O QUEBRA-NOZES

Cisne Negro Cia de Dança já está pronta para entrar em cena novamente com o espetáculo natalino O Quebra-Nozes, criado por Tchaikovsky em 1891. A obra entra em cartaz dia 9 de dezembro, sábado, no Teatro Alfa, com sessões até dia 20 de dezembro, com matinês aos sábados e domingos.

Além do elenco oficial da companhia, participam também solistas que são primeiros-bailarinos das companhias que fazem parte. Tradicional na cidade, o espetáculo recebeu em 2012 o Prêmio Governador do Estado como Melhor Espetáculo de Dança – preferência popular. 

Com direção artística de Hulda Bittencourt e Dany Bittencourt, conta com a colaboração de ensaiadores renomados na área da dança, a ex-primeira bailarina da Ópera de Wiesbaden na Alemanha e maîtreDaniela Severian, e a ensaiadora da Cisne Negro Cia de Dança Patrícia Alquezar. Este ano também contou com a consultoria artística de Ana Botafogo.

História e efeitos especiais

O Quebra-Nozes conta a história de Clara e seu precioso boneco Quebra-Nozes, presente de seu padrinho, o mago Drosselmeyer. Juntos, eles enfrentam uma cruel batalha contra o Rei dos Ratos e seu exército, viajando pelo Reino das Neves até o Reino dos Doces.  A obra produzida pela Cisne Negro foi apresentada pela primeira vez em 1983 sob a direção de Hulda Bittencourt, recebendo naquele ano  o prêmio da Associação Paulista dos Críticos de Arte (APCA), como Melhor Espetáculo de Dança. Desde então, foi incorporado ao repertório da Cisne Negro Cia de Dança até os dias de hoje. Uma das marcas do grupo é renovar o espetáculo a cada ano, emprestando a ele um toque de originalidade e inovação sem perder sua essência. A diversidade pode ser vista tanto nas coreografias quanto na montagem cênica.

Nos efeitos especiais circenses e na acrobacia de tecido contará com o Circo Escola Picadeiro, considerada uma das mais respeitadas escolas circenses do país, fundada em 1983 por Wilson Moura Leite, que tem em seu currículo grande número de ex-alunos atuando em importantes companhias no exterior, alguns deles inclusive no Cirque Du Soleil.

Corais no saguão

Neste ano de 2017, O Quebra-Nozes contará mais uma vez no seu elenco de Anjos com integrantes da Usina da Dança, projeto social desenvolvido pelo Instituto Oswaldo Ribeiro de Mendonça – IORM, de Orlândia-SP, presidido pela empresária Josimara Ribeiro de Mendonça que atua pelo desenvolvimento integral de crianças e adolescentes na região Nordeste do Estado de São Paulo e mantém parceria com a Cisne Negro Cia. de Dança.

No saguão do Teatro, haverá a apresentação de corais convidados, interpretando músicas natalinas, uma hora antes do início dos espetáculos, sob a coordenação da pianista Maria Inês Vasconcellos.

O espetáculo tem ainda maquiagem e visagismo especial da Equipe Jacques Janine, sob a supervisão de Chloé Gaya. “É uma obra que nos faz embarcar no sonho de Clara, transportando-nos a um mundo de imagens fascinantes, repletas de magia e beleza, que ficam gravadas para sempre em nossas mentes e em nossos corações“, diz Hulda Bittencourt, fundadora da companhia e diretora artística do espetáculo O Quebra Nozes. O Quebra-Nozes é apresentado pelo Ministério da Cultura, PATROCÍNIO: Banco Alfa / Cristália – APOIO: Camarim Artigos para Dança, Jacques Janine, Rascal, Só Dança, Dica do Chef, Giuliana Flores, Via Sapore.

Grade de solistas convidados

Dias 9 e 10 (todas as sessões).

Cícero Gomes – 1º bailarino do Theatro Municipal do Rio de Janeiro.

Mariana Paschoal – Solista da CISNE NEGRO CIA. DE DANÇA

De 12 a 15 de dezembro

Nina Queiroz Damian Tório – Solistas do Ballet Nacional de Sodre (Uruguai)

De 16 a 20.12 (todas as sessões)

Aurora Dicke Dmitry Semionov – Solistas do  Staatsballett Berlin (Alemanha)

Este slideshow necessita de JavaScript.

O Quebra Nozes
Com Cisne Negro Cia de Dança
Teatro Alfa (R. Bento Branco de Andrade Filho, 722 – Santo Amaro, São Paulo)
Duração 120 minutos
09 a 20/12
Segunda, Terça, Quarta e Quinta – 21h, Sexta – 21h30, Sábado – 17h e 20h, Domingo – 15h e 18h
$50/$140
Classificação Livre

UM

UM é o título do espetáculo que a Companhia Moderno de Dança encena nos dias 24, 25 e 26 de novembro na Caixa Cultural São Paulo. O grupo, fundado em 2002, é originário de Belém do Pará e tem a “dança imanente” como proposição teórica e prática em dança.

Pautada no compartilhamento de subjetividades para a criação cênica, a Companhia, que também se configura como grupo de pesquisa, valoriza a construção coreográfica pelas trocas estabelecidas entre o individual (unidade) e o coletivo (múltiplo). A programação é totalmente gratuita e os ingressos devem ser retirados na recepção da Caixa Cultural a partir das 9h nos dias do evento.

A obra baseia-se na ideologia Ubuntu, cuja tradução literal significa: “eu sou o que sou pelo que nós somos”. A palavra, originária do vocabulário dos povos Bantu, da África do Sul, em diálogo com o fazer/pensar da dança imanente, alicerça o conceito do espetáculo, que utiliza práticas de matriz africana e afro-brasileira como recursos técnico-corporais para a pesquisa de movimentos.

O processo de criação cênica emprega elementos da capoeira, da cultura de escolas de samba, das danças afro-baianas e do candomblé, entendidos como matrizes mobilizadoras para a concepção do espetáculo.

UM foi contemplado com o Prêmio Funarte de Dança Klauss Vianna 2013 e já teve duas temporadas em Belém, além de ter circulado pelo interior do estado do Pará e se apresentado em Macapá.

Para a diretora artística Ana Flavia Mendes, “iniciativas como esta da Caixa são grandes oportunidades para difundir a arte produzida no país, de norte a sul. Para nós é muito caro poder dar visibilidade ao que fazemos em outra localidade, longe de casa, sobretudo pela expectativa de troca com o público de outra cidade“.

Além do espetáculo, três atividades paralelas são contempladas pelo projeto, sendo elas: a realização de uma oficina de compartilhamento dos preceitos criativos da dança imanente; uma palestra reflexiva acerca das relações teórico-metodológicas estabelecidas a partir do espetáculo UM e o lançamento de livros que tratam dos processos coreográficos da Companhia Moderno de Dança.

As inscrições para oficina e palestra têm vagas limitadas e podem ser feitas pelo e-mail ciamoderno@gmail.com.

Este slideshow necessita de JavaScript.

UM
Com Companhia Moderno de Dança
CAIXA Cultural São Paulo (Praça da Sé, 111 – Centro, São Paulo)
Duração 50 minutos
24 a 26/11
Sexta, Sábado e Domingo – 19h15
Ingresso grátis (ingressos distribuídos a partir das 9h do dia da apresentação)
Classificação Livre

UM SONHO DE NATAL

Temos na nossa mente o Natal com os cenários brancos, cobertos pela neve; pessoas apaixonadas ao pé da lareira; famílias se reunindo para troca de presentes e a ceia;  decorações espalhadas pela casa inteira; grupos de corais interpretando canções que se perpetuam pelos anos,…

Este espírito natalino chega ao Teatro Porto Seguro, com o espetáculo “Um Sonho de Natal“. O mais novo musical da O Alto Mar Produções (“O Palhaço e a Bailarina“) promete trazer esta imagem para o palco do teatro – com direito a trenó, neve artificial e luzes natalinas. Esta época do ano, inspiradora de boas ações, é a oportunidade perfeita para alegrar os corações tanto de quem propõe a generosidade quanto de quem a recebe.

O musical é estrelado por Kiara Sasso e Lázaro Menezes ao lado de Jonathas Joba, Valentina Oliveira, Gabriel Cordeiro e um coro de 15 crianças. Conta com as participações mais que especiais de Saulo Vasconcelos, Miguel Falabella e Alessandra Maestrini, que alternam o papel antagonista em cada uma das três apresentações, dias 8, 9 e 10 de dezembro.

No espetáculo, com o Natal se aproximando, uma trupe se prepara para contar uma história cheia de mensagem e emoção; Ela ganha rumo com um casal, que tem por hábito compartilhar com seus filhos o verdadeiro significado desta época mágica. Conforme os filhos vão crescendo, eles ensinam que, mais do que esperar presentes do Papai Noel, é possível ser um também, fazendo o bem sem olhar a quem, e mostrando como todos merecem ser tocados pelo generoso espírito natalino, repleto de compaixão e amor, até mesmo aqueles que têm tudo para estar na lista negra do bom velhinho.

Para a caçula, Tina, que chega enfim a idade de entender a importância e se tornar um, ninguém parece ser menos digno do espírito natalino do que um rabugento vizinho, um senhor recluso que é motivo de temor entre as crianças do bairro. Exatamente por isso, com a ajuda de seus pais, e seu irmão Biel – que por ser mais velho já passou por essa experiência, Tina se empenha em ajuda-lo neste ano, tornando ele o alvo principal da família para viver a transformação que só o Natal pode fazer.

O texto e cenografia são de Lázaro Ramos, que divide com Kiara Sasso a direção geral. Kiara também é responsável pelo figurino e pela versão de alguns clássicos natalinos do inglês para o português. A direção musical é de Guilherme Terra, que comanda mais nove músicos da orquestra.  Manu Littiéry e Pedro Arrais são os back vocals do espetáculo. Tato Menezes é o diretor de palco, iluminação de Alexandre Zullu, o som de Alexandre Martins (Japa) e o visagismo de Anderson Bueno.

Natal1

 

Um Sonho de Natal
Com Kiara Sasso, Lázaro Menezes, Valentina Oliveira, Gabriel Cordeiro, Jonathas Joba.
Participações Especiais: Miguel Falabella, Alessandra Maestrini, Saulo Vasconcelos
Coro infantil: Ana Julia Santaniello, Gabi Leão, Mariana Dias, Gabriela Borer, Clara Peralta, Haggi Andrade de Souza, Carol Pelegrini, Isabella Faile, Nina Medeiros, Duda Araújo, Duda Pedroso, Isabella Daneluz e Ana Clara Martins.
Teatro Porto Seguro (Al. Barão de Piracicaba, 740 – ­ Campos Elíseos ­- São Paulo)
Duração 80 minutos
08 a 10/12
Sexta e Sábado – 21h, Domingo – 19h
$90/$120
Classificação Livre

 

NÃO ME RECUPERO DO VAZIO DO SEU CORPO

O projeto Berçário Teatral, que apresenta espetáculos com entrada gratuita no Teatro dos Arcos com o objetivo de revitalizar o espaço cênico localizado na Bela Vista, apresenta o espetáculo “Não me Recupero do Vazio do Seu Corpo”, do OBARA – Grupo de Pesquisa e Criação, com direção de Lu Carion. A estreia acontece dia 25 de novembro e a peça fica em cartaz até 17 de dezembro, aos sábados e domingos, às 19h.

Este é o quinto espetáculo dentre as seis novas produções que compõem o projeto Berçário Teatral. A montagem do OBARA parte de reflexões a respeito do distanciamento, cada vez maior, dos corpos em uma sociedade frenética e saturada de estímulos. A ausência de vínculos e o vazio causado por uma virtualidade excessiva são parte da temática dessa dramaturgia inédita, que se constrói de forma fragmentada, repetitiva, muitas vezes aleatória e descontínua.

A virtualidade tem se tornado uma constante em nossa sociedade contemporânea, que constrói mais relações com o virtual do que com o real. O espetáculo aborda estas questões a partir de jogos e improvisos com partituras corporais que compõem a dramaturgia cênica.  Silvia Camossa,  escritora e ex-integrante do grupo,  recompôs de forma lúdica o texto cênico, a partir de fragmentos de registros dos atores durante processos anteriores.

Partindo da ótica de que o corpo é indissociável de sua sensibilidade, “Não me Recupero do Vazio do Seu Corpo” é uma busca pela reaproximação de corpos tão distanciados de si mesmos, pela urgência de vínculos em tempos de tantas ausências.

SOBRE O GRUPO OBARA – GRUPO DE PESQUISA E CRIAÇÃO

O OBARA – Grupo de Pesquisa e Criação foi criado por Lu Carion em 2001, na USP, a partir de sua pesquisa sobre o treinamento do ator com base na Técnica Klauss Vianna, em parceria com as atrizes Paulina Caon e Veronica Veloso. Hoje o trabalho é desenvolvido na Sala Crisantempo, na Vila Madalena, com novos integrantes. O grupo continua a investigação sobre a aplicação dos princípios e instruções de TKV para o treinamento e processo criativo do artista cênico.

Klauss Vianna foi bailarino, professor, coreógrafo, preparador corporal e diretor teatral. Suas importantes pesquisas  sobre o movimento consciente resultaram em importantes  transformações na concepção, na pedagogia de ensino  e em processos criativos nas artes cênicas.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Não Me Recupero Do Vazio Do Seu Corpo
Com Bia Miranda, Livia Vilela, Luciana Romani, Tássia Melo, Tiago Salgado e Tito Soffredini
Teatro dos Arcos (Rua Jandaia, 218. Bela Vista – São Paulo)
Duração 45 minutos
25/11 até 17/12
Sábado e Domingo – 19h
Entrada gratuita (entrega de convites no local uma hora antes da sessão)
Classificação 12 anos

MANIFESTO INAPROPRIADO

 

As vozes da diversidade estão cada dia mais abafadas pelos discursos de ódio e pelo conservadorismo no Brasil, o país que mais mata sua população LGBT+ no mundo, como mostrou uma pesquisa feita pela Rede TransBrasil e o Grupo Gay da Bahia (GGB), em 2016. Para dar destaque aos anseios desses cidadãos que cansaram de ser oprimidos, a Cia. Histriônica preparou uma ocupação do Teatro de Arena Eugênio Kusnet, entre 15 de novembro e 23 de dezembro, com atividades de formação e a estreia do espetáculo Manifesto Inapropriado.

Dirigida por Rodrigo Mercadante (da Cia. do Tijolo), a peça foi construída coletivamente a partir de vários discursos sobre a população LGBT+, como depoimentos, entrevistas, notícias de jornal e denúncias de LGBTfobia em redes sociais. Alguns dos trágicos episódios citados em cena são as operações policiais Limpeza e Rondão, realizadas nos anos de 1980, com a missão de higienizar as ruas do centro de São Paulo ao retirar violentamente travestis e michês que se prostituíam na região.

A ideia desse manifesto cênico é questionar as estruturas sociais que oprimem à comunidade LGBT+, empoderar essas vozes e propor alternativas aos discursos de ódio por meio da poesia, da música e do canto, levando em conta a complexidade real de todas as questões que cercam esse universo.

A estrutura dramatúrgica da montagem posiciona o espectador em um lugar de pensamento crítico e ativo, sem deixar de  envolvê-lo emocionalmente com as situações mostradas. O elenco conta com os atores Lucas Sequinato e Ton Ribeiro e com os músicos Paulo Ohana e Theo Coelho Yepez.

FORMAÇÃO

A Ocupação da Cia. Histriônica ainda tem uma série de atividades de formação comandadas por artistas e pesquisadores que investigam temáticas LGBT+. Um dos destaques é a oficina “Dramaturgia através da escuta e da empatia”, com Ave Terrena Alves, inspirada em um workshop ministrado pela autora britânica Jo Clifford, em 2014. A ideia é ampliar a sensibilidade dos participantes para as narrativas de outras pessoas.

A programação também conta com a oficina “Representatividade Literária”,  com Helena Agalenéa, que apresenta aos participantes textos de autoras sobre violência contra a mulher para estimulá-los a criar novos produtos textuais (poesia, crônica, prosa ou cenas) com personagens trans representadas de forma adequada e não estereotipada.

Outra atração é a palestra “Gênero se ensina na escola e no teatro. Vamos falar sobre isso?”, de Bernardo Fonseca Machado, que discute os “marcadores sociais da diferença”, mostrando como as discussões sobre gênero, sexualidade, raça e geração estão interligadas. Ele também problematiza formas de poder, de produção de desigualdades e de naturalização da diferença na educação e dentro das convenções estéticas.

Já Gabriel Cruz conduz uma roda de conversa sobre “Masculinidades possíveis e sexualidades não-normativas”, a partir de obras de Paul Preciado e Judith Buttler. A conversa pretende discutir as possibilidades de desconstrução das masculinidades e feminilidades nocivas, além de outros binarismos que cotidianamente oprimem sexualidades não-normativas.

A Cia. Histriônica também compartilha com o público LGBT+ e outros artistas alguns procedimentos criativos de seu novo trabalho, que envolvem técnicas de teatro e canto, na oficina “Manifeste-se”. O objetivo é transformar as experiências, memórias e desejos dos participantes em material cênico.

Espetáculo “Manifesto Inapropriado”

A peça é um manifesto cênico construído a partir da compilação de diversos discursos sobre a população LGBT+, como depoimentos, entrevistas, notícias de jornal, denúncias de LGBTfobia em redes sociais, entre outros. A dramaturgia coletiva e o tratamento estético lidam com toda a complexidade das várias questões presentes nesse universo, transitando entre o lirismo e o humor, entre a beleza e a denúncia, entre os questionamentos e o empoderamento.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Manifesto Inapropriado
Com Lucas Sequinato e Ton Ribeiro.
Músicos: Paulo Ohana e Theo Coelho Yepez
Teatro de Arena Eugênio Kusnet (Rua Dr. Teodoro Baima, 94 – Vila Buarque, São Paulo)
Duração 100 minutos
15/11 até 23/12
Quarta, Quinta, Sexta e Sábado – 20h, Domingo – 18h
$30
Classificação 16 anos

DOC A.A.A.

No período de 3 de novembro a 17 de dezembro, o Núcleo de Artes Cênicas apresenta, na Sala Arquimedes Ribeiro do Complexo Cultural Funarte SP, o espetáculo DOC. A.A.A.O espetáculo fica em cartaz de sextas a domingos, sempre às 19h. Os ingressos têm preços populares.

Em uma reunião de Adictos de Afeto Anônimos, os membros são livres para compartilhar o que sentem, em um ambiente sem julgamentos. Em comum, o que temos de mais humano: a dependência afetiva, a necessidade de ser amado e de amar, muitas vezes, sem limites. O espetáculo faz um apelo para que o público reconheça e acolha sua condição humana.

Sobre o Núcleo de Artes Cênicas

O Núcleo de Artes Cênicas (NAC) é um espaço de investigação das Artes Cênicas, que oferece gratuitamente um curso anual de atuação teatral tendo em vista questionamentos de paradigmas tanto da linguagem cênica quanto das práticas humanas do nosso tempo.

O NAC é coordenado por Lee Taylor, mestre em Pedagogia do Teatro – Formação do Artista Teatral junto ao Programa de Pós Graduação em Artes Cênicas da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (PPGAC/ECA/USP).

O curso de atuação do NAC é desenvolvido em três módulos, com duração aproximada de dez meses no total, sendo o primeiro dedicado ao aperfeiçoamento artístico de cada participante (quatro meses), o segundo à construção de uma obra teatral que estimule a criação autoral do elenco (quatro meses) e o terceiro à temporada do espetáculo (dois meses).

O NAC foi criado em 15 de abril de 2013 e desde a sua inauguração tem estabelecido parcerias com diferentes instituições, que apoiam e abrigam as atividades do curso e as temporadas dos espetáculos. Nos anos de 2014 e 2015 o NAC foi selecionado para o programa “Obras em Construção” da Casa das Caldeiras, onde realizou residência artística. A partir de 2016, o NAC estabeleceu uma parceria com o TUSP e com a Funarte SP.

Este slideshow necessita de JavaScript.

DOC. A.A.A.
Com Anderson Vianna, Flávia Meyer, Giovanna Siqueira, Livia Matuti, Paulo Victor Gandra, Rebeca Ristoff
Complexo Cultural Funarte SP – Sala Arquimedes Ribeiro (Alameda Nothmann, 1058, Campos Elíseos – São Paulo)
Duração 90 minutos
03/11 até 17/12
Sexta, Sábado e Domingo – 19h
$20
Classificação 14 anos

DIA DO PROFISSIONAL DA DANÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Dia 23 de novembro é comemorado o Dia do Profissional da Dança. Para festejar a data, o Sinddança (Sindicato dos Profissionais de Dança do Estado de São Paulo) realiza nos dias 18 e 19 de novembro, sábado (às 20h) e domingo (às 18h), o Dia do Profissional da Dança do Estado de São Paulo 2017, no Teatro Alfa, em São Paulo.

Com curadoria de Maria Pia Finócchio, o evento tem e ingressos a preços populares: 10 e 20 reais.

O espetáculo é formado por várias apresentações (coreografias) com bailarinos profissionais e grupos de dança de projeção nacional e internacional para festejar a arte da dança, bem como prestar homenagem a todos os bailarinos e profissionais da área. A programação reúne os vencedores do Encontro Nacional de Dança – ENDA 2017 e têm ainda participação de convidados especiais que são referência no campo da dança no Brasil e Exterior.

No dia 18, os convidados são: Cisne Negro Cia. de Dança (com Abacadá), São Paulo Cia. de Dança (com Grand Pas de Deux de O Quebra Nozes) eSopro Cia. de Dança (com Ensaio Sobre a Liberdade), além da participação especial da dupla Nilza y Pablito em número de tango.

Já no dia 19, Luis Arrieta (em O Cisne), Companhia de Danças de Diadema (com Novena) e Teen Broadway (com Mambo West Side Story) são os convidados. E uma apresentação de street dance fecha as duas noites do evento.

Dos grupos classificados no ENDA, participam no dia 18/11: CEDAN – Cia Estável de Dança, Instituto Gnética, Studio Liria Dourado, Beth Ballet, Ballet Paula Gasparini, Cia. de Dança Regina Acevedo, Ballet Paula Firetti, EDAP – Espaço de Danças e Artes Paulista, Movimento Livre, Cia. de Dança CEU Jaguaré e Grupo La Danse. E no dia 19/11: Grupo Fama, CEDAN – Cia Estável de Dança, OCAC Cia. de Dança, Ballet Paula Firetti, Studio Giselle Danças, Cia. Panteras, Garra Centro de Artes, Grupo La Danse, Ballet Thatiana Orite e Especial Grupo de Ballet.

Segundo Maria Pia Finnóchio, “o objetivo é reunir profissionais da dança, personalidades das artes e da cultura e imprensa especializada para reafirmar a necessidade constante de promover a dança nacional e valorizar nossos bailarinos”. O Sinddança também busca democratizar o acesso à dança, promovendo espetáculos a preços populares. “Queremos que todas as pessoas tenham acesso à cultura e possam conferir ao vivo, no teatro, o que temos de melhor no campo da dança”, declara a curadora.

O Dia do Profissional da Dança foi idealizado pelo Sinddança, cuja homologação ocorreu em 1999. A instituição é também responsável pela criação do Dia Estadual da Dança Clássica (4 de junho), uma conquista mais recente, efetivada em 2013. O Sindicato também promove anualmente o ENDA (Encontro Nacional de Dança), um festival pioneiro no estímulo à dança no Brasil que chegou à 35ª edição, em 2017, além do Grande Gala ENDA. Ambos foram idealizados para estimular a carreira dos bailarinos profissionais e semiprofissionais, bem como a carreira daqueles que estão iniciando na arte da dança.

O Dia do Profissional da Dança do Estado De São Paulo foi viabilizado por meio da Lei Rouanet, do Ministério da Cultura, com patrocínio do Itaú Unibanco. Os apoiadores do evento são: Instituto Alfa de Cultura, Teatro Alfa e Capezio.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Dia do Profissional da Dança do Estado de São Paulo 2017
Curadoria: Maria Pia Finócchio
Realização: SINDDANÇA – Sindicato dos Profissionais de Dança do Estado de SP
Teatro Alfa (Bento Branco de Andrade Filho, 722 – Santo Amaro, São Paulo)
18 e 19/11
Sábado – 20h, Domingo – 18h
$20
Classificação Livre
 
Dia 18: Cisne Negro, São Paulo Cia. de Dança, Sopro, Nilza y Pablito, CEDAN, Instituto Gnética, Studio Liria Dourado, Beth Ballet, Ballet Paula Gasparini, EDAP, Cia. CEU Jaguaré e outros.
 
Dia 19: Luis Arrieta, Companhia de Danças de Diadema, Teen Broadway, Grupo Fama, CEDAN, OCAC, Garra, Grupo La Danse, Studio Giselle, Cia. Panteras e outros.