MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA

A comédia ‘Morte Acidental de Um Anarquista’, que completa três anos em cartaz, tendo passado por 27 cidades, inicia nova fase nos palcos do Teatro Gazeta, em São Paulo, a partir de 30 de junho, desta vez, em temporada aos sábados, às 22h e aos domingos, às 20h. A montagem do texto de Dario Fo, prêmio Nobel de Literatura em 1997, que contou com Dan Stulbach no elenco ganha agora a participação do ator Marcelo Laham.

A peça parte de um caso verídico, uma controversa investigação de um caso ocorrido em Milão, em 1969, e tem como pano de fundo os ataques terroristas que feriram e mataram dezenas de pessoas e nas cidades de Milão e Roma. O mote é o suposto suicídio de um anarquista acusado pelos atentados que teria se jogado da janela do prédio da polícia durante o interrogatório. O caso ficou nebuloso com incoerências nos depoimentos dos policiais envolvidos, porém ninguém foi condenado por falta de provas.

Um ano após o episódio na história da Itália, Dario Fo estreou sua peça ficcional, uma comédia, que coloca dentro da delegacia naquele dia a figura de um louco revelando práticas de torturas física e psicológica nos interrogatórios policiais. Na dramaturgia, o louco é acusado de falsidade ideológica, por gostar de se passar por outras pessoas, porém se revela mais esperto que o delegado e, ali mesmo, engana a todos fingindo ser um juiz.

O que teria acontecido realmente naquele dia? O anarquista se jogou ou fora jogado do quarto andar?

A polícia afirma que o anarquista teria se jogado pela janela do quarto andar, a imprensa e a população acreditam que ele tenha sido jogado. O louco brincando com o que é ou não é real vai desmontando o poder e revelando a verdade ao assumir várias identidades médico cirurgião, psiquiatra, bispo, engenheiro naval, entre outras, além de juiz. Os espectadores se tornam aliados tanto do ator quanto do personagem e ao serem convidados a participar trazem à tona flashes do momento político atual do país para ajudá-lo na reconstituição do suposto crime.

Morte Acidental de Um Anarquista é a peça mais conhecida e premida de Dario Fo. Montada no mundo inteiro, recentemente, em Londres, foi encenada com referências ao caso Jean Charles (brasileiro que ficou conhecido após ser confundido e assassinado erroneamente pela Scotland Yard no Metrô de Londres). No Brasil, já foi montada com Antonio Fagundes e Sérgio Britto como protagonistas em São Paulo e no Rio de Janeiro.

Nesta montagem, há três anos em cartaz, com direção de Hugo Coelho, o público é recebido pelo elenco do lado de fora, na entrada, com uma apresentação musical. Já no teatro, Marcelo Laham entra em cena para contar o que aconteceu na vida real e explicar o porquê de montar o espetáculo, seguindo a estratégia que Dario Fo de aproximação e reconhecimento. Em seguida, público é convidado a tirar dúvidas e, só depois de todos estarem prontos, o espetáculo começa.

image003

Morte Acidenta de Um Anarquista

Com Marcelo Laham, Henrique Stroeter, Riba Carlovich, Marcelo Castro, Maíra Chasseraux e Rodrigo Bella Dona

Teatro Gazeta (Avenida Paulista, 900 – Bela Vista, São Paulo)

Duração 90 minutos

30/06 até 14/10

Sábado – 22h, Domingo – 20h

$70/$80

Classificação 14 anos

O FRENÉTICO DANCIN’ DAYS

Asas abertas, feras soltas, o Rio de Janeiro era uma festa. E não havia lugar mais adequado para celebrar do que o Frenetic Dancing´Days Discotheque, boate idealizada pelos amigos Nelson Motta, Scarlet Moon, Leonardo Netto, Dom Pepe e Djalma. E por que não resgatar esse tempo quando o carioca era feliz e sabia? Os dias de alegria estão de volta!

Ao lado de Patrícia Andrade, o próprio Nelson Motta assina a história de ‘O Frenético Dancin’ Days’. O musical marca a estreia da coreógrafa e bailarina Deborah Colker na direção de um espetáculo teatral, com realização das Irmãs Motta e Opus e direção de produção de Joana Motta.

O musical será uma superprodução, com 17 atores e sete bailarinos, escolhidos através de audições, à exceção de Stella Miranda, uma das mais importantes atrizes de musicais do país, que foi convidada especialmente para o projeto. Além de Stella, que interpreta Dona Dayse, o elenco é formado por: Ariane Souza (Madalena), Bruno Fraga (Nelson Motta), Cadu Fávero (Djalma), Franco Kuster (Léo Netto), Gabriel Manita (Inácio/Catarino), Karine Barros (coro/stand in feminino), Larissa Venturini (Scarlet), Natasha Jascalevich (Bárbara), Thadeu Matos (Tony Manero), além das Frenéticas: Carol Rangel (Edyr de Castro), Ester Freitas (Dhu Moraes), Ingrid Gaigher (Lidoca), Julia Gorman (Regina Chaves), Larissa Carneiro (Leiloca) e Ludmila Brandão (Sandra Pêra).

WhatsApp Image 2018-07-11 at 22.25.20

Elenco e Equipe Produção

Deborah Colker (que acaba de ser premiada na Rússia com o Prix Benois de la Danse, considerado o Oscar da Dança) assina também as coreografias e terá ao seu lado uma ficha técnica de peso: Gringo Cardia (cenários), Maneco Quinderé (designer de luz) e Alexandre Elias (direção musical). Passarão pelo palco os principais personagens que marcaram não apenas a história da boate, mas da cultura nacional.

A noite carioca fervia nos anos 70, quando a casa foi criada para inaugurar também o Shopping da Gávea. A cena disco estava explodindo em Nova York, mas ainda não tinha acontecido no Brasil. O Dancin´Days foi inaugurado em 05 de agosto de 1976 e marcou a chegada da discoteca no país. Lady Zu, Banda Black in Rio, Tim Maia, a pista da boate fervia. Na casa, se apresentaram nomes como Rita Lee (ainda com o Tutti-Frutti), Raul Seixas, Gilberto Gil.

Entretanto, nada causou tanta sensação quanto o surgimento das Frenéticas. Contratadas inicialmente como garçonetes, elas também faziam uma breve apresentação durante a madrugada. O sucesso foi imediato: Leiloca, Sandra Pera, Lidoca, Edyr, Dhu Moraes e Regina Chaves logo abandonaram as bandejas e assumiram os holofotes. Elas foram o primeiro grupo contratado da multinacional Warner, que estava aportando no Brasil. O país inteiro cantou ‘Dancin´Days’, ‘Perigosa’, ‘O Preto que satisfaz’ (abertura da novela ‘Feijão Maravilha’, da TV Globo), entre tantas outras.

Freneticas

As Frenéticas

A boate funcionou por apenas quatro meses, pois o contrato era limitado ao período que antecedia a abertura do Teatro dos Quatro. Ela celebrava um Rio e um país que conseguiam ser livres, apesar da ditadura militar. A casa reunia famosos e anônimos, hippies e comunistas, todas as tribos com o único objetivo de celebrar a vida. O sucesso foi tamanho que a casa foi reaberta no Morro da Urca e inspirou a novela ‘Dancin´ Days’, de Gilberto Braga, que tinha a música homônima das Frenéticas como tema de abertura. O país inteirou caiu na gandaia e entrou na festa.

E é justamente esta festa que estará de volta a partir de agosto. O espetáculo relembrará grandes clássicos da discoteca como ‘I love the nightlife’, ‘You make me feel might real’, ‘We are Family’, ‘Y.M.C.A’, ‘Stayin´alive’, além de clássicos das Frenéticas e grandes sucessos nacionais da época, como ‘Marrom Glacê’ e ‘A noite vai chegar’, entre outros. O Rio de Janeiro voltará a sorrir!

Abaixo, as Frenéticas interpretam a música tema da boate.

O Frenético Dancin’ Days

Com Stella Miranda, Ariane Souza, Bruno Fraga, Cadu Fávero, Franco Kuster, Gabriel Manita, Karine Barros, Larissa Venturini, Natasha Jascalevich, Carol Rangel, Ester Freitas, Ingrid Gaigher, Julia Gorman, Larissa Carneiroe Ludmila Brandão

Teatro Bradesco Rio – Shopping Village Mall (Avenida das Américas, 3900 – Barra da Tijuca, Rio de Janeiro)

Duração 120 minutos

24/08 até 21/10

 

Sexta – 21h, Sábado – 17h e 21h, Domingo – 18h

$75/$160

Classificação Livre

 

 

 

15ª TEMPORADA DE DANÇA – TEATRO ALFA

No dia 2 de julho, segunda-feira, o Teatro Alfa abre as vendas individuais dos espetáculos da 15ª Temporada de Dança (os pacotes para todos os espetáculos estavam à venda desde maio).

Conhecida por ser uma das mais representativas de São Paulo, a temporada traz um importante panorama da área da dança no Brasil e no mundo, selecionando grupos de expressão e relevância na atualidade.

Nesta edição, que também comemora os 20 anos do Teatro Alfa, foram selecionadas companhias fundamentais na trajetória do local. Do Brasil, dançam o Grupo Corpo, a São Paulo Companhia de Dança e a Cia. de Dança Deborah Colker. A programação internacional fica por conta da Cie. DCA – Philippe Decouflé, da França; Mats Ek e Ana Laguna, da Suécia e Espanha, respectivamente; e a Tanztheater Wuppertal, a mítica companhia alemã fundada por Pina Bausch (1940 – 2009). As atrações custam entre R$ 37,50 e R$ 225,00.

Programação Completa da Temporada de Dança 2018

Grupo Corpo – 3 a 5 e 8 a 12 de agosto / Gira (2017) e 21 (1992)

Ingressos: Plateia – R$ 180,00 (inteira) e R$ 90,00 (meia) / Plateia Superior – R$ 75,00 (inteira) e R$ 37,50 (meia)

Cie. DCA – Philippe Decouflé – 31 de agosto a 2 de setembro /Nouvelles Pièces Courtes (2017)

Ingressos: Plateia – R$ 200,00 (inteira) e R$ 100,00 (meia) / Plateia Superior – R$ 75,00 (inteira) e R$ 37,50 (meia)

São Paulo Companhia de Dança – 15 e 16 de setembro / Melhor Único Dia (2017), 14’20” (2002) e estreia de Joëlle Bouvier

Ingressos: Plateia – R$ 100,00 (inteira) e R$ 50,00 (meia) / Plateia Superior – R$ 75,00 (inteira) e R$ 37,50 (meia)

Cia. de Dança Deborah Colker – 21 a 23 de setembro e 25 a 30 de setembro / Nó (2005 – releitura)

Ingressos: Plateia – R$ 180,00 (inteira) e R$ 90,00 (meia) / Plateia Superior – R$ 75,00 (inteira) e R$ 37,50 (meia)

Mats Ek e Ana Laguna – 20 e 21 de outubro / Memory (2004), Axe (2015) e Old and Door (1991)

Ingressos: Plateia – R$ 200,00 (inteira) e R$ 100,00 (meia) / Plateia Superior – R$ 75,00 (inteira) e R$ 37,50 (meia)

Tanztheater Wuppertal/Pina Bausch – 29 de novembro a 2 de dezembro / Néfes (2003)

Ingressos: Plateia – R$ 225,00 (inteira) e R$ 112,50 (meia) / Plateia Superior – R$ 75,00 (inteira) e R$ 37,50 (meia)

QUE MONSTRO TE MORDEU?

Criado em 2014 como série televisiva (TV Cultura, 2014 – 2015) por Cao Hamburger e Teodoro Poppovic,Que Monstro Te Mordeu? transborda seu mundo pela primeira vez para a linguagem teatral.

Com texto e direção de Carla Candiotto, e espetáculo estreia para público dia 9 de junho, sábado, às 14 horas. A temporada segue até 2 de dezembro aos sábados e domingos às 14 horas. Além do espetáculo, a criançada também poderá visitar, a partir do dia 6 de junho, quinta-feira, uma exposição que exibe várias etapas do processo de criação da série infantil, no espaço expsositivo. A exposição e o espetáculo teatral apresentam narrativas que se complementam e oferecem um programa divertido e informativo para fãs da série e também para aqueles que ainda não a conhecem. Entrada gratuita.

Os autores da série original assinam colaboração dramatúrgica. No elenco estão Alexandre Scaldini, Bebel Ribeiro, Daniel Costa, Fernando Mariano, Gilson Ajala, Melina Menghini, Nilton Marques, Paulo Henrique, Sandro Gattone, Sidnei Caria e Thiago Toledo. A direção de arte (cenografia, adaptação de bonecos e figurino) é de Marco Lima; a direção musical é de Marcelo Pellegrini, e a iluminação de Wagner Freire.

A história do espetáculo se passa no Monstruoso Mundo dos Monstros, um lugar onde os monstros desenhados pelas crianças ganham vida. Certo dia, aparece nesse lugar Lali, uma monstrinha diferente dos demais que ali habitam. Lali conhece e convive com novos amigos – como Luísa, Gorgo e Dedé – até encontrar Dr. Z, que descobre que ela pode ser humana. A partir desse momento, o MMM (Monstruoso Mundo dos Monstros) se transforma em um lugar de medo e intolerância. Cabe a Lali lutar por sua sobrevivência e mostrar para todos que pode ser surpreendente e encantadora a convivência com o diferente.

A Monstruosa Exposição dos Monstros

Na abertura da série infantil Que Monstro Te Mordeu?, Dr. Z anuncia: Toda vez que uma criança desenha um monstro, ele ganha vida em um lugar muito especial“.  E esse lugar existe! Que Monstro Te Mordeu? A Monstruosa Exposição dos Monstros apresenta o universo dos monstros que se imagina e que se cria a partir do simples ato de desenhar. Ao propor uma experiência imersiva e interativa, a exposição apresenta ao público os bastidores criativos do programa e também o seu imaginário. Pinturas, desenhos, animações e projeções mostram as etapas da criação dos personagens: do papel em branco ao desenho da criança; do roteiro à vida animada na série. A atmosfera do espaço proporciona um mergulho neste universo de monstros, também estimulando a imaginação do público ao sugerir que desenhem suas próprias criações e criaturas, que até podem ganhar vida ao serem exibidas no local.

12507479_1013439212031577_6177290564557011834_n

Que Monstro Te Mordeu?

Com Alexandre Scaldini, Bebel Ribeiro, Daniel Costa, Fernando Mariano, Gilson Ajala, Melina Menghini, Nilton Marques, Paulo Henrique, Sandro Gattone, Sidnei Caria e Thiago Toledo

Teatro do Sesi – Centro Cultural FIESP (Av. Paulista, 1313 – Cerqueira César, São Paulo)

Duração 60 minutos

09/06 até 02/12 (não haverá sessões nos dias 17 e 22/06)

Sábado e Domingo – 14h

Entrada gratuita

Classificação Livre

Exposição Que Monstro Te Mordeu? A Monstruosa Exposição dos MonstrosDe 6 de junho a 28 de outubro, de terça a sábado, das 10 às 22h; domingo, das 10h às 20h. Entrada gratuita. Curadoria de Teodoro Poppovic. Espaço de Exposições.

CONHEÇA O ELENCO DE ‘O FANTASMA DA ÓPERA’

O musical “O Fantasma da Ópera” volta aos palcos brasileiros após 13 anos da sua primeira montagem. A estreia é no dia 01 de agosto no mesmo palco – antes Teatro Abril, atualmente Teatro Renault.

A história do triângulo amoroso entre uma cantora lírica, um ‘fantasma’ e um nobre é o enredo do musical criado por Andrew Lloyd Webber, baseado no romance homônimo de Gaston Leroux.

O espetáculo estreou em West End, Londres, em 1986 e dois anos após fez seu debut na Broadway, com o mesmo elenco principal: Sarah Brightman (Christine), Michael Crawford (Fantasma) e Steve Barton (Raoul).

A produção londrina é a terceira peça/musical com mais tempo em cartaz. Na Broadway é a que tem carreira mais longeva; com 9 sessões semanais (de segunda a domingo); além de ser a segunda produção com maior arrecadação. O musical já foi visto por mais de 130 milhões de pessoas, tendo sido apresentado em cerca de 24 países.

A T4F Musicais escolheu o título para sua temporada 2018/2019. Um sucesso de público também no Brasil, ficou em cartaz por dois anos (2005/2007), e que provocava engarrafamento de ônibus e carros na porta do teatro durante a entrada/saída das sessões.

Para esta montagem, foi escolhido um elenco direcionado para o canto operístico (nada mais certo afinal a ação se passa na L’Opera de Paris).

Para interpretarem o casal protagonista (Fantasma e Christine) foram escolhidos o tenor Thiago Arancam e a soprano Lina Mendes, ambos com uma carreira operística respeitada internacionalmente. Como alternantes, o tenor Leonardo Neiva, também conhecido no ramo, e Giulia Nadruz, famosa nos musicais.

Para interpretar Raoul, o Visconde de Chagny, outro ator que começou a carreira em música clássica, Fred Silveira. Inclusive, ele trabalhou na primeira montagem brasileira sendo cover de Raoul e Fantasma.

Completam o elenco principal: Bete Diva (prima donna), Cleyton Pulzi (Piangi), Taís Viera (Madame Giry), Fernanda Muniz (Meg Giry), Sandro Christopher (Monsieur Firmin) e Marcos Lanza (Monsieur Andre).

Como ensemble temos Annanda Samarine, Bianca Tadini, Diego Velloso, Douglas Tholedo, Gabriela Bueno, Gilberto Chaves, Henrique Moretzsohn, Joyce Martins, Laura Duarte, Leandro Cavalcante, Leo Diniz, Misael Santos, Natacha Wiggers, Natália Hubner, Paulo Santos, Raquel Paulin, Rodrigo Miallaret e Vandson Paiva.

No corpo de baile foram escolhidos Ariadne OkuyamaCarol PazCarol TangerinoCaru Truzzi, Isabella Morcinelli, João da Matta, Larissa Leão, Thiago Garça, Victor Vargas Yasmin Barbosa.

VOX

Drama inédito da dramaturga Beatriz Carolina Gonçalves, o espetáculo VOX  está em cartaz na SALA EXPERIMENTAL DO TEATRO AUGUSTA. Com direção de Helio Cicero, a peça traz no elenco os atores Luiza Curvo, Fernanda Viacava, Fernando Trauer e Helio Cicero. O cineasta Cristiano Burlan assina as imagens em vídeo. O projeto tem apoio do ProAC ICMS, da Secretaria de Estado da Cultura.

A peça se passa em 1997, durante 24 horas, e se concentra na trajetória de Mariana (Luíza Curvo), uma mulher de trinta anos, que sofre de amnésia, e de sua irmã Martha (Fernanda Viacava). A ação se inicia quando Mariana recebe um estranho telefonema, que vai tirá-la da zona de conforto em que vive e obrigá-la a enfrentar seu passado, resgatando a história de seus pais e, por flutuação inevitável, a história do País.

A questão da memória e de sua contrapartida, o esquecimento, são pontos essenciais levantados pela encenação. Para Helio Cicero, diretor e personagem do espetáculo, VOX discute a necessidade de lutarmos contra nosso “esquecimento histórico”. “É preciso resgatar e discutir a história recente do País para que possamos nos vacinar contra os regimes ditatoriais, que anulam os direitos democráticos, tão duramente conquistados pelo povo brasileiro.

Segundo Beatriz Gonçalves, um dos objetivos do espetáculo também é o de propor uma reflexão sobre a tortura, praticada indiscriminadamente durante a ditadura militar e institucionalizada pelo do AI 5, cuja promulgação completa 50 anos em 2018. “Estamos vivendo um momento extremamente grave, onde a censura disfarçada de moralismo e de poder jurisdicional cancela exposições e apresentações de teatro; onde militares de alta patente defendem abertamente uma nova intervenção militar”, afirma Beatriz. “Nunca foi tão urgente e necessário refletir sobre a violência institucionalizada, que é o epicentro de qualquer regime autoritário, caso das ditaduras latino-americanas, cujo legado foram milhares de vítimas, entre mortos e desaparecidos.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Vox
Com Luiza Curvo, Fernanda Viacava, Fernando Trauer e Helio Cicero
Teatro Augusta – Sala Experimental (Rua Augusta 943, Consolação, São Paulo)
Duração 60 minutos
19/10 até 15/12
Quarta e Quinta – 21h, Sexta – 21h30
$40
Classificação 14 anos

O BUDA QUEBRADO

O que se quebra é uma fatalidade. E o que se deixa quebrar?” Quando escreveu este questionamento na primeira versão do texto em formato de cena breve o autor Ed Anderson convidou o diretor e amigo Marcelo Costa para uma primeira leitura encenada no evento Satyrianas, em 2015, logo em seguida o texto foi ampliado e adotado para encenação pelo Coletivo Flama.

Marcelo Costa é um artista pernambucano radicado em São Paulo com passagens em produções adultas e infantojuvenis. O elenco é protagonizado por Priscila Scholz e Flavio Costa, atores casados há 20 anos, e que só agora realizam o desafio de dividir a cena em uma temporada teatral.

Depois da temporada do seu texto “Os Dois e Aquele Muro”, dirigido por Francisco Medeiros no ano passado, Ed Anderson se arrisca agora no universo de um buda em pedaços e um casal aparentemente tradicional, mas que é regido por inconstâncias de vontades em uma década que abarcou conflitos e rebeldias.

O percurso descrito pela obra se inicia num espaço privado e se transfere para uma dimensão coletiva, que por sua vez ganha nova e crescente dimensão íntima. O casal – HERMES e MATILDA – segue por caminhos arenosos para tratar de temas residentes no indizível – amor, liberdade, limites e censuras – ao eleger algumas possibilidades de trajetória onde não existem caminhos claros além de possíveis ramificações a serem compartilhadas junto a uma plateia intimista que possa se alimentar das questões propostas.

Para Marcelo Costa, “Apesar da ação cênica ocorrer na década de 70, o encontro entre estas duas pessoas está também associado ao mundo de hoje onde ocorre com muita frequência o território da disputa de poder. É cada vez mais comum vermos casais indiferentes ao que possam sentir um pelo outro e não recuperar a essência que os uniu. E isto parece hoje ser elemento presente na vida do homem em sociedade vigiada.

Assim também ocorre com HERMES e MATILDA, personagens criados por Ed Anderson. Segundo ele: “Um dos aspectos mais interessantes da peça é que, à medida que o jantar se desenrola, os dois não só veem diante de si os fragmentos do ‘buda’ que os separa e ao mesmo tempo os convida a um encontro, como também experimentam um momento propício para que se revelem diante de si próprios e do outro, sem espelhos.

O BUDA QUEBRADO – Exercício nº 01 é uma tragicomédia que mescla de maneira intrigante humor, lirismo e drama, numa sucessão de cenas com variadas pulsações.

A iluminação de Fê Guedella sugere a passagem da atmosfera cheia de sombras, reflexos e transparências, típicas da noite e do universo das aparências;

De uma certa maneira esta é também a opção do cenário de Paola Ribeiro, um espaço versátil, móvel, e de grande agilidade que se modifica a partir da ação dos personagens: uma mesa desmembrada como os pensamentos do casal;

O figurino de Murilo Carvalho busca dialogar entre formas e cores a época e a personalidade dúbia dos personagens.

O-Buda-Quebrado-divulgacao.jpg

O Buda Quebrado
Com Flávio Costa e Priscila Scholz. Voz em Off: João Acaiabe
Oficina Cultural Oswald de Andrade (Rua Três Rios, 363 – Bom Retiro, São Paulo)
Duração 50 minutos
26/10 até 18/11
Quinta, Sexta e Sábado – 20h
Entrada Gratuita
Classificação 14 anos