GILBERTO GIL – AQUELE ABRAÇO, O MUSICAL (OPINIÃO)

Somos todos Gilberto Gil!”

Com esta frase dita no começo do espetáculo “Gilberto Gil – Aquele Abraço, o Musical“, os atores explicam que na peça todos têm o seu lado Gil, mas que apesar disso, nenhum representará-lo especificamente.

A peça não é um musical biográfico como os que foram feitos sobre Tim Maia, Cazuza, Elis Regina, Rita Lee, entre outros. É uma homenagem.

Isto foi um pedido que o próprio homenageado fez ao autor, e diretor, do espetáculo, Gustavo Gasparani. Com isso, Gustavo escreveu um roteiro – bem tênue – que passa pela trajetória musical de mais de 50 anos de Gil.

Então o que esperar ao sentar na plateia do Teatro Procópio Ferreira, onde o musical é apresentado de quinta a domingo?

Uma explosão de cores e sabores, temperos, romances e odores vindos diretamente da Bahia.

Estava meio receoso em ver mais um espetáculo que não há uma história propriamente dita, mas uma sucessão de quadros que servem para apresentar as canções de uma maneira dramatizada.

Mas que doce ilusão. O musical vai num “crescendo” constante. Logo no início da peça, você já foi conquistado – seja pelos atores e/ou pelas canções de Gilberto Gil. Então é só aproveitar os seus mais de 100 minutos de duração, pois passarão rapidamente e, quando você perceber, é hora das cortinas fecharem.

Não precisa ser fã de Gil para aproveitar a peça, mas ajuda bastante. Muito provavelmente você já escutou pelo menos uma música do compositor. Então se você gosta de suas canções, você irá passar o musical inteiro “cantando-as” junto com os atores. E são cerca de 100 músicas escolhidas (algumas cantadas inteiras, outras em medleys e outras tantas declamadas).

As canções foram colocadas em “onze blocos“, que conduzem o fio da dramaturgia. Elas falam sobre a origem musical de Gil, o sincretismo religioso, o Tropicalismo, a negritude, o amor, a tecnologia, o futuro, entre outros.

E são executadas por um time de oito artistas de peso.  Alan Rocha, Cristiano Gualda, Daniel Carneiro, Gabriel Manita, Jonas Hammar, Luiz Nicolau, Pedro Lima e Rodrigo Lima cantam, tocam todos os instrumentos da peça (que compõem parte de cenário da peça, e são vários), e interpretam as canções.

12871443_478647208994140_7071900489163578554_n

O grupo já esteve junto no outro musical de Gustavo Gasparani – o “Samba Futebol Clube“, que mostrava a relação do Futebol com as músicas e as artes em geral. (E que infelizmente, ainda não foi apresentado em São Paulo, hein Gustavo!).

A cada um, o diretor solicitou como tarefa, durante os ensaios, que escrevesse sobre sua relação particular com o homenageado. Os textos ficaram tão bons, que foram utilizados também no espetáculo.

Os atores se revezam no palco nos seus “momento Gil“. Interpretam músicas sozinhos, em duplas, em grupo. Declamam os seus textos pessoais. O de Cristiano Gualda, ele interpreta com o apoio de sua esposa, que tem sua projeção feita numa tela.

Curiosamente, é a única vez que se tem uma presença feminina no palco.

1-20160314_112526_2.JPGA cenografia de Helio Eichbauer – que também é o responsável pelos shows de Gil – complementa o espetáculo. São projeções em vídeo em dois telões entrecruzados e numa tela/cortina. As imagens remetem a brasilidade.

E como dito anteriormente, as canções vão desfilando no palco. Momentos de sincretismo religioso, românticos, tropicais, de revolta, entre outros. Canções que falam da Bahia, do Rio de Janeiro, de São Paulo (afinal, “somos punk da periferia, somos da Freguesia do Ó…”),…

Pode-se dizer que Gil é um artista baiano que abraça o Brasil todo.

É, na verdade, todos “somos” Gilberto Gil!

3-20160314_114538

Gilberto Gil – Aquele Abraço, o Musical
Com Alan Rocha, Cristiano Gualda, Daniel Carneiro, Gabriel Manita, Jonas Hammar, Luiz Nicolau, Pedro Lima, Rodrigo Lima
Teatro Procópio Ferreira (Rua Augusta, 2823 – Jardins, São Paulo)
Duração 105 minutos
18/03 até 29/05
Quinta e Sexta – 21h; Sábado – 18h e 21h30; Domingo – 18h
Recomendação 12 anos
$50 / $120
Autoria e Direção Geral: Gustavo Gasparani
Direção Musical e Arranjos: Nando Duarte
Direção de Movimento e Coreografia: Renato Vieira
Produção Geral: Sandro Chaim
Cenografia: Helio Eichbauer
Figurino: Marcelo Olinto
Iluminação: Paulo Cesar Medeiros
Videografismo: Thiago Stauffer / Studio Prime
Preparação e Arranjos Vocais: Maurício Detoni
Assistente de Direção: Pedro Rothe
Cenógrafa Assistente e Produtora de Cenografia: Marieta Spada
Assistente de Coreografia: Marluce Medeiros
Figurinista assistente e Produtor de Figurino: Almir França
Visagismo: Marcio Mello
Assistente de Iluminação: Darihel de Souza
Cenotécnico: André Salles
Direção de Produção: Giba Ka
Gerente de Produção: Paula Rollo
Produção Executiva: Felipe Argollo
Assistente de Produção: Débora Rocha
Produtores Associados: Sandro Chaim e Rose Dalney
Realização: Miniatura 9, Chaim Produções, Governo de São Paulo, Ministério da Cultura e Governo Federal Pátria Educadora
Assessoria de Imprensa: Ju Mattoni Comunicação

GILBERTO GIL – AQUELE ABRAÇO, O MUSICAL

Um espetáculo em comemoração aos 50 anos de carreira do artista Gilberto Gil. Mas segundo pedido do homenageado, não é um musical biográfico, mas sim um olhar contemporâneo sobre as suas canções, que refletem sobre seu tempo, a história da música nacional e a do próprio país.

Gustavo Gasparani escreveu e dirigiu a peça. Ouviu toda a discografia de Gil, depois leu todas as letras das músicas e os livros publicados sobre o cantor. E percebeu que não precisaria conversar com Gil para escrever o musical a fim de não se influenciar.

Dividiu o espetáculo em onze blocos temáticos. Eles conduzem o fio da dramaturgia que une as canções de Gil sobre sua origem musical, o sincretismo religioso, o Tropicalismo, a negritude, o amor, a tecnologia, o futuro, entre outros tantos.

07-20160314_114058_1.JPG

Jonas Hammar, Pedro Lima, Alan Rocha, Gabriel Manita, o diretor Gustavo Gasparani, Cristiano Gualda, Daniel Carneiro, Rodrigo Lima e Luiz Nicolau

Gasparani juntou novamente o elenco do seu último trabalho – “Samba Futebol Clube” – para contar e cantar Gilberto Gil. Voltam a campo os atores Alan Rocha, Cristiano Gualda, Daniel Carneiro, Gabriel Manita, Jonas Hammar, Luiz Nicolau, Pedro Lima e Rodrigo Lima.

Os oito atores são responsáveis por tocar, cantar, dançar e interpretar as mais de 100 músicas presentes no espetáculo – 55 delas são cantadas e tocadas total ou parcialmente, e 39 são faladas em forma de texto.

Eles também tiveram uma tarefa do diretor – que ficou tão boa que foi adicionada ao corpo do espetáculo – escrever relatos sobre a identificação pessoal com a obra de Gilberto Gil. Rodrigo Lima disse que esse é um dos privilégios de estar no musical.

“Eu falo em cena que meu pai ouvia muito o ‘Refazenda’, minha mãe me levou a muitos shows e, como violinista, sempre observei o modo como o Gil transformava o violão em um berimbau, com um swing que é só dele”. 

A cenografia do espetáculo é de Helio Eichbauer (responsável também por cenários dos shows de Gil). Foi feito um cenário multimídia, com projeções em vídeo, que remetem a brasilidade.

Gilberto Gil – Aquele Abraço, o Musical
Com Alan Rocha, Cristiano Gualda, Daniel Carneiro, Gabriel Manita, Jonas Hammar, Luiz Nicolau, Pedro Lima, Rodrigo Lima
Teatro Procópio Ferreira (Rua Augusta, 2823 – Jardins, São Paulo)
Duração 105 minutos
18/03 até 29/05
Quinta e Sexta – 21h; Sábado – 18h e 21h30; Domingo – 18h
Recomendação 12 anos
$50 / $120
 
Autoria e Direção Geral: Gustavo Gasparani
Direção Musical e Arranjos: Nando Duarte
Direção de Movimento e Coreografia: Renato Vieira
Produção Geral: Sandro Chaim
Cenografia: Helio Eichbauer
Figurino: Marcelo Olinto
Iluminação: Paulo Cesar Medeiros
Videografismo: Thiago Stauffer / Studio Prime
Preparação e Arranjos Vocais: Maurício Detoni
Assistente de Direção: Pedro Rothe
Cenógrafa Assistente e Produtora de Cenografia: Marieta Spada
Assistente de Coreografia: Marluce Medeiros
Figurinista assistente e Produtor de Figurino: Almir França
Visagismo: Marcio Mello
Assistente de Iluminação: Darihel de Souza
Cenotécnico: André Salles
Direção de Produção: Giba Ka
Gerente de Produção: Paula Rollo
Produção Executiva: Felipe Argollo
Assistente de Produção: Débora Rocha
Produtores Associados: Sandro Chaim e Rose Dalney
Realização: Miniatura 9, Chaim Produções, Governo de São Paulo, Ministério da Cultura e Governo Federal Pátria Educadora
Assessoria de Imprensa: Ju Mattoni Comunicação

AGENDA DOS MUSICAIS FEV/MAR 2016

Em tempos de crise financeira, o mercado de teatro musical vive algo maravilhoso na cidade de São Paulo. Em cerca de trinta dias, teremos a estreia de 10 musicais.

Isto sem contar que temos Urinal, o Musical em cartaz no Teatro Porto Seguro, e o “Mulheres à Beira de um Ataque de Nervos” que acaba de encerrar sua temporada, partindo para a cidade do Rio de Janeiro. E está previsto o retorno do musical “Rita Lee Mora Ao Lado” para o Teatro Vivo e “Gabriela, o Musical” para o mês de maio. No segundo semestre temos previsto “Escrava Isaura, o Musical” e a remontagem de “My Fair Lady”.

IMG_20160220_103505.jpg

Destes dez espetáculos que estreiam nos meses de fevereiro e março, temos opções para os mais variados gostos. Temos os infantis do “O Palhaço e a Bailarina” e “Meu Amigo, Charlie Brown – Um Musical da Broadway“; temos clássicos como “Cinderella, o Musical“; temos que falam de artistas brasileiros, como “Gilberto Gil – Aquele Abraço, o Musical” e “O Musical Mamonas“; além de blockbusters da Broadway e West End – “Wicked” e “We Will Rock You“, entre outros.

Para facilitar a sua vida na hora de se preparar para assistir os musicais, preparamos uma agenda baseada nas estreias, com os nomes dos musicais e links para as matérias que fizemos.

Aproveite!

1-colagens3.jpg

Dia 20

“Chão de Estrelas – Musical” – Teatro Espaço Promon – http://goo.gl/cdp1rd

Dia 27

“Estúpido Cupido” – Teatro Gazeta – http://goo.gl/kNAn41

“O Palhaço e a Bailarina” – Teatro Porto Seguro – http://goo.gl/K9SUOG

1-colagens4

Dia 04

“Wicked – A História Não Contada das Bruxas de Oz” – Teatro Renault – http://goo.gl/uEpJKu

Dia 05 

“Meu Amigo, Charlie Brown – Um Musical da Broadway” – Teatro Frei Caneca – http://goo.gl/wwBavj

Dia 11

“Cinderella, o Musical” – Teatro Alfa – http://goo.gl/5MQ0h1

“O Musical Mamonas” – Teatro Raul Cortez – http://goo.gl/ojjgm8

“Ou Tudo Ou Não” – Theatro Net SP – http://goo.gl/n1N56N

Dia 18

“Gilberto Gil – Aquele Abraço, o Musical” – Teatro Procópio Ferreira – http://goo.gl/aD3I1v

Dia 24

“We Will Rock You” – Teatro Santander – http://goo.gl/05NNFR

GILBERTO GIL AQUELE ABRAÇO O MUSICAL

eI046946.jpg
Espetáculo atravessa a trajetória musical do cantor e compositor que em mais de 50 anos de carreira lançou quase 60 discos e se consagrou como um dos maiores nomes da música nacional e internacional.
A tríade “O poeta, a canção e o tempo” conduz um musical que abraça uma carreira de sucesso. Sem pretensões biográficas, uma grande homenagem a um dos maiores ícones da música brasileira é feita através de sua própria obra, ora falada, ora cantada por oito atores músicos multi-instrumentistas. “Gilberto Gil, Aquele Abraço” lança um olhar contemporâneo às canções do artista, que refletem sobre seu tempo, a história da música nacional e do próprio país.
Ao longo do espetáculo, as letras tantos anos cantadas por Gil mostram, além de poesia, seu lado teatral. São elas que dão o tom dramatúrgico de blocos temáticos que passeiam pela origem da música popular brasileira, o movimento tropicalista, a negritude africana, amor, religiosidade, tecnologia, futurismo, entre outros assuntos que marcam as composições deste ícone da MPB. Em todos eles, “vida e morte” estão inseridas como dupla central e indispensável, tal qual Gil fez em toda sua trajetória.
As canções em sua forma original, com todos os arranjos, tons e semitons, também não ficam de fora. Ao todo, 58 músicas são cantadas total ou parcialmente pelos atores/músicos, que tocam 39 diferentes tipos de instrumentos em cena. Projeções em vídeo trazem o lado multimídia para o palco, ajudando a ambientar os momentos retratados.
Na direção, o premiado Gustavo Gasparani – que leu todas as letras e ouviu todos os discos de Gilberto Gil antes de finalmente conceber esta homenagem – cuidou de trazer para o espetáculo o lugar de risco e ousadia presente na carreira do compositor, sem deixar de lado a delicadeza que sempre o acompanhou. O resultado é uma montanha russa de emoções que podem ser sentidas pelo público durante toda a apresentação, em um musical único e imperdível.
Gilberto Gil – Aquele Abraço, o Musical
Direção Gustavo Gasparani
Elenco – não informado
Teatro Procópio Ferreira (R. Augusta, 2823 – Cerqueira César, São Paulo)
Duração – não informada
Estreia 18/03
Sexta – 21h; Sábado – 18h e 21h30; Domingo – 18h
Recomendação 12 anos
$50 / $120