ROCKY HORROR SHOW

A comédia musical Rocky Horror Show, montagem de Charles Möeller & Claudio Botelho reestreia no Teatro Porto Seguro dia 10 de fevereiro, com sessões sextas e sábados, às 21h e domingos, às 19h.

No dia da reestreia, o público que for assistir o espetáculo de cosplay (caracterizado de uma das personagens da peça) vai participar de uma promoção. Serão escolhidas as 20 melhores fantasias e os vencedores poderão subir ao palco para dançar a última música Time Warp, com o elenco.

Rocky Horror Show é um fenômeno teatral raro. Após estrear em uma pequena sala do circuito underground londrino em 1973, virou filme, se transformou em ícone pop e nunca mais saiu de cartaz dos palcos e das telas de cinema. Uma verdadeira legião de fãs ajuda a manter a aura do musical, em exibições especiais, encontros e happenings por todo o mundo.

Inspirada nos filmes b de ficção científica e horror dos anos 40 a 70, a comédia musical – com texto e músicas de Richard O’Brien – conta com uma trilha roqueira e um texto que mistura referências da época com um leve toque sexual. Ao procurar ajuda em uma estrada deserta, um jovem casal de noivos, Brad Majors e Janet Weiss, chega a um castelo abandonado, onde são recebidos pelo cientista maluco Frank N Furter (Marcelo Medici) e uma série de criaturas bizarras.

Rocky Horror Show
Com Marcelo Medici, Bruna Guerin, Felipe De Carolis, Gottsha, Thiago Machado, Jana Amorim, Nicola Lama, Marcel Octavio, Felipe Mafra, Vanessa Costa, Thiago Garça.
Teatro Porto Seguro (Al. Barão de Piracicaba, 740 – Campos Elíseos, São Paulo)
Duração 105 minutos
10/02 até 12/03
Sexta e Sábado – 21h; Domingo – 19h
$50/$120
Classificação 14 anos
De Richard O‘Brien.
Um espetáculo de Charles Möeller & Claudio Botelho.
Direção: Charles Möeller.
Versão Brasileira: Claudio Botelho.
Direção musical: Jorge de Godoy.
Supervisão musical: Claudio Botelho.
Figurinos: Charles Möeller.
Cenografia: Rogério Falcão.
Coreografia: Alonso Barros.
Iluminação: Rogério Wiltgen.
Design de som: Ademir Moraes Jr.
Vídeos de cena: Kelson Spalato.
Visagismo: Beto Carramanhos..
Coordenação Artística: Tina Salles.
Direção de Produção: Beatriz Braga.
Produção Executiva: Edson Lopes.
Patrocínio: Porto Seguro.
Transportadora oficial: Avianca.
Realização: Möeller & Botelho.
Assessoria de Imprensa: Factoria Comunicação

CARROSSEL, O MUSICAL

Depois de um remake de sucesso na TV e de dois filmes que fizeram mais de cinco milhões de espectadores nos cinemas, as crianças da Escola Mundial e sua professora Helena voltam à cena, desta vez aos palcos e em formato de teatro musical. A premiada autora e diretora Fernanda Maia (Chovendo na Roseira, Menino Lua, Canção de Amor em RosaSonhos não envelhecem) escreveu o texto inédito, além de assinar a direção musical e co-assinar a direção geral com Zé Henrique de Paula (este também responsável pela direção artística do projeto).

Produzido pela G.O. Prod. Artísticas (Adriana Del Claro) e Firma de Teatro (Zé Henrique de Paula), o espetáculo conta com o apoio do SBT e Televisa.

Os alunos da Escola Mundial voltam das férias e reencontram sua amada professora Helena e a faxineira Graça (que serão vividas por Rosane Mulholland e Márcia de Oliveira, atrizes originais da novela em participação especial no musical). A diretora Olivia (agora vivida por Chris Couto) tenta manter a ordem na escola, ao mesmo tempo em que busca consolo para uma desilusão amorosa por causa de seu pretendente Aderbal (papel de Roney Facchini).

O rico empresário e sua secretária Marlene (Rosana Penna) surgem na escola para uma visita de surpresa e acabam envolvidos numa história de suspense e aventura que envolvem um quadro antigo, um tesouro secreto, uma donzela apaixonada e o fantasma de um pirata espanhol (Patrick Amstalden). Depois de Cirilo passar por maus bocados nas mãos de vilões que tentam passar por mocinhos, a Patrulha Salvadora acaba por restabelecer a paz, em meio a uma emocionante história de amor.

A peça traz 13 personagens infantis originais da novela, representados por dois elencos que se revezam. As 26 crianças de 8 a 12 anos foram selecionadas entre 850 inscritos durante as audições e interpretam os personagens que fazem a Escola Mundial vibrar de animação: Maria Joaquina, Cirilo, Laura, Jaime, Alícia, Carmen, Daniel, Marcelina, Valéria, Mário, Marcelina, Paulo e Kokimoto.

Com cenários conhecidos como o pátio da escola, a sala de aula, a sala da diretora e a casa abandonada, a produção terá itens originais da novela, como as carteiras, os bancos do pátio e a cesta de basquete. As músicas são também as da TV, em novos arranjos especialmente criados por Fernanda Maia.

Carrossel, o Musical
Elenco Adulto: Rosanne Mulholland, Marcia de Oliveira, Chris Couto, Roney Facchini, Rosana Penna e Patrick Amstalden
Teatro Santander – Complexo do Shopping JK Iguatemi (Av. Presidente Juscelino Kubitschek, 2041 – Itaim Bibi, São Paulo)
Duração 120 minutos
20/01 até 09/04
Sexta – 20h; Sábado – 16h e 20h; Domingo – 11h e 15h
Classificação Livre
$80/$150
Vendas online:
Texto: Fernanda Maia
Direção: Zé Henrique de Paula e Fernanda Maia
Direção Musical: Fernanda Maia
Cenografia: Bruno Anselmo
Figurinos: Zé Henrique de Paula
Iluminação: Fran Barros
Preparação de atores: Inês Aranha
Coreografia: Gabriel Malo
Projeto sonoro: João Baracho
Assistência de direção musical: Bibi Cavalcante
Preparação Vocal: Rafa Miranda
Visagista: Hugo Daniel
Coordenação de equipe de figurinos: Marianna Baffa
Assistência de figurinos: Carolina Franco e Leandro Oliveira
Cenotecnico: Fernando Brettas
Assistência de cenografia: João Paulo Oliveira
Arte gráfica: Wallace Gerardi
Vídeo: Laerte Késsimos
Venda para grupos: Letícia Maneira Zappulla
Redes sociais: Giovana Cirne
Produção geral: Adriana Del Claro
Coordenação de produção: Claudia Miranda
Produção executiva: Louise Bonassi e Lucas Farias
Assistência de produção: Laura Sciulli e Mariana Mello
Realização: GO. PROMO e Firma de teatro
Assessoria de Imprensa: Pombo Correiro

O PRÍNCIPE DESENCANTADO

A Bacana Produções Artísticas apresenta o elenco do musical voltado para o público infanto-juvenil “O Príncipe desEncantado“. O espetáculo, com músicas e letras inéditas, é o primeiro com temática homoafetiva e identidade de gênero.

Foi baseado no livro infantil “Koning en Koning“, escrita pelos autores holandeses Linda De Haan e Stern Nijland, lançado em 2000. A versão para o inglês (“King & King“) foi em 2002. Desde então foi publicado em outros seis idiomas, e teve uma versão para o teatro no exterior.

KoningKoning.jpg

Aqui no Brasil a estreia está prevista para o próximo ano.

O livro teve um destaque devido à oposição de conservadores sociais que acreditam que as crianças não devem ver temas LGBTs; como resultado desta oposição, aumentou consideravelmente as vendas do livro.

Sinopse:

Vick, um príncipe triste por ter perdido seu pai ainda cedo, e que não se preocupava muito para os assuntos do Reino, se vê obrigado pela mãe a casar-se  com uma pretendente vinda da Escola de Princesas.

Cansado da sua vida, um dia ele foge do castelo e conhece, num karaokê, um rapaz por quem se apaixona. Teco, também é um príncipe, irmão de uma das candidatas.

É sim, mais uma história de amor. Um amor improvável, que com a ajuda de seu pai, o sumido Rei Vitor, se torna possível

 Elenco e criativos

O elenco do espetáculo “O Príncipe desEncantado” é composto por Erick Ferrari (“Beatles Num Céu de Diamantes”), Branco Brandão (“Histórias do Velho Chico”), Marcella Piccin (“Urinal o Musical”), Manu Littiéry (“O Palhaço e a Bailarina”), Régis Schazzitt (“A Gaiola das Loucas”) e Vanessa Rodrigues (“Nuvem de Lágrimas, o Musical”)

A direção artística fica a cargo de Rodrigo Alfer. A direção de ator e movimento é de Jonathan Faria. As músicas são de Maíra Pagliuso. A direção vocal é de Ettore Ruggiero Veríssimo. A cenografia e figurino são de Luma Yoshioka. O desenho de luz é de Rafael Araújo. E Marco de Marco é o produtor associado.

 

60! DÉCADA DE ARROMBA – DOC. MUSICAL (RIO DE JANEIRO)

Representante maior da Jovem Guarda, um dos principais movimentos musicais da década de 1960, a cantora Wanderléa é a “cereja do bolo” do documentário musical “60! Década de Arromba”, dirigido por Frederico Reder, com roteiro e pesquisa de Marcos Nauer e que chega aos palcos no próximo dia 1º de dezembro. A cantora participa pela primeira vez de um musical, interpretando ela mesma. O espetáculo utiliza ferramentas de documentário (fotos, vídeos e depoimentos reais), somadas a cenas, textos e canções apresentadas ao vivo por 24 atores/cantores /bailarinos para contar a história da década de 1960.

60 foi uma década muito importante em vários aspectos: nas artes, no esporte, nos movimentos sociais e políticos e no avanço tecnológico. Descobri durante o processo da peça que estávamos fazendo um documentário musical, em que cantamos toda a história sem utilizar nenhum personagem real. A única personagem que trazemos para a cena é a Wanderléa, interpretando ela mesma. Um luxo”, conta o diretor Frederico Reder.

O momento era de grande agitação política, jovens reivindicavam seus direitos pregando a bandeira o amor. Wanderléa embalava os sonhos de milhões de brasileiros com os versos bem apropriados para a época na música “É o Tempo do Amor”.

Fruto de uma extensa pesquisa feita por Frederico Reder e Marcos Nauer, “60! Década de Arromba – Doc. Musical” fica em cartaz quinta e sexta às 21h, sábado às 18h30 e 21h30 e domingo às 20h, até o dia 18 de dezembro, no Theatro Net Rio.

O espetáculo inicia com um prólogo em 1922 contando a chegada do Rádio no Brasil, para em seguida mostrar o início da Televisão e aí sim, sua popularização na década de 1960.  A partir daí a peça narra os principais acontecimentos, apresentando mais de cem canções dos mais diversos gêneros. De Roberto e Erasmo, passando por Dalva de Oliveira, Cauby Peixoto, Elvis Presley, Beatles, Tony e Celly Campello, Bibi Ferreira, Edith Piaf, Tom e Vinicius, Milton Nascimento, Gil e Caetano, Maysa, Geraldo Vandré e tantos outros nomes importantes na música.

Se hoje em dia a discussão em torno do empoderamento feminino está em alta, já em 1960 mulheres marcaram época com frases que deram o que falar. “Ninguém nasce mulher, torna-se mulher” afirmava a escritora francesa Simone de Beauvoir. Marilyn Monroe fazia sucesso e bradava “mulheres comportadas raramente fazem história”.  Aqui no Brasil, mulheres como Leila Diniz também não ficavam atrás com atitudes e frases que marcaram história, como: “Na minha cama deita quem eu quiser”.

Ícone pop da década de 1960, Wanderléa sempre foi considerada um símbolo de vanguarda. Primeira mulher a posar nua grávida para uma foto e pioneira no uso das minissaias e do silicone, contribuiu para os direitos e a liberdade das mulheres de sua geração.

Fiquei muito emocionada em receber esta homenagem justamente quando a Jovem Guarda completa 50 anos. Ainda mais estreando neste palco, onde fiz shows memoráveis como ‘Maravilha’ e ‘Feito Gente’. Nunca havia imaginado integrar um grande musical”, diz Wanderléa.

Produzido pela Brain+ em parceria com a Reder Entretenimento e a Estamos Aqui, “60! Década de Arromba” é uma superprodução com 20 cenários, 10 toneladas de material cênico e mais de 300 figurinos, e além dos 24 atores,conta também com uma orquestra de 10 músicos.

Escrever um doc. Musical foi começar do zero. Definimos que não seria biográfico e não seria ficcional, sem dramaturgia clássica. Tudo que está em cena se originou do documental, do fato, da história real. Não há personagens definidos, o elenco em cena são todas as pessoas que viveram aquela época. As músicas cantadas na cronologia em que foram lançadas e fizeram sucesso. O espectador acompanha a narrativa do espetáculo ano a ano, relembra sua história e descobre novos acontecimentos”, conta o autor Marcos Nauer.

Um espetáculo construído a partir de canções conhecidas de todo o público, feito para toda a família, que mistura humor, números de circo, ilusionismo e cheio de emoção. Uma história cantada com fatos e músicas memoráveis. No repertório não faltam sucessos como Banho de Lua, Biquíni de Bolinha Amarelinha, Beijinho Doce, Lata D’água, Travessia, Pra Não Dizer Que Não Falei Das Flores, Era um Garoto que como eu Amava os Beatles e os Rollings Stones, Ponteio, Nós Somos Jovens, Filme Triste, Prova de Fogo, Pare o Casamento, Calhambeque, e outras internacionais como Blue Moon, La Bamba, Non Je Ne Regrette Rien, Yellow Submarine,  I say a litlle prayer for you, entre tantos outros. Uma verdadeira viagem no tempo!

60! Década de Arromba – Doc. Musical
Com Wanderléa, Amanda Döring, Analu Pimenta, André Sigom, Bel Lima, Cássia Raquel, Deborah Marins, Erika Affonso, Fabiana Tolentino, Giu Mallen, Jadde Flores, Jullie, Leandro Massaferri, Leo Araujo, Marcelo Ferrari, Mateus Ribeiro, Pedro Arrais, Rachel Cristina, Raphael Rossato, Rodrigo Morura, Rodrigo Naice, Rodrigo Serphan, Rosana Chayin e Tauã Delmiro
Theatro NET Rio – Sala Tereza Rachel (Rua Siqueira Campos, 143 – Sobreloja – Copacabana, Rio de Janeiro)
01/12/16 até 25/03
Quinta e Sexta – 21h; Sábado – 17h30 e 21h30; Domingo – 18h
$50/$180
Classificação 12 anos
Roteiro e Pesquisa: Marcos Nauer
Direção: Frederico Reder
Direção Musical: Tony Lucchesi
Coreografia: Victor Maia
Figurino: Bruno Perlatto
Cenário: Natália Lana
Iluminação: Dani Sanchez
Diretora Assistente: Alessandra Brantes
Videografismo cenário: Thiago Stauffer
Designer de Som: Talita Kuroda
Direção de Produção: Juliana Reder e Frederico Reder
Produtores Associados: Tadeu Aguiar e Eduardo Bark
Produtor Executivo: Leandro Bispo
Produtor Assistente: Allan Fernando
Estagiária de Produção: Joelma di Paula
Diretor Executivo: Léo Delgado
Gerente de Marketing: Mauricio Tavares
Direção de Arte: Barbara Lana
Assistente de direção musical: Alexandre Queiroz
Figurinista Assistente: Teresa Abreu
Estagiária de Figurinista: Tayane Zille
Estagiária de Figurinista:Jemima Oliveira
Estagiária de Figurinista:Gabriela Silva Fernandes
Coreógrafa Assistente:Clara Costa
Dance Captain: Rodrigo Morura
Cenógrafa Assistente:Marieta Spada
Assistente de Cenografia: Guilherme Ribeiro
Camarins: Vivi Rocha
Assessoria de Imprensa: Minas de Idéias

O MUSICAL MAMONAS

Há vinte anos cinco garotos de Guarulhos viravam a música brasileira de ponta cabeça. Em uma carreira meteórica os “Mamonas Assassinas” fizeram história por sua irreverência, conquistando o país através de um escrachado rock’n roll combinado com diversos ritmos e letras bem humoradas. Os mesmos jovens que encantaram, também comoveram pela maneira abrupta que tiveram suas carreiras interrompidas.

Agora imagine se os Mamonas pudessem contar sua própria história?

Foi pensando nessa pergunta que o dramaturgo Walter Daguerre (mesmo autor do musical Jim, sobre Jim Morrison) apresenta O Musical Mamonas.  Com direção do premiado José Possi Neto, o musical apresenta a mesma irreverência e o mesmo escracho que Bento, Dinho, Júlio, Samuel e Sergio demonstravam dentro e fora dos palcos, representados pelos atores Ruy Brissac, Adriano Tunes, Yudi Tamashiro, Elcio Bonazzi e Arthur Ienzura, todos escolhidos em audições.

Apresentado e patrocinado pelo Banco do Brasil Seguridade, O Musical Mamonas é em primeiro lugar, uma grande brincadeira com o gênero musical biográfico. Convocados pelo anjo Gabriel para uma importante missão – dar um jeito na caretice que tomou conta da vida dos brasileiros – Bento, Dinho, Júlio, Samuel e Sergio resolvem contar em um musical como conseguiram passar pelo estreito funil do show business: na base da persistência e da corajosa aceitação de suas personalidades um tanto quanto divertidas.  O espetáculo traz ao público de maneira despojada e divertida a trajetória da banda desde sua “Utopia”, até a transformação desta na realidade dos “Mamonas Assassinas”, passando por todas as músicas do primeiro e único álbum de estúdio da banda até o apoteótico show no histórico “Thomeuzão” em Guarulhos.

Com direção musical de Miguel Briamonte e coreografias de Vanessa Guillen, o musical traz também músicas de bandas que fizeram a cabeça dos cinco rapazes e marcaram a década de noventa, como Titãs, Legião Urbana, Engenheiros do Hawaii, Guns’n Roses, Rush e ainda reserva espaço para paródias e músicas originais compostas para o espetáculo O Musical Mamonas .  

O Musical Mamonas
Com Ruy Brissac, Adriano Tunes, Yudi Tamashiro, Elcio Bonazzi, Arthur Ienzura, Rafael Aragão, Patrick Amstalden, Vanessa Mello, Nina Sato, Gabriela Germano, Maria Clara Manesco, Marco Azevedo, Reginaldo Sama, Bernardo Berro, Andre Luiz Odin, Davi Tostes
Teatro Procópio Ferreira (Rua Augusta, 2.823 – Jardins, São Paulo)
Duração 120 minutos
11 a 25/01
Terça, Quarta e Quinta – 21h
$50
Classificação 12 anos
Texto – Walter Daguerre
Direção Geral –  José Possi Neto
Direção Musical – Miguel Briamonte
Coreografia – Vanessa Guillen
Cenário – Nello Marrese
Figurinos – Fabio Namatame
Designer de Maquiagem e Cabelo – Anderson Bueno
Designer de Luz – Wagner Freire
Designer de som – Gabriel D’Angelo
PRODUTORES ASSOCIADOS – Rose Dalney, Márcio Sam e Túlio Rivadávia
Apresentado por Ministério da Cultura, Governo do Estado de São Paulo e Banco do Brasil Seguridade
Patrocinado por Banco do Brasil Seguridade e Besni
Realizado por MINIATURA 9
Assessoria de Imprensa: Morente Forte

ROCKY HORROR SHOW

Rocky Horror Show é um fenômeno teatral raro. Após estrear em uma pequena sala do circuito underground londrino em 1973, virou filme, se transformou em ícone pop e nunca mais saiu de cartaz dos palcos e das telas de cinema. Uma verdadeira legião de fãs ajuda a manter a aura do musical, em exibições especiais, encontros e happenings por todo o mundo. Quatro décadas após o seu lançamento, Charles Möeller & Claudio Botelho vão apresentar a sua versão brasileira do espetáculo a partir de 11 de novembro, sexta-feira, às 21h,  no Teatro Porto Seguro.

14947807_326818307677404_2585197277181202326_n.jpg

Inspirada nos filmes b de ficção científica e horror dos anos 40 a 70, a comédia musical – com texto e músicas de Richard O’Brien – conta com uma trilha roqueira e um texto que mistura referências da época com um leve toque sexual. Ao procurar ajuda em uma estrada deserta, um jovem casal de noivos, Brad Majors e Janet Weiss, chega a um castelo abandonado, onde são recebidos pelo cientista maluco Frank N Furter (Marcelo Medici) e uma série de criaturas bizarras.

temp_regrann_1478608247140

14720401_325123241180244_2132540733115609657_n
Rocky Horror Show
Com Marcelo Medici, Bruna Guerin, Felipe De Carolis, Gottsha, Thiago Machado, Jana Amorim, Nicola Lama, Felipe Mafra, Marcel Octávio, Vanessa Costa, Thiago Garça.
Teatro Porto Seguro (Al. Barão de Piracicaba, 740 – Campos Elíseos, São Paulo)
Duração 105 minutos
10/02 até 12/03
Sexta e Sábado – 21h; Domingo – 19h
$50/$120
Classificação 14 anos
Texto, Música e Letras de Richard O‘Brien.
Versão Brasileira: Claudio Botelho.
Direção: Charles Möeller.
Cenografia: Rogério Falcão.
Iluminação: Paulo Cesar Medeiros.
Visagismo: Beto Carramanhos.
Design de som: Ademir Moraes Jr.
Coordenação Artística: Tina Salles.
Direção de Produção: Beatriz Braga.
Produção Executiva: Edson Lopes.
Realização: Möeller & Botelho.
Assessoria de Imprensa: Factoria Comunicação

YENTL EM CONCERTO

Depois de dois anos de uma temporada de sucesso, passando por Rio, São Paulo, Belo Horizonte e Brasília, Alessandra Maestrini atende a pedidos do público e lança o CD e DVD de seu espetáculo, Yentl em Concerto, em curta temporada, de 14 de novembro a 5 de dezembro, às segundas-feiras no Teatro Porto Seguro, sempre às 21h.

São os primeiros produtos audiovisual e fonográfico que a Maestrini Produções realiza. Graças a Deus, e a profissionais do mais alto gabarito, o resultado final está estampando um largo sorriso em nós. Sinto-me mais livre, mais realizada, mais plena, mais feliz, mais criativa, fazendo mais o que faço de melhor. E sinto que este é só o começo”, afirma Maestrini, que cuidou de cada detalhe. CD e DVD serão vendidos em pack especial, com direito a pôster de brinde.

Em cena, Alessandra Maestrini conta a saga da garota que precisou se disfarçar de menino para poder estudar. O espetáculo musicalébaseado na obra Yentl – The Yeshiva Boy, de Isaac Bashevis Singer (1902-1991) e no filme homônimo, estrelado por Barbra Streisand, em 1983. No palco, Maestrini, que também assina o roteiro e direção, é acompanhada pelo pianista João Carlos Coutinho. A atriz interpreta as canções do filme, compostas por Michel Legrand e com letras de Alan e Marilyn Bergman. Todas as músicas estarão no CD e DVD. O álbum tem ainda uma bonus track, What Are You Doing The Rest Of Your Life, dos mesmos compositores.

No DVD, assim como no palco, entre uma canção e outra, Maestrini conta a história da jovem Yentl sob seu ponto de vista. “Eu faço uma introdução contextualizando a história. Conto sua trajetória, exatamente como é, mas sob o meu ponto de vista, com a minha marca. Assim, costuro o roteiro com emoção, humor, questionamento e o encantamento que senti ao entrar em contato com este conto”, explica.

A trama acontece no início do século 20. Yentl perde o pai, Rebe Mendell, que lhe ensinava as sagradas escrituras; o que era proibido às mulheres da época. Decidida a desafiar o destino que lhe condenava a permanecer na ignorância de Deus, do mundo e de si, traveste-se de homem e segue para Yeshiva. Lá se apaixona por Avigdor, seu colega de estudos, e precisa descobrir até que ponto está disposta a abrir mão de sua identidade.

Yentl – The Yeshiva Boy, conto de Isaac Bashevis Singer, foi adaptado para o cinema tendo como protagonista a cantora e atriz Barbra Streisand. Em 1984, o filme ganhou o Oscar de melhor trilha sonora adaptada, Globo de Ouro de melhor filme musical e melhor direção para Streisand, que também assina o roteiro. Esta película é um dos maiores sucessos do cinema, um ícone do gênero musical.

Com interpretação intensa e visceral, Maestrini traz à tona os questionamentos de Yentl acerca da sexualidade e da sociedade da época. O tema delicado é abordado com leveza e até doses de humor, traços característicos da trajetória da artista. “Essa história tem a nos ensinar que, nos dias de hoje, é importante transpor limites questionáveis, que a vida só vale a pena quando de fato vivida e não meramente encenada. Que é importante confiar e investir na sua vocação, bem como lutar por quaisquer outras paixões que sejam reflexos da sua identidade. Que o limiar entre o preconceito e o ridículo é nenhum. Que a mulher deve receber o mesmo salário que o homem, e não 30% a menos como no mercado atual. Que só existe uma coisa imutável: a capacidade de transformação do ser humano, das coisas, do mundo, das situações e da vida”, resume Maestrini.

A turnê de Yentl deve seguir para outros estados no ano que vem. Enquanto isso, para 2017, Maestrini já confirmou que irá estrelar um musical que Miguel Falabella escreveu especialmente para ela, chamado O Som e A Sílaba. Ainda no primeiro semestre, lança um CD sob a direção de Nelson Motta. E no segundo semestre, lança outro CD, com suas versões para o inglês de músicas de Chico Buarque.

Yentl em Concerto
Com Alessandra Maestrini
Teatro Porto Seguro (Al. Barão de Piracicaba, 740 – Campos Elíseos, São Paulo)
Duração 75 minutos
14/11 até 05/12
Segunda – 21h
$60/$80
Classificação 12 anos
 
Idealização, roteiro, direção e intérprete: Alessandra Maestrini
Direção Musical e ao Piano: João Carlos Coutinho
Músicas: Michel Legrand
Letras: Alan & Marilyn Bergman
Figurino: Fábio Namatame
Visagismo: Wilson Eliodoro
Som: Mario Jorge Andrade
Assessoria de imprensa: Aline Salcedo e Grazy Pisacane
Fotografia: Priscila Prade
Diretor de Produção: Carla Schvaitser
Produção e realização: Maestrini Produções