SHREK – O MUSICAL TYA

O ogro mais querido de todos volta para São Paulo pra uma mais temporada no Teatro Novo na Vila Mariana, de 20 de outubro à 16 de dezembro, sábados às 16h e domingo às 15h. Shrek se junta a uma desajustada turma de contos de fadas para salvar a princesa Fiona.

O espetáculo  é uma realização e produção da Proscenium Cultural, com texto de David Lindsay Abaire, musicas de Jeanine Tesore, direção de Iremar Melo e versão brasileira de Felipe  Pirillo, a aventura reestreia a temporada paulistana trazendo alguns novos nomes no elenco, que é composto por 10 atores, cantores e bailarinos.

Shrek – O Musical Tya é uma Versão Brasileira, licenciado pela MTI Shows e Dreamworks – NY, do Aclamado Musical da Broadway e do filme vencedor do Oscar. O espetáculo tem uma  mensagem engraçada e emocionante para toda a família, um musical cantado ao vivo, com um cenário rotativo, grandes coreografias e um jogo de luz empolgante.

Sinopse:  
Era uma vez um pântano distante, onde vivia um ogro chamado Shrek. De repente, seu sossego é interrompido pela invasão de personagens de contos de fadas que foram banidos de seu reino pelo malvado Lorde Farquaad. Determinado a salvar o lar das pobres criaturas, e também o dele, Shrek faz um acordo com Farquaad e parte para resgatar a princesa Fiona. Resgatar a princesa pode não ser nada comparado com seu segredo profundo e sombrio.

CARMEN.png

Shrek – O Musical TYA

Com Felipe Pirillo, Vanessa Scorsoni, Dyego Antonini, Victor Garbosa, Lucas Patch, Claudine  Madi, Bruno Belz, Jorge Alves, Fernanda Godoy e Felipe Cardoso

Teatro Novo (Av. Domingos de Morais 348 – Vila Mariana, São Paulo)

Duração 85 minutos

20/10 até 16/12

Sábado – 16h, Domingo – 15h

$50

Classificação Livre

O MELHOR DE MIM

O melhor de mim” é um espetáculo teatral que retrata a atual situação do bullying e traz a reflexão sobre a formação do caráter de cada indivíduo na fase escolar.

A história acontece em torno de Daniel e Júlia, primos e melhores amigos, que mudam de cidade e sofrem todos os tipos de agressões. A perseguição constante, por serem simpáticos e inteligentes, culmina em uma tragédia que impacta a vida de todos.

Dez anos depois, Júlia escreve um livro no qual relata a situação que vivenciou e resolve fazer o lançamento num encontro dos amigos de escola que ela mesma organizou, para que tivesse a oportunidade de conversar sobre os fatos acontecidos. Quanto o bullying é prejudicial à formação psicológica de cada indivíduo? Isto ajuda a definir o nosso caráter?

Com elementos que possibilitam o resgate à infância, como brincadeiras de bola de sabão, amarelinha e peão, e encenação realista das agressões verbais e físicas aos personagens principais, o espetáculo permite a reflexão sobre o preconceito visual que temos perante aos outros.

Através do personagem Ronaldo, um jovem cego, podemos acentuar a posição que não devemos enxergar as pessoas com os olhos julgadores, mas com o coração.

CARMEN (1).png

O Melhor de Mim

Com Eber Rodrigues, Faby Veras, Karine Pangoni, Wellington Ribeiro, Lais Castro, Fabiana Nunes, Marcus Vinicius Lacerda, Thiago Gonçalves, Cissa Lourenço, Tiago Gallodino, Fabricio Tintiliano, Roberta Freitas e Gebert Aleixo

Teatro Gil Vicente – Faculdade Impacta (Av. Rudge, 315 – Barra Funda, São Paulo)

Duração 75 minutos

06 até 27/10

Sábado – 18h

$40

Classificação Livre

A COMÉDIA DO CORAÇÃO

“A Comédia do Coração” se passa dentro de um coração de uma jovem apaixonada, cheia de dúvidas sobre a possibilidade de casamento. Cada personagem é um sentimento diferente: a Paixão quer se casar, mas a Razão não acha que é um bom negócio e por isso quer, a todo custo, prender o Sonho e controlar a Alegria, fazendo alianças com o Medo, Ódio, Dor e o Ciúmes.

Escrita em 1927 por Paulo Gonçalves, a peça faz uso da linguagem coloquial para mostrar como as tensões internas de um ser humano acontecem, espelhando à época em que foi escrita, abordando idealismo comunista se opondo ao capitalismo que ganhava força como modelo econômico vigente, o papel da mulher na sociedade da época que era restrito a encontrar um bom marido, e o matrimônio como fator determinante na vida das pessoas.

Buscamos nos manter fiéis ao momento em que peça foi escrita, mas adaptamos toda a linguagem e introduzimos partes metalinguísticas para criar um ritmo mais animado e cenas ainda mais engraçadas para o público”, afirma o diretor do espetáculo, Alan Pires. “É uma premissa básica do espetáculo, manter suas características originais, mas também se atualizar, sendo tão interessante e divertido para um adolescente quanto para um idoso”, complementa.

Montada pela Amadododito Cia. Teatral, esta é 10ª temporada da “A Comédia do Coração”, que já foi assistida por mais de 25.000 pessoas. O espetáculo foi o vencedor do Festival de Teatro de São Paulo e já passou pelas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro e Santana do Parnaíba. O espetáculo faz parte da história do teatro Brasileiro e foi encenado pela Companhia Dulcina-Odilon, em 1941.  

CARMEN
A Comédia do Coração

Com Ana Paula Franciono, Beto Motta Junior, Ewinho Nunes, Marília Grampa, Priscilla Ribeiro, Victor Bastos, Vini Morais, Wesley Vieira e Alexandre Batista

Teatro Gil Vicente – Faculdade Impacta (Av. Rudge, 315 – Barra Funda, São Paulo)

Duração 100 minutos

06/10 até 08/12 (exceto dia 03/11)

Sábado – 20h30

$40

Classificação Livre

UM PRESENTE PARA RAMIRO

A importância de se planejar e se organizar para concretizar os sonhos é a principal lição ensinada pelo espetáculo infantojuvenil Um Presente Para Ramiro, com texto e direção de Valdo Resende. Patrocinada pela Visa, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura do Ministério da Cultura e do Governo Federal, a peça estreia em uma temporada gratuita pelos CEUs e Fábricas de Cultura, com apresentações já agendadas entre 12 e 31 de outubro. O elenco é formado por Roberto Arduin, Conrado Sardinha, Isadora Petrin, Neusa de Souza e Rogério Barsan.

A trama narra as descobertas de Ramiro em seu aniversário de 12 anos. Na véspera desse dia, seu avô Miguel, que diz ter poderes especiais, entra nos sonhos do neto para descobrir quais são os desejos dele. Depois de perceber que o garoto não aceita ficar sem presentes caros, o avô decide ensiná-lo sobre o valor das coisas.

Com a ajuda da prima Valentina e de Fortuna, um cofre em forma de um porquinho falante, Miguel propõe uma viagem ao passado para apresentar a Ramiro os sonhos e a história de seus pais. A proposta da peça é mostrar o conflito entre o querer e o não poder – presente na realidade de muitas famílias brasileiras – e as possíveis saídas éticas para essa questão.

O trabalho partiu de uma pesquisa sobre como as crianças lidam com a realidade financeira da família, revela o diretor Valdo Resende. “Durante meses nós estudamos esse tema e somamos a isso a nossa experiência em falar com esse público infanto-juvenil e, consequentemente, com os pais, pois são eles que levam os filhos ao teatro. Usamos uma linguagem própria para a idade para mostrar que há um valor real e concreto para as coisas e que precisamos de planejamento, investimento e economia para consegui-las”, comenta.

A encenação evidencia a importância do valor real das coisas e não a importância do ter o que é caro, o que está na moda, o que dá status. Trata, ainda, do egoísmo em contraposição aos valores familiares. Dessa forma, apresenta e valoriza os brinquedos simples, antigos. “Resgatamos alguns brinquedos que estão desaparecidos, mas ainda permeiam o imaginário das pessoas. E a nossa cenografia (assinada por Djair Guilherme) é construída como um brinquedo que se monta e desmonta. Não temos um cenário na própria concepção da palavra, mas elementos cenográficos que vão compondo os ambientes onde as cenas ocorrem. A encenação se baseia em um teatro no qual as ações são construídas a partir do movimento dos atores, a partir da maneira com qual eles manipulam os elementos cenográficos”, explica Resende.

Já os figurinos, assinados por Márcio Araújo, fazem referência a outras cidades e épocas e remetem o espectador a um mundo onírico. “Colocamos a cenografia, os figurinos, os adereços (de Renato Ribeiro) e a trilha sonora original (de Flávio Monteiro) em função do jogo lúdico para ajudar o Ramiro a perceber essa nova realidade em que ele precisa ir além como indivíduo”, acrescenta.

Sobre o projeto

A circulação pela cidade de São Paulo ocorrerá até março de 2019. Escolas públicas, instituições e equipamentos culturais com interesse em receber apresentações gratuitas do espetáculo podem entrar em contato pelos seguintes canais:  lilian@kavantan.com.br ou 11 3023-3040

@umpresentepararamiro (Facebook e Instagram)

Site: umpresentepararamiro.com.br

Sobre a Visa e seu apoio à educação financeira

A produção infantojuvenil Um Presente Para Ramiro é patrocinada pela Visa, reconhecida por desenvolver projetos voltados à educação financeira para crianças, jovens e adultos, por meio do Programa de impacto social Finanças Práticas. A empresa já patrocinou dois outros espetáculos do mesmo tema para crianças e empreendedores, além de ter sido reconhecida pelo selo ENEF (Estratégia Nacional de Educação Financeira) do Banco Central, que comprova a qualidade e a imparcialidade da empresa ao tratar do assunto.

Segundo Sabrina Sciama, diretora de comunicação corporativa da Visa, o espetáculo foi patrocinado pois, além de suas qualidades artísticas, está dentro do espírito do Programa. “Investimos na produção por compartilhar da opinião de que com uma melhor organização e planejamento de suas finanças, todos podem alcançar seus sonhos de uma maneira consciente e responsável”.  “As crianças têm um forte poder de influência dentro de sua casa e podem levar toda sua família a adotar fundamentos aprendidos na peça, como fazer um orçamento e poupar”, acrescenta Sciama.

CARMEN (2).png

Um Presente Para Ramiro

Com Roberto Arduin, Conrado Sardinha, Isadora Petrin, Neusa de Souza e Rogério Barsan

Duração 60 minutos

Entrada Grátis (distribuição uma hora antes da sessão)

Classificação 8 anos

CEU PARAISÓPOLIS – Rua Dr. José Augusto de Souza e Silva, s/n – Jardim Parque Morumbi. Quando: 23 de outubro, às 11h e às 14h. Informações: (11) 3747-1963.

CEU PARQUE BRISTOL – Rua Prof. Artur Primavesi, S/N – Parque Bristol. Quando: 24 de outubro, às 10h30 e às 14h. Informações: (11) 2334-9151.

CEU VILA CURUÇÁ – Avenida Marechal Tito, 3452 – Jardim Miragaia. Quando: 25 de outubro, às 11h e às 14h. Informações: (11) 2563-6100.

CEU PARQUE ANHANGUERA – Rua Pedro José de Lima, 1020 – Anhanguera. Quando: 29 de outubro, às 9h e às 14h. Informações: (11) 3912-6020.

CEU ÁGUA AZUL – Avenida dos Metalúrgicos, 1262 – Cidade Tiradentes. Quando: 31 de outubro, às 10h30 e às 15h. Informações: (11) 3396-3534.

MAESTRO JOÃO CARLOS MARTINS EM CONCERTO

Um bate papo informal e intimista, um momento especial regado a música, histórias e emoções dão o tom do espetáculo Maestro João Carlos Martins Em Concerto que acontece no dia 4 de dezembro, terça-feira, às 21h, no Teatro Porto Seguro. O Maestro João Carlos Martins se apresenta ao piano acompanhado da Camerata Bachiana e com a  participação de Davi Campolongo, um dos jovens que apresentou para o mundo da música clássica.

A apresentação é uma oportunidade para entrar em contato com a vida e a arte do Maestro João Carlos Martins, cuja trajetória já foi registrada em 3 documentários: o franco-alemão Die Martin’s Passion (2003), o belga Revérie (2007), e o brasileiro O Piano como Destino (2015); além do longa metragem João, o Maestro, produzido pela LC Barreto, e da peça Concerto para João em cartaz no Teatro FAAP.

Sobre João Carlos Martins

Nascido em São Paulo, no dia 25 de junho de 1940, João Carlos começou a tocar piano aos sete anos por influência de seu pai, José, que desde a infância sonhava em virar um pianista. Aos oito anos, João Carlos venceu seu primeiro concurso musical ao executar obras do compositor alemão Johann Sebastian Bach (1685-1750). Aos 21 anos, patrocinado por Eleanor Roosevelt, apresentou-se pela primeira vez no Carnegie Hall, em Nova York. No auge de sua carreira de pianista, tocou com as maiores orquestras norte-americanas e gravou a obra completa de Bach para piano. Jornais como New York Times, Washington Post e Los Angeles Times dedicaram-lhe reportagens entusiasmadas pela sua personalidade artística.

Aos 25 anos, já consagrado como um dos grandes pianistas do mundo, João Carlos sofreu uma queda enquanto jogava futebol no Central Park, em Nova York, que atingiu o nervo ulnar e provocou atrofia em três dedos, obrigando-o a parar de tocar. Depois de um ano, voltou a tocar com dificuldade. Abandonou a carreira aos 30 anos.

Após sete anos longe do piano, decidiu voltar aos palcos, recebendo excelentes críticas da imprensa e a aclamação do público. Nesse período, porém, descobriu que desenvolveu distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (Dort). Novamente teve que abandonar a carreira. A paixão pela música fez com que ele retornasse anos mais tarde e, mesmo com sequelas, que o forçaram a adaptar novas formas de tocar, iniciou a gravação da obra completa de Bach.

Em 1995, em um assalto na Bulgária, foi golpeado na cabeça com uma barra de ferro, que provocou uma sequela neurológica, comprometendo o movimento da mão direita. Por meio de reprogramação cerebral, conseguiu recuperar os movimentos e voltou a tocar com as duas mãos. Entretanto, esse procedimento médico deixou sequelas no braço direito e na fala. Decidiu passar por um novo procedimento cirúrgico para corrigir o problema e teve os seus movimentos da mão direita afetados. Antes, porém, terminou a gravação da obra completa de Bach para o piano. Passou a fazer apresentações apenas com a mão esquerda.

João Carlos foi surpreendido pelos médicos com a notícia de que havia desenvolvido Contratura de Dupuytren na mão esquerda. Embora tenha passado por um novo procedimento cirúrgico, João Carlos acabou perdendo o movimento da mão esquerda, o que o inviabilizou novamente de tocar piano. Em 2002, teve que parar de tocar, e, dessa vez, acreditou seria para sempre.

Em 2004, aos 64 anos, João Carlos iniciou os seus estudos de regência. Seis meses depois, apresentou-se com sucesso em Londres, Paris e Bruxelas, como regente convidado, imprimindo em suas interpretações a mesma dinâmica que fazia quando pianista.

Em 2006, idealizou a Fundação Bachiana, com a missão de levar a música clássica às pessoas que pouco, ou nunca, ouviram falar dela. Construiu uma sólida carreira com a sua Bachiana Filarmônica SESI-SP, a primeira orquestra brasileira a se apresentar no Carnegie Hall (2007).

Atualmente, a Fundação Bachiana mantém oito núcleos de musicalização para crianças e jovens pelo Brasil e tem realizado cerca de 80 apresentações por ano. Mesmo com todas as limitações físicas, no final dos concertos João Carlos costuma deixar a regência e sentar-se ao piano para rápidas e emocionantes apresentações.

CARMEN.png

Maestro João Carlos Martins Em Concerto

Com Maestro João Carlos Martins e Camerata Bachiana, com participação de Davi Campolongo

Teatro Porto Seguro (Al. Barão de Piracicaba, 740 – Campos Elíseos, São Paulo)

Duração 75 minutos

04/12

Terça – 21h

$90/$110

Classificação Livre

A MEGERA DOMADA – O MUSICAL

Após o sucesso das duas temporadas (2017 e 1º semestre de 2018), “A Megera Domada – O Musical” está de volta a São Paulo para uma apresentação especial em outubro, em comemoração ao “Mês das Crianças”, no Teatro Procópio Ferreira.

O espetáculo é resultado de um trabalho realizado com atores e atrizes na faixa dos sete aos dezoito anos, que contam a história cantando, dançando e sapateando, unindo o conhecimento artístico com o lúdico. A proposta é mostrar ao grande público como Shakespeare é atual, simples e principalmente cômico e musical.

O roteirista Leonardo Robbi adaptou a clássica obra de romance e comédia, a partir da história original, para os dias atuais. Todo o enredo se passa na Escola William Shakespeare (WS) que conta com aulas inusitadas de matemática, português e botânica. E nessa escola tudo pode acontecer.

Prepare-se para muita diversão, romance e confusão nesta encenação conduzida pelas renomadas diretoras Cininha de Paula e Fernanda Chamma. Com participações especiais de Andrezza Massei, Ivan Parente e Vânia Pajares.

Um espetáculo musical para todas as idades. Um excelente programa para a família toda. Cante, dance e se apaixone por uma das obras do grande mestre da Literatura Inglesa contada e cantada por crianças, adolescentes e jovens talentosos que passaram por criteriosa audição. O projeto é uma iniciativa das escolas CN Artes e Estúdio Broadway.

Sinopse
Catarina é uma garota bonita, mas possui uma personalidade forte. Seu jeito insensível assusta os garotos que a evitam por ser considerada muito durona, uma verdadeira megera. Já Bianca, sua irmã, é o oposto. Meiga e sensível, ela é a garota mais desejada da Escola WS. Mas o pai das meninas orientou Batista, o irmão mais velho, a não permitir que Bianca namorasse antes de Catarina. E é aí que está o dilema, pois nesse conflito, surge Petrúquio, um garoto do interior que acabou de chegar na escola e aceita a difícil missão de conquistar a megera. Será que ele vai conseguir?

CARMEN (3).png

A Megera Domada – o Musical

Teatro Procópio Ferreira (R. Augusta, 2823 – Cerqueira César, São Paulo)

Duração 60 minutos

06 a 27/10

Sábado – 15h

$70

Classificação Livre

FRIDA, FRIDA, FRIDA

A artista Frida Kahlo serve como base para o novo musical da ARINA Entretenimento, “Frida, Frida, Frida”, que estreia dia 29 de setembro no Teatro XP Investimentos (RJ). Em cena, seis atores (três crianças e três adultos) dão vida a personagens inéditos, com texto e música autorais.

A intenção do musical é colocar o público infanto-juvenil em contato com o universo da artista. São três esquetes, interpretadas por três crianças, que, com diferentes pontos de vista, apresentam as cores e a ludicidade da obra da pintora mexicana e abordam questões sobre diversidade e superação.

O espetáculo nasce da necessidade de abordar no teatro temas que afetam as crianças atualmente e que não são habitualmente discutidos no seu cotidiano. A peça procura apresentar uma história real, de uma heroína real, ampliando assim o horizonte da criança e a relação com seus ideais – diz Kau Swaelen, uma das idealizadoras e fundadora da ARINA.

A peça tem texto e composição das canções de Tauã Delmiro, reconhecido por seu trabalho em “O edredom” e recém-premiado no Prêmio do Humor na categoria Especial e Melhor espetáculo pela direção de “O nome do espetáculo”. A direção é dividida por Fabiana Tolentino (“Natasha, Pierre e o Grande Cometa de 1812” e “Bibi, o musical”), Erika Affonso (“60! Doc. Musical”, “Mister Brau”, “Cia Encanto” e “Cordel do Amor sem Fim”) e Gustavo Klein (Os Produtores, Avenida Q, Matilda). A direção musical é de Maíra Garrido (“Eu Quase Morri Afogada Várias Vezes”), bacharel em canto pela UNIRIO com experiência em diversos corais e musicais.

“Frida, Frida, Frida” fica em cartaz até dia 4 de novembro no Teatro XP Investimentos, Leblon (RJ), com sessões aos sábados e domingos, às 16h.

CARMEN (1).png

Frida, Frida, Frida 

Com Laura Rabello, JF Barreiro, Manu Oliveira, Déborah Cecília, Kau Swaelen e Mateus Penna Firme

Teatro XP Investimentos – Jockey Club do Rio de Janeiro (Av. Bartolomeu Mitre, 1.110 – Leblon, Rio de Janeiro)

Duração 50 minutos

29/09 até 04/11

Sábado e Domingo – 16h

$60

Classificação Livre