PELO CANO

‘Pelo Cano’ é um espetáculo de palhaçaria criado a partir da paixão comum das atrizes Paola Musatti e Vera Abbud por esta linguagem. Duas palhaças vivem pequenas situações que revelam sua forma de interagir com o mundo, em geral de forma ridícula e catastrófica. Emily e Manela, chegam para tocar seus instrumentos em troca de moedas, como fazem os músicos e musicistas de rua. A partir daí, uma série de situações inusitadas envolve as palhaças. Elas tentam solucionar essas situações da melhor forma possível. Nem sempre conseguem!

Paola e Vera expõem os conflitos entre duas figuras antagônicas e, poeticamente, complementares. Neste sentido, apoiam-se na dramaturgia tradicional de palhaços. Mas em ‘Pelo Cano’ tais conflitos não se revelam por gags consagradas, típicas do repertório tradicional. No espetáculo, o recurso aos fundamentos clássicos não produz uma estética necessariamente clássica. A roupagem de ‘Pelo Cano’ é contemporânea. E suas gags, além de novas, buscam dialogar com questões também contemporâneas.

Toda a narrativa, que não é linear, é centrada na interação entre a dupla Emily e Manela, e também com o ambiente que as cerca. Através disto, as palhaças revelam suas formas de pensar o mundo, de estar no mundo. Utilizam objetos cotidianos: dinheiro, fita crepe, sifão de pia. Trabalham esses objetos sob formas que escapam da sua função cotidiana e utilitária.

‘Pelo Cano” começou com uma pequena cena de 15min em 2005. Participou de diversos festivais de cenas curtas como Cenas Curtas do Galpão Cine Horto de BH, onde ganhou vários prêmios. Isso motivou as atrizes a criar o espetáculo Pelo Cano. Ao longo desses anos, ‘Pelo Cano’ passou por muitas transformações. Desde sua estreia, cenas inteiras foram suprimidas, outras cenas inéditas entraram, outras ainda tiveram seus lugares mudados, e novas músicas foram acrescentadas à trilha.

Essas mudanças vêm da percepção interna das palhaças de que algo precisa mudar, ou vêm da resposta do público, ou de algum improviso que acontece durante alguma apresentação.

A dupla de palhaças Paola Musatti e Vera Abbud, trabalham juntas há mais de vinte anos, em projetos como Doutores da Alegria, Jogando no quintal, tendo como foco principal a linguagem do palhaço. Optaram neste espetáculo por uma vertente mais

poética do palhaço, com música ao vivo e poucas palavras. Sem dispensar a gargalhada que esta linguagem proporciona. É um espetáculo de palhaço que concebido para todas as faixas etárias, como no circo.

Muitas das cenas desse espetáculo surgiram no trabalho de palhaço em hospital que a dupla desenvolve. Nessas cenas utilizam objetos: dinheiro, fita crepe, sifão de pia.

Trabalham eles de diferentes formas que escapam da sua função cotidiana e utilitária.

Eles ajudam a revelar a inaptidão do palhaço com a vida, sua forma enviesada de resolver as situações e seu dom de transformar a realidade. Por vezes revelam novos espaços, emitem sons que são incorporados às músicas tocadas ao vivo pelas palhaças.

É um espetáculo de palhaço que proporciona poesia e gargalhada para todas as idades. Estão nos ingredientes do espetáculo o riso, a fragilidade, a brincadeira, músicas, mágicas, a liberdade, a transgressão do espaço, do tempo e um tanto de poesia.

 “Graças ao apoio do Fomento ao Circo, conseguimos criar e estruturar uma cena de mágica (quick-change) que fará parte desta temporada. ‘Pelo Cano’ contou com muitos colaboradores durante seus processos de criação e aprimoramento. Entre tais colaboradores encontram-se os palhaços e palhaças dos Doutores da Alegria, do Jogando no Quintal e, principalmente, o palhaço Fernando Sampaio. Esses são profissionais pelos quais nutrimos grande amor e admiração. São parceiros e parceiras com quem partilhamos nossa paixão: o ofício da palhaçaria. Dedicamos o espetáculo aos palhaços e às palhaças de ontem, de hoje, e de sempre!”, diz Paola.

image002

Pelo Cano
Com Paola Musatti (Palhaça Manela) e Vera Abbud (Palhaça Emily)
Teatro Cacilda Becker (Rua Tito, 295 – Lapa, São Paulo)
Duração 60 minutos
04 a 27/05
Sexta e Sábado – 21h, Domingo – 20h
Grátis
Classificação 12 anos

COREOLÓGICAS LUDUS / COREÔ

Em comemoração ao Mês das Crianças, o Caleidos Cia de Dança vai ocupar o Teatro Cacilda Becker, que fica na Lapa, na zona oeste de São Paulo, com dois espetáculos interativos, criados para toda a família.

De 30 de setembro a 15 de outubro, o Caleidos vai apresentar o espetáculo interativo “Coreológicas Ludus”, concebido em 2009, em diálogo com a Coreologia de Rudolf Laban. Este espetáculo interativo de dança contemporânea propõe cenas de participação e descoberta da dança. Cada apresentação é um convite diferente a todos os corpos para apreciar, dançar e experienciar a ludicidade da arte.

E, de 21 a 29 de outubro, será a vez do espetáculo “Coreô”, uma dança em jogo e um jogo em cena. Neste trabalho, os bailarinos compartilham com o público propostas que podem ser jogadas ou assistidas, criando cenas em tempo real a partir de jogos que proporcionam dança. Em “Coreô” os jogos que proporcionam dança e criam as cenas são propostos por meio de combinados que são apresentados verbalmente ao público. Os participantes que quiserem jogar a cena com os bailarinos assumem o espaço de dança e constroem em tempo real o espetáculo.

Tanto “Coreológicas Ludus” como “Coreô” fazem parte de uma programação de espetáculos de dança interativos criados pelo Caleidos para toda a família. A ideia é convidar para o palco as crianças e os pais ou avós para que todos participem juntos de um processo lúdico e criativo.

Em geral, nossos trabalhos não têm uma faixa etária determinada. Para nós é mais interessante quando a família inteira está junta no palco dançando. Pois não se trata de uma arte ‘para’ a criança, mas sim de uma arte ‘com’ a criança, que inclui a criança junto com o pai, ou com a avó, ou com o irmão mais velho”, conta a diretora do Caleidos, Isabel Marques.

Nosso trabalho aposta em criar a dança junto com a criança e, neste processo interativo, trabalhar o empoderamento do corpo infantil. Deixar a criança saber que ela pode criar, que ela pode participar e que ela tem voz. Acreditamos na capacidade da criança de refletir, de problematizar e de pensar e de ter suas próprias ideias e danças”, diz a diretora.

Os espetáculos interativos criam um diálogo com as crianças e com o público. As crianças são sempre convidadas e dançar com a companhia. O Caleidos já tem 23 trabalhos com pesquisa contínua com a interação, muito influenciada com as teorias do Paulo freire no sentido de criar um diálogo entre os artistas e o público, no caso, o público infanto-juvenil e seus familiares/adultos.

Vemos a dança como uma possibilidade de leitura do mundo. Como eu enxergo o mundo, como eu penso o mundo e como crítico o mundo a partir da experiência de dança. Nossa proposta de dança é pensar o ser humano como um criador de dança e, portanto, um cocriador do mundo” conclui Isabel.

 

unnamed.jpg

Coreológicas Ludus
Com Ágata Cérgole, Nigel Anderson, Renata Baima
30/09 até 15/10
 
Coreô
Com Ágata Cérgole, Nigel Anderson, Renata Baima
21 a 29/10
 
Teatro Cacilda Becker (Rua Tito, 295, Lapa – São Paulo)
Sábado e Domingo – 16h
$16
Classificação Livre

ON LOVE

On Love traz um olhar não convencional sobre o amor. O tratamento dado ao tema, nesta obra, foge do que poderia ser tachado como demasiado comum e esgotado e aponta um movimento contrário, de inquietação e provocação para um olhar mais sensível e humano face à frenética contemporaneidade. A estreia acontece no dia 7 de julho no Teatro Cacilda Becker.

A trilha composta por Dr Morris é executada ao vivo por Alexandre Maldonado. Cenário e luz são de Marisa Bentivegna e os figurinos de Marichilene Artsevskis.

O espetáculo, construído por narrativas em primeira pessoa, propõe uma forma muito simples e se apoia na relação próxima e direta entre o espectador e a matéria narrada, provocando uma escuta silenciosa, porém participativa, sobre aspectos íntimos e moventes das relações. Seguindo essa atmosfera íntima, o diretor Francisco Medeiros optou por deixar a plateia no palco, portanto mais próxima dos atores.

Motivados pelo processo de trabalho de Mick Gordon, que construiu esta obra em sala de ensaio, a Cia Barracão Cultural se lançou em uma proposta de co-autoria, na qual os atores trouxeram depoimentos próprios ou de outras pessoas para a sala de ensaio. Parte deste material integra o texto final, que se configurou como uma mistura de narrativas oriundas do texto original de Mick Gordon com as narrativas Brasileiras.

Esta é a segunda parceria da Barracão Cultural com o diretor Francisco Medeiros. Juntos, fizeram em 2012 o espetáculo “Facas nas Galinhas”, que teve excelente acolhida de crítica e público, sendo indicado ao Prêmio Shell em três categorias.

Este slideshow necessita de JavaScript.

On Love
Com Eloisa Elena, Claudio Queiroz e Júlia Moretti
Teatro Cacilda Becker (R. Tito, 295 – Lapa, São Paulo)
Duração 75 minutos
07 a 30/07
Sexta e Sábado – 21h; Domingo – 19h
$20
Classificação 16 anos

 

NÓS S/A

De 10 a 19 de março, o Caleidos Cia de Dança apresenta o espetáculo “Nós S/A” que explora, por meio da dança, o universo da apropriação do espaço urbano pela lógica do mundo corporativo. O espetáculo de dança discute a organização do espaço e das relações sociais a partir do fenômeno da especulação imobiliária; o mundo corporativo se refletindo no espaço urbano e nas formas de viver em sociedade.

A especulação imobiliária traduz-se como o mundo dos negócios atuando sobre o espaço e sobre os corpos do mundo. A espetacularização dos negócios, a empresarização das relações, a mercadorização e a comercialização dos corpos são postos em cenas que dialogam com o público por meio da dança.

Em “Nós S/A”, a especulação imobiliária é tratada como uma etapa desta corporativização da sociedade. A mudança que se opera com estes negócios não é apenas no modo de construir ou ocupar o espaço urbano, não se compra ou se vende apenas um apartamento, empreende-se a comercialização de um modo de vida.

Sob o olhar das corporações, o espaço redefine-se como negócio, o tempo transforma-se em moeda, o corpo entende-se como empresa e a vida em sociedade é mais um negócio no grande negócio do mundo.

“Nós S/A” convida a pensar sobre a empresarização da sociedade com seus donos, seus trabalhadores e seus excluídos. Como em outros espetáculos do Caleidos Cia De Dança o público é convidado a dialogar com as cenas por meio da leitura da dança, produzindo a significação do movimento e das imagens sugeridas pelos jogos que se constroem ao vivo a partir da estrutura dramatúrgica.

A encenação geral remete às reuniões corporativas (1º ato), aos banquetes (2º ato) e ao mapa de guerra (3º ato). A mesa – de estudos, de negócios, de planejamentos, de jogos e de comer – é personagem onipresente no espaço cênico, é nela e a partir dela que a movimentação dos bailarinos e a disposição do público de organiza, refletindo metaforicamente a organização do espaço urbano e as dinâmicas sociais sob a perspectiva das grandes corporações.

Os novos empreendimentos imobiliários exercem certo fascínio em parte da população. Os condomínios que apresentam a possibilidade de se exercitar, fazer reuniões familiares, reuniões de negócios, comprar e até ir ao cinema ou pizzarias sem deslocamentos urbanos, refletem não apenas uma ideia de praticidade, mas também a imobilidade e sistematização das relações sociais que de certa forma estão na perspectiva do modo de vida corporativo”, conta a diretora do Caleidos Isabel Marques.

Esse modo de vida diz respeito a um modo de vida empresarial. Há uma ideologia por trás dos anúncios e das falas de compradores e vendedores: é como se a pessoa que procura esse tipo de residência dissesse ‘eu quero que a minha vida e minha sociedade funcione como uma empresa’ – entender isso, para nós, foi quase um convite para explorarmos essa ideia num espetáculo de dança”, complementa o dramaturgo Fábio Brazil.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Nós S/A
Com Nigel Anderson, Renata Baima, Kátia Oyama, Ágata Cérgole, Jailson Rodriguez e Bruna Milani
Duração 50 minutos
Instituto Caleidos (Rua Mota Pais, 213, Lapa, São Paulo)
10 a 19/03
Sexta e Sábado – 20h; Domingo – 19h
Entrada gratuita
Classificação 14 anos
 
Caleidos Cia de Dança
Direção: Isabel Marques
Codireção e dramaturgia: Fábio Brazil
Música: Caleidos Cia de Dança
Cenário: Fábio Brazil
Preparo corporal: Ana Paula Mastrodi
Iluminação: Rafael Lemos
Produção: Mobilis Ltda – ME
 
Mais informações: www.caleidos.com.br

 

COREÔ

Dando continuidade à Mostra Caleidos 20 anos, que celebra as duas décadas de atividades da cia de dança paulistana, o Caleidos apresenta, de 4 a 13 de novembro, na sede do Instituto Caleidos, na Lapa, zona oeste de São Paulo, o espetáculo inédito “Coreô”, uma dança em jogo e um jogo em cena.

O trabalho é um desdobramento dos estudos realizados no Núcleo de Pesquisa Coreológicas do Caleidos Cia de Dança. “Coreô” compartilha cenicamente jogos que, ao longo dos 20 anos da Cia, vem sendo desenvolvidos tanto para o aprendizado da Linguagem da dança/Laban quanto para a construção cênica dos espetáculos do Caleidos. Os bailarinos compartilham com o público propostas que podem ser jogadas ou assistidas, criando cenas em tempo real a partir de jogos que proporcionam dança.

“Coreô” se relaciona com outros trabalhos emblemáticos do Caleidos Cia, como a série “Coreológicas”, “Ludus” e “Tria”. Mantem-se a relação artística com o público, a criação compartilhada com os participantes e o caráter lúdico destes espetáculos anteriores. Em “Coreô” os jogos que proporcionam dança e criam as cenas são propostos por meio de combinados que são apresentados verbalmente ao público. Os participantes que querem jogar a cena com os bailarinos assumem o espaço de dança e constroem em tempo real o espetáculo.

“Coreô” é um espetáculo em permanente processo de construção, seja pela forma como se relaciona com o público, seja pela escolha dos jogos que estruturam cada apresentação. “O inventário de jogos que podem ser compartilhados em ‘Coreô’ nasceram da trajetória de 20 anos de ensino e criação do Caleidos cia de Dança. São jogos baseados na linguagem da dança que utilizamos em nossas aulas e na criação das cenas que são experimentadas em nossos espetáculos” – relata a diretora do Caleidos, Isabel Marques.

Com a estreia de “Coreô”, quarto espetáculo da Mostra Caleidos 20 Anos, a Cia de dança dá prosseguimento às comemorações de suas duas décadas de trabalho. Em 2016, o Caleidos Cia de Dança completa 20 anos de atividades; parte da comemoração será a mostra de alguns trabalhos do repertório construído nessa trajetória e a estreia de dois novos trabalhos, sendo um deles “Coreô”.

Coreô
Com Caleidos Cia. de Dança (Nigel Anderson, Renata Baima, Kátia Oyama e Ágata Cérgole)
Instituto Caleidos (Rua Mota Pais, 213 – Lapa, São Paulo)
Duração 50 minutos
04 a 13/11
Sexta e Sábado – 20h; Domingo – 19h
Entrada gratuita (ingresso retirado com 30 minutos de antecedência)
Classificação livre
 
Direção: Isabel Marques
Cenário e identidade visual: Fábio Brazil
Trilha: Divan
Preparo corporal: Ana Paula Mastrodi
Iluminação: Rafael Lemos
Produção: Mobilis Ltda – ME
Assessoria  de Imprensa: Rhizome Comunicações