OCUPAÇÃO ARENA CONTA AI-5

De 1 a 29/10, nos espaços do Teatro de Arena Eugênio Kusnet e da Cia. do Feijão, a Ocupação Arena Conta AI-5, organizada pelos artistas do Coletivo Ato de Resistência, trará em sua programação apresentações gratuitas e de contribuição livre, que colocam em pauta a discussão sobre o período histórico da ditadura civil-militar no Brasil e suas sequelas que perpetuam no período reacionário-conservador atual do país. Ao todo, mais de 50 atores e atrizes foram mobilizados para as ações da ocupação.

A ocupação Arena Conta AI-5 tem como objetivo resgatar memórias que estão sendo deixadas de lado por motivos políticos, todas as ações criam pontes políticas de reflexão entre o passado e o que acontece em nossos dias, acreditamos que a arte e a discussão sobre a arte são bases para uma sociedade mais justa e democrática”, afirma Paulo Maeda, um dos curadores da programação e diretor do espetáculo “AI-5, uma reconstituição cênica”, mote central da ocupação. “Buscamos convidar vozes múltiplas de caráter crítico e criativo. Pesquisando memória e resistência, o Coletivo conseguiu produzir diversos trabalhos e estabelecer parcerias que agora tomam o palco juntas”, complementa Renato Mendes, co-curador e proponente do projeto.

A peça “AI-5, uma Reconstituição Cênica”, que é a base temática da programação, foi criada em 2016, pós-golpe da presidenta Dilma Roussef, a partir da leitura da ata original e da escuta dos áudios da reunião do dia 13 de dezembro de 1968. Desde então, o espetáculo atualiza em sua dramaturgia a normatização da violência e dos discursos fascistas, preconceituosos, misóginos que surgem semanalmente na cobertura jornalística do cenário político brasileiro. “Do desgoverno Michel Temer e do atual presidente “democraticamente eleito” Jair Bolsonaro a peça ganha mais importância e uma urgência maior de que a história deve ser lembrada e de que paralelos devem ser feitos para reflexão e crítica entre artistas e espectadores”, complementa Maeda.

A ocupação também é uma homenagem ao próprio espaço que a recebe. No período em que esteve ativo de forma independente entre 1953 e 1972, o Teatro de Arena recebeu adaptações dos textos dramatúrgicos como “Liberdade, Liberdade”, de Millôr Fernandes e Flávio Rangel, e “Dois perdidos numa noite suja”, de Plínio Marcos, que estarão presentes em forma de leitura dramática, dirigidas por Caio Marinho e Rodolfo Morais, respectivamente. Além disso, pelos palcos do Arena também passou Augusto Boal, fundador do Teatro do Oprimido, gênero teatral que terá uma oficina de 4 encontros na programação do “Arena conta AI-5”, ministrados pelos artistas Danilo Minharro, Renato Mendes e Thales Alves. Entre os convidados para as mesas de debate, Celso Frateschi, ator e diretor que fez parte do Teatro de Arena nos anos de 1970.

A programação também conta com diversas mesas de debates que discutem o cenário atual do teatro e da política brasileira também terão a participação de Mariana Rossell, Artur Mattar, Mariana Rossel e Osmar Araújo, Adriano Diogo, Amelinha Teles e Rosalina Santa Cruz, Rodrigo Mercadante, Vera Lamy, Caio Marinho, Luiz Carlos Moreira, Julia Gumieri, Thalita Duarte, Ruivo, Ave Terrena, Rui Leon e Felipe Henrique Gonçalves.

No entanto, trazendo a pauta para questionamentos atuais da sociedade e censuras cada vez mais latentes, a ocupação realizará todas às sexta o “Arena Aberta”, um espaço democrático e poético de manifestações artísticas aberto com prioridade para grupos e artistas periféricxs convidadxs. A curadoria da atividade é de Letícia Negretti, Thammy Alonso, Lucas Scandura e Fernando Pernambuco.

FACE (4)

Programação:

01/10 – Terça-feira

Extensão Arena Conta AI-5 – Cia. do Feijão

Ciclo de Leituras Dramáticas – A Política em Cena

20h: Bailei na Curva (Júlio Conte)

Direção: Thales Alves

Elenco: Beatriz Porto, Juliane Maria, Letícia Negretti, Lucas Leite, Priscila Ioli, Rafael Castro, Rodolfo Morais.

Sinopse: Bailei na Curva apresenta em planos simultâneos a evolução de um grupo de crianças nos anos 60, sua juventude nos anos 70 chegando à fase adulta nos anos 1980. Aborda questões relacionadas à política, à identidade e à sexualidade desses jovens. O pano de fundo é o golpe civil-Militar de 1964 e seus desdobramentos. A peça revela através de cenas ágeis e cortes épicos, a angústia e o sofrimento gerados, tanto na sociedade, como na vida íntima de milhares de brasileiros.

Duração: 110 minutos

Classificação: 14 anos

Entrada Franca

02/10 – Quarta-feira

19h: Debate-papo: O Teatro como Frente Política – História do Teatro Engajado no Brasil

com Mariana Rossell, Artur Mattar, Mônica Raphael e Osmar Araújo

Entrada Franca

03/10 – Quinta-feira

Ciclo de Leituras Dramáticas – A Política em Cena

19h: O Novo Sistema (Hilda Hilst)

Direção: Thammy Alonso

Assistente de Direção e Técnico: Rafael Castro

Elenco: Ana Pereira, Danilo Minharro, Letícia Negretti, Lucas Scandura, Paulo Maeda, Ramon Gustaff, Renato Mendes, Rodolfo Morais e Thiago Marques

Sinopse: Em uma sociedade distópica, dominada pelo autoritarismo e pelo culto fanático à Ciência, um garoto tenta entender porque homens são amarrados e executados em praça pública, para desespero de seus pais, que temem as consequências do “desvio de conduta” do filho.

Duração: 70 minutos

Classificação: 12 anos

Entrada Franca

20h30: Eclipse das Cabeças (Danilo Minharro)

Direção: Danilo Minharro

Elenco: Caio Marinho, Letícia Negretti, Paulo Maeda, Renato Mendes, Rodolfo Morais e Thammy Alonso

Sinopse: Uma colagem de três textos icônicos sobre revolução e repressão. Os textos, que foram escritos e se passam em momentos distintos da história ilustram, por um lado a quebra de paradigmas de determinado tempo, e por outro, a reciclagem do obscurantismo e da repressão sob outras formas.

Duração: 90 minutos

Classificação: 12 anos

Entrada Franca

04/10 – Sexta-feira

16h: Espetáculo AI-5: Uma Reconstituição Cênica (apresentação para público estudantil)

19h: Arena Aberta

Sinopse: Espaço democrático e poético de manifestações artísticas aberto para grupos e artistas convidadxs. Cada semana uma programação diferente.

Classificação: 14 anos

Duração: 150 minutos aprox

Entrada: Ingresso Consciente

05/10 – Sábado

14h: Oficina Teatro do Oprimido para atores e não atores

OFICINA DE TEATRO DA PESSOA OPRIMIDA NO ARENA

Condução: Danilo Minharro, Renato Mendes e Thales Alves

O Teatro do Oprimido é uma metodologia teatral influenciada fortemente pela Educação Popular de Paulo Freire. Por meio da prática teatral, visa o empoderamento de grupos socialmente oprimidos. Foi criado por Augusto Boal, dramaturgo mundialmente conhecido, nomeado Embaixador Mundial do Teatro pela UNESCO, em 2009. O Teatro do Oprimido vem sendo amplamente utilizado por profissionais das areas da Educação, Saúde e Assistência social de todo o mundo, tendo reconhecida efetividade como ferramenta para o fortalecimento de vínculos e o desenvolvimento de processos de convivência e pertencimento do meio social. Seu objetivo é promover um processo de experiênciação das práticas do T.O., podendo ou não resultar em uma apresentação pública.

A Oficina terá duração de 4 encontros, sempre aos sábados, entre os dias 05 e 26 de outubro, das 14h às 18h.

18h: Cineclube 6ª Arte – O Teatro no Cinema

Discussão sobre interseções entre teatro, cinema e ditadura.

O que pode a cultura frente à barbárie?

Classificação: 14 anos

Duração: 120 minutos

Entrada Franca

20h30: Espetáculo AI-5: Uma Reconstituição Cênica

Direção: Paulo Maeda

Assistência de Direção: Letícia Negretti e Rodolfo Morais

Elenco: André Castelani, Michel Galiotto, Felipe Lima, Thales Alves, Renato Mendes, Danilo Minharro, Lucas Scandura, Lui Seixas, Gero Santana, Dover Buzoni, Eluane Fagundes, Rafael Augusto, Renan Alves, Felipe Tercetto, Rafael Castro, Mario Panza, Rodolfo Morais, Thiago Marques, Paulo Gircys, Luiz Campos e Silvia Souza

Sinopse: No dia 13 de dezembro de 1968 o presidente Costa e Silva chamou seus ministros para ler e aprovar o projeto do Ato Institucional número 5. A partir da ata

e dos áudios dessa reunião 21 artistas reproduzem a reproduzem e se utilizam de licenças poéticas para criar uma ponte com o momento político atual.

Classificação: 14 anos

Duração: 100 minutos

Entrada: Ingresso Consciente

06/10 – Domingo

14h: Oficina Teatro Documentário

Condução: Paulo Maeda, Roberto Mello e Fernando Pernambuco

Como criar poéticas a partir de documentos? Arquivos guardados (ou escondidos) que a princípio estariam carregados de burocracia e formalidades serão pensados e discutidos em coletivo para serem re-utilizados. A oficina investiga a transformação do real em ficção e quais as potencialidades desse encontro. Documentos oficiais apresentados pelos orientadores e materiais a serem pesquisados e caçados pelxs oficineirxs. A oficina terá duração de 4 encontros, sempre aos domingos, entre os dias 06 e 27 de outubro, das 14h as 18h.

Público alvo: atores/atrizes e estudantes de teatro e performance. Inscrições até dia 04 de outubro.

Número de vagas: 15
Inscrições pelo e-mail oficinadocteatro@gmail.com até o dia 05

19h: Espetáculo AI-5: Uma Reconstituição Cênica

Direção: Paulo Maeda

Assistência de Direção: Letícia Negretti e Rodolfo Morais

Elenco: Ricardo Socalschi, Michel Galiotto, Fernando Pernambuco, Dover Buzoni, Renato Mendes, Danilo Minharro, Lucas Scandura, Mario Panza, Gero Santana, Thales Alves,

Plínio Flima, Rafael Augusto, Renan Alves, Felipe Tercetto, Rafael Castro, Ramon Gustaff, Rodolfo Morais, Thiago Marques, Roberto Mello, Luiz Campos e Grasielli Gontijo

Sinopse: No dia 13 de dezembro de 1968 o presidente Costa e Silva chamou seus ministros para ler e aprovar o projeto do Ato Institucional número 5. A partir da ata

e dos áudios dessa reunião 21 artistas reproduzem a reproduzem e se utilizam de licenças poéticas para criar uma ponte com o momento político atual.

Classificação: 14 anos

Duração: 100 minutos

Entrada: Ingresso Consciente

20h30: Conversa com Adriano Diogo, Amelinha Teles e Rosalina Santa Cruz

08/10 – Terça-feira

Extensão Arena Conta AI-5 – Cia. do Feijão

Ciclo de Leituras Dramáticas – A Política em Cena

20h: Um Elefante no Caos (Millôr Fernandes)

Direção: Lucas Scandura

Elenco: Ana Pereira, Gero Santana, Michele Rodrigues, Pedro Stempniewski, Ricardo Socalschi e Rodolfo Morais

Sinopse: “Um elefante no caos” se passa em 1955, numa ilha. A ação acontece dentro de um apartamento cujas paredes estão permanentemente quentes. A peça – que por vezes entra em clima de fantasia – mostra um contexto sócio-político premonitório aos acontecimentos que culminariam no Golpe de 1964.

Duração: 120 minutos

Classificação: 12 anos

Entrada Franca

09/10 – Quarta-feira

19h: Debate-papo: Formas de Produção, Formas de (R)Existência – Quem somos? O que produzimos?

com Rodrigo Mercadante, Vera Lamy, Caio Marinho, Luiz Carlos Moreira

Entrada Franca

10/10 – Quinta-feira

Ciclo de Leituras Dramáticas – A Política em Cena

20h00: A Revolução Partida (Murilo Dias Cesar)

Direção: Roberto Borenstein

Elenco: Renato Mendes, Ricardo Socalschi e Roberto Borenstein

Sinopse: Num país imaginário e numa época não definida, dois ex-integrantes do alto escalão de um governo revolucionário são presos e submetidos a interrogatórios, acusados de serem contra-revolucionários.

Duração: 60 minutos

Classificação: 14 anos

Entrada Franca

11/10 – Sexta-feira

20h: Arena Aberta

Sinopse: Espaço democrático e poético de manifestações artísticas aberto para grupos e artistas convidadxs. Cada semana uma programação diferente.

Classificação: 14 anos

Duração: 150 minutos aprox

Entrada: Ingresso Consciente

12/10 – Sábado

14h: Oficina Teatro do Oprimido para atores e não atores

OFICINA DE TEATRO DA PESSOA OPRIMIDA NO ARENA

Condução: Danilo Minharro, Renato Mendes e Thales Alves

O Teatro do Oprimido é uma metodologia teatral influenciada fortemente pela Educação Popular de Paulo Freire. Por meio da prática teatral, visa o empoderamento de grupos socialmente oprimidos. Foi criado por Augusto Boal, dramaturgo mundialmente conhecido, nomeado Embaixador Mundial do Teatro pela UNESCO, em 2009. O Teatro do Oprimido vem sendo amplamente utilizado por profissionais das áreas da Educação, Saúde e Assistência social de todo o mundo, tendo reconhecida efetividade como ferramenta para o fortalecimento de vínculos e o desenvolvimento de processos de convivência e pertencimento do meio social. Seu objetivo é promover um processo de experiênciação das práticas do T.O., podendo ou não resultar em uma apresentação pública.

A Oficina terá duração de 4 encontros, sempre aos sábados, entre os dias 05 e

26 de outubro, das 14h às 18h.

18h: Experimento da Companhia do Feijão: “A Mãe, Canções para Acordar B.Brecht”

Texto e Direção: Vera Lamy

Direção Musical: Lincoln Antonio

Orientação Artística: Pedro Pires

Em cena (núcleo artístico Cia. do Feijão): Eduardo Schlindwein, Eugenia Cecchini, Vera Lamy e Zernesto Pessoa

Em cena (artistas convidados): Bruno Miotto, Clara Kok, João Attuy e Luiz Viola

Músicas: Lincoln Antonio e Vera Lamy

Sonoplastia: Pedro Semeghini

Sinopse: Pocket show musical, com algumas das canções do espetáculo. Exibição de filme-piloto presente na encenação. Trechos de cenas narrativas.

A obra em construção será finalizada como um cabaré-espetáculo-musical inspirado no romance A mãe, de M. Gorki, e na peça homônima de Bertolt Brecht. Nele, a Mãe se encontra no Brasil e torna-se atração de números e canções. Guiada, assim como nas obras que nos inspiraram, pelo seu aprendizado, observando e tornando seu o caminho escolhido pelo filho, agora não mais um operário, mas um escritor de peças. A mãe, já revolucionada, e um coro de seus “descendentes” apresentam canções de resistência poéticas, construindo um manifesto dos nossos tempos a partir do teatro proposto pelo filho: uma reflexão sobre o movimento perverso de funcionamento das relações humanas e a necessidade da desnaturalização destas relações.

20h30: Espetáculo AI-5: Uma Reconstituição Cênica

Direção: Paulo Maeda

Assistência de Direção: Letícia Negretti e Rodolfo Morais

Elenco: Ricardo Socalschi, Dagoberto Macedo, Fernando Pernambuco, Dover Buzoni, Renato Mendes, Felipe Tercetto, Lucas Scandura, Danilo Minharro, Guilherme Conradi,

Thales Alves, Plínio Flima, Caio Marinho, Michel Galiotto, Rodolfo Morais, Rafael Castro, Ramon Gustaff, Pedro Felício, Thiago Marques, Roberto Mello, Lécio Rabello

e Jamile Rai

Sinopse: No dia 13 de dezembro de 1968 o presidente Costa e Silva chamou seus ministros para ler e aprovar o projeto do Ato Institucional número 5. A partir da ata e dos áudios dessa reunião 21 artistas reproduzem a reproduzem e se utilizam de licenças poéticas para criar uma ponte com o momento político atual.

Classificação: 14 anos

Duração: 100 minutos

Entrada: Ingresso Consciente

13/10 – Domingo

14h: Oficina Teatro Documentário

Condução: Paulo Maeda, Roberto Mello e Fernando Pernambuco

Como criar poéticas a partir de documentos? Arquivos guardados (ou escondidos) que a princípio estariam carregados de burocracia e formalidades serão pensados e  discutidos em coletivo para serem re-utilizados. A oficina investiga a transformação do real em ficção e quais as potencialidades desse encontro. Documentos oficiais apresentados pelos orientadores e materiais a serem pesquisados e caçados pelxs oficineirxs. A oficina terá duração de 4 encontros, sempre aos domingos, entre os dias 06 e 27 de outubro, das 14h as 18h. Público alvo: atores/atrizes e estudantes de teatro e performance. Inscrições até dia 04 de outubro. Número de vagas: 15

Inscrições pelo e-mail oficinadocteatro@gmail.com até o dia 05

19h: Espetáculo AI-5: Uma Reconstituição Cênica

Direção: Paulo Maeda

Assistência de Direção: Letícia Negretti e Rodolfo Morais

Elenco: Ricardo Socalschi, Dagoberto Macedo, Fernando Pernambuco, Dover Buzoni, Renato Mendes, Danilo Minharro, Lucas Scandura, Mario Panza, Rodolfo Morais, Thales

Alves, Gero Santana, Caio Marinho, Michel Galiotto, Felipe Tercetto, Rafael Castro, Ramon Gustaff, Pedro Felício, Thiago Marques, Roberto Mello, Luiz Campos e Thammy

Alonso

Sinopse: No dia 13 de dezembro de 1968 o presidente Costa e Silva chamou seus ministros para ler e aprovar o projeto do Ato Institucional número 5. A partir da ata e dos áudios dessa reunião 21 artistas reproduzem a reproduzem e se utilizam de licenças poéticas para criar uma ponte com o momento político atual.

Classificação: 14 anos

Duração: 100 minutos

Entrada: Ingresso Consciente

20h30: Conversa com Julia Gumieri

15/10 – Terça-feira

Ciclo de Leituras Dramáticas – A Política em Cena

20h30: Dois Perdidos numa Noite Suja (Plínio Marcos)

Direção: Rodolfo Morais

Projeção: Panamérica Filmes – Barbara Morais e Marcelo Eme

Elenco: Danilo Minharro e Henrique Cardoso

Sinopse: Dois personagens – Paco e Tonho – dividem um quarto numa hospedaria

barata a noite e durante o dia trabalham de carregadores no mercado. No quarto em que convivem, todas as noites eles discutem sobre suas vidas, trabalho e perspectivas, mantendo uma relação conflituosa.

Duração: 80 minutos

Classificação: 14 anos

Entrada Franca

16/10 – Quarta-feira

19h: Debate-papo: Periferia e Corpos Periféricos – Vozes que o AI-5 tentou calar

com Thalita Duarte, Ruivo Lopes, Ave Terrena

Entrada Franca

17/10 – Quinta-feira

Ciclo de Leituras Dramáticas – A Política em Cena

19h: A Mancha Roxa (Plínio Marcos)

Direção: Letícia Negretti

Elenco: Ciça Coutinho, Marina Affarez, Natalia Bonilha, Shadiyah Becker, Priscila Ioli e

Silvia Sousa e Juliane Maria.

Sinopse: Em uma cela de presídio feminino, a convivência entre as detentas fica tensa e violenta depois de descobrirem uma mancha roxa, um indício de uma doença altamente transmissível e sem cura (uma analogia à AIDS), em uma das presas.

Duração: 70 minutos

Classificação: 14 anos

Entrada Franca

20h30: Liberdade, Liberdade (Millôr Fernandes e Flávio Rangel)

Direção: Caio Marinho

Elenco: Caio Marinho, João Attuy, Karen Menatti, Laruama Alves e Rebeka Teixeira

Sinopse: Liberdade, Liberdade recorre a textos de vários autores sobre o tema que dá a título a peça, entremeados por números musicais. Cinco atores interpretam 57 personagens e se revezam na interpretação de textos de Jean-Louis Barrault, Geir Campos, Billy Blanco, Robert Thompson, Baden Powell de Aquino, Aristóteles, Manuel Bandeira, Ascenço Ferreira, Jean Vilar, Osório Duque Estrada, Noel Rosa, Dorival Caymmi, Sócrates, entre outros.

Duração: 90 minutos

Classificação: Livre

Entrada Franca

18/10 – Sexta-feira

20h: Arena Aberta

Sinopse: Espaço democrático e poético de manifestações artísticas aberto para grupos e artistas convidadxs. Cada semana uma programação diferente.

Classificação: 14 anos

Duração: 150 minutos aprox

Entrada: Ingresso Consciente

19/10 – Sábado

14h: Oficina Teatro do Oprimido para atores e não atores

OFICINA DE TEATRO DA PESSOA OPRIMIDA NO ARENA

Condução: Danilo Minharro, Renato Mendes e Thales Alves

O Teatro do Oprimido é uma metodologia teatral influenciada fortemente pela Educação Popular de Paulo Freire. Por meio da prática teatral, visa o empoderamento de grupos socialmente oprimidos. Foi criado por Augusto Boal, dramaturgo mundialmente conhecido, nomeado Embaixador Mundial do Teatro pela UNESCO, em 2009. O Teatro do Oprimido vem sendo amplamente utilizado por profissionais das áreas da Educação, Saúde e Assistência social de todo o mundo, tendo reconhecida efetividade como ferramenta para o fortalecimento de vínculos e o desenvolvimento de processos de convivência e pertencimento do meio social. Seu objetivo é promover um processo de experiênciação das práticas do T.O., podendo ou não resultar em uma apresentação pública.

A Oficina terá duração de 4 encontros, sempre aos sábados, entre os dias 05 e

26 de outubro, das 14h às 18h.

18h: Cineclube 6ª Arte – O Teatro no Cinema

Discussão sobre interseções entre teatro, cinema e ditadura.

O que pode a cultura frente à barbárie?

Classificação: 14 anos

Duração: 120 minutos

Entrada Franca

20h30: Espetáculo AI-5: Uma Reconstituição Cênica

Direção: Paulo Maeda

Assistência de Direção: Letícia Negretti e Rodolfo Morais

Elenco: Ricardo Socalschi, André Castelani, Fernando Pernambuco, Roberto Borenstein, Renato Mendes, Dover Buzoni, Lucas Scandura, Danilo Minharro, Guilherme Conradi,

Thales Alves, Gero Santana, Caio Marinho, Alexander Vestri, Felipe Tercetto, Rafael Castro, Ramon Gustaff, Cristiano Alfer, Thiago Marques, Roberto Mello, André

Hendges e Letícia Negretti

Sinopse: No dia 13 de dezembro de 1968 o presidente Costa e Silva chamou seus ministros para ler e aprovar o projeto do Ato Institucional número 5. A partir da ata e dos áudios dessa reunião 21 artistas reproduzem a reproduzem e se utilizam de licenças poéticas para criar uma ponte com o momento político atual.

Classificação: 14 anos

Duração: 100 minutos

Entrada: Ingresso Consciente

20/10 – Domingo

14h: Oficina Teatro Documentário

Condução: Paulo Maeda, Roberto Mello e Fernando Pernambuco

Como criar poéticas a partir de documentos? Arquivos guardados (ou escondidos) que a princípio estariam carregados de burocracia e formalidades serão pensados e discutidos em coletivo para serem re-utilizados. A oficina investiga a transformação do real em ficção e quais as potencialidades desse encontro. Documentos oficiais apresentados pelos orientadores e materiais a serem pesquisados e caçados pelxs oficineirxs. A oficina terá duração de 4 encontros, sempre aos domingos, entre os dias 06 e 27 de outubro, das 14h as 18h.

Público alvo: atores/atrizes e estudantes de teatro e performance.

Inscrições até dia 04 de outubro.

Número de vagas: 15

Inscrições pelo e-mail oficinadocteatro@gmail.com até o dia 05

19h: Espetáculo AI-5: Uma Reconstituição Cênica

Direção: Paulo Maeda

Assistência de Direção: Letícia Negretti e Rodolfo Morais

Elenco: Ricardo Socalschi, André Castelani, Fernando Pernambuco, Roberto Borenstein, Renato Mendes, Dover Buzoni, Lucas Scandura, Danilo Minharro, Gero Santana, Thales Alves, Plinio Flima, Caio Marinho, Alexander Vestri, Felipe Tercetto, Rafael Castro, Ramon Gustaff, Cristiano Alfer, Thiago Marques, Roberto Mello, André Hendges e Letícia Negretti

Sinopse: No dia 13 de dezembro de 1968 o presidente Costa e Silva chamou seus ministros para ler e aprovar o projeto do Ato Institucional número 5. A partir da ata e dos áudios dessa reunião 21 artistas reproduzem a reproduzem e se utilizam de licenças poéticas para criar uma ponte com o momento político atual.

Classificação: 14 anos

Duração: 100 minutos

Entrada: Ingresso Consciente

20h30: Conversa com Rui Leon e Felipe Henrique Gonçalves

22/10 – Terça-feira

14h: Ônibus-livraria Rizoma

Extensão Arena Conta AI-5 – Cia. do Feijão

Ciclo de Leituras Dramáticas – A Política em Cena

20h: Cadeiras Proibidas (André Castelani)

Direção: André Castelani

Elenco: Thaís Natel, Dover Buzoni, Douglas Litaldi, Andrezza Rebuti, Danilo Rodriguez, Maria Lúcia Branco,  Sil Fagundes e Hudson Bonilha

Standings: Lucas Profirio e Carol Campos

Sinopse: Em contexto totalitário e por meio do realismo fantástico o texto narra os absurdos de num país altamente tecnocrático.  Escrito em 1976 por Ignácio de Loyola Brandão e adaptado por André Castelani.

Duração: 60 minutos

Classificação: 14 anos

Entrada Franca

23/10 – Quarta-feira

14h: Ônibus-livraria Rizoma

19h: Debate-papo: Censura – o AI-5 ontem e hoje

com Rudifran Pompeu, Biagio Pecorelli e Celso Frateschi

Entrada Franca

24/10 – Quinta-feira

14h: Ônibus-livraria Rizoma

Ciclo de Leituras Dramáticas – A Política em Cena

19h: Habeas Porcus (Lucas Venturin)

Direção: Cristiano Alfer

Elenco: Michel Galiotto, Letícia Negretti e Thiago Marques

Sinopse: Ficção onde um famoso e falecido ex delegado do Dops não morreu, envelheceu e mora com a esposa em um sítio, onde cria porcos. Ele tem como ajudante um ex cabo. Já velho, o ex-delegado, está sofrendo lapsos de memória. Quando acontece, volta no tempo e, confundindo seus porcos com prisioneiros políticos, passa a torturá-los.

Duração: 60 minutos

Classificação: 14 anos

Entrada Franca

20h30: Mumu, a Vaca Metafísica (Marcílio Moraes)

Direção: Renato Mendes

Elenco: Amanda Gamba, Caio Marinho, Jamile Rai, Nathália Bonilha e Thales Alves

Sinopse: Um casal de classe média recebe a feliz notícia de que sua amada filha voltará do internato e morará com eles. O conflito entre as diferenças de cada geração se intensifica quando a jovem não compreende, e tenta esconder de todos, o que considera o terrível segredo da família: há uma vaca morando em algum lugar na casa.

Duração: 100 minutos

Classificação: Livre

Entrada Franca

25/10 – Sexta-feira

14h: Ônibus-livraria Rizoma

20h: Arena Aberta

Sinopse: Espaço democrático e poético de manifestações artísticas aberto para grupos e artistas convidadxs. Cada semana uma programação diferente.

Classificação: 14 anos

Duração: 150 minutos aprox

Entrada: Ingresso Consciente

26/10 – Sábado

09h: Ônibus-livraria Rizoma

14h: Oficina Teatro do Oprimido para atores e não atores

OFICINA DE TEATRO DA PESSOA OPRIMIDA NO ARENA

Condução: Danilo Minharro, Renato Mendes e Thales Alves

O Teatro do Oprimido é uma metodologia teatral influenciada fortemente pela Educação Popular de Paulo Freire. Por meio da prática teatral, visa o empoderamento de grupos socialmente oprimidos. Foi criado por Augusto Boal, dramaturgo mundialmente conhecido, nomeado Embaixador Mundial do Teatro pela UNESCO, em 2009. O Teatro do Oprimido vem sendo amplamente utilizado por profissionais das areas da Educação, Saúde e Assistência social de todo o mundo, tendo reconhecida efetividade como ferramenta para o fortalecimento de vínculos e o desenvolvimento de processos de convivência e pertencimento do meio social. Seu objetivo é promover um processo de experiênciação das práticas do T.O., podendo ou não resultar em uma apresentação pública.

A Oficina terá duração de 4 encontros, sempre aos sábados, entre os dias 05 e 26 de outubro, das 14h às 18h.

17h: Lançamento Slam da Autonomia

20h30: Espetáculo AI-5: Uma Reconstituição Cênica

Direção: Paulo Maeda

Assistência de Direção: Letícia Negretti e Rodolfo Morais

Elenco: Ricardo Socalschi, André Castelani, Fernando Pernambuco, Roberto Borenstein, Heitor Gomes, Francisco Damasceno, Lucas Scandura, André Pastore, Rui Condeixa Xavier, Dover Buzoni, Gero Santana, Rafael Augusto, Emerson Grotti, Pedro Felício, Rafael Castro, Mario Panza, Cristiano Alfer, Thiago Marques, Roberto Mello, Mario Spatizziani e Ana Pereira

Sinopse: No dia 13 de dezembro de 1968 o presidente Costa e Silva chamou seus ministros para ler e aprovar o projeto do Ato Institucional número 5. A partir da ata e dos áudios dessa reunião 21 artistas reproduzem a reproduzem e se utilizam de licenças poéticas para criar uma ponte com o momento político atual.

Classificação: 14 anos

Duração: 100 minutos

Entrada: Ingresso Consciente

27/10 – Domingo

09h: Ônibus-livraria Rizoma

14h: Oficina Teatro Documentário

Condução: Paulo Maeda, Roberto Mello e Fernando Pernambuco

Como criar poéticas a partir de documentos? Arquivos guardados (ou escondidos) que a princípio estariam carregados de burocracia e formalidades serão pensados e  discutidos em coletivo para serem re-utilizados. A oficina investiga a transformação do real em ficção e quais as potencialidades desse encontro. Documentos oficiais apresentados pelos orientadores e materiais a serem pesquisados e caçados pelxs oficineirxs. A oficina terá duração de 4 encontros, sempre aos domingos, entre os dias 06 e 27 de outubro, das 14h as 18h.

Público alvo: atores/atrizes e estudantes de teatro e performance.

Inscrições até dia 04 de outubro.

Número de vagas: 15

Inscrições pelo e-mail oficinadocteatro@gmail.com até o dia 05

17h: Show “Macho” – O masculino em reconstrução

Macho que é macho é, antes de tudo, um homem, com suas angústias, anseios, medos, dores, felicidades, enfim, com várias emoções e sentimentos e com uma complexidade muito maior do que o “padrão”, a “fôrma” da sociedade machista impõe. O show MACHO é pensado e construído a partir de um apanhado de poesias e canções nas quais os autores se propuseram, e se permitiram, um mergulho mais profundo em suas próprias masculinidades e no que significa ser homem.

Performance: Lucas Scandura

Direção artística: Dagoberto Macedo e Silvia Mendes

Duração: 80 minutos

Classificação: 14 anos

Entrada: Ingresso Consciente

19h: Ensaio Aberto Arena Cont(r)a AI-5

Direção: Paulo Maeda

Elenco: Ana Pereira, Beatriz Diaféria, Denise Muramatso, Diane Boda, Elaine Gosta, Elisete Santos, Gabi Costa, Grasielli Gontijo, Jamile Rai, Juliana Sanches, Júnia Magi, Letícia Negretti, Lúcia Branco, Mara Helleno, Marba Goicochea, Nathália Bonilha, Sofia Botelho, Teka Romualdo e Thammy Alonso Sinopse: A peça-depoimento dá espaço a vozes caladas pelo Ato Institucional número 5, no lugar de homens que decidiram qual seria o futuro da nação, esse ensaio aberto pretende apresentar as mulheres que lutaram e viveram na ditadura civil-militar, criando pontos de conexão e reflexão com o que acontece hoje.

Duração: 100 minutos

Classificação: 14 anos

Entrada: Ingresso Consciente

20h30: Conversa com Elenco

29/10 – Terça-feira

Extensão Arena Conta AI-5 – Cia. do Feijão

Ciclo de Leituras Dramáticas – A Política em Cena

20h: A Cacatua Verde (Arthur Schnitzler)

Direção: Fernando Pernambuco

Elenco: Lucas Scandura, Roberto Borenstein, Letícia Negretti, Thales Alves, Jamile Rai, Rafael Castro e Dover Buzoni

Sinopse: Em pleno 14 de julho de 1789, em uma taverna em Paris um grupo de atores se apresenta na taberna Cacatua Verde. O público se mistura com os atores e se cria

um ambiente onde a realidade se mistura com a ficção.

Duração: 90 minutos

Classificação: 14 anos

Entrada Franca

Serviços:

Local: Teatro de Arena – Eugênio Kusnet
Endereço: Rua Teodoro Baima, 98, República

Acessibilidade: possui
Estacionamento: Não tem
Capacidade: 99 lugares

Formas de pagamento: Dinheiro e Cartão

Local: Cia. do Feijão

Endereço: Rua Teodoro Baima, 68, República

Acessibilidade: possui
Estacionamento: Não tem
Capacidade: 70 lugares

Formas de pagamento: Dinheiro e Cartão