TEMPO PRESENTE

Os arcos de Tomie Ohtake, inertes, parecem pedir por alguma ação. Em contato com um público disposto a experimentar e participar, a criação da consagrada artista transforma obra e espectadores em um único corpo, num único tempo. Os arcos assumem o movimento que já se pressentia em suas formas e realizam sua condição intrínseca e paradoxal de esculturas em constante transformação.

Esse convite à interatividade é justamente um dos objetivos de Amanda Dafoe e Rodrigo Villela, curadores de Tempo presente, mostra em cartaz no Espaço Cultural Porto Seguro de 1º de novembro a 17 de dezembro de 2017. Entrada gratuita.

As obras escolhidas têm em comum a capacidade de convidar o público para uma posição ativa, tanto física, quanto no plano reflexivo, quebrando assim a usual posição de uma contemplação passiva. Queremos estreitar a relação com o nosso visitante, compartilhar com ele esse momento, o nosso momento, ao qual todos de alguma forma pertencemos, transformando-o como parte desta atmosfera vibrante”, afirma Amanda.

Para a empreitada, sete artistas nacionais foram selecionados a expor suas instalações em diferentes ambientes. Os arcos de Tomie Ohtake dividem espaço com Espera, de Leandro Lima e Gisela Motta, no piso térreo. Ali, a videoinstalação usa dois bancos para projetar as sombras de um casal que nunca estará junto, mas que vive a expectativa do encontro. O rito se repete: ora é a sombra dele que vem, senta-se, espera, levanta e vai embora; ora é a dela que repete o mesmo percurso físico-afetivo. Evocativas, as sombras são verdadeiras presenças de uma ausência. Entre as inúmeras referências e camadas interpretativas, fazem lembrar um dos mitos ocidentais da origem do desenho, em que uma jovem apaixonada risca na parede o contorno da sombra projetada do amado que se preparava para ir à guerra. Os mesmos bancos também convidam o público a se sentar e contemplar a obra “de dentro”.

Na rampa de acesso ao mezanino, cuja parede de vidro se abre para a rua, na Alameda Nothmann, a artista Laura Vinci provoca: sua cortina de neblina No ar é um obstáculo? A nebulosidade da fumaça de glicerina em suspensão, imbuída de poética, também chama atenção para o entorno. E vice-versa:  a neblina, que ritmicamente preenche a rampa, pode ser igualmente vista do lado de fora, pelos que passam na rua, e simula a vivacidade de um Espaço Cultural que respira no coração de São Paulo. A fumaça estabelece também um ambiente com ausência de contraste, elemento crucial para a visão das formas e representação nas artes – a própria linha, algo a que estamos tão acostumados, é em si uma abstração humana do contraste que nos permite identificar o mundo ao redor. Ao mesmo tempo aponta para outro fator fundamental: a representação da luz e da atmosfera nela implicada, fazendo referência às camadas de subjetividade e afeto que atribuímos ao mundo e às obras de arte.

No andar de cima, a Rede Social, do Coletivo Opavivará estimula momentos de aproximação real entre os visitantes. Uma convidativa rede gigantesca, coletiva, espera que o espectador interaja com os demais, partilhando um espaço em que a luz natural reforça a sensação de conforto de varanda. Beirando a ironia, uma rede física, de pano, chama e interliga factualmente pessoas atualmente cada vez mais conectadas apenas pelas redes virtuais.

Da luminosidade das varandas para o subsolo, a série Sobre tesouros e outros domínios traz três obras de Nazareno, criadas sobre superfícies de cobre polidas ao ponto de se tornarem espelhos, instigando no interlocutor a reflexão, literalmente, sobre a ação do tempo. Evocando os antigos espelhos de cobre e bronze, as atuais selfies e o mito de Narciso, as obras instantaneamente fazem do espectador um participante, ao se ver refletido na obra. Os trabalhos, de caráter introspectivo, contam ainda com frases sobre passado e futuro, e precedem a instalação da paulistana Raquel Kogan.

A enorme caixa preenchida com pó de mármore lembra um tanque de areia de playground. Ao lado, pares de sapato estão disponíveis para o visitante deixar seu rastro na superfície de Volver. Nas solas, palavras imprimem textos no chão a cada passo, formando infinitas e espontâneas citações sobrepostas. Efêmeras, estampadas na areia e também coletivas, fazem referência à própria condição da linguagem e da comunicação, fatores tão humanos, que só existem a partir e por causa da convivência.

Na sequência, o Jardim Secreto, de Laura Belém, é uma experiência sensorial completa e levanta questões sobre deslocamento, tempo, cultura e memória. Os pés caminham sobre uma superfície de cascalho; as mãos tateiam e abrem caminho pelas fitas que descem do teto enquanto, ao fundo, vozes recitam trechos comentados de Tristes Trópicos, relato de viagem do antropólogo Claude Lévi-Strauss quando esteve no Brasil.

A exposição contará ainda com uma programação pública, com debates, oficinas e cursos ministrados pelos artistas, com a participação de críticos. Mais uma vez, o objetivo é possibilitar que o público interessado possa explorar transversalmente os temas relativos à exposição.

Parceria com o MuBE

A exposição Tempo presente ganha também extensão para além dos limites do Espaço Cultural Porto Seguro. Dois dos arcos de Tomie Ohtake estarão expostos nos jardins do Museu Brasileiro de Escultura e Ecologia (MuBE). A parceria integra o Portas Abertas,  programa do museu que nasce com o intuito de estreitar a relação da instituição com a paisagem do seu entorno e com os demais espaços culturais da cidade, promovendo o intercâmbio de experiências artísticas e a formação de redes colaborativas. Além do ECPS, a vizinha Fundação Ema Klabin também participa da iniciativa.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Tempo presente
Espaço Cultural Porto Seguro (Alameda Barão de Piracicaba, 610. Campos Elíseos – São Paulo)
01/11 até 17/12
Segunda a Sábado – 10h às 19h, Domingo – 12h às 19h
Entrada Gratuita
Classificação Livre
 
Agendamento para visitas em grupo
educativo@espacoculturalportoseguro.com.br

 

MANIFESTO GRÁFICO: PALESTRAS E VISITAS

Em Manifesto Gráfico, Rico Lins traz ao Espaço Cultural Porto Seguro um amplo panorama do design gráfico nacional e internacional. São cerca de 120 cartazes, entre obras impressas, digitais e instalação com lambe-lambes, com curadoria do próprio artista.

Rico Lins propõe um cuidadoso olhar para a produção brasileira e internacional de cartazes, e discute diferentes correntes e expressões no campo do design gráfico. Obras de autoria própria estão articuladas às de artistas como Leonilson, Antonio Maluf, Rodolfo Vanni, Alexandre Wollner, Kiko Farkas, Andre Stolarski e Guilherme Cunha Lima e também cartazes dos designers do prestigiado grupo russo Ostengruppe. A mostra apresenta ainda um conjunto de livros e outras obras de referência, fundamentais para seu repertório.

Este slideshow necessita de JavaScript.

A importância do cartaz junto aos espetáculos

O cartaz surgiu como um grito das ruas, uma forma de intervenção nas cidades, com o objetivo de comunicar algo à população. Tem a temporalidade do presente, o seu discurso é para o hoje.

Referente ao espetáculo, o cartaz funciona como o início do show. Apesar de estar posto na parte exterior do teatro, o cartaz serve para informar o espectador sobre qual é o tema da peça. Sua informação serve como chamariz inicial para o que será apresentado pelos atores, fazendo com que o público já entre com uma informação prévia.

Visitas e Palestras

Manifesto gráfico: uma visita guiada com o curador Rico Lins

Dias 19 e 20 de agosto.

Visita guiada pela exposição com o curador Rico Lins, que aborda em trajeto pelo espaço expositivo o projeto da mostra, os destaques apresentados e a trajetória do cartaz ao longo do século 20.

Datas e horários: 19 e 20 de agosto – Sábado e domingo, das 11h às 13h.

Vagas: 20 vagas.

Ingressos: Grátis (com distribuição de senhas com 30 minutos antes)

Classificação indicativa: Livre.

****

Visitas temáticas – De 22 a 31 de agosto.

Visitas guiadas pelos educadores do Espaço Cultural Porto Seguro pelas exposições por meio de recortes temáticos que dialogam com os trabalhos apresentados.

Datas e horários: De 22 a 31 de agosto – Terças e quintas, das 14h às 15h30.

Vagas: 20 vagas.

Ingressos: Grátis (com distribuição de senhas com 30 minutos antes)

Classificação indicativa: Livre.

****

Palestras

O Cartaz na Linha de Frente com Rico Lins – Dia 22 de agosto.

O designer e curador Rico Lins traça um panorama comentado da coleção de cartazes apresentada na exposição Manifesto Gráfico e fala a história do cartaz impresso como peça fundamental da manifestação pública nas grandes cidades, e atualmente em meios digitais.

Quais características fazem do cartaz um veículo privilegiado para a comunicação rápida através de avisos postados em lugares públicos? Como chamar a atenção do público a um espetáculo, explicitar uma mensagem política ou publicitária? Entre essas e outras questões, Rico Lins aborda também os desdobramentos da impressão mecanizada no século 20, a diferença de contextos no Brasil e em outros países, e transformação do cartaz frente às mudanças tecnológicas.

Rico Lins é designer e curador da exposição Manifesto Gráfico. Formado pela ESDI, em 1979, e com Master pelo Royal College of Art de Londres, é membro da AGI (Alliance Graphique Internationalle), com longa carreira internacional que combina atividades profissionais e didáticas. Atuou nas últimas três décadas entre Paris, Londres, New York, Rio e São Paulo. Foi professor da NY School of Visual Arts, coordenou o Master em Graphic Design no Istituto Europeo de Design SP e atualmente coordena a área de ilustração na EBAC- Escola Britânica de Artes Criativas.

Datas e horários: Dia 22 de agosto – Terça-feira, das 19h30 às 21h.

Ingressos: Grátis (com inscrição antecipada pelo site).

Classificação indicativa: Livre.

****

Design Artístico em Cartaz com Guto Lacaz – Dia 29 de agosto.

Entre o design e as artes visuais, Guto Lacaz desenvolve extensa carreira na produção de cartazes, ilustrações e outros trabalhos artísticos. Ele apresenta sua trajetória profissional e a relação entre design e artes gráficas a partir de seus projetos.

Os trabalhos de Guto Lacaz destacam-se pela liberdade de pensamento através do desenho e o bom humor à beira do absurdo. Com formação em arquitetura e a vocação para o design, o artista apresenta sua forma de trabalho em estúdio, ainda remanescente da precisão das técnicas gráficas manuais. O cuidado com a tipografia, a construção geométrica e o uso da cor são colocados lado a lado na invenção de soluções entre homem e objeto. Ele retoma os pontos de destaque de sua carreira e as mudanças com a implementação do uso do computador, sem perder o olhar de artista inventor. Uma elaboração de linguagem a partir do traço geométrico que transborda poeticamente na criação de ilustrações, máquinas artísticas e objetos cotidianos.

Guto Lacaz é arquiteto e artista. Formado em arquitetura pela FAU São José dos Campos em 1975. Em 1978, iniciou sua carreira como artista visual, e desde então ganhou vários prêmios. É membro da AGI (Alliance Graphique Internationalle) e tem trajetória muito atuante tanto no design como nas artes. Já expôs nas mais respeitadas instituições culturais do país. Entre os seus livros publicados estão Desculpe a Letra (Ateliê Editorial), Gráfica – Arte Moderna, omemhobjeto – Decor Books e 80 desenhos – Dash Editora.

Datas e horários: Dia 29 de agosto – Terça-feira, das 19h30 às 21h.

Ingressos: Grátis (com inscrição antecipada pelo site).

Classificação indicativa: Livre.

****

Espaço Cultural Porto Seguro (Alameda Barão de Piracicaba, 610. Campos Elíseos. São Paulo)

ÍCONES DE HOLLYWOOD – FOTOGRAFIAS DA FUNDAÇÃO JOHN KOBAL

Retratos e imagens de cena registradas durante a era de ouro do cinema americano integram a mostra Ícones de HollywoodFotografias da Fundação John Kobal, que abre ao público no dia 17 de fevereiro, sexta-feira, com visitação gratuita, a partir das 10h, no Espaço Cultural Porto Seguro.

A exposição, com curadoria de Robert Dance e Simon Crocker, é composta por fotografias da Fundação John Kobal, um grande colecionador de fotos de clássicos do cinema – e revela momentos e personagens inesquecíveis de Hollywood e seus filmes, captados por fotógrafos atuantes nos bastidores da maior indústria do cinema, em seu período áureo.

Com 161 fotos de mais de 40 fotógrafos, das décadas de 1920 a 1960, as imagens trazem um recorte histórico sobre como muitos filmes foram eternizados. A visitação acontece em ordem cronológica, a começar pelas lendas do cinema mudo, Charlie Chaplin e Mary Pickford, continuando com performers dos primórdios do cinema falado, como Marlene Dietrich e Cary Grant, e encerrando com expoentes do pós-guerra, como Marlon Brando, Sophia Loren e Marcello Mastroianni.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Ícones de Hollywood Fotografias da Fundação John Kobal apresenta autores de retratos e imagens de cena tardiamente reconhecidos, que trabalharam silenciosamente nos bastidores, mas cujas fotografias foram fundamentais para a criação de estrelas e a promoção de filmes. As incontáveis imagens distribuídas pelos estúdios de Hollywood, ao longo de toda sua era de ouro, eram obras de artistas que trabalhavam de forma rápida, eficaz e frequentemente brilhante para promover o estilo hollywoodiano. São imagens de cena oriundas de estúdios como MGM, Paramount, Warner Brothers, Columbia, 20th Century Fox, Universal, RKO e United Artists.

A mostra apresenta fotografias de nomes como Ernest Bachrach (1899-1973) – mais conhecido por seus retratos de Katharine Hepburn; John Miehle (1902-1952) – responsável pela maioria das fotos de Fred Astaire e Ginger Rogers dançando em cena aberta; Ted Allan (1910-1993) – apelidado de “Rembrandt”, fotografou a maioria das estrelas do estúdio MGM; sua contribuição mais importante foi com a atriz e sex-simbol Jean Harlow, quando, ao contrario de George Hurrell (1904-1992), minimizou sua sensualidade realçando a sua beleza; John Engstead (1909-1983) – fez o retrato de Marlon Brando para Um Bonde Chamado Desejo (1951) e foi o fotógrafo exclusivo de Marlene Dietrich quando iniciou sua carreira musical; Robert Coburn (1900-1990) – fotografou todas as imagens de cena de King Kong (1933), muitas das quais feitas a partir de miniaturas; e a única fotógrafa da exposição, Ruth Harriet Louise (1903-1940) – a primeira a ter uma carreira significativa em Hollywood, trabalhando com as “novatas” Joan Crawford e Greta Garbo, ajudando a criar as imagens que definiram essas atrizes como estrelas.

John Kobal, inicialmente um entusiasta do cinema, se tornou jornalista, escritor e, por fim, antes de sua prematura morte em 1991, aos 51 anos, foi reconhecido como um dos mais proeminentes historiadores do cinema. Seu livro The Art of the Great Hollywood Portrait Photographers (1980) (A Arte dos Grandes Fotógrafos Retratistas de Hollywood) é ainda hoje referência para a pesquisa cinematográfica.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Exposição “Ícones de Hollywood – Fotografias da Fundação John Kobal”
Espaço Cultural Porto Seguro (Alameda Barão de Piracicaba, 610, Campos Elíseos, São Paulo)
17/02 até 16/04
Terça a Sábado – 10h às 19h; Domingo e Feriado -10h às 17h (última entrada até 30 min antes do horário de encerramento).
Entrada gratuita
Classificação livre
 
Estacionamento: Alameda Barão de Piracicaba, 634 (sede Porto Seguro) – Até 1h30 gratuito. 1ª, 2ª e 3ª hora adicional R$ 10,00 a hora. A partir da 4ª hora adicional, R$ 5,00 a hora. Segunda a sexta a partir das 17h30 – R$ 20,00 (preço único). Sábados, domingos e feriados – R$ 20,00 (preço único). Cliente Porto Seguro tem 50% de desconto.
Serviço de vans: o Espaço Cultural Porto Seguro oferece vans gratuitas da Estação Luz até as dependências do Espaço.
Restaurante Gemma – Terças a sextas-feiras das 10h às 19h; sábados das 10 às 18h e domingos das 10h às 16h.

 

 

DIVIDING LINES

Uma visão de São Paulo em 360º é a proposta do coletivo de arte Marshmallow Laser Feast (MLF) com a obra Dividing Lines, uma das quatro atrações da mostra Vestígios Paulistanos – Poética da Metrópole Distraída, em cartaz na Galeria de Arte Digital SESI-SP de 30 de setembro a 15 de novembro, das 20h às 6h. A exposição acontece na fachada do edifício da FIESP/SESI-SP.

Com o objetivo comum de lançar um olhar mais atento para aspectos pouco evidentes da cidade de São Paulo e, a partir daí, criar novas narrativas para as histórias encontradas, a mostra traz ainda mais três obras inéditas de artistas nacionais: Zonas de Indiscernibilidade, Fragmentos e Contemplação do Invisível.

O público poderá interagir com cada uma delas em uma plataforma construída especialmente para a mostra na Alameda das Flores (travessa para pedestres em frente à Galeria de Arte Digital SESI-SP), todos os dias, das 20h até às 22h.

A obra Dividing Lines é resultado da parceria entre o SESI-SP e o British Council, que durante duas semanas do mês de março de 2016 promoveram um workshop com 13 artistas brasileiros e os integrantes do MLF, Robin McNicholas, Barney Steel eErsinhan Ersin. Os artistas registraram paisagens da cidade de São Paulo em 360º, usando o scanner panorâmico Lidar. As imagens foram processadas em software comuns e open source, permitindo criar jornadas narrativas pelas paisagens, enriquecidas por ambientes sonoros, também captados in loco e trabalhados posteriormente. A imersão na realidade virtual é possível por meio de óculos de realidade virtual, o Oculus Rift.

Mostra digital
VESTÍGIOS PAULISTANOS – POÉTICA DA METRÓPOLE DISTRAÍDA
Dividing Lines – Marshmallow Laser Feast
Com a colaboração de: Acacia Montagnolli, Arthur Roessle, Bianca Turner, Daniel Graf, Fabio Luiz, Fabricio Masutti, Giovanna Graziosi Casimiro, Igor Costa, Carol Maziviero, Monica Ventura, Natalie Soares, Pablo Villavicencio e Thiago Giacobelli.
Galeria de Arte Digital SESI-SP (Av. Paulista, 1313 – Cerqueira César, São Paulo)
30/09 até 15/11
Diariamente, das 20h às 6h | visualização com óculos de realidade virtual das 20h às 22h.
Gratuito.

FRIDA KAHLO / PAISAGENS GRÁFICAS

O Espaço Cultural Porto Seguro abriga duas exposições simultâneas:

A primeira é “Frida Kahlo – Suas Fotos / Olhares sobre o México” é uma parceria com o Museu da Imagem e do Som – MIS SP.

O acervo foi dividido entre os dois espaços culturais.

Frida Kahlo – Suas Fotos|Olhares sobre o México” poderá ser vista no Espaço Cultural Porto Seguro.

Apresenta uma única foto da artista, enquanto todas as outras fotos são as impressões que ela tinha sobre o seu país e sua realidade.

Há também várias atividades educativas e oficinas, que podem ser feitas ao término da exposição. 

Depois para integração entre as instituições, os visitantes podem usar gratuitamente o serviço de van, que transporta o público de um espaço cultural para o outro. 

O ingresso adquirido no MIS ou no Espaço Cultural Porto Seguro dá acesso livre às duas exposições. 

Frida Kahlo – Suas Fotos” é apresentada no Museu da Imagem e do Som (MIS).

Dividida em cinco ambientes temáticos, são apresentadas ao público, as fotos de vários artistas que a artista guardou na sua Casa Azul.

A outra exposição no Espaço Cultural Porto Seguro é “Paisagens Gráficas“, com curadoria de Cauê Alves e Guilherme Wisnik, os artistas visuais Stela Barbieri e Fernando Vilela apresentam exposição conjunta que reúne obras em diferentes linguagens – desenho, pintura, gravura, fotografia, livro de artista e colagens.

O conjunto de trabalhos forma uma narrativa visual contínua ao construir uma linha de leitura ao longo de cerca de 50 metros de parede do espaço expositivo. O público poderá percorrer a grande paisagem, passando por climas, temperaturas, diversas soluções plásticas, ora mais cromáticas, ora mais gráficas.

PAISAGENS GRÁFICAS – STELA BARBIERI E FERNANDO VILELA
03/09 até 04/12
Terça a Sábado – 10h às 19h; Domingo e Feriado – 10h às 17h
Entrada gratuita
Classificação Livre

FRIDA KAHLO – SUAS FOTOS | OLHARES SOBRE O MÉXICO
03/09 até 20/11
Terça a Sábado – 10h às 19h; Domingo e Feriado – 10h às 17h
$6 (ás terças-feiras, o ingresso é gratuito)
Classificação Livre

Espaço Cultural Porto Seguro (Alameda Barão de Piracicaba, 610 – Campos Elíseos, São Paulo)
Museu da Imagem e do Som (Av. Europa, 158 – Jardim Europa, São Paulo)

PRÊMIO BRASIL FOTOGRAFIA 2015

O Espaço Cultural Porto Seguro recebe a exposição Prêmio Brasil Fotografia 2015. A mostra, que esse ano contempla fotografia e instalações multimeios, entrou em cartaz no dia 15 de junho, quarta-feira, com visitação gratuita.

Com curadoria geral de Cildo Oliveira, o prêmio está em sua 14ª edição e é destinado a fotógrafos brasileiros ou estrangeiros residentes no Brasil. É a primeira vez que os trabalhos serão expostos no novo Espaço Cultural Porto Seguro, inaugurado em janeiro de 2016. São 15 artistas apresentando seus trabalhos, divididos em 83 obras sobre fotografias e 6 instalações multimeios.

Para Fabio Luchetti, presidente da Porto Seguro, investir em cultura faz parte da vocação da empresa. “Ao promover um prêmio nacional de fotografia, fomentamos a cultura, a circulação da produção fotográfica brasileira e temos a possibilidade de compartilhar esse acervo com as pessoas.

As imagens expostas são potentes, representativas e transmitem as mais variadas informações. O visitante poderá ver propostas que passam pela tradição, com rigorosidade formal, até a atualização do olhar documental, com coleção de fragmentos do cotidiano, situações mais íntimas e resolvidas em âmbito pessoal.

Nesta edição do prêmio houve um recorte da produção dos dias atuais. Foram abordados os mais diversos enfoques, ressaltando: a cidadania, a questão de gênero, raça, condição socioeconômica e a urbanidade”, comenta o curador geral do prêmio, Cildo Oliveira.

Para Ângela Barbour, diretora executiva do Espaço Cultural Porto Seguro, esses 14 anos consolidaram-no como o principal prêmio de fotografia do Brasil. “Esta edição marca uma nova fase, com uma mostra mais robusta e referenda o desejo da Porto Seguro de ter o evento em seu Espaço Cultural. Estamos preparando uma ação educativa especial, com roteiros dedicados, muitas oficinas e ateliês para que o visitante possa experimentar técnicas e estudos relativos às diversas linguagens que conversam com a fotografia.

O prêmio contou com cerca de 1.500 inscritos. Do total, 796 participantes das regiões Sul, Sudeste, Norte e Nordeste foram habilitados para participar nas categorias: Ensaio Impresso, Ensaio Multimeios, Bolsa e Revelação.

Os participantes da categoria Ensaio Impresso apresentam trabalhos com linguagem de cunho autoral, em imagens impressas; já a categoria Ensaio Multimeios apresenta a fotografia com diferentes técnicas, linguagens e narrativas como vídeos, projeções e instalações. O Prêmio Especial foi dado ao conjunto da obra do autor e os projetos de pesquisa experimentais foram contemplados na Bolsa Desenvolvimento, com o foco na premiação de um trabalho inédito, de relevância social e cultural, ainda não viabilizado, de maneira a desenvolver uma reflexão sobre arte hoje, privilegiando as questões dos possíveis limites das narrativas contemporâneas e suas intersecções em um território transdisciplinar.

Durante esses 14 anos, já foram premiados mais de 200 fotógrafos, entre eles: Miguel Rio Branco, Rosangela Rennó, J. R. Ripper, Claudio Edinger, Thomaz Farkas, Boris Kossoy, Claudia Andujar. Já se inscreveram, desde 2001, mais de 50 mil pessoas.

O Espaço Cultural Porto Seguro é parte do Complexo Cultural Porto Seguro, que abriga, em um mesmo quarteirão, o Teatro Porto Seguro, o Gemma Café e o Gemma Restaurante.

Os vencedores da edição

Prêmio Brasil Fotografia Especial – Evandro Teixeira (Rio de Janeiro).

Prêmio Brasil Fotografia Ensaio Impresso – Luiz Baltar (Rio de Janeiro).

Prêmio Brasil Fotografia Ensaio Multimeios – Marlos Bakker (São Paulo).

Prêmio Brasil Fotografia Bolsa de Desenvolvimento de Pesquisa – Leo Caobelli (Rio Grande do Sul) e Dirceu Maués (Minas Gerais).

Prêmio Brasil Fotografia Revelação – Leticia Ranzani (São Paulo).

Menção Honrosa Ensaio Multimeios – Thelma Vilas Boas (Rio de Janeiro) e Ricardo de Abreu Neves (Rio Grande do Sul).

Menção Honrosa Ensaio Impresso – Bárbara Wagner (Distrito Federal), Diego Lajst (São Paulo), Edu Simões (São Paulo) e Ligia Jardim (São Paulo).

 

Exposição do Prêmio Brasil Fotografia 2015
Espaço Cultural Porto Seguro (Alameda Barão de Piracicaba, 610 – Campos Elíseos. São Paulo)
15/06 até 14/08
Terça a Sábado – 10h às 19h; Domingo – 10h às 17h
Entrada gratuita
Recomendação livre
 
Reservas de ingresso: Ingresso Rápido pelo site e aplicativo, com agendamento de horário, e na bilheteria no local.
 
Visitas mediadas: de terça a sábado das 10h às 18h. Domingos, das 10h às 16h.
Agendamento: educativo@espacoculturalportoseguro.com.br