A SERPENTE

Considerada uma ‘tragédia carioca’, de acordo com a célebre classificação do crítico teatral Sábato Magaldi para a obra de Nelson Rodrigues (1912-1980), A Serpente foi a última e mais curta peça escrita pelo “anjo pornográfico”, alcunha criada pelo próprio dramaturgo e jornalista pernambucano. Mesmo com apenas um ato, a peça de 1978 não deixa de criar polêmica ao retratar o amor de duas irmãs pelo mesmo homem.

Elas juraram nunca se separar e moram juntas na mesma casa com seus respectivos maridos. Lígia decide se suicidar porque tem um casamento infeliz – e não consumado – com Décio, que diz sofrer de impotência, mas, na verdade, tem um caso com outra mulher.

Para evitar que a irmã fizesse isso, Guida tem a ideia de emprestar Paulo, o próprio marido, para ela por uma noite. O que Guida não esperava era que Lígia se apaixonaria por ele, muito menos que esse erro poderia resultar até em morte.

Esta é a terceira montagem de Eric Lenate para peças de Rodrigues: em 2013, ele dirigiu “Vestido de Noiva” e, em 2015, “Valsa Nº6”. O elenco conta com a participação de Carolina Lopez, Fernanda Heras, Maria Guedes, Juan Alba e Paulo Azevedo.

SINOPSE

Duas irmãs que juraram nunca se separar vivem no mesmo apartamento com seus respectivos maridos. O casal Guida e Paulo vive uma aparente interminável lua de mel, enquanto Lígia e Décio não chegaram sequer a consumar o casamento. Lígia decide se suicidar movida pela infelicidade em seu relacionamento amoroso, mas Guida, na tentativa de impedir a morte da irmã, oferece o próprio marido por uma noite. A desconcertante oferta moverá toda essa trama de amor e morte.

Este slideshow necessita de JavaScript.

A Serpente
Com Carolina Lopez, Fernanda Heras, Mariá Guedes, Juan Alba, Paulo Azevedo
Teatro FAAP (Rua Alagoas, 903 – Higienópolis, São Paulo)
Duração 60 minutos
19/01 até 11/02
Sexta – 21h30, Sábado – 21h, Domingo – 18h
$60
Classificação 16 anos

AMIGAS, PERO NO MUCHO

A comédia “Amigas, Pero no Mucho”, de Celia Regina Forte, reestreia dia 10 de janeiro no Teatro Folha, com apresentações às quartas e quintas-feiras até 1º de março. Dirigida por José Possi Neto,  a peça tem no elenco os atores Elias Andreato, Leandro Luna, Nilton Bicudo e Raphael Gama.

Em fevereiro de 2007, “Amigas, Pero no Mucho” estreava no Teatro Renaissance inaugurando o horário da meia-noite. O sucesso foi tão grande, que por cinco anos percorreu vários teatros de São Paulo, com temporada também no Rio de Janeiro. Ganhou montagem baiana, com apresentações em várias capitais do Nordeste e Angola. Seu texto foi traduzido para o espanhol, alemão e inglês. Em 2017 a montagem retornou ao palco para comemorar os 10 anos de produção e não parou mais.

Mais de 120 mil pessoas riram com as incríveis situações criadas pela jornalista Célia Regina Forte sobre quatro mulheres da nossa época – interpretadas por quatro atores – que tentam dar conta de tudo: do cotidiano, do corpo, da mente, do trabalho, da família e da amizade, causando inusitadas situações típicas do universo feminino.

Com direção de José Possi Neto e composição musical de Miguel Briamonte, essa epopeia se dá através do encontro de quatro amigas em uma tarde de sábado, onde todas – ou quase todas – as roupas sujas são lavadas por elas. Com humor cáustico, ironia e irreverência, elas falam sobre suas dissimulações, devaneios e loucuras. Quatro mulheres bem-sucedidas – ou nem sempre – comuns e sofisticadas que numa única tarde fazem revelações que as surpreendem e envolvem o público que tem lotado todos os teatros por onde elas passam. Mulheres que se amam e se odeiam ao mesmo tempo. Amigas, enfim.

“Amigas, Pero no Mucho” faz história no cenário da comédia brasileira por sua capacidade em fazer plateias se divertirem e se reconhecerem numa das quatro personagens:

Elias Andreato é Fram, 50 anos. Divorciada, dois filhos que moram com o pai. É a mais velha das quatro amigas. Já passou dos 50 anos, mas quer parecer 30. Ninfomaníaca. Fala muito palavrão quando está sozinha, em público jamais. Faz meditação, mas quando está com raiva, tem tiques nervosos.

Raphael Gama é Debora, 40 anos. Divorciada, sem filhos. Inteligente, perspicaz, irônica, mas tipo dona da verdade. Sempre tem uma consideração a fazer, tentando que sua opinião prevaleça. Idealiza o amor. Come compulsivamente.

Nilton Bicudo é Olívia, 40 anos. Casada com filhos. Foi rica, não é mais. Tem que dirigir sua VAN que leva crianças para a escola. Julga-se sempre perseguida. Está sempre perguntando: O que vocês estão falando de mim? Exalta o marido, Alfredo, para as amigas.

Leandro Luna é Sara, 35 anos. Solteira. Executiva. A mais reservada. Parece ser fria, mas esconde grande esperança. Fuma descontroladamente. Não perdoa as amigas, mas pouco se importa com a opinião dos outros. Desconfiada. Odeia as hipocrisias de Fram.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Amigas, Pero No Mucho
Com Elias Andreato, Raphael Gama, Leandro Luna e Nilton Bicudo
Teatro Folha – Shopping Higienópolis (R. Dr. Veiga Filho, 133 – Higienópolis, São Paulo)
Duração 80 minutos
10/01 até 01/03
Quarta e Quinta – 21h
$40/$50
Classificação 14 anos

AGORA E NA HORA

À primeira vista, a história de um padre devoto cuja fé é colocada à prova diante de uma doença terminal, pode parecer uma tragédia sobre dogmas religiosos, com narrativa dramática. Mas em “Agora e na Hora”, o humor e a ironia são as principais ferramentas utilizadas pelo autor Luis Erlanger para abordar questões cômicas da natureza humana. A temporada acontece de 05 de janeiro a 25 e fevereiro, em sessões de sexta-feira a domingo no Teatro Folha.

Agora e na Hora” é a peça de estreia do jornalista e escritor Luis Erlanger.  A montagem assinada pelo diretor teatral e cineasta Walter Lima Junior, traz André Gonçalves no papel do protagonista e os atores Amandha Lee e Rodolfo Mesquita desdobrando-se nos outros personagens da trama.

Nossa trajetória na Terra pode ser vista como uma tragédia – afinal, todos morrem no final – mas é risível a forma patética como nós, humanos, ainda nos consideramos seres superiores na natureza e esperamos um tratamento especial por parte dela ou por quem está no seu comando”, reflete Erlanger. “Partindo dessa ideia, questionei, entre outras coisas, se um sacerdote, que acredita e prega a vida eterna, permaneceria tão convicto e sereno diante da iminência da própria morte”.

Com status de celebridade em sua paróquia, o jovem padre Emanuel (André Gonçalves) de apenas 30 anos, é diagnosticado com câncer em estado avançado após sofrer um desmaio durante a missa. Com pouco tempo de vida e inconformado com a inesperada notícia, abandona a batina e parte em busca de respostas em outros credos. Pregações evangélicas, Santo Daime, sessões espíritas e consultas a uma mãe de santo norteiam a sua busca, ao longo da qual descobre as drogas e o sexo, além das  discussões filosóficas que faz com um amigo de infância que se tornou traficante. “Religiões são diferentes possibilidades de se falar com Deus, assim como o próprio teatro dá diferentes possibilidades de se falar sobre algo”, compara André, que iniciou a carreira de ator com o diretor Walter Lima Junior há três décadas. “Estreei com ele aos 12 anos, em uma minissérie televisiva. E também estou reencontrando a Amandha, com quem já havia trabalhado há quase 15 anos”.

Em sua jornada, Emanuel cruza os mais diferentes personagens, todos interpretados por Amandha Lee ou Rodolfo Mesquita: “É inegavelmente desafiador por ser uma oportunidade rara de construir tipos tão diferentes dentro de um mesmo espetáculo”, conta Amandha, que interpreta da mãe do sacerdote à prostituta que o desvirgina.

Rodolfo faz coro: “São composições muito sutis. Você tem que humanizar o personagem para não cair na caricatura, correndo o risco de banalizá-lo. Encontrar essa verdade, a forma de falar, de andar, é uma construção delicada, mas deliciosa”.

A caracterização de cada personagem é reforçada pelos figurinos assinados por Inês Salgado. Ela procurou marcar as diferenças entre eles com indumentárias específicas e atemporais.

A opção do diretor Walter Lima Junior por um elenco enxuto encontra eco em uma cena igualmente despojada, econômica, com poucos elementos, que ganham forma no cenário concebido por Fernando Mello da Costa, em que um caixão é o principal objeto cênico. “É a referência imediata com a morte, que deflagra toda a ação da peça. Ele está sempre presente e se transforma em cama, púlpito, ganhando diferentes funções de acordo com a situação”,  explica.

Para o diretor, a luz, a cargo de Daniel Galvan, também tem uma função importante: “A ideia é que ela fuja do papel de definir a realidade da cena, mas sim o clima, a atmosfera, ajudando a construir os ambientes e estabelecer cortes, já que a história tangencia o mágico, o mistério e a fantasia”.

Seja em sua premiada trajetória como cineasta ou em suas incursões pela direção teatral, Walter procura sempre ir a fundo na discussão e entendimento do texto pelo elenco, que, para ele, é fundamental na compreensão do espetáculo pelo público: “Entendimento permite invenção, permite ao ator apresentar sua própria versão para não ficar restrito ao campo da interpretação de diálogos decorados”, acredita. “Meu objetivo é chegar no público, contar essa história. Eu não concebo a ideia de fazer filme nem peça sem me imaginar do outro lado, na plateia. Se não existe essa relação, não tem graça”, completa.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Agora E Na Hora
Com André Gonçalves, Amandha Lee, Rodolfo Mesquita
Teatro Folha – Shopping Higienópolis (R. Dr. Veiga Filho, 133 – Higienópolis, São Paulo)
Duração 80 minutos
05/01 até 25/02
Sexta – 21h30, Sábado – 20h e 22h, Domingo – 20h
$40/$80
Classificação 14 anos
 
Fotos: Leo Aversa e Cristina Granato

PARALAMAS EM CENA

O musical “Paralamas em Cena” estreia dia 06 de setembro no Teatro Folha e tem como fonte de inspiração o repertório da banda Paralamas do Sucesso, mesclando música e teatro, com referência nos anos 80 num estilo “rock de garagem”. As sessões serão as quartas e quintas-feiras às 21h até 26 de outubro.

As músicas da banda ganham novos arranjos para o espetáculo que tem direção geral de Isser Korik. As letras são utilizadas como texto de teatro e formam o fio condutor da montagem. O musical exalta a riqueza de letras como “Meu Erro”, “Óculos” e “Lanterna dos Afogados”, entre outros hits. Esta é a segunda montagem do projeto MPB em cena, que promete continuar revisitando e valorizando a música brasileira.

Os arranjos apresentam variedade de referências musicais passando pelo hardcore, rock balada, ritmos brasileiros, jazz e, claro, rock dos anos 80. Com direção musical e arranjos vocais do maestro  Paulo Nogueira, o espetáculo conta com renomados músicos que formam o time de arranjadores. Zeca Baleiro fez arranjo de um medley com as músicas “Saber Amar”, “Um Amor Um Lugar”, “Cuide Bem  do Seu Amor” e “Aonde Quer que eu Vá”; André Abujamra trabalhou com as músicas “O Calibre”, “Selvagem” e “O Beco”; Miguel Briamonte criou arranjo para “Lanterna dos Afogados”; Jair Oliveira assina arranjo para o medley com as músicas “A Lua que Eu te Dei”, “Só Pra te Mostrar”, “O Amor Não Sabe Esperar”. O musical tem também arranjos feitos por Ricardo Severo, Drika Lima, Marcelo Castro, Crika Amorim, Peter Mesquista, Rodolfo Schwenger, Kalau, Ivan Parente, Osmar Barutti e Paulo Nogueira.

A montagem conta ainda com a coreógrafa e preparadora corporal Vanessa Guillen, que além de coordenar a movimentação dos atores, realizou um trabalho de criação de coreografia com movimentos baseados na linguagem do teatro musical.

O elenco é formado por quatro atores convidados e mais sete escolhidos de uma oficina de teatro musical realizado pela produtora Conteúdo Teatral durante os meses de junho, julho e agosto de 2017. Os atores convidados Ruy Brissac – que interpretou o personagem Dinho no musical “Mamonas Assassinas”-, Carol Bezerra, Juliana Romano e Diego Rodda vão se juntar aos sete atores selecionados da oficina de teatro musical que passaram por um intenso processo de preparação ao longo de três meses. São eles: Ana Catharina Oliveira, Anna Paula Alonso, Carol Eloá, Érica Correia, Éric Terra, Gui Giannetto e Nalin Junior.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Paralamas em Cena
Com Ana Catharina Oliveira, Anna Paula Alonso, Carol Bezerra, Carol Eloá, Diego Rodda, Érica Correia, Éric Terra, Gui Giannetto, Juliana Romano, Nalin Junior e Ruy Brissac.
Teatro Folha – Shopping Pátio Higienópolis (R. Dr. Veiga Filho, 133 – Higienópolis, São Paulo)
Duração 60 minutos
06/09 até 26/10
Quarta e Quinta – 21h
$40
Classificação 10 anos

NÃO VAMOS PAGAR!

A comédia “Não Vamos Pagar!” do dramaturgo italiano Dario Fo inicia temporada no Teatro Folha dia 1º de setembro e fica em até 22 de outubro, com sessões de sexta-feira a domingo. Dirigida por Inez Viana, a peça, num ritmo dinâmico e divertido, mostra as hilariantes situações que envolvem as personagens Antônia e Margarida, donas de casa que fazem de tudo para manter suas finanças sob controle.

Antônia acaba de perder o emprego. Seu marido, João, trabalha em uma fábrica ameaçada de ser fechada. Em protesto contra aumento de preços, um grupo de mulheres decide invadir e saquear um supermercado. Entre elas, Antônia, que a partir daí se envolve em uma sequência de peripécias. O marido, cheio de valores e princípios éticos, prefere morrer de fome a fazer algo ilegal – e não faz ideia do que sua mulher tem feito. Somam-se a isso os problemas criados pela amiga Margarida, relutante em ajudá-la, e os vários encontros e incidentes com a polícia.

Na montagem tudo acontece de maneira muito ágil, graças ao elenco formado por Virginia Cavendish, idealizadora e produtora do projeto, Marcello Airoldi, Zéu Britto, André Dale e Luísa Vianna. O espetáculo estreou em 2014 e já percorreu 26 cidades, em temporadas de sucesso.

Os diálogos escritos por Dario Fo são ágeis, inteligentes e cheios de sátiras políticas. A diretora Inez Viana observa que a peça é muito atual porque as personagens vivem em crise financeira bem parecida com a que os brasileiros experimentam no momento. Ao mesmo tempo o texto permite que os atores brilhem e se divirtam nas situações cômicas. “É notória a inspiração de Dario Fo no popular para chegar ao erudito, mantendo a crítica, sempre no tom satírico, político e mordaz, sem perder a poesia e a esperança em dias melhores”, destaca a diretora Inez Viana.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Não Vamos Pagar!
Com Virginia Cavendish, Marcello Airoldi, Luísa Vianna, André Dale e Zéu Britto.
Teatro Folha – Shopping Pátio Higienópolis (R. Dr. Veiga Filho, 133 – Higienópolis, São Paulo)
Duração 95 minutos
01/09 até 22/10
Sexta – 21h30, Sábado – 20h e 22h, Domingo – 20h
$40/$70
Classificação 12 anos

AMIGAS, PERO NO MUCHO

A irreverente comédia “Amigas, Pero no Mucho”, de Célia Regina Forte, reestreia dia 1º de julho no Teatro Folha. Com direção de José Possi Neto,  esta temporada será realizada em comemoração dos 10 anos da estreia da primeira montagem. No elenco estão os atores Elias Andreato, Jonathas Joba, Leandro Luna e Nilton Bicudo.

Em fevereiro de 2007, “Amigas, Pero no Mucho” estreava no Teatro Renaissance inaugurando o horário da meia-noite. O sucesso foi tão grande, que por cinco anos percorreu vários teatros de São Paulo, com temporada também no Rio de Janeiro. Ganhou montagem baiana, com apresentações em várias capitais do Nordeste e Angola. Seu texto foi traduzido para o espanhol, alemão e inglês.

Mais de 200 mil pessoas riram com as incríveis situações criadas pela jornalista Célia Regina Forte sobre quatro mulheres da nossa época – interpretadas por quatro atores – que tentam dar conta de tudo: do cotidiano, do corpo, da mente, do trabalho, da família e da amizade, causando inusitadas situações típicas do universo feminino.

Com direção de José Possi Neto e composição musical de Miguel Briamonte, essa epopeia se dá através do encontro de quatro amigas em uma tarde de sábado, onde todas – ou quase todas – as roupas sujas são lavadas por elas. Com humor cáustico, ironia e irreverência, elas falam sobre suas dissimulações, devaneios e loucuras.

Quatro mulheres bem-sucedidas – ou nem sempre – comuns e sofisticadas que numa única tarde fazem revelações que as surpreendem e envolvem o público que tem lotado todos os teatros por onde elas passam. Mulheres que se amam e se odeiam ao mesmo tempo. Amigas, enfim.

AMIGAS PERO NO MUCHO 1 - DNG

 

Amigas, Pero No Mucho
Com Elias Andreato, Jonathas Joba, Leandro Luna e Nilton Bicudo. Participação de Rodolfo Schwenger ao piano e narração.
Teatro Folha – Shopping Pátio Higienópolis (Av. Higienópolis, 618 – Higienópolis, São Paulo)
Duração 80 minutos
01/07 até 27/08
Sexta – 21h30; Sábado e Domingo – 20h
$50/$70
Classificação 14 anos

ROQUE SANTEIRO

Esta é a primeira montagem de Roque Santeiro, em formato musical, em São Paulo. O texto, tornado clássico depois de proibido e adaptado com grande sucesso para a TV, é encenado no Teatro FAAP no formato pensado originalmente pelo autor Dias Gomes – como uma opereta popular.

O elenco desta montagem é composto por 13 atores: Jarbas Homem de Mello é Chico Malta; Livia Camargo faz a viúva Porcina; Flávio Tolezani é Roque Santeiro; Amanda Acosta interpreta Mocinha, filha de Dona Pombinha, vivida pela atriz Patrícia Gasppar, e do prefeito Florindo Abelha, interpretado por Dagoberto Feliz.

Edson Montenegro é Padre Hipólito; Luciana Carnieli vive a dona do bordel da cidade, Matilde, e as duas prostitutas – Rosali e Ninon – são vividas respectivamente pelas atrizes Yael Pecarovich e Giselle Lima. O músico e ator Marco França faz o papel de Toninho Jiló. Samuel de Assis é Zé das Medalhas, e Cristiano Tomiossi faz o papel do General.

A trilha sonora composta por Zeca Baleiro é executada ao vivo pelos atores com o apoio de dois músicos – André Bedurê (baixo e violão) e Érico Theobaldo (guitarra, percussão e eletrônicos). Baleiro musicou algumas letras do autor que já existiam na versão original do texto e compôs outras canções especialmente para a peça.

A trilha traz um toque levemente marcial, um certo tom militar, mas também tem elementos de bolero, tango, baião, valsa, muita brasilidade e brejeirices. Mas é bom deixar claro: a peça é diferente da novela, desde o texto até a música”, comenta Zeca Baleiro.

Roque Santeiro marca a quarta parceria da diretora Debora Dubois com o compositor. Juntos, eles já fizeram “Quem tem Medo de Curupira?”, “Lampião e Lancelote” e “A Paixão Segundo Nelson”. “Essa parceria é longa porque nos entendemos muito artisticamente, o Zeca é um artista muito completo, que entende o teatro e coloca a música a seu serviço de uma forma linda”, conta a diretora. “Optamos por uma trilha musical original. Resistimos à tentação de usar músicas da trilha da novela, que foi muito marcante. Mas, como uma espécie de ‘homenagem’ à novela, incluímos dois trechos de canções de Sá & Guarabyra”, continua Débora.

A direção de movimento é de Fabrício Licursi que, junto com Debora Dubois, optou por coreografias mais orgânicas, que misturam gestos e traços característicos dos personagens com a movimentação coletiva nos números musicais, como se reproduzissem festas populares na fictícia cidade de Asa Branca.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Ficha Técnica
Texto: Dias Gomes. Direção: Débora Dubois. Direção musical: Zeca Baleiro. Elenco: Jarbas Homem de Melo, Livia Camargo, Flavio Tolezani,  Amanda Acosta, Luciana Carnieli, Edson Montenegro, Dagoberto Feliz,  Patrícia Gasppar, Yael Pecarovich, Giselle Lima, Marco França, Samuel de Assis, Cristiano Tomiossi. Músicos: André Bedurê e Érico Theobaldo. Assistência de direção: Luis Felipe Correa. Direção de movimento: Fabrício Licursi.  Cenário: Débora Dubois. Figurinos: Luciano Ferrari. Iluminação: Fran Barros. Preparação Vocal: Marco França. Produção Executiva: Fabrício Síndice e Vanessa Campanari. Coordenação: Elza Costa. Direção de Produção: Edinho Rodrigues. Realização: Ministério da Cultura e Brancalyone Produções Artísticas.

Serviço
Estreou dia 27 de janeiro de 2017
Teatro FAAP – www.faap.br/teatro
Sextas e Sábados às 21h e Domingos às 18h
Rua Alagoas, 903 – Higienópolis, São Paulo
Tel. (11) 3662-7233 / 7234
Duração 120 minutos
Classificação indicativa – 14 anos
Até dia 30 de julho.

*Ingressos:
Sextas R$ 50 e 80 (inteira) | R$ 25 e 20 (meia).
Sábados e Domingos R$ 50 e 90 | R$ 25 e 45 (meia)