O BOTE DA LOBA

A montagem retoma a sala intimista inaugural do Teatro Garagem, em 2004, chamada ‘Caixa Preta’. A ‘Ocupação Plínio Marcos’ levou também ao cartaz ‘Navalha na Carne’, com direção de Marcos Loureiro e com a participação da atriz e idealizadora do projeto Anette Naiman, no papel da antológica prostituta Neusa Sueli.

O Bote da Loba’ foi escrito em 1997, dois anos antes de sua morte, ainda inédito, o texto aborda o universo feminino sob a ótica de duas mulheres que se encontram para uma sessão de tarô. Veriska (Anette Naiman), a maga vidente, através dos seus poderes místicos, tentará ajudar a cliente Laura (desta vez com Ana Rita Abdalla), mulher casada e reprimida, a libertar-se de suas angústias e de seu sofrimento.

Texto inédito do grande dramaturgo, nunca antes montado no teatro, “O Bote da Loba” traz à tona temas e questões atuais de extrema relevância para nossa sociedade. A obra gira em torno, principalmente, da questão do prazer feminino, reprimido por tantos milênios e considerado como “tabu” até os dias de hoje. Aborda o encontro entre o prazer feminino, proibido historicamente com a perpetuação de uma cultura misógina, machista e patriarcal, e o conhecimento do corpo feminino, onde há uma protagonização de tal busca por duas mulheres.

De acordo com o autor, seus textos poderiam ser utilizados como referência para a percepção temporal do desenvolvimento da sociedade brasileira.

Plínio foi um homem de seu tempo, retratou aquilo que vivenciava cotidianamente, observando e registrando a visão da sociedade de sua época. Seus textos tornaram-se clássicos da dramaturgia brasileira, são documentos históricos, pois retratam valores, costumes e pensamentos de uma sociedade em uma determinada época. Neles, podemos ver o que realmente progrediu e caminhou no sentido da modernização de um pensamento social e consequentemente”, diz a atriz Anette Naiman.

Marcos Loureiro dirige também ‘Navalha na Carne’, primeiro espetáculo de Plínio Marcos em parceria com Anette Naiman, no Teatro Garagem, no ano de 2014, homenageando os 15 da morte do autor.  O Bote da Loba é a continuidade da parceria entre eles em torno da obra de Plínio Marcos.

image001

O Bote da Loba
Com Anette Naiman e Ana Rita Abdalla
Teatro Garagem (Rua Silveira Rodrigues, 331a – Vila Romana, São Paulo)
Duração 60 minutos
01 a 30/09
Sexta e Sábado – 21h30
$40
Classificação 16 anos

O BOTE DA LOBA

O Teatro Garagem em 2016 celebra seus 12 anos de existência com a estreia do inédito texto ‘O Bote da Loba’, de Plínio Marcos, considerado um dos maiores dramaturgos brasileiros, e integra o projeto “Ocupação Plínio Marcos no Teatro Garagem”, idealizado e produzido por Anette Naiman em parceria com  filho do autor, Ricardo Barros.

A montagem retoma a sala intimista inaugural do Teatro Garagem, em 2004, chamada ‘Caixa Preta’, e dá continuidade ao projeto em homenagem ao dramaturgo, que conta também com o espetáculo atualmente em cartaz: ‘Navalha na Carne’, ambos com direção de Marcos Loureiro e com a participação da atriz e idealizadora do projeto Anette Naiman, no papel da antológica prostituta Neusa Sueli.

‘O Bote da Loba’ foi escrito em 1997, dois anos antes de sua morte, ainda inédito, o texto aborda o universo feminino sob a ótica de duas mulheres que se encontram para uma sessão de tarô. Veriska (Anette Naiman), a maga vidente, através dos seus poderes místicos, tentará ajudar a cliente Laura (Luciana Caruso), mulher casada e reprimida, a libertar-se de suas angústias e de seu sofrimento.

Texto inédito do grande dramaturgo, nunca antes montado no teatro, “O Bote da Loba” traz à tona temas e questões atuais de extrema relevância para nossa sociedade. A obra gira em torno, principalmente, da questão do prazer feminino, reprimido por tantos milênios e considerado como “tabu” até os dias de hoje. Aborda o encontro entre o prazer feminino, proibido historicamente com a perpetuação de uma cultura misógina, machista e patriarcal, e o conhecimento do corpo feminino, onde há uma protagonização de tal busca por duas mulheres. De acordo com o autor, seus textos poderiam ser utilizados como referência para a percepção temporal do desenvolvimento da sociedade brasileira. A peça “O Bote da Loba” é o último texto do dramaturgo escrito quando estava com a saúde bastante frágil.

Plínio Marcos passou a se interessar por leituras esotéricas e de tarô e, então, incursiona sua dramaturgia para uma vertente mística, de cunho idealista filosófico, de autoconhecimento do ser humano – religiosidade subversiva, fase que foi denominada como “mística”. Além disso, Plínio fazia atendimentos de leituras de tarô. A procura era, geralmente, por mulheres casadas insatisfeitas com o casamento.

Plínio foi um homem de seu tempo, retratou aquilo que vivenciava cotidianamente, observando e registrando a visão da sociedade de sua época. Seus textos tornaram-se clássicos da dramaturgia brasileira, são documentos históricos, pois retratam valores, costumes e pensamentos de uma sociedade em uma determinada época. Neles, podemos ver o que realmente progrediu e caminhou no sentido da modernização de um pensamento social e consequentemente”, diz a atriz Anette Naiman.

As atrizes Anette Naiman e Luciana Caruso se conheceram em 2015, e trabalharam juntas na montagem de ‘Vendidas’, texto de Leo Lama, filho do autor Plínio Marcos.

Marcos Loureiro dirige também ‘Navalha na Carne’, primeiro espetáculo de Plínio Marcos em parceria com Anette Naiman, no Teatro Garagem, no ano de 2014, homenageando os 15 da morte do autor.  O Bote da Loba é a continuidade da proposta em torno da obra do dramaturgo.

1479497505605

O Bote da Loba
Com Anette Naiman e Luciana Caruso.
Teatro Garagem (Rua Silveira Rodrigues, 331a – Vila Romana, São Paulo)
Duração 50 minutos
18/11 até 17/12
Sexta e Sábado – 21h
$40
Classificação 16 anos
 
Texto – Plínio Marcos.
Direção – Marcos Loureiro.