QUEM PROSPERA SEMPRE ALCANÇA

A determinação dos brasileiros em encontrar novas opções de trabalho por conta própria, pequenas noções de educação financeira, como a importância do planejamento e da organização para a realização dos nossos sonhos, são temas do espetáculo musical de rua Quem Prospera Sempre Alcança, que retorna a São Paulo na próxima semana.

A peça com texto e direção de Leonardo Cortez se apresenta nos dias 12 e 13 de dezembro, a partir das 12h30, e no 14 às 16h na loja da Livraria Cultura Paulista – Espaço Cine Astor, encerrando o primeiro ano do projeto. Jonatan Harold assina a direção musical e as composições originais, já os figurinos e cenário são de Márcio Araújo.

Patrocinada pela Visa, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura da Secretaria Especial da Cultura, do Governo Federal, esse ano a peça passou por mais de dez cidades em diferentes estados, sempre de forma gratuita.

O projeto previa a realização de 40 apresentações, sendo dez na cidade de São Paulo e três em cada uma das demais cidades. Onze dessas apresentações, incluiriam um tradutor de libras. O público total estimado era de 4.680 pessoas, porém as expectativas se superaram, até o momento foram realizadas 55 apresentações, totalizando o público de 9.291 pessoas. Com o público destas novas apresentações na Livraria Cultura o projeto alcançará mais do que o dobro de público do que o previsto. Além disso, foram realizadas 37 apresentações com tradução em libras, em vez de onze.

 “Em 2018, o Brasil bateu recorde em número de novos microempreendedores, o que reforça a importância de apoiarmos um espetáculo como esse. As mensagens transmitidas, como a importância do planejamento e do gerenciamento das receitas e despesas, são extremamente relevantes para o crescimento dos negócios deste público”, explica Sabrina Sciama, Diretora de Comunicação da Visa do Brasil.

O espetáculo começa com a entrada de dois técnicos de uma companhia teatral encarregados de montar o palco para a apresentação que será feita no local. Eles fazem às vezes de operários e mestres de cerimônia e evocam situações sobre empreendedorismo a partir de três outras histórias.

Na primeira delas, duas fãs de uma dupla sertaneja decidem, na fila para entrar no show, como vão gastar o dinheiro que juntaram com muito sacrifício. Na segunda, dois vendedores ambulantes resolvem fazer uma atrapalhada sociedade e na terceira, um falido dono de boteco recebe a visita de uma inusitada fada-madrinha.

Falar sobre empreendedorismo no Brasil atual é falar sobre o caminho pelo qual cada vez mais brasileiros estão optando por seguir em função da crise econômica. Ao mesmo tempo, ter acesso aos mecanismos de desenvolvimento de novos negócios é a possibilidade real de concretização dos sonhos profissionais. Quem Prospera Sempre Alcança é um espetáculo que inclui dicas de educação financeira, principalmente ligadas ao empreendedorismo, sem a pretensão de ser didático, que apresenta, com muito humor, situações e ciladas que qualquer um pode se meter por conta da inexperiência nos negócios e na vida pessoal”, conta o autor e diretor Leonardo Cortez.

A encenação busca as raízes do teatro popular, do circo-teatro e da comédia de costumes. “Artisticamente, pesquisei sobre a linguagem teatral do espetáculo de rua, me debruçando sobre a obra de Dario Fo e os trabalhos da Cia. La Mínima”, acrescenta.

O humor é elemento de aproximação direta com o público, conquistado através de um texto ágil, contemporâneo e de comunicação franca. Novos personagens são evocados pelos dois principais a partir do uso de máscaras e acessórios. A participação dos espectadores é solicitada em brincadeiras interativas que se desdobram enquanto o público é testemunha da construção de uma peça enquanto assiste a outra.

Essa metalinguagem é uma forma de reflexão tanto para o espectador comum sobre o fazer teatral como para o próprio artista, que precisa empreender em seu ofício. “O artista via de regra é empreendedor de sua própria obra e precisa entender dos mecanismos de produção cultural para levar sua pesquisa ao público. O estabelecimento de parcerias, tão comum no mundo dos negócios, se faz absolutamente necessário em tempos de crise econômica e cultural”, explica o diretor.

Os figurinos, cenários e adereços são inspirados nas companhias teatrais itinerantes. “Elas fazem até hoje o popular teatro mambembe de imediata identificação popular e que tem nas restrições orçamentárias o seu mote de beleza e originalidade. Temos assim, a sobreposição de tecidos e o reaproveitamento de materiais, numa estética que remete ao circense. A música, originalmente composta para o espetáculo, dialoga com gêneros populares como o sertanejo e o samba de raiz, em números interativos. A ideia é que o público saia do espetáculo cantando e pensando nos próximos passos para a realização dos seus sonhos”, revela.

O projeto também conta com audiodescrição que pode ser acessada pelo link – http://bit.ly/QPSA_AD .

FACE (1)

Quem Prospera Sempre Alcança

Com André Santos e Djair Guilherme

Livraria Cultura Paulista – Espaço Cine Astor (Av. Paulista, 2073 – Bela Vista, São Paulo)

Duração 45 minutos

12 a 14/12

Quinta e Sexta – 12h30, Sábado – 16h

Grátis

Classificação Livre

LANÇAMENTO LIVRO “MEMÓRIAS SINCERAS”

Por quase cinco anos, Leilah Assumpção revolveu sua memória para pinçar o que mais lhe saltava à mente para compartilhar com os leitores: os bons e velhos amigos, o início de carreira, a família, as escolhas profissionais; histórias tristes e dolorosas, passagens de chorar de rir que compõem uma face mais íntima de sua vida e dos seus 50 anos dedicados ao teatro.

Dispostas em 15 capítulos curtos e sem se prender a uma sequência cronológica, as Memórias sinceras de Leilah desenham, quase em estilo de crônicas, toda a história de uma geração atuante no cenário brasileiro cultural, no teatro, na TV e no cinema. Estão no livro Leila Diniz, Odete Lara (sua melhor amiga por anos), Zé Celso, José Vicente, Antonio Bivar, Consuelo de Castro, Clóvis Bueno, Ruth Escobar, Antunes Filho, Flavio Rangel, Irene Ravache, Marieta Severo, Aderbal Freire Filho, Marcos Caruso e Vera Holtz (dupla que neste momento está em cartaz em Lisboa, com Intimidade indecente, sucesso de público onde quer que aporte).

As festas, os amigos que se tornaram famosos, sua origem como manequim do costureiro Dener, as terríveis lembranças dos duros anos de ditadura, o enfrentamento com a censura, tudo está no livro. E, pasme com essa revelação: Leilah também foi atleta campeã de saltos ornamentais em trampolim.

Leilah Assumpção conquistou reconhecimento como dramaturga, sobretudo por ressignificar em seus textos o papel da mulher na sociedade. Desde sua estreia com  Fala baixo senão eu grito, em 1969,  já mostrava que sua principal vocação estava em compor personagens femininas densas em busca do autoconhecimento e da liberdade. Ganhou com esta peça o Molière de melhor texto. O crítico Sábato Magaldi observou: “disposta a colocar em xeque determinadas posturas assumidas no mundo do trabalho e no espaço familiar, a autora voltou-se para os problemas existenciais da mulher imersa numa estrutura política ditatorial”.

Antes de 1969, já havia escrito Vejo um vulto na janela, me acudam que sou donzela (1964) e Use pó de arroz Bijou (1968). Continuou com Jorginho, o machão (1970) e Amanhã, Amélia, de manhã (1973), que foi rebatizada como Roda cor de roda (1975). Mais títulos foram se acrescentando à sua fértil produção: A Kuka de Kamaiorá (1975), que foi encenada sete anos depois na forma de musical com o título O segredo da alma de ouro (1983), Sobrevividos (1978), Seda pura e alfinetadas (1981) e Boca molhada de paixão calada (1984), além de novelas, minisséries e casos especiais para a televisão.

Maria Adelaide Amaral escreve fechando o livro: “O colorido coloquial e o humor se fundem para criar uma poética muito pessoal”, disse o saudoso Yan Michalsky, a propósito da dramaturgia de Leilah Assumpção. “Uma autora original e única”, disse Renata Pallotini sobre Leilah. Eu acrescentaria a inteligência, a vocação natural para escrever diálogos, criar subtextos, situações e conflitos inusitados. Uma a uma, Leilah remove todas as máscaras até revelar nua e crua a pequena tragicomédia do ser humano. Suas criaturas ultrapassam a classe que pertencem”.

Fotos de Vania Toledo e do arquivo pessoal da dramaturga dão um toque emocionante e expressivo à edição.

image002

Lançamento livro “Memórias Sinceras”

De Leilah Assumpção

204 páginas (caderno de fotos de 16 páginas) Formato: 16×23 cm

ISBN: 978-85-8202-077-7 Preço de capa: R$49,90

Sá Editora

Livraria Cultura – Conjunto Nacional (Av. Paulista, 2073 – Cerqueira César, São Paulo)

23/11

Sábado – a partir das 16h

POR TRÁS DAS MÁSCARAS

Os mais de vinte anos de carreira do brasiliense Saulo Vasconcelos, ator, cantor e dublador que ficou especialmente conhecido por seus muitos trabalhos no teatro musical brasileiro, ganharão uma adaptação literária. Lançada pela Chiado Books, chega às livrarias a partir de 16 de outubro a biografia intituladaPor Trás das Máscaras” – uma alusão à dedicada vida de artista, construída com muitas camadas e histórias pelos palcos dentro e fora do país.

O protagonista de grandes superproduções como “Les Misérables”, “A Bela e a Fera”, “O Fantasma da Ópera”, “Aida”, “A Noviça Rebelde” e “Mamma Mia”, e que brilhou ainda em sucessos como “Cats”, “Priscilla, Rainha do Deserto”, “A Madrinha Embriagada”, “O Homem de La Mancha” e “Forever Young”, tem sua história partindo de 1997, quando após uma viagem à Londres, onde assistiu a sete musicais em quatro dias, se viu transformado pela arte da qual nem sonhava viver. Disposto a batalhar por um gênero que ainda se instalaria no Brasil, participou de musicais amadores em sua cidade e iniciou os estudos de canto com o Maestro Marconi Araújo, seu grande professor, e com o ator Sandro Christopher – que sempre o estimulou a seguir em frente -, adentrando assim ao promissor universo dos musicais.

Tendo sua grande estreia em solo internacional, Saulo estrelou a montagem mexicana de “O Fantasma da Ópera” em 1999, no papel título, e só dois anos depois passou a conquistar os principais protagonistas de seu país, tendo como o maior desafio aprender a emendar tantos espetáculos sem perder o frescor e a intensidade de dar vida a figuras icônicas, conhecidas do cinema ou da literatura. “Lembrar que fui o Fantasma, a Fera, Inspetor Javert, Capitão Von Trapp, que estive no elenco de Cats, me dá um arrepio no coração, uma onda de amor e gratidão sincera pelo que a vida me deu. Todos foram de extrema importância para o meu crescimento pessoal e artístico”, avalia.

Contando com o apoio da esposa, dos amigos mais próximos e da família, Saulo decidiu eternizar sua trajetória após reunir as principais memórias em um dossiê de quase 300 páginas, que até então serviria para tirar o visto canadense. Com mais de 40 anos revisitados, tamanha dedicação acabou originando a ideia da biografia, que, com uma estrutura dividida em oito capítulos, parte da infância e relata suas relações familiares, a descoberta da arte, as formações, a mudança de Brasília para São Paulo, experiências no exterior, as dificuldades da carreira, os grandes papéis, a vida de pai e marido, chegando até uma reflexão atual, de como vê e sente seu amor pelos palcos. Grandes nomes dos teatro musical brasileiro também ganham espaço entre um capítulo e outro, entre eles a Stage Manager Leslie Pierce, e os atores Sara Sarres, Marcos Tumura, Kiara Sasso e Cleto Baccic.

Cada personagem representa uma máscara. Me coloco na pele de outra pessoa, outra personalidade. Por isso é “Por Trás das Máscaras” no plural e não no singular. Foram muitas alegrias e aventuras. Teatros, colegas, cenários grandiosos, cenários simples, camarins, públicos. E há também a máscara que diferencia a personagem do homem, ou até mesmo a máscara que coloco quando me posiciono como figura pública. É uma grande metáfora”, explica sobre a escolha do título do livro, que nasce após uma campanha virtual.

Desenvolvido a partir de um financiamento coletivo, Saulo teve o valor necessário atingido – e ultrapassado – antes mesmo do término do prazo, tamanha aceitação e valorização das pessoas o encorajou a seguir em frente com este e tantos outros projetos, e para celebrar, o artista, junto a editora Chiado, realiza o lançamento oficial do livro no dia 16 de outubro, na Livraria Cultura, em São Paulo, onde aproveita o momento para realizar ainda um pocket show, cantando alguns dos grandes momentos descritos nas mais de 150 páginas.

O livro tem a pretensão de ser leve, divertido, talvez emocionante e, quem sabe, inspirar alguém de alguma maneira, pois entendo que no ramo artístico o talento é apenas um dos N fatores necessários para a prosperidade e sucesso. E acho que estive no lugar certo, na hora certa, na época certa, quando, em 1999, estava em São Paulo. Entendo ainda mais que, a melhor coisa que o artista, o verdadeiro artista, pode fazer, é seguir firme e positivo no seu propósito de servir a arte, com alegria no coração”, finaliza.

Para garantir o seu exemplar na pré-venda, acesse:

Livraria Cultura

Livraria Martins Fontes

Capa - Por Trás das Máscaras PNG.png

Por Trás das Máscaras

Autor: Saulo Vasconcelos

Editora: Chiado Books

Edição: 1ª

Ano: 2018

Valor: R$39,00

Idioma: Português

Categoria: Biografia

Especificações: Brochura

Páginas: 168

ISBN: 978-989-52-3894-1

Peso: 0,2kg

Dimensões: 14x22cm

Papel: Pólen – 80g

Impressão: Chiado Print

Pocket Show e Lançamento do Livro “Por Trás das Máscaras”

Livraria Cultura – Conjunto Nacional (Av. Paulista, 2073 – Consolação – São Paulo)

16/10

Terça – a partir das 19h

*Pocket Show 19h às 19h45 – gratuito aberto ao público.

**Autógrafos 20h às 22h – serão distribuídas na loja 120 senhas (uma por pessoa) à partir das 9h do dia 16.