AS CANGACEIRAS, GUERREIRAS DO SERTÃO

As Cangaceiras, Guerreiras do Sertão é uma fábula inspirada nas mulheres que seguiam os bandos nordestinos, que atuavam contra a desigualdade social da região.

O musical conta a história de um grupo de mulheres que se rebelam contra mecanismos de opressão que encontravam dentro do próprio cangaço.

Além de reflexões sobre o conceito de justiça social que o cangaço representava, o espetáculo reflete sobre as forças do feminino nesse espaço de libertação e sobre nossa ideia de cidadania e heroísmo.

As canções originais foram compostas por Fernanda Maia (música) e Newton Moreno (letras), inspirados em ritmos da cultura nordestina. “Nas canções usei várias referências da música nordestina e tive uma abordagem afetiva desse material, por ser filha de paraibano e por ter morado no Nordeste enquanto fazia faculdade de música. Nessa época, pude entrar mais em contato com a cultura do Nordeste, que é de uma riqueza ímpar, cheia de personalidade, identidade, poesia e, ao mesmo tempo, muito paradoxal. Esse trabalho foi a união das vozes de todos. Não há como receber um texto de Newton Moreno nas mãos e não se encantar com o universo que existe ali”, conta Fernanda Maia.

Além dos atores cantarem em cena, o espetáculo traz cinco músicos para completar a parte musical (baixo, violão, guitarra, violoncelo e acordeão). Texto e música se misturam, palavra e canto se complementam, como se tudo fosse uma única linha dramatúrgica. “Optamos por uma narrativa que realmente seja uma continuação da cena e não um momento musical que pare para celebrar, ou para criar umas aspas dentro da história. Isso só é possível com canções compostas para o espetáculo. Buscamos um DNA totalmente brasileiro para a peça, tanto na embocadura, na fala, na construção do texto, como na interpretação dos atores. Não tem um modelo importado, não tem uma misancene importada, é uma investigação a partir de códigos que pertencem a uma estética do nosso país e do teatro brasileiro”, comenta o diretor Sérgio Módena.

Um pouco da trama

Uma das grandes características dessa dramaturgia é seu caráter fabular e não de uma reprodução histórica e factual do que foi o Cangaço e o próprio Nordeste brasileiro da época.

O enredo começa quando Serena (personagem de Amanda Acosta) descobre que seu filho, que ela acreditava ter sido morto a mando do marido, Taturano (personagem de Marco França), está vivo. Ela, então, larga seu grupo do Cangaço, chefiado por Taturano, para partir em busca de seu bebê. Neste momento ela não tem a dimensão de que sua luta para encontrar o filho se tornará uma luta coletiva, maior que seu problema pessoal. Outras mulheres que formavam o bando se engajam nessa batalha, além de futuras companheiras que cruzam seu caminho.

Segundo a atriz Amanda Acosta a peça  “é o grito de libertação que estas mulheres não puderam dar, mas que darão agora através desta obra escrita pelo nosso grande dramaturgo Newton Moreno. Grito que fala sobre coragem, amor, empatia, união, insurreição e liberdade”.

A partir do momento que essa dramaturgia traz um bando de mulheres, que é algo que nunca ocorreu, temos uma liberdade para abrir várias janelas de reflexão, inclusive, fazendo um paralelo com o que estamos vivendo hoje. É uma reflexão sobre o sistema de opressão, no caso a mulher, mas você pode estender para qualquer camada social que está ali sendo historicamente oprimida”, completa o diretor.

End of season sale!.png

As Cangaceiras, Guerreiras do Sertão

Com Amanda Acosta, Marco França, Vera Zimmermann, Carol Badra, Luciana Lyra, Rebeca Jamir, Jessé Scarpellini, Marcelo Boffat, Milton Filho, Pedro Arrais, Carol Costa, Badu Morais, Eduardo Leão e mais 5 músicos

Teatro do Sesi (Av. Paulista, 1313 – Jardins, São Paulo)

Duração 120 minutos

25/04 até 04/08

Quinta, Sexta e Sábado – 20h, Domingo – 19h

Grátis (Reservas antecipadas de ingressos online serão liberadas sempre às segundas-feiras, às 8h, para as apresentações da semana no site do meu sesi . Ingressos remanescentes e cota para público espontâneo são distribuídos 15 minutos antes, na bilheteria do teatro.

CIRCUITO BROADWAY

Durante o circuito, bailarinos, cantores, atores, coreógrafos e diretores artísticos interessados em teatro musical poderão participar do maior workshop de estudo e intercâmbio do gênero do país, com direito a aulas de canto, dança, interpretação, oficinas de cenografia, iluminação, coreografia, palestras, apresentação de espetáculos musicais e uma mostra competitiva nas categorias Kids Teens.

A produtora, diretora e coreógrafa Fernanda Chamma, renomada profissional do teatro musical nacional e, atualmente, jurada do programa Dancing Brasil (da TV Record), levará em julho de 2019 o projeto Circuito Broadway para a cidade de Joinville, na semana em que acontecerá o Festival de Dança.

Serão 4 dias, de 18 a 21 de julho, de atividades direcionadas às crianças, adolescentes e adultos, com ou sem experiência, amantes do mundo do musical theatre. Grandes nomes do teatro musical brasileiro ministrarão aulas e atividades exclusivas em um intercâmbio de novidades da Broadway West End para inscritos de todo o país.

Idealizado e coordenado por Fernanda, as aulas, com quatro horas e meia de duração diárias, serão comandadas por Mariana Nogueira (dança), Willian Sancar (canto), Daniela Stirbulov (interpretação), Daniela Cury (interpretação), Richard Luiz (cenografia e iluminação) e pela própria (coach, coreografia e mercado do teatro musical no país, produção de espetáculos e implantação do gênero em academias e formação).

Além dos workshops e palestras, uma mostra competitiva (nas categorias Kids Teens) também integrará a programação, com premiação inédita de workshops coachs para solistas e escolas de todo o Brasil. A programação contará também com a apresentação do espetáculo musical premiado “A Megera Domada”, criado para jovens talentos kids teens do teatro musical do eixo Rio/São Paulo.

Informações dos cursos e mostra competitiva: contato@circuitobroadway.com.br

Inscrições para workshops, palestras e mostra competitiva: tinyurl.com/y5wd6nao

thumbnail_3125

O espetáculo

Em A Megera Domada ‐ O Musicalum elenco com 30 atores e atrizes na faixa dos 7 aos 17 anos contam a história do clássico romance de William Shakespeare, adaptado por Leonardo Robbi. Unindo canto, dança, representação e sapateado, a peça se passa num animado dia de aula na escola WS, onde a personagem Catarina, uma garota cheia de atitude, costuma assustar os garotos que a consideram uma verdadeira megera.

Já Bianca, sua irmã mais nova, é conhecida por sua doçura e sensibilidade, mas, para o desespero da caçula, o pai de ambas não permite que ela namore antes da mais velha ter um relacionamento. Para ajudar a resolver esse impasse Bianca vai pedir a ajuda de Petrúquio, um garoto do interior, recém-chegado, que recebe o desafio de conquistar a mandona Catarina. Direção artística de Cininha de Paula e Fernanda Chamma.

fernanda-chamma

Fernanda Chamma – Idealizadora do Circuito Broadway

Formada em Ballet Clássico, com especialização nas áreas de Jazz Dance Musical Theatre. Diretora artística da Only Broadway e dos Estúdios Broadway, coreografa shows, espetáculos, eventos e comerciais de televisão. Ministra workshops por todo país e profissionaliza jovens talentos na área de teatro musical. Junto à Rede Globo, é coreógrafa de novelas, minisséries e espetáculos. Atualmente, é jurada do programa Dancing Brasil, comandado por Xuxa Meneguel na Record TV. Dirigiu e coreografou diversos musicais no eixo Rio/SP: HairsprayA Gaiola das LoucasAladdinAlô Dolly!, Looney TunesAntes Tarde do que NuncaHebe –‐ O Musical,Os ProdutoresA Pequena Sereia, entre outros. Foi diretora e coreógrafa residente do musical A Família Addams no Brasil e na Argentina e diretora e coreógrafa residente do musical Mudança de Hábito no Brasil. Ganhou o Prêmio Bibi Ferreira de melhor coreógrafa de teatro musical do ano de 2016.

5c827e0a3816f

Circuito Broadway Joinville

De 18 a 21 de julho no Teatro CNEC Joinville.

Regulamento

http://tetocultura.com.br/circuito/regulamento.html

Workshops e Palestras – Inscrições e pagamento

tinyurl.com/y5wd6nao

Mostra Competitiva – Inscrições para processo seletivo

http://tetocultura.com.br/circuito/

Mostra Competitiva – Inscrições e pagamento (para os selecionados)

Sympla (www.sympla.com.br)

Mostra Competitiva – Apresentações

Dias 19 e 20 de julho – Sexta-feira e sábado, das 19h às 22h.

Local: Teatro CNEC Joinville – Av. Getúlio Vargas, 1266 – Anita Garibaldi – Joinville.

Telefone: (47) 3431 0900.

Ingressos: R$40,00 e R$20,00.

Site vendaswww.ticketcenter.com.br

Espetáculos

A MEGERA DOMADA

Dia 19 de julho – Sexta-feira, às 17h.

Local: Teatro CNEC Joinville – Av. Getúlio Vargas, 1266 – Anita Garibaldi – Joinville.

Telefone: (47) 3431 0900.

Ingressos: R$40,00 e R$20,00.

Site vendaswww.ticketcenter.com.br

 

VAMOS COMPRAR UM POETA

Inspirado no livro homônimo de Afonso Cruz, o musical infantojuvenil inédito Vamos Comprar um Poeta estreia no dia 23 de março, no Centro Cultural Banco do Brasil São Paulo (CCBB São Paulo), e segue em cartaz até 31 de agosto.

O musical narra a chegada de um Poeta à casa de uma família comum. Nesse lar, moram um pai que só pensa em ganhar dinheiro; uma mãe que organiza todos os dias os trabalhos domésticos; uma menina esperta e curiosa que gosta de entender o significado das coisas; e um menino que adora fazer contas.

O poeta ensina os pequenos a observar borboletas, compor os próprios poemas e aprender a dar abraços. A montagem cria uma divertida reflexão sobre a nossa capacidade de invenção, fazendo um importante paralelo entre cultura e economia. É uma homenagem à cultura, em um espetáculo que mistura poesia, música e dança.

Vamos Comprar um Poeta é a última parte da trilogia de histórias de amor para crianças, composta também pelos premiados musicais A Gaiola e Contos Partidos de Amor.

FACE

Vamos Comprar um Poeta

Com Letícia Medella, Luan Vieira, Sergio Kauffmann

Centro Cultural Banco do Brasil (R. Álvares Penteado, 112 – Centro, São Paulo)

Duração 60 minutos

23/03 até 31/08

Sábado – 11h

$30

Livre

CONHECENDO O MUSICAL “SUNSET BOULEVARD”

O musical “Sunset Boulevard“, de Andrew Lloyd Weber, estreia no país no dia 22 de março, no Teatro Santander. Encabeçando o elenco, temos Marisa Orth, Daniel Boaventura e Júlio Assad.

O espetáculo é baseado no filme clássico, em preto e branco, de mesmo nome.

Conta a história de Norma Desmond, uma atriz que foi uma estrela nos tempos do cinema mudo, mas não soube se adaptar aos filmes falados. Só que o tempo vai passando, e ela acredita que ainda é uma grande estrela, mesmo sem pisar num estúdio cinematográfico há anos.

Com a ajuda do destino, ela conhece um roteirista, Joe Gillis, que vem bater a sua porta. Ela o contrata-o para reescrever o roteiro do filme, que a trará de voltas às telas. Mas, Norma vive num mundo de fantasias. O roteiro que ela escreveu é péssima, e os grandes produtores/diretores se esqueceram dela.

Numa trama de gato e rato, Norma tenta seduzir Joe, que é apaixonado por Betty Schaefer, assistente de produção num estúdio. Só que Norma não aceita o romance e faz com que termine. Joe acaba com Betty, mas também diz que sairá da vida da atriz. Será que ela deixará?

ah, só pra falar – a história é contada por um morto.

Sunset Boulevard

Com Marisa Orth, Daniel Boaventura, Julio Assad, Andrezza Massei, Eduardo Amir, Lia Canineu, Bruno Sigrist, Sérgio Rufino, Carlos Leça, Arízio Magalhães, Abner Depret, Brenda Nadler, Dante Paccola, Ester Elias, Fábio Ventura, Giovana Zotti, Hellen de Castro, Jana Amorim, Juliana Olguin, Letícia Soares, Luana Zenun, Mau Alves, Nick Vila Maior, Rafael de Castro, Renato Bellini, Rodrigo Negrini, Thiago Lemmos, Vânia Canto

Teatro Santander – Complexo do Shopping JK (Av. Juscelino Kubitschek, 2041 – Itaim Bibi, São Paulo)

Duração 150 minutos

22/03 até 07/07

Quinta e Sexta – 21h, Sábado – 17h e 21h, Domingo – 15h e 19h

$75/$290

Classificação Livre

CIA DO STAND UP

Cia do Stand Up é um projeto de sucesso criado por quatro grandes humoristas. Com trajetórias diversas e  estilos únicos de fazer humor, eles se revezam no palco, em apresentações de 15 minutos cada, entretendo a plateia sempre com olhar cômico sobre o dia a dia.

São eles:

Gustavo Pompiani: É fundador e integrante do Osascomedy, show que ficou em cartaz na zona oeste de São Paulo por mais de 4 anos.

Guto Andrade: este humorista da Zona Leste de SP tem mais de 1 milhão de acessos nos seus vídeos na internet. Participações no Prêmio Multishow e no canal Comedy Central. Fundador da Noite da Comédia Stand Up.

Oscar Filho: Pioneiro na comédia Stand Up do país, foi fundador e integrante do Clube da Comédia, o primeiro show de stand up comedy de São Paulo e há 10 anos em cartaz com seu “Putz Grill”. É ex-integrante do programa CQC.

Tiago Carvalho: Fundador e ex-integrante do show 4 amigos.

FACE

Cia do Stand Up

Com: Gustavo Pompiani, Guto Andrade, Oscar Filho e Tiago Carvalho

Teatro West Plaza – Sala Nicette Bruno – Shopping West Plaza (Av. Francisco Matarazzo, s/n – Água Branca, São Paulo)

Duração 60 minutos

17/03 até 28/07

Domingo – 20h30

$50

Classificação 14 anos

SUNSET BOULEVARD

Glamour, poder e cobiça no musical que fez história na Broadway. Assim é “Sunset Boulevard”, superprodução que estreia dia 22 de março e marca o retorno aos palcos de uma das duplas mais queridas do teatro brasileiro: Marisa Orth e Daniel Boaventura.

Eles serão os protagonistas do espetáculo vencedor de sete Tony Awards, com músicas de Andrew Lloyd Weber. A direção artística da montagem brasileira é de Fred Hanson. O musical acontecerá no Teatro Santander e é mais uma coprodução da IMM Esporte e Entretenimento e da empresária e produtora Stephanie Mayorkis, da EGG Entretenimento.

Estamos sempre em busca de títulos de interesse do público brasileiro e com nossas premissas: grandes musicais da Broadway produzidos com primeiro nível de qualidade. Foi assim com ‘My Fair Lady’, ‘Cantando na Chuva’ e ‘A Pequena Sereia da Disney’. E estamos seguros que será também com ‘Sunset Boulevard’, uma verdadeira obra-prima de Andrew Lloyd Webber sobre os bastidores de Hollywood com músicas lindíssimas, que irão merecer inclusive que a orquestra fique localizada no palco. Tanto que venceu 7 Tony Awards, inclusive Melhor Musical. Com tantos atributos, faz parte dos grandes clássicos da Broadway e não poderia deixar de ser visto no Brasil”, afirma Stephanie Mayorkis, Coprodutora do espetáculo em conjunto com a IMM Esporte e Entretenimento.

Marisa Orth terá o desafio de viver Norma Desmond, uma estrela da era do cinema  udo que vive em sua mansão na Sunset Boulevard em um mundo de fantasia. Na Broadway e em Londres, o papel foi de Glenn Close, que arrebatou público e crítica, levando a estatueta de Melhor Atriz no Tony Awards pela performance. “Glenn Close, pra mim, é um ídolo. Trata-se de uma das maiores atrizes/ artistas e agora descubro também cantora, que nortearam a minha geração. É um sonho fazer um papel vivido por ela”, diz. E complementa: “Fazer ‘Sunset Boulevard’ é um desafio. Essa é a primeira palavra que me vem à mente. Um enorme desafio como atriz, como cantora, e, por isso, um enorme prazer. Se conseguir lograr o efeito de conduzir todo mundo comigo já vou ficar muito satisfeita”, afirma.

Daniel Boaventura será Max von Mayerling, mordomo de Norma, que na montagem original foi interpretado por George Hearn, também vencedor de um Tony pelo papel. “Será um personagem soturno, introspectivo, porém sua presença na estória é forte e esconde um grande segredo”, adianta. “Fazer parte de um musical de tão grande importância, sem dúvida, é motivo para celebração, mas a responsabilidade é também muito grande. ‘Sunset Boulevard’ representa um dos grandes sucessos do compositor Andrew Lloyd Webber”, comenta.

A superprodução brasileira contará ainda com 28 atores/ cantores, além de uma  orquestra de 16 músicos que se apresentarão no palco.

CARMEN.png

Sunset Boulevard

Com Marisa Orth, Daniel Boaventura, Julio Assad, Andrezza Massei, Eduardo Amir, Lia Canineu, Bruno Sigrist, Sérgio Rufino, Carlos Leça, Arízio Magalhães, Abner Depret, Brenda Nadler, Dante Paccola, Ester Elias, Fábio Ventura, Giovana Zotti, Hellen de Castro, Jana Amorim, Juliana Olguin, Letícia Soares, Luana Zenun, Mau Alves, Nick Vila Maior, Rafael de Castro, Renato Bellini, Rodrigo Negrini, Thiago Lemmos, Vânia Canto

Teatro Santander – Complexo do Shopping JK (Av. Juscelino Kubitschek, 2041 – Itaim Bibi, São Paulo)

Duração 150 minutos

22/03 até 07/07

Quinta e Sexta – 21h, Sábado – 17h e 21h, Domingo – 15h e 19h

$75/$290

Classificação Livre

ELES NÃO USAM BLACK-TIE (OPINIÃO)

A história de um pai e filho que, por apresentarem posições morais e ideológicas diferentes, se confrontam, ambos lutando por seus ideais, numa São Paulo dos anos 50.

Anos 50? Mas a ação poderia acontecer agora neste final da segunda década do século XXI. E os personagens – pai e filho – poderiam ser substituídos por irmãos, amigos ou até mesmo por compatriotas.

Comemorando os 60 anos do seu lançamento, o diretor Dan Rosseto traz “Eles Não Usam Black-Tie” para o palco do teatro da Aliança Francesa.

37389941_633113247057985_3758487427887398912_n.jpg

Conceito Histórico da Peça

Eles Não Usam Black-Tie” é a primeira peça do jovem ator/dramaturgo, Gianfrancesco Guarnieri. Escrita para ser encenada no Teatro de Arena (atual Teatro de Arena Eugênio Kusnet) em 1958, é considerada a precursora do movimento em busca pelo verdadeiro teatro brasileiro. Sai dos palcos a burguesia e entra o operariado.

O próprio título é de um humor sagaz, pois o proletariado não se veste assim.

A peça realizou um feito inédito até então – ficar mais de um ano em cartaz. Ela “aliou temas importantes como o movimento operário da década de 50 no Brasil e as difíceis condições de vida dos trabalhadores brasileiros, traçando um panorama realista das favelas dos grandes centros urbanos e apontando o cerne do abismo social entre dominantes e dominados“, segundo Rômulo Radicchi.

Conta a história de uma família de trabalhadores de uma classe social baixa. De um lado, o pai, Otávio, e outros operários estão organizando uma greve, em busca de melhores condições de trabalho. Do outro, o filho mais velho, Tião, que não deseja participar desse motim e busca uma vida segura ao lado de sua noiva, Maria, que está grávida. No meio do fogo cruzado, está Romana, a mãe, uma mulher corajosa e massacrada pela vida, a quem cabe manter unida a família.

eles-nao-usam-black-tire---elenco-completo---foto-cedoc.jpg

No elenco original, Eugênio Kusnet (Otávio), Lélia Abramo (Romana), Miriam Mehler (Maria), Gianfrancesco Guarnieri (Tião). além de Flávio Migliaccio, Riva Nimitz, Chico de Assis e Milton Gonçalves.

A peça deu origem ao filme brasileiro homônimo, que foi dirigido por Leon Hirszman (1981). No elenco, estavam o próprio Gianfrancesco Guarnieri, Fernanda Montenegro, Milton Gonçalves, Carlos Alberto Riccelli, Bete Mendes e Flávio Guarnieri.

O filme recebeu o Leão de Ouro no Festival de Veneza, além de ter sido também premiada em outros festivais internacionais. Está na lista dos 100 melhores filmes brasileiros de todos os tempos, feita pela Associação Brasileira de Criticos de Cinema (Abraccine).

A nova montagem

Em um país atualmente dividido, bipolarizado, nada melhor do que trazer novamente para o cerne da questão uma peça como “Eles Não Usam Black-Tie”, ainda mais em um ano eleitoral. Os tempos são outros, mas o tema continua tão fresco quanto há 60 anos.

A montagem de Dan Rosseto incomoda – e muito. É um texto denso, que acontece em 90 minutos, que passam um a um. A sala do teatro da Aliança Francesa parece que fica claustrofóbica, não há ar que circula na plateia devido a tensão no palco.

No palco, o cenário do interior da casa da família de Otávio e Romana. Uma casa simples, de parede de madeira, que pelas frestas dá para ver os atores se preparando para entrar em cena. Na verdade, eles quase não abandonam o palco – estão sempre a vista, mas esperando para entrar na parte central da casa, onde acontece a ação. São olhos que vigiam – os outros personagens, bem como a plateia.

Dan acertou na escolha do elenco – algo tão importante para uma peça em que os atores e o diálogo são o foco principal da montagem.

O trio principal é vivido por Adilson Azevedo (Otávio), Kiko Pissolato (Tião) e Paloma Bernardi (Maria). Há a tensão no ar nas figuras de Adilson e Kiko, que interpretam pai e filho. O embate através da atuação, da forma de falar e de olhar. Paloma, a princípio dá o apoio necessário ao noivo, até que decide ficar ao lado de sua comunidade, abandonando-o. Começa a peça de uma maneira ‘simples’, ‘frágil’ até assumir o controle da sua vida, a independência feminina.

Ao redor deles orbitam os outros personagens – operários da fábrica e amigos da família. Carolina Stofella (Dalva), Pablo Diego Garcia (João), Paulo Gabriel (Jesuíno), e Tiago Real (Braúlio) dão suporte a ação da peça, assumindo algumas vezes os papeis de destaque na drama. São os olhos que tudo vêm pelas frestas da casa.

Samuel Carrasco (Chiquinho) e Camila Brandão (Terezinha) representam o frescor da idade, a inocência, a transição da infância para a vida adulta. Cada vez que estão presentes em cena, como ‘protagonistas’, o riso é garantido.

Mas o ponto de convergência da ação recai sobre a figura da atriz, Teca Pereira. Teca interpreta Romana, a mãe da família, de uma forma ímpar. Através de seus diálogos, que como os de qualquer mãe, fazem a plateia rir e até mesmo pensar profundamente. Romana é quem mantém a família unida, e é através dela, que a decisão final – com uma dor profunda – acontece.

A montagem de “Eles Não Usam Black-Tie”, de Dan Rosseto, irá pegá-lo de uma forma, que dificilmente você sairá igual do que quando entrou. Com certeza, facilitará – e muito – no diálogo que precisamos ter para que este país mude. Mas um diálogo em que todos saibam ouvir e falar.

Sugestão – chegue um pouco mais cedo, pegue o programa da peça e leia. Irá complementar a experiência teatral.

36908157_624022981300345_7177687252733001728_n

Eles Não Usam Black-Tie

Com Adilson Azevedo, Camila Brandão, Carolina Stofella, Kiko Pissolato, Pablo Diego Garcia, Paloma Bernardi, Paulo Gabriel, Samuel Carrasco, Teca Pereira e Tiago Real

Teatro Aliança Francesa (Rua General Jardim, 182 – Vila Buarque, São Paulo)

Duração 90 minutos

20/07 até 16/09

Sexta e Sábado – 20h30, Domingo – 19h

$60

Classificação 12 anos

Quer conhecer um pouco mais sobre a obra? Abaixo, um documentário feito pela Central Única dos Trabalhadores, com depoimentos de atores que participaram do filme.