Chorume.

CARMEN (3)

Os Arqueólogos

Com Guilherme Magon e Vinicius Calderoni

Instituto Cultural Capobianco (R. Álvaro de Carvalho, 103 – Centro, São Paulo)

Duração 60 minutos

02/10 até 18/12 (não haverá espetáculo no dia 06/11)

Terça – 21h

$50

Classificação 12 anos

CARMEN, A GRANDE PEQUENA NOTÁVEL

Há exatos 90 anos Carmen Miranda (1909-1955) cantava pela primeira vez na rádio carioca Roquete Pinto. Portuguesa radicada no Brasil, a cantora estava prestes a se tornar um dos maiores símbolos da cultura brasileira para todo o mundo. Em comemoração a essa data, Carmen, a Grande Pequena Notável, com direção de Kleber Montanheiro, estreia no dia 15 de setembro no Centro Cultural Banco do Brasil São Paulo (CCBB SP). O espetáculo fica em cartaz até 26 de janeiro de 2019, com apresentações aos sábados, às 11h.

O musical é inspirado no livro homônimo de Heloísa Seixas e Julia Romeu, que venceu o Prêmio FNLIJ de Melhor Livro de Não Ficção em 2015. Quem dá vida à diva é a atriz Amanda Acosta, que divide o palco com Daniela Cury, Luciana Ramanzini, Maria Bia, Samuel de Assis e Fabiano Augusto. Os músicos Maurício Maas, Betinho Sodré, Monique Salustiano e Marco França também estão em cena.

Para contar essa história, o espetáculo adota a estrutura, a estética e as convenções do Teatro de Revista Brasileiro, no qual Carmen Miranda também se destacou. “Utilizamos a divisão em quadros, o reconhecimento imediato de tipos brasileiros e a musicalidade presente, colaborando diretamente com o texto falado, não como um apêndice musical, mas sim como dramaturgia cantada”, explica o diretor Kleber Montanheiro.

Esse tradicional gênero popular faz parte da identidade cultural brasileira, mas recentemente está em processo de desaparecimento da cena teatral por falta de conhecimento, preconceito artístico e valorização de formas americanizadas e/ou industrializadas de musicais.

A encenação tem a proposta de preservar a memória sobre a pequena notável, como a cantora era conhecida, e a época em que ela fez sucesso tanto no Brasil como nos Estados Unidos, entre os anos de 1930 e 1950. Por isso, os figurinos da protagonista são inspirados nos desenhos originais das roupas usadas por Carmen Miranda; já as vestes dos demais personagens são baseadas na moda dessas décadas.

As interpretações dos atores obedecerão a prosódia de uma época, influenciada diretamente pelo modo de falar ‘aportuguesado’, o maneirismo de cantar proveniente do rádio, onde as emissões vocais traduzem um período e uma identidade específica”, revela Montanheiro.

A cenografia reproduz os principais ambientes propostos pelo livro. Esses espaços físicos são o porto do Rio de Janeiro, onde Carmen desembarca criança com seus pais; sua casa e as ruas da Cidade Maravilhosa; a loja de chapéus, onde Carmen trabalhou; o estúdio de rádio; os estúdios de Hollywood e as telas de cinema; e o céu, onde ela foi cantar em 5 de agosto de 1955. Cada cenário traz ao fundo uma palavra composta com as letras do nome da cantora em formatos grandes. Por exemplo, a palavra MAR aparece no porto, e MÃE, na casa dos pais da cantora.

O espetáculo só pôde ser realizado graças aos recursos da 6ª edição do Prêmio Zé Renato de Teatro.

CARMEN.png

Carmen, a Grande Pequena Notável

Com Amanda Acosta, Daniela Cury, Luciana Ramanzini, Maria Bia, Samuel de Assis e Fabiano Augusto

Centro Cultural Banco do Brasil SP (Rua Álvares Penteado, 112, Centro – São Paulo)

Duração 70 minutos

15/09 até 26/01 (sessões extras 12/10, 02/11, 15/11 e 25/01

Sábado – 11h

$20

Classificação Livre