MOLIÈRE – UMA COMÉDIA MUSICAL DE SABINA BERMAN

Uma disputa bem-humorada entre a Comédia, representada por seu mais ilustre autor, Molière (vivido por Matheus Nachtergaele), e a Tragédia, personificada pelo poeta Jean Racine (Elcio Nogueira Seixas) estreia no Teatro do Sesi-SP a partir de 20 de abril. O espetáculo Molière – Uma Comédia Musical de Sabina Berman fica em cartaz até 29 de julho, com entrada gratuita.

Embalada por músicas de Caetano Veloso, executadas ao vivo e com arranjos originais do maestro Gilson Fukushima, montagem faz parte do projeto de intercâmbio cultural promovido pelo Sesi-SP e o Teatro Promíscuo para valorizar a dramaturgia latino-americana. A peça marca a estreia da obra teatral da renomada dramaturga mexicana Sabina Berman no Brasil. O espetáculo é dirigido por Diego Fortes, ganhador do Prêmio Shell em 2017 pelo espetáculo O Grande Sucesso.

Inspirada no próprio teatro de Molière, que fundia vários estilos em uma mesma obra (Commedia Dell’Arte; influências renascentistas e barrocas; humor satírico), a encenação busca integrar linguagens diversas em uma intensa dinâmica cênica.  “A fusão de linguagens de Molière e a autenticidade de suas criações nos possibilitaram misturar cores e texturas com extrema liberdade, procurando sempre uma encenação em que regras pudessem ser quebradas”, diz o diretor Diego Fortes.

Em cena, quatorze atores e músicos vão narrar o inusitado conflito entre formas opostas de pensar o mundo, expressas pelas famosas máscaras do Teatro: uma ri malandramente de tudo e de todos, a outra mostra reverência e temor diante da dor e da morte. O embate épico entre estas duas faces da vida tem como cenário a corte carnavalesca de Luis XIV, o Rei Sol (Nilton Bicudo), na França.

Amado pelo público e favorito do extravagante do rei, Molière trava uma luta tragicômica, com seu aprendiz Racine para manter a posição de dramaturgo mais prestigiado da corte. Enquanto isso, Arcebispo de Paris, grade entusiasta da guerra, Monsenhor Péréfixe (Renato Borghi), tentará se aproveitar do conflito para banir do reino o Teatro e seus artistas, endurecer a censura e lançar a França em uma era de conquistas, violência e sacrifício. É mais nobre fazer o público rir ou chorar? Os artistas devem mostrar o mundo como ele é ou como deveria ser? Porque proibir obras de arte e perseguir seus criadores? Até que ponto aqueles que criam devem submeter-se à vontade daqueles que pagam? Estas são algumas das grandes questões que permeiam o enredo do espetáculo inédito.

O cenário de André Cortez evidencia o jogo de transições entre teatro e realidade ao mesmo tempo em que dissipa os limites entre palco e plateia. O público, enquanto assiste a uma encenação de Molière ou de Racine, também acompanha as reações do Rei Luís XIV e do Arcebispo Péréfixe ao espetáculo. Os figurinos de Karlla Girotto brincam com a ideia irreverente de uma “França Tropical”, ou melhor, de uma delirante “Tropicália Francesa” irrompendo em plena corte absolutista do século XVII.

unnamed34-1.jpg

Molière – Uma Comédia Musical de Sabina Berman
Com Matheus Nachtergaele, Elcio Nogueira Seixas, Renato Borghi, Nilton Bicudo, Rafael Camargo, Luciana Borghi, Georgette Fadel, Regina França, Marco Bravo, Débora Veneziani, Edith de Camargo, Fábio Cardoso, Maria Fernanda e Beatriz Lima
Teatro do Sesi-SP – Centro Cultural Fiesp (Av. Paulista, 1313 – Jardins, São Paulo)
Duração 120 minutos
20/04 até 29/07
Quinta, Sexta, Sábado – 20h, Domingo – 19h
Grátis. Reserva de ingressos pelo site http://www.centroculturalfiesp.com.br ou remanescentes diretamente na bilheteria do teatro (quarta a sábado, das 13h às 20h30 e domingo, das 11h) nos dias da apresentação.
Classificação 16 anos

OS PRODUTORES

O clássico de Mel Brooks Thomas Meehan, lançado em 1968, ganhou uma versão musical na Broadway em 2001 e remake do filme em 2005, este estrelado por Nathan Lane, Matthew Broderick, Uma Thurman, Will Ferrell, entre outras estrelas de Hollywood. No Brasil, Os Produtores ganhou vida pelas mãos do ator, diretor e produtor Miguel Falabella.

Em 2007, a hilária adaptação, que passou por cidades como São Paulo, Porto Alegre, Curitiba e Rio de Janeiro, levou mais de 200 mil pessoas ao teatro e contou com nomes de peso como Juliana Paes e Vladimir Brichta. Para a remontagem da versão brasileira em comemoração dos 10 anos de sua estreia em palcos tupiniquins, o musical volta com estrelas de mesma grandeza e terá em cena, além do próprio Falabella (também responsável pela direção geral), Danielle Winits (atriz já consagrada das telas e dos palcos) e o comediante e apresentador Marco Luque (que faz sua estreia no gênero musical e promete arrancar risadas com seu jeito icônico de fazer comédia).

A reestreia de Os Produtores está marcada para 20 de abril de 2018, e ficará em curta temporada no Teatro Procópio Ferreira, em São Paulo. A produção segue viagem para o Rio de Janeiro, quando estreia em 13 de julho de 2018, no Vivo Rio. Os ingressos para a temporada paulistana já estão à venda pela http://www.ingressorapido.com.br e pontos de vendas oficiais. Vide serviço completo abaixo.

A superprodução volta repaginada em 2018, com mais de 16 cenários, mais de 350 peças de figurino60 perucas, uma orquestra de 11 músicos, equipe técnica e de produção de 100 pessoas e um grande elenco de 25 atores.

A versão atual tem um maior número de cenários, além de mais grandiosos do que a edição de 2007. A cenografia procurou retratar todas as atmosferas que envolvem um espetáculo musical ao recriar ambientes como o espaço de audição, o teatro, além de outros lugares que se passam a história como um tribunal, a casa do diretor, escritório de contabilidade, prisão, tribunal, a cidade. Todos os espaços foram reproduzidos nos mínimos detalhes. A riqueza também está inserida nos figurinos que misturam cores e texturas e se transformam em extensões dos personagens.

SINOPSE
Primavera de 1959 em Nova York. O produtor Max Bialystock (Miguel Falabella) amarga seu último fracasso no teatro quando chega, em seu escritório, um contador tímido e um tanto nervoso, Leo Bloom (Marco Luque), para revisar a contabilidade. Sem querer, Leo descobre que um produtor pode ganhar mais dinheiro com um fracasso do que com um sucesso. “Você pode juntar um milhão de dólares de investidores, gastar cem mil e guardar o resto!”. A ideia faz brilharem os olhos de Max, que convence o até então honesto contador a se associar a ele.

A dupla então se dedica a encontrar a pior obra jamais escrita, conseguir o mais desastroso diretor de teatro e produzir o maior fracasso da história. A eles junta-se Ulla (Danielle Winits), uma dançarina sueca que conquista seu espaço com algum talento e belas pernas. No entanto, nem tudo sai como planejado: a obra resulta num estrondoso sucesso, o golpe é descoberto e ambos são presos. Mas o que parece o fim acaba virando um novo começo. Após saírem da prisão, Max e Leo voltam à Broadway com o musical “Prisioneiros do Amor”. Desta vez, porém, a ideia é fazer sucesso e a peça é um recomeço para os dois.

30704856_564781457225272_1931533088524882636_n.png

Os Produtores
Com Miguel Falabella, Marco Luque, Danielle Winits, Sandro Christopher, Edgar Bustamante, Mauricio Xavier, Brenda Nadler, Carol Costa, Fefa Moreira, Giovanna Zotti, Hellen de Castro, Mariana Belém, Maysa Mundim, Renata Vilela, Talita Real, Thais Garcia, Adriano Tunes, Carlos Leça, Daniel Caldini, Fernando Lourenção, Gustavo Klein, Marcel Octavio, Pedro Paulo Bravo, Rafael Machado, Ubiracy Brasil
Teatro Procópio Ferreira (Rua Augusta, 2.823 – Jardins, São Paulo)
Duração 150 minutos
20/04 até ?
Quinta e Sexta – 21h, Sábado – 17h e 21h, Domingo – 15h30
$75/$250
Classificação 12 anos

OS PRODUTORES

O clássico de Mel Brooks Thomas Meehan, lançado em 1968, ganhou uma versão musical na Broadway em 2001 e remake do filme em 2005, este estrelado por Nathan Lane, Matthew Broderick, Uma Thurman, Will Ferrell, entre outras estrelas de Hollywood. No Brasil, Os Produtores ganhou vida pelas mãos do ator, diretor e produtor Miguel Falabella.

Em 2007, a hilária adaptação, que passou por cidades como São Paulo, Porto Alegre, Curitiba e Rio de Janeiro, levou mais de 200 mil pessoas ao teatro e contou com nomes de peso como Juliana Paes e Vladimir Brichta. Para a remontagem da versão brasileira em comemoração dos 10 anos de sua estreia em palcos tupiniquins, o musical volta com estrelas de mesma grandeza e terá em cena, além do próprio Falabella (também responsável pela direção geral), Danielle Winits (atriz já consagrada das telas e dos palcos) e o comediante e apresentador Marco Luque (que faz sua estreia no gênero musical e promete arrancar risadas com seu jeito icônico de fazer comédia).

A reestreia de Os Produtores está marcada para 21 de abril de 2018, e ficará em curta temporada no Teatro Procópio Ferreira, em São Paulo. A produção segue viagem para o Rio de Janeiro, quando estreia em 13 de julho de 2018, no Vivo Rio. Os ingressos para a temporada paulistana já estão à venda pela www.ingressorapido.com.br e pontos de vendas oficiais.

A versão atual tem um maior número de cenários, além de mais grandiosos do que a edição de 2007. A cenografia procurou retratar todas as atmosferas que envolvem um espetáculo musical ao recriar ambientes como o espaço de audição, o teatro, além de outros lugares que se passam a história como um tribunal, a casa do diretor, escritório de contabilidade, prisão, tribunal, a cidade. Todos os espaços foram reproduzidos nos mínimos detalhes. A riqueza também está inserida nos figurinos que misturam cores e texturas e se transformam em extensões dos personagens.

Além da nova direção de Miguel Falabella, o espetáculo conta com direção musical e vocal de Carlos Bauzys, coreografia de Fernanda Chamma, cenografia de Renato Theobaldo, figurinos de Ligia Rocha e Marco Pacheco, visagismo de Dicko Lorenzo, design de som de Gabriel D’Angelo e design de luz de Guillermo Herrero.

SINOPSE

Primavera de 1959 em Nova York. O produtor Max Bialystock (Miguel Falabella) amarga seu último fracasso no teatro quando chega, em seu escritório, um contador tímido e um tanto nervoso, Leo Bloom (Marco Luque), para revisar a contabilidade. Sem querer, Leo descobre que um produtor pode ganhar mais dinheiro com um fracasso do que com um sucesso. “Você pode juntar um milhão de dólares de investidores, gastar cem mil e guardar o resto!”. A ideia faz brilharem os olhos de Max, que convence o até então honesto contador a se associar a ele.

A dupla então se dedica a encontrar a pior obra jamais escrita, conseguir o mais desastroso diretor de teatro e produzir o maior fracasso da história. A eles junta-se Ulla (Danielle Winits), uma dançarina sueca que conquista seu espaço com algum talento e belas pernas. No entanto, nem tudo sai como planejado: a obra resulta num estrondoso sucesso, o golpe é descoberto e ambos são presos. Mas o que parece o fim acaba virando um novo começo. Após saírem da prisão, Max e Leo voltam à Broadway com o musical “Prisioneiros do Amor”. Desta vez, porém, a ideia é fazer sucesso e a peça é um recomeço para os dois.

29101139_10213531227988436_1925505474556329984_n

Os Produtores
Com Miguel Falabella, Marco Luque, Danielle Winits, Sandro Christopher, Edgar Bustamante, Mauricio Xavier, Brenda Nadler, Carol Costa, Fefa Moreira, Giovanna Zotti, Hellen de Castro, Mariana Belém, Maysa Mundim, Renata Vilela, Talita Real, Thais Garcia, Adriano Tunes, Carlos Leça, Daniel Caldini, Fernando Lourenção, Gustavo Klein, Marcel Octavio, Pedro Paulo Bravo, Rafael Machado e Ubiracy Brasil.
Teatro Procópio Ferreira (Rua Augusta, 2.823 – Jardins, São Paulo)
Duração 150 minutos
21/04 até
Quinta e Sexta – 21h, Sábado – 17h e 21h, Domingo – 15h30
$75/$250
Classificação 12 anos

O HOMEM QUE QUERIA SER LIVRO

O HOMEM QUE QUERIA SER LIVRO é um título criado por Darson Ribeiro diante de um misto de história pessoal da infância e o atual momento em que vive, sempre tendo o teatro como meio de vivência. Convidou imediatamente Flavio de Souza para desenvolvê-lo, diante do que ele chama de “ótima embocadura para o ator”, como o premiado “Fica Comigo Essa Noite”, por exemplo. “Ele consegue tratar de assuntos atuais e atemporais com dramaticidade e bom humor”, explica Darson.

E foi diante dessa contemporaneidade de pensamentos, mesclada com ensinamentos milenares e ao mesmo tempo, extratemporais, que veio o convite para que Rubens Rusche assumisse a  direção.

Rubens é um tipo de diretor que já quase não há. Ele pensa primeiro na lógica da escrita e vai aos poucos criando e demarcando laços de vogais a sentenças, dando volume, peso e dramaticidade ao que se lê com o foco sempre no corpo do ator. O que se fala deve ser sentido primeiramente no corpo, só assim a voz se torna crível para contagiar as pessoas”, diz Darson.

Sobre o espetáculo

O HOMEM QUE QUERIA SER LIVRO, se repararem, é quase um trocadilho entre “li-vro” e “li-vre”. É o teatro indo em busca do que a maioria esquece ou não sabe, que é a retomada da criança interior, no sentido humanista da ação.

Darson não tem o objetivo de realizar uma “ode” ao livro, mas, sim, utilizar-se desse instrumento milenar para, por meio do teatro, reforçar o “pensar em si”. A sugestão fica: tudo está em nós mesmos. Em quarenta e cinco minutos num tom confessional, ele apresenta de forma crua e sutil ao mesmo tempo, em tons variantes entre drama, humor e poesia, um reverso desse mundo caótico justamente pela falta de humanidade. E consequentemente, por falta da leitura – o homem consigo mesmo. Citando Jorge Luis Borges, “Sempre imaginei que o paraíso fosse uma espécie de livraria.

Então, esse ‘homem-livro’ se pendurou aos livros e ficou suspenso no ar – também no sentido metafórico do não-alcance terreno, como se as palavras tivessem o poder de suspender acima, prum céu sonhado. As pessoas já não sonham mais, sequer imaginam.
Ao contrário de um “anjo caído”, ele desobedeceu aos homens, não ao Divino, e flutuou nas letras usando as capas dos livros como alicerce, e diante de tamanho embrenhamento nas histórias se vê como Dom Quixote. Mas, são também os livros que o fazem sair da fantasia e entender a realidade. E aí, ele vence.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O Homem Que Queria Ser Livro
Com Darson Ribeiro
Teatro Livraria da Vila (Alameda Lorena, 1731, Jardins, São Paulo)
Duração 45 minutos
05/01 até 17/03
Sexta e Sábado – 20h
$60
Classificação 10 anos

HEBE, O MUSICAL

O programa “Encontro com Fátima Bernardes” recebeu na manhã de hoje a visita de uma parte do elenco de “Hebe, o Musical” e o diretor Miguel Falabella, para uma conversa.

Foi apresentado o número “Beija Me”, em homenagem aos selinhos que a rainha da televisão dava nos seus amigos e entrevistados.

Não deixe de ver a matéria que fizemos com várias curiosidades sobre Hebe e que estão no musical. Clique aqui.

Hebe, o Musical
Com Adriano Tunes, Brenda Nadler, Carlos Leça, Carol Costa, Clarty Galvão, Daniel Caldini, Debora Reis, Dino Fernandez, Fefa Moreira, Fernando Marianno, Frederico Reuter, Giovana Zotti, Guilherme Magon, Keka Quarterone, Mari Saraiva, Maysa Mundim, Renata Bras, Renata Ricci, Renato Bellini, Renato Caetano e Rodrigo Garcia
Teatro Procópio Ferreira (Rua Augusta, 2.823 – Jardins, São Paulo)
Duração 140 minutos
12/10 até 17/12
Quinta e Sexta – 21h, Sábado – 17h e 21h, Domingo – 18h
$50/$190
Classificação 12 anos

LAILA GARIN E A RODA

Filha de mãe baiana e pai francês, Laila ensaia sua chegada à cena como cantora e intérprete há algum tempo. Começou a estudar teatro aos 11, canto lírico aos 13 e com 15 anos já integrava um grupo de teatro amador da Casa Via Magia, atuando em várias montagens. Laila estagiou durante seis meses no Théâtre du Soleil, em Paris. “Eu sempre cantei no teatro, mas sempre tive vontade de fazer um trabalho de música, independente do teatro. Cheguei a fazer alguns poucos shows em Salvador, mas precisava encontrar os parceiros certos”, conta. “De São Paulo eu fui para o Rio, em 2009, fazer um musical do João Falcão dedicado à música brasileira, chamado “Eu te Amo Mesmo Assim”. Foi lá que eu conheci Ricco Viana e Rick de la Torre: como os dois já trabalhavam com teatro, entendiam como a música poderia estar à serviço da dramaturgia”, completa Laila.

Escolhida para interpretar Elis Regina em “Elis, a musical”, que a projetou para o grande público, Laila Garin teve na biografia da cantora a inspiração para seguir em frente com seu projeto de intérprete: “Com Elis tive essa rebeldia, essa coragem que aprendi com ela, e decidi que tinha chegado a hora de fazer a minha banda”. Foi com essa determinação que Laila partiu para uma série de shows no lendário Beco das Garrafas, espaço que viu a bossa nova nascer e acabara de ser reativado, no Rio de Janeiro. “Eu tinha conhecido o Beco das Garrafas, um lugar importantíssimo para a música brasileira, então resolvemos fazer o show Rabisco por lá“.  Como o título sugere, a ideia era mostrar algo que estava sendo construído, um rabisco. “Convidamos o Marcelo Müller, baixista, e a cada semana a gente exercitava um repertório diferente, via a resposta do público, mexia nos arranjos, até chegar no que hoje virou o nosso CD”, pontua.

Abaixo o clipe oficial da canção “Não Me Arrependo”.

Laila Garin e A ROda Cantam Elis
Com Laila Garin e A Roda
Paris 6 Burlesque Music Hall & Night Bistro (Rua Augusta, 2809 – Jardins, São Paulo)
Duração: não informada
20 e 27/11
Segunda – 21h
$70/$100
Classificação 14 anos

 

FALANDO SOBRE “HEBE, O MUSICAL”

Hebe O Musical estreou nesta última quinta feira, 12 de outubro, no Teatro Procópio Ferreira.

No primeiro programa, falamos sobre o espetáculo, curiosidades do musical e a nossa avaliação.

Minutagem do Programa

0:28 – O Musical
Curiosidades
05:29 – Programa de Perguntas e Respostas
11:20 – Hebe, Família e Início da Carreira
15:40 – Os Amores
20:40 – As Amizades
25:55 – Figurinos e Jóias
27:10 = Selinho
30:30 – Hebe na TV
33:07 – O Adeus
Avaliação
33:33 – Opinião sobre o Musical

Hebe, o Musical
Com Adriano Tunes, Brenda Nadler, Carlos Leça, Carol Costa, Clarty Galvão, Daniel Caldini, Debora Reis, Dino Fernandez, Fefa Moreira, Fernando Marianno, Frederico Reuter, Giovana Zotti, Guilherme Magon, Keka Quarterone, Mari Saraiva, Maysa Mundim, Renata Bras, Renata Ricci, Renato Bellini, Renato Caetano e Rodrigo Garcia
Teatro Procópio Ferreira (Rua Augusta, 2.823 – Jardins, São Paulo)
Duração 140 minutos
12/10 até 17/12
Quinta e Sexta – 21h, Sábado – 17h e 21h, Domingo – 18h
$50/$190
Classificação 12 anos