MUSICAIS NO CINEMA

Em novembro, o MIS apresenta sua nova exposição: Musicais no Cinema.
.
Concebida pelo Musée de la Musique – Philharmonie de Paris e inédita na América, a mostra traça um panorama sobre o universo do gênero musical no cinema nacional e internacional desde os primórdios do cinema musicado até o premiado La La Land (2016).
.
A partir de fotografias, vídeos, cartazes, documentos de produção, figurinos e depoimentos, a mostra reúne filmes musicais de diferentes partes do mundo, destacando marcos para o gênero, como Cantando na chuva (1952), Amor, sublime amor (1961) e Dançando no escuro (2000).
.
A curadoria do pesquisador N. T. Binh e a adaptação da exposição para o MIS foi desenvolvida pelo jornalista e cineasta Duda Leite, que acrescentou espaços e conteúdos inéditos baseados na cultura brasileira, como Assim era a Atlântida, dedicada ao maior estúdio cinematográfico do Brasil do gênero musical, e uma área que homenageia a atriz e cantora Carmen Miranda.
.
O projeto arquitetônico da exposição, realizado pela Caselúdico – parceira do MIS em mostras como O mundo de Tim Burton, Castelo Rá-Tim-Bum – A exposição e Quadrinhos – sugere uma imersão na atmosfera de cada filme.
.
Musicais no cinema ainda destaca figuras marcantes do gênero como Fred Astaire, Jacques Demy, Julie Andrews, Cyd Charisse e John Travolta.
.
A mostra ocupa os dois pavimentos expositivos do MIS e conta com uma extensa programação paralela que envolve mostras de cinema, cursos, workshops, palestras e atividades infantis.

3o2pmgmma7gv4j5pc5ca824tqpjo9buv0hap17n9en2ckf7np9g1heuo1cik6g78sc2afcrc31sv4f53bubd6pah6elubotk7o298q8

Musicais no Cinema
MIS (Av. Europa, 158, Jd. Europa)
13/11 até 16/02/20
Terça a Sábado – 10h às 20h, Domingo e Feriado – 10h às 19h
$30
Classificação Livre
.

Vídeo

OCUPAÇÃO – TRAJETÓRIA MARIANA MUNIZ

Mariana Muniz é atriz, bailarina e coreógrafa. Nasceu em Pernambuco, onde começou seus estudos de dança e formou-se no Rio de Janeiro pela Escola do Teatro Municipal.
Em 1974 encontrou-se com Klauss e Angel Vianna e, desde então, dedica-se ao trabalho com teatro e dança contemporânea.
Trabalhou com Klauss e, em 1983, mudou-se para São Paulo. Participou de muitas produções importantes em teatro; e na dança ela cria solos, frutos de suas investigações no campo das relações entre a palavra e o movimento, e das percepções que se tem do corpo em movimento, tanto no Ocidente como no Oriente.
Sobre seu trabalho, Helena Katz, crítica de dança, escreveu: “Em cada uma de suas realizações, sempre ofereceu sínteses entre o que carregava no seu corpo de profissional de dança e as demandas específicas do fazer teatral”.
Atualmente, Mariana Muniz dá continuidade ao seu fazer artístico participando como diretora e intérprete de espetáculos teatrais e criando os seus próprios espetáculos junto com a sua companhia- Cia Mariana Muniz de Teatro e Dança-, onde mistura, de maneira muito própria, o teatro com a dança, em parceria com o arquiteto Cláudio Gimenez.
Para comemorar os seus 40 anos de carreira, Mariana Muniz fará do dia 11 a 14 de novembro uma ocupação artística nos MIS (Museu da Imagem e do Som) dividida em 03 partes:

Encontros Artísticos;
Serão um bate papo com profissionais que tiveram grande impacto artístico/afetivo na sua carreira, ajudando a construir a reflexão artística/poética/crítica sobre sua trajetória. A cada dia um convidado falará sobre um aspecto importante da carreira de Mariana Muniz.
No primeiro dia (11/11) será com Maria Lúcia Lee (artes corporais orientais) que lhe apresentou o Tai Chi Chuan e as técnicas de terapia oriental que, em grande parte, são responsáveis pela longevidade da artista na cena contemporânea e importante influência na sua composição cênica.
No segundo dia (12/11), Valmir Santos o jornalista, crítico e pesquisador de teatro, idealizador e editor do site Teatrojornal comenta a trajetória de Mariana pelo viés da imprensa, através de matérias e entrevistas concedidas ao longo de sua carreira.
Fechando a série de encontros (13/11) Angel Vianna (Teatro do Movimento – 1977) uma pessoa representativa em seu percurso artístico, integrante de movimentos expoentes que influenciaram a maneira de pensar, compor e criar sua dança.

Apresentação do espetáculo D’Existir;
No dia 14/11 teremos a apresentação do espetáculo D’Existir que é um projeto de dança/teatro baseado em pesquisas sobre o tema da morte. Com referência poética no texto Mal Visto Mal Dito de Samuel Beckett, trata de uma artista em seus questionamentos sobre o ato de vivenciar o sentido de seus movimentos em dança e teatro. Uma viagem imaginária pelo tempo, impulsionada pelos gestos e movimentos de um corpo que se questiona e se revê em sua trajetória cênica pela vida.

Lançamento da exposição virtual e interativa que compartilhará itens do seu acervo pessoal.
Logo em seguida à apresentação do espetáculo D’Existir, no dia 14/11, acontecerá o lançamento da exposição virtual (no site do MUD – Museu da Dança www.museudadanca.com.br) e interativa que compartilhará itens do acervo pessoal de Mariana Muniz (vídeos, fotos, material gráfico, críticas, documentos, etc), cronologia e evolução de sua carreira.

‪#‎MarianaMuniz‬ ‪#‎Coreógrafa‬ ‪#‎Exposição‬ ‪#‎Encontros‬ ‪#‎Teatro‬ ‪#‎Dança‬‪#‎MIS‬ ‪#‎MuseuDaDança‬ ‪#‎VáAoTeatro‬ ‪#‎OpiniãoDePeso‬

Encontros Artísticos
Com Mariana Muniz e Maria Lucia Lee, Valmir Santos e Angel Vianna
MIS – Museu da Imagem e do Som – Auditório LABMIS (Avenida Europa, 158, Jardim Europa, São Paulo). 66 lugares
Duração 180 minutos
11 a 13/11
Quarta a Sexta – 14h às 17h
Gratuito
Produção Executiva: Ação Cênica
Assessoria de Imprensa: Fabio Camara

D’Existir
Com Mariana Muniz
MIS – Museu da Imagem e do Som – Auditório MIS (Avenida Europa, 158 – Jardim Europa, São Paulo). 172 lugares
Duração 45 minutos
14/11
Sábado – 19h
Gratuito
Direção, Concepção e Atuação: Mariana Muniz
Assistência de Direção: Claudio Gimenez
Supervisão Geral: Eduardo Tolentino De Araújo
Artista Provocadora: Clara Carvalho
Música Composta: Celso Nascimento
Sonoplastia: Maurício Brugnolo
Iluminação: Ricardo Bueno
Fotos: Cláudio Gimenez
Figurinista: Fábio Namatame
Produção: Ação Cênica
Assessoria de Imprensa: Fábio Camara

Lançamento da Exposição Virtual:
MIS – Museu da Imagem e do Som – Foyer do Auditório MIS (Avenida Europa, 158 – Jardim Europa, São Paulo). 172 lugares
Duração 90 minutos
14/11
Sábado – 20h30
Gratuito
Idealização: MUD – Museu da Dança e Mariana Muniz
Curadoria: Mariana Muniz e Cláudio Gimenez
Web Designer: Vitor Vieira
Programação Web: Dracco Publicidade
Assistente de Produção: Rafael Petri
Estagiária: Isadora Dieb
Assessoria de Imprensa: Fábio Camara

www.museudadanca.com.br / www.mis-sp.org.br

Você Não Está Aqui

Você Não Está Aqui. é um espetáculo que une performance, teatro e ilusionismo. Concebida pelo diretor Pedro Granato e pelo mágico Ricardo Malerbi, a peça convoca a participação da plateia. O ponto final do título é uma homenagem ao famoso texto “Pálido ponto azul” do astrônomo Carl Sagan, que propõe um convite a uma reflexão profunda sobre o que nos caracteriza. No espetáculo, intérprete e público buscam juntos o que poderíamos levar em uma missão para outro planeta. A estreia acontece dia 30 de outubro, sexta-feira às 21 horas no salão redondo do MIS, Instituição da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo.

O espetáculo é fruto de um longo trabalho de reflexão dos parceiros Pedro Granato e Ricardo Malerbi aprovado pelo edital PROAC. Eles pesquisaram diversas fontes científicas e filosóficas para conceber a peça e se debruçaram sobre estudos de pensadores consagrados como o físico Albert Einstein, o astrônomo Carl Sagan, assim como os últimos livros de ciências dos materiais ainda não traduzidos no Brasil, como o recém – premiado pelo Royal Society “StuffMatters” de Mark Miodownik.

O aparente desejo de conhecer e habitar outros planetas é uma das inspirações de Você Não Está Aqui. A NASA anuncia evidências de água liquida em Marte na mesma semana em que grandes estúdios lançam um filme de ficção no planeta vermelho com suporte da NASA. A empresa planeja missões tripuladas para Marte nas próximas décadas. Atualmente o projeto “MarsOne” (http://www.mars-one.com), por exemplo, promete uma expedição só de ida para Marte em 2025.

Mais de 200 mil pessoas se inscreveram, dos 100 candidatos escolhidos na última etapa, 24 deles serão selecionados para que equipes de quatro tripulantes possam ser enviadas a Marte. O objetivo é formar uma “colônia no planeta vermelho”. Antes de irem para o espaço, os colonizadores terão de participar de um reality show perante o mundo todo.

“Como ainda usamos o termo colônia depois de séculos de experiências desastrosas?” provoca Ricardo. “A forma como a seleção da tripulação se dá impressiona por carregar uma experiência tão simbólica para a humanidade de valores muito questionáveis de nossos dias” comenta o diretor Pedro Granato.

“Essa não é a primeira vez que somos instigados a nos definir por conta de uma viagem espacial. Nos anos 70, a sonda Voyager enviou para o espaço um disco de ouro com uma seleção de sons que definiam a terra e a experiência humana”, lembra Ricardo.

_DSC6095

INSTALAÇÃO
Além das apresentações do espetáculo, o MIS recebe uma instalação do projeto, durante toda a temporada da peça.

“Você não está aqui.” é um espetáculo interativo inspirado na experiência da sonda Voyager lançada ao espaço em 1977. O astrônomo Carl Sagan reuniu um grupo de cientistas e pensadores e elaborou uma seleção de sons e imagens que buscavam retratar a vida no planeta Terra. Essas informações foram impressas em um disco de ouro e enviadas ao espaço. A sonda Voyager é hoje o artefato criado pelo homem mais distante do planeta Terra.

O público ouvirá a sequência de sons selecionados e poderá mudar as luzes do cenário ao manipular uma botoeira. De acordo com a mudança nas luzes, o espelho central se torna um corredor de fundo infinito onde um disco de ouro está flutuando. Estarão dispostas informações básicas sobre a Voyager e sobre a temporada do espetáculo.

‪#‎VocêNãoEstáAqui‬ ‪#‎Teatro‬ ‪#‎MIS‬ ‪#‎VáAoTeatro‬ ‪#‎OpiniãoDePeso‬‪#‎PomboCorreioAssessoriaDeImprensa‬

(crédito foto – Dingo Musa)

image001

Você Não Está Aqui | Espetáculo
Espaço Redondo – MIS ( Avenida Europa, 158, Jardim Europa, São Paulo)
Duração 70 minutos
30/10 até 22/11
Sexta – 21h, Sábado e Domingo – 18h
$20

Você Não Está Aqui | Instalação
Espaço Redondo – MIS ( Avenida Europa, 158, Jardim Europa, São Paulo)
30/10 até 22/11
Terça e Quarta – 12h às 21h, Quinta – 12h às 20h, Sexta – 12h às 19h, Domingo – 11h às 15h
Entrada gratuita