15ª TEMPORADA DE DANÇA – TEATRO ALFA

No dia 2 de julho, segunda-feira, o Teatro Alfa abre as vendas individuais dos espetáculos da 15ª Temporada de Dança (os pacotes para todos os espetáculos estavam à venda desde maio).

Conhecida por ser uma das mais representativas de São Paulo, a temporada traz um importante panorama da área da dança no Brasil e no mundo, selecionando grupos de expressão e relevância na atualidade.

Nesta edição, que também comemora os 20 anos do Teatro Alfa, foram selecionadas companhias fundamentais na trajetória do local. Do Brasil, dançam o Grupo Corpo, a São Paulo Companhia de Dança e a Cia. de Dança Deborah Colker. A programação internacional fica por conta da Cie. DCA – Philippe Decouflé, da França; Mats Ek e Ana Laguna, da Suécia e Espanha, respectivamente; e a Tanztheater Wuppertal, a mítica companhia alemã fundada por Pina Bausch (1940 – 2009). As atrações custam entre R$ 37,50 e R$ 225,00.

Programação Completa da Temporada de Dança 2018

Grupo Corpo – 3 a 5 e 8 a 12 de agosto / Gira (2017) e 21 (1992)

Ingressos: Plateia – R$ 180,00 (inteira) e R$ 90,00 (meia) / Plateia Superior – R$ 75,00 (inteira) e R$ 37,50 (meia)

Cie. DCA – Philippe Decouflé – 31 de agosto a 2 de setembro /Nouvelles Pièces Courtes (2017)

Ingressos: Plateia – R$ 200,00 (inteira) e R$ 100,00 (meia) / Plateia Superior – R$ 75,00 (inteira) e R$ 37,50 (meia)

São Paulo Companhia de Dança – 15 e 16 de setembro / Melhor Único Dia (2017), 14’20” (2002) e estreia de Joëlle Bouvier

Ingressos: Plateia – R$ 100,00 (inteira) e R$ 50,00 (meia) / Plateia Superior – R$ 75,00 (inteira) e R$ 37,50 (meia)

Cia. de Dança Deborah Colker – 21 a 23 de setembro e 25 a 30 de setembro / Nó (2005 – releitura)

Ingressos: Plateia – R$ 180,00 (inteira) e R$ 90,00 (meia) / Plateia Superior – R$ 75,00 (inteira) e R$ 37,50 (meia)

Mats Ek e Ana Laguna – 20 e 21 de outubro / Memory (2004), Axe (2015) e Old and Door (1991)

Ingressos: Plateia – R$ 200,00 (inteira) e R$ 100,00 (meia) / Plateia Superior – R$ 75,00 (inteira) e R$ 37,50 (meia)

Tanztheater Wuppertal/Pina Bausch – 29 de novembro a 2 de dezembro / Néfes (2003)

Ingressos: Plateia – R$ 225,00 (inteira) e R$ 112,50 (meia) / Plateia Superior – R$ 75,00 (inteira) e R$ 37,50 (meia)

QUE MONSTRO TE MORDEU?

Criado em 2014 como série televisiva (TV Cultura, 2014 – 2015) por Cao Hamburger e Teodoro Poppovic,Que Monstro Te Mordeu? transborda seu mundo pela primeira vez para a linguagem teatral.

Com texto e direção de Carla Candiotto, e espetáculo estreia para público dia 9 de junho, sábado, às 14 horas. A temporada segue até 2 de dezembro aos sábados e domingos às 14 horas. Além do espetáculo, a criançada também poderá visitar, a partir do dia 6 de junho, quinta-feira, uma exposição que exibe várias etapas do processo de criação da série infantil, no espaço expsositivo. A exposição e o espetáculo teatral apresentam narrativas que se complementam e oferecem um programa divertido e informativo para fãs da série e também para aqueles que ainda não a conhecem. Entrada gratuita.

Os autores da série original assinam colaboração dramatúrgica. No elenco estão Alexandre Scaldini, Bebel Ribeiro, Daniel Costa, Fernando Mariano, Gilson Ajala, Melina Menghini, Nilton Marques, Paulo Henrique, Sandro Gattone, Sidnei Caria e Thiago Toledo. A direção de arte (cenografia, adaptação de bonecos e figurino) é de Marco Lima; a direção musical é de Marcelo Pellegrini, e a iluminação de Wagner Freire.

A história do espetáculo se passa no Monstruoso Mundo dos Monstros, um lugar onde os monstros desenhados pelas crianças ganham vida. Certo dia, aparece nesse lugar Lali, uma monstrinha diferente dos demais que ali habitam. Lali conhece e convive com novos amigos – como Luísa, Gorgo e Dedé – até encontrar Dr. Z, que descobre que ela pode ser humana. A partir desse momento, o MMM (Monstruoso Mundo dos Monstros) se transforma em um lugar de medo e intolerância. Cabe a Lali lutar por sua sobrevivência e mostrar para todos que pode ser surpreendente e encantadora a convivência com o diferente.

A Monstruosa Exposição dos Monstros

Na abertura da série infantil Que Monstro Te Mordeu?, Dr. Z anuncia: Toda vez que uma criança desenha um monstro, ele ganha vida em um lugar muito especial“.  E esse lugar existe! Que Monstro Te Mordeu? A Monstruosa Exposição dos Monstros apresenta o universo dos monstros que se imagina e que se cria a partir do simples ato de desenhar. Ao propor uma experiência imersiva e interativa, a exposição apresenta ao público os bastidores criativos do programa e também o seu imaginário. Pinturas, desenhos, animações e projeções mostram as etapas da criação dos personagens: do papel em branco ao desenho da criança; do roteiro à vida animada na série. A atmosfera do espaço proporciona um mergulho neste universo de monstros, também estimulando a imaginação do público ao sugerir que desenhem suas próprias criações e criaturas, que até podem ganhar vida ao serem exibidas no local.

12507479_1013439212031577_6177290564557011834_n

Que Monstro Te Mordeu?

Com Alexandre Scaldini, Bebel Ribeiro, Daniel Costa, Fernando Mariano, Gilson Ajala, Melina Menghini, Nilton Marques, Paulo Henrique, Sandro Gattone, Sidnei Caria e Thiago Toledo

Teatro do Sesi – Centro Cultural FIESP (Av. Paulista, 1313 – Cerqueira César, São Paulo)

Duração 60 minutos

09/06 até 02/12 (não haverá sessões nos dias 17 e 22/06)

Sábado e Domingo – 14h

Entrada gratuita

Classificação Livre

Exposição Que Monstro Te Mordeu? A Monstruosa Exposição dos MonstrosDe 6 de junho a 28 de outubro, de terça a sábado, das 10 às 22h; domingo, das 10h às 20h. Entrada gratuita. Curadoria de Teodoro Poppovic. Espaço de Exposições.

CONHEÇA O ELENCO DE ‘O FANTASMA DA ÓPERA’

O musical “O Fantasma da Ópera” volta aos palcos brasileiros após 13 anos da sua primeira montagem. A estreia é no dia 01 de agosto no mesmo palco – antes Teatro Abril, atualmente Teatro Renault.

A história do triângulo amoroso entre uma cantora lírica, um ‘fantasma’ e um nobre é o enredo do musical criado por Andrew Lloyd Webber, baseado no romance homônimo de Gaston Leroux.

O espetáculo estreou em West End, Londres, em 1986 e dois anos após fez seu debut na Broadway, com o mesmo elenco principal: Sarah Brightman (Christine), Michael Crawford (Fantasma) e Steve Barton (Raoul).

A produção londrina é a terceira peça/musical com mais tempo em cartaz. Na Broadway é a que tem carreira mais longeva; com 9 sessões semanais (de segunda a domingo); além de ser a segunda produção com maior arrecadação. O musical já foi visto por mais de 130 milhões de pessoas, tendo sido apresentado em cerca de 24 países.

A T4F Musicais escolheu o título para sua temporada 2018/2019. Um sucesso de público também no Brasil, ficou em cartaz por dois anos (2005/2007), e que provocava engarrafamento de ônibus e carros na porta do teatro durante a entrada/saída das sessões.

Para esta montagem, foi escolhido um elenco direcionado para o canto operístico (nada mais certo afinal a ação se passa na L’Opera de Paris).

Para interpretarem o casal protagonista (Fantasma e Christine) foram escolhidos o tenor Thiago Arancam e a soprano Lina Mendes, ambos com uma carreira operística respeitada internacionalmente. Como alternantes, o tenor Leonardo Neiva, também conhecido no ramo, e Giulia Nadruz, famosa nos musicais.

Para interpretar Raoul, o Visconde de Chagny, outro ator que começou a carreira em música clássica, Fred Silveira. Inclusive, ele trabalhou na primeira montagem brasileira sendo cover de Raoul e Fantasma.

Completam o elenco principal: Bete Diva (prima donna), Cleyton Pulzi (Piangi), Taís Viera (Madame Giry), Fernanda Muniz (Meg Giry), Sandro Christopher (Monsieur Firmin) e Marcos Lanza (Monsieur Andre).

Como ensemble temos Annanda Samarine, Bianca Tadini, Diego Velloso, Douglas Tholedo, Gabriela Bueno, Gilberto Chaves, Henrique Moretzsohn, Joyce Martins, Laura Duarte, Leandro Cavalcante, Leo Diniz, Misael Santos, Natacha Wiggers, Natália Hubner, Paulo Santos, Raquel Paulin, Rodrigo Miallaret e Vandson Paiva.

No corpo de baile foram escolhidos Ariadne OkuyamaCarol PazCarol TangerinoCaru Truzzi, Isabella Morcinelli, João da Matta, Larissa Leão, Thiago Garça, Victor Vargas Yasmin Barbosa.

MÁRTIR

O fundamentalismo religioso, os discursos de ódio e a violência provocada pela intolerância, pautas cada vez mais atuais no Brasil, são os temas da peça Mártir, de Marius Von Mayenburg, um dos principais nomes do teatro alemão contemporâneo.

A trama narra a transformação do jovem Benjamin, que, ao começar a ler a Bíblia, para de frequentar as aulas mistas de natação na escola porque elas ferem o seus sentimentos religiosos.

A mãe do protagonista atribui o seu novo comportamento, a um possível envolvimento com drogas ou a conflitos com sua sexualidade. A única que parece se preocupar com ele é Érica, sua professora de biologia, que logo vira alvo dos ataques do menino.

Benjamin mergulha profundamente na Bíblia e usa trechos das escrituras sagradas para combater radicalmente a ciência e qualquer fé diferente da sua. Ele cria para si uma verdade absoluta e inabalável a medida em que vai criando conflitos com os outros personagens. O espetáculo mostra essa trajetória da conversão religiosa até a radicalização do discurso, uma forma de “crucificação” da alteridade.

Com direção de Soledad Yunge, o espetáculo levanta questionamentos: até que ponto as pessoas estão dispostas para aceitar a fé das outras? Em que circunstância elas devem impor as próprias crenças? Como elas se comportam ao se deparar com doutrinas diferentes das suas? Qual é o limite entre um discurso de mudança e um comportamento extremista? O que é a verdade? Como alguém é capaz de transformar uma opinião em “verdade absoluta” para justificar os próprios desejos?

A ideia de pesquisar cenicamente esses temas surgiu em 2015, depois que a Cia. Arthur-Arnaldo ministrou oficinas de teatro em escolas públicas e particulares no projeto #JOVENS contemplado pelo Programa Municipal de Fomento ao Teatro para a cidade de São Paulo. Na ocasião, os artistas perceberam a existência de uma juventude religiosa que tem ganhado força nos últimos anos.

Ao finalizar a leitura de ‘Mártir’, tive o impulso de começar a ensaiar imediatamente e tornar tridimensional as sensações que o texto despertou. A agilidade dos diálogos cortantes e precisos em contraponto aos solilóquios de citações bíblicas me lançou em um redemoinho, no qual vozes e forças se confrontam constantemente. Ao longo das 27 cenas somos convocados o tempo todo a pensar nas nossas crenças e traçar os limites em relação a temas como racismo, sexualidade, machismo, religião, extremismo, deficiência entre outros”, comenta Yunge.

A cenografia de Rafael Souza cria um espaço fictício único a partir de dois elementos simples, cadeiras e mesas, que poderiam ser encontrados em qualquer um dos diversos ambientes da narrativa. Todos atores o ocupam simultaneamente, de forma que as cenas borram seus limites e seguem o fluxo vertiginoso da dramaturgia. A iluminação, por sua vez, fragmenta este espaço híbrido e dá visibilidade às trajetórias.

A montagem é parte do projeto )Entre Jovens( contemplado pela 30a edição do Programa Municipal de Fomento ao Teatro para a cidade de São Paulo. O elenco conta com a participação dos atores: Ana Andreatta, Carlos Morelli, Edu Guimarães, Georgina Castro, João Bienemann, Júlia Novaes, Taiguara Chagas e Tuna Serzedello.

 Escrita em 2012, a peça ficou em cartaz no Teatro Schaubühne em Berlim com direção do próprio autor. Foi descrita pelo jornal britânico The Guardian como “provocativa e terrivelmente engraçada” por ocasião da montagem britânica do texto em 2015. A tradução do texto alemão para o português, assinada por Christine Röhrig, foi concedida à Cia. Arthur-Arnaldo pelo Goethe Institut.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Mártir
Com Ana Andreatta, Carlos Morelli, Edu Guimarães, Georgina Castro, João Bienemann, Júlia Novaes, Taiguara Chagas e Tuna Serzedello.
Oficina Cultural Oswald de Andrade (Rua Três Rios, 363 – Bom Retiro, São Paulo)
Duração 80 minutos
23/11 até 16/12
Quinta e Sexta – 20h, Sábado – 18h
Ingresso Grátis (Distribuição de convites uma hora antes de cada sessão)
Classificação 14 anos

PLUFT, O FANTASMINHA

O Teatro Dr. Botica apresentará o espetáculo, aclamada pelo público infantil, “Pluft, o Fantasminha” entre os dias 25 e 26 de novembro e nos dias 02 e 03 de dezembro.

A peça, encenada pela Cia dos Reis, conta a cômica e inusitada história de Pluft, um fantasma que tem medo de gente. A trama também foca na amizade de Pluft com uma menina que irá ajudá-lo a superar seus medos. Com autoria de Maria Clara Machado, quem assina a direção da montagem é o ator e diretor Ivo Ueter.

Pluft, o Fantasminha começa quando o malvado e temido Pirata Perna de Pau, que está em busca do tesouro perdido do Capitão Bonança Arco-Iris, sequestra a jovem Maribel que é escondida na antiga casa de Bonança. Chegando lá, a menina descobre que a morada abriga uma família muito engraçada de fantasmas, inclusive Pluft, um gentil e bondoso fantasminha que tem medo de pessoas.

Quando os atrapalhados e divertidos marinheiros, amigos de Maribel percebem seu desaparecimento, logo começam a desconfiar que o maldoso Pirata possa ter levado a amiga para a antiga e assombrada residência do Capitão. Juntos, João, Julião e Sebastião vão atrás da garota para salvá-la, passando por momentos onde a coragem de cada um é colocada à prova. Com isso, o Pluft também terá que testar sua bravura e passar por cima do medo para enfrentar seus anseios e construir uma linda amizade entre ele e os humanos.

Com texto leve e simples, a peça leva às crianças a loucura com as trapalhadas de seus personagens.

pluft
Pluft, o Fantasminha 
Com Cia dos Reis
Teatro Dr. Botica – Shopping Metrô Tatuapé (Rua Domingos Agostim, 91. Tatuapé, São Paulo)
Duração 60 minutos
25/11 a 03/12
Sábado e Domingo – 14h
$40
Classificação Livre

UM

UM é o título do espetáculo que a Companhia Moderno de Dança encena nos dias 24, 25 e 26 de novembro na Caixa Cultural São Paulo. O grupo, fundado em 2002, é originário de Belém do Pará e tem a “dança imanente” como proposição teórica e prática em dança.

Pautada no compartilhamento de subjetividades para a criação cênica, a Companhia, que também se configura como grupo de pesquisa, valoriza a construção coreográfica pelas trocas estabelecidas entre o individual (unidade) e o coletivo (múltiplo). A programação é totalmente gratuita e os ingressos devem ser retirados na recepção da Caixa Cultural a partir das 9h nos dias do evento.

A obra baseia-se na ideologia Ubuntu, cuja tradução literal significa: “eu sou o que sou pelo que nós somos”. A palavra, originária do vocabulário dos povos Bantu, da África do Sul, em diálogo com o fazer/pensar da dança imanente, alicerça o conceito do espetáculo, que utiliza práticas de matriz africana e afro-brasileira como recursos técnico-corporais para a pesquisa de movimentos.

O processo de criação cênica emprega elementos da capoeira, da cultura de escolas de samba, das danças afro-baianas e do candomblé, entendidos como matrizes mobilizadoras para a concepção do espetáculo.

UM foi contemplado com o Prêmio Funarte de Dança Klauss Vianna 2013 e já teve duas temporadas em Belém, além de ter circulado pelo interior do estado do Pará e se apresentado em Macapá.

Para a diretora artística Ana Flavia Mendes, “iniciativas como esta da Caixa são grandes oportunidades para difundir a arte produzida no país, de norte a sul. Para nós é muito caro poder dar visibilidade ao que fazemos em outra localidade, longe de casa, sobretudo pela expectativa de troca com o público de outra cidade“.

Além do espetáculo, três atividades paralelas são contempladas pelo projeto, sendo elas: a realização de uma oficina de compartilhamento dos preceitos criativos da dança imanente; uma palestra reflexiva acerca das relações teórico-metodológicas estabelecidas a partir do espetáculo UM e o lançamento de livros que tratam dos processos coreográficos da Companhia Moderno de Dança.

As inscrições para oficina e palestra têm vagas limitadas e podem ser feitas pelo e-mail ciamoderno@gmail.com.

Este slideshow necessita de JavaScript.

UM
Com Companhia Moderno de Dança
CAIXA Cultural São Paulo (Praça da Sé, 111 – Centro, São Paulo)
Duração 50 minutos
24 a 26/11
Sexta, Sábado e Domingo – 19h15
Ingresso grátis (ingressos distribuídos a partir das 9h do dia da apresentação)
Classificação Livre

INTERVENÇÃO DALLOWAY: RIO DOS MALEFÍCIOS DO DIABO

Em seu novo espetáculo o Grupo XIX de Teatro convida o público a caminhar pelas ruas do centro, contemplar espaços públicos e habitar uma estufa promovendo outras formas de ocupar e conviver no cotidiano urbano. Intervenção Dalloway: Rio dos Malefícios do Diabo estreia dia 27 de novembro, segunda-feira, às 16h. A temporada segue até 14 de dezembro, com sessões de segunda a quinta-feira, sempre às 16h. A montagem tem o apoio da Lei de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo.

O espetáculo-performance é itinerante. A peça começa no edifício da SEL (Secretaria de Esporte, Lazer e Juventude do Estado de São Paulo), um prédio histórico na Praça Antônio Prado, no Centro. Depois, o público é convidado para um trajeto até chegar ao local onde será construída uma estufa.

O romance Mrs Dalloway de Virgínia Wolf (1882-1941) norteia a construção da performance. O grupo se inspirou pela fábula de uma mulher de classe alta que sai pela cidade e ao fim do dia dá uma festa em sua casa. “O livro é também sobre olhar e ser olhado. Sobre o que vemos, como vemos e como somos vistos no emaranhando de corpos que desfilam pelos centros urbanos diariamente”, conta o diretor do grupo, Luiz Fernando Marques.

A obra se passa num dia na vida dessa mulher que decide ir comprar as flores para a festa que dará à noite. Ela caminha pela Londres do século 19 imersa em seus pensamentos, cruzando com outras pessoas também em seus próprios pensamentos,  todos ligados por uma rede invisível,  submersa, que os une. Estudantes,  comerciantes, donas de casa, um homem que irá se matar, talvez a rainha, que passa num carro oficial,  todas essas trajetórias individuais unidas na sincronicidade das horas. “Propomos assim, uma experiência de possíveis caminhos pela cidade de São Paulo do século 21, com suas contradições, sua frenética movimentação e todas as vidas individuais que se cruzam nesse espaço coletivo. Lembrando que é muito perigoso viver, por um só dia que seja”, explica a atriz Juliana Sanches.

A ideia de uma estufa, artificial e temporária, invasiva ao mesmo tempo que orgânica, aponta para o desejo de um diálogo físico e metafórico entre os artistas e o público, entre todos e a cidade. “Pretendemos sobretudo transformar o espaço do cotidiano em testemunho, em uma experiência vivida e compartilhada. Proporcionar um estado latente de presença diante de um ato, injetado artificialmente no hábito do cotidiano urbano”, fala Marques.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Intervenção Dalloway: Rio dos Malefícios do Diabo
Com Janaina Leite, Juliana Sanches, Luiz Fernando Marques, Rodolfo Amorim e Ronaldo Serruya.
Ponto de encontro: Edifício-sede da SELJ – Secretaria de Esporte, Lazer e Juventude do Estado de São Paulo (antigo Banco de São Paulo) (Praça Antônio Prado, nº 9, Centro, São Paulo)
Duração 90 minutos
27/11 até 14/12
Segunda, Terça, Quarta e Quinta – 16h
Ingresso grátis (reservas de ingressos: reservadalloway@gmail.com/ )
Classificação 12 anos