ENCONTRO

A vida de dois palhaços contada da infância à velhice por meio de diálogos poéticos e metáforas.Esse é o mote de “Encontro“, o novo espetáculo que a Cia. LaClass Excêntricos traz para São Paulo.

Utilizando recursos circenses, como a mágica e a manipulação para compor uma narrativa divertida, que brinca com a passagem da vida por meio do tom ingênuo das brincadeiras de palhaços e sempre com muita música.

O espetáculo terá única apresentação na capital paulista em 20 de abril, às 19h00 no Teatro Viradalata.

Com ares que remontam ao universo chapliniano, a trupe prepara um espetáculo único, indicado para toda a família.

“Encontro” nasce de uma pesquisa de dois anos da Cia. LaClass, na qual vieram referências de trabalhos apresentados em festivais de teatro europeus, realizados em países como Suíça, França e Espanha, bem como em salas de teatro na Argentina. Todos tendo como foco a relação de encontro e desencontro amoroso dos dois personagens, que escolheram viver seus dias como palhaços.

Criado por Daniela Rocha-Rosa e Marcelo Lujan, a dupla à frente da Cia. LaClass Excêntricos em seus cinco anos de vida, “Encontro” é um dos dois espetáculos do repertório, que ao lado de “Família LaClass” é apresentado pela companhia junto com outros 10 números cômicos teatrais em Dinner-Shows, Cabarés, Festivais de Circo, teatro e eventos mundo afora.

FACE.png

Encontro

Com Dani Rocha-Rosa e Marcelo Lujan

Teatro Viradalata (Rua Apinajés, 1387 – Perdizes, São Paulo)

Duração 45 minutos

20/04

Sábado – 19h

$40

Classificação Livre

SEGUNDA OKÊ

Ao chegar no Teatro Viradalata, o público será conduzido ao palco, onde estarão dispostas mesas e cadeiras. Entre comes, bebes e cantorias de um típico bar de karaokê, dois casais improváveis vivem encontros e desencontros, compondo um cenário repleto de questionamentos sobre relações nos dias de hoje e amores não correspondidos. O espetáculo Segunda Okê, com texto de Cristiane Wersom e direção de Marcio Macena, estreia dia 1º de abril, segunda-feira, 21h. Em cena estão Cristiane Werson, Maria BiaDavi Tápias e Pedro Bosnich, que também assina produção.

Inspirada por uma das mais conhecidas comédias de William Shakespeare, Sonho de Uma Noite de Verão, a peça Segunda Okê marca a continuidade da parceria de Pedro Bosnich e Cristiane Wersom, que montam sua terceira peça como dupla. Idealizada por Pedro, o espetáculo parte de uma proposta de encenação não tradicional. “É uma maneira de fazer com que o público seja de fato parte da montagem”, conta o ator.

A peça utiliza com frequência o improviso, especialidade de Cristiane Wersom. “Faz mais de 15 anos que trabalho com esse recurso. As dinâmicas dependem muito do retorno do público, mas vamos abordá-los de forma muito amorosa. Quem topar fazer uma participação não será isolado, mas sim integrado a proposta do espetáculo”, diz. Ela conta que os trabalhos conjuntos com Bosnich dão certo devido à vontade da dupla em viabilizar projetos e trabalhar com diversos gêneros diferentes.  Desde outubro de 2018, montaram juntos a comédia romântica Na Cama e o drama O Bosque Noturno. 

Sobre a encenação

O enredo acompanha a ida de quatro jovens a um bar de karaokê. Heloísa (Cristiane Wersom) vai aproveitar a folga sem saber que Lizandro (Davi Tápias), um jovem nerd que está apaixonado por ela, a seguiu até ali. Ela se encanta pelo garçom Demétrio (Pedro Bosnich), que por sua vez só tem olhos para Helena (Maria Bia), cliente assídua e ótima cantora que se sente atraída pelo nerd que está seguindo Heloísa. Em meio a bebidas, os jovens confundem-se e tentam disfarçar os sentimentos de uns pelos outros. Os clientes do bar são convidados a ajudar as personagens com conselhos amorosos e dicas musicais.

As músicas escolhidas para o karaokê, que serão mostradas ao público numa cartela, vão desde clássicos globais, como Mamma Mia, da banda sueca ABBA; até sucessos da dupla Sandy & Junior, sertanejos atuais e Evidências, de Chitãozinho & Xororó. “As personagens são pessoas que sempre vemos por aí: a Heloísa é uma workaholic; o Lizandro é um rapaz viciado em internet e tecnologia; o Demétrio é um homem fútil, que se preocupa em excesso com o corpo, achando que isso é suficiente para ser uma boa pessoa; e Helena é uma cantora que espera pelo reconhecimento do público, pela fama e pelo sucesso”, diz Cristiane.

Pedro Bosnich, que já trabalhou anteriormente com o diretor Marcio Macena, contou que o convite ao diretor partiu da vontade de trabalhar com alguém que pudesse compreender questões relevantes, como a utilização frequente do improviso e as escolhas de ambientar o público no espetáculo. “O Marcio é um diretor que tem um olhar disponível para entender as propostas de um projeto e sabe acolher com muito respeito as questões levantadas pelos outros criativos”, ressalta. Pedro e Marcio já trabalharam juntos em diversas outras produções, como Coisas Estranhas Acontecem Nesta Casa, que teve co-direção de Marisa Orth.

Para Marcio, a escolha é pautar a encenação pela leveza proposta pelo texto. “Muitas vezes busco a simplicidade na estética. Acredito que uma boa história contada por bons atores é suficiente para se ter um excelente espetáculo. Sempre, claro, contando com uma equipe criativa de qualidade”. Compõe ainda o time de criadores o iluminador Cesar Pivetti, com quem Marcio está trabalhando em conjunto pela sétima vez.

FACE

Segunda Okê

Com Cristiane Wersom, Davi Tápias, Maria Bia e Pedro Bosnich

Teatro Viradalata (Rua Apinajés, 1387 – Perdizes, São Paulo)

Duração 70 minutos

01/04 até 20/05

Segunda – 21h

$50

Classificação Livre

APARECIDA, UM MUSICAL

Walcyr Carrasco precisava de um milagre para poder encontrar o mote do espetáculo musical que faria em homenagem a Nossa Senhora Aparecida. A parte histórica ele já tinha, através das pesquisas feitas para escrever a novela “A Padroeira“, que estreou em 2001 na rede Globo. Mas ele queria algo mais atual.

Até que a mão do Destino se pronunciou.

Durante um voo, o autor sentou ao lado de um casal, que durante a conversa, contou o milagre pelo qual o marido tinha passado. Era o que Walcyr esperava – a história de “Caio e Clara” se intercalaria à da Santa.

53926346_2275534866026323_4076442929097342976_n

A história

Aparecida, um Musical” conta a história de Caio, um jovem advogado, materialista, de pouca fé, casado com Clara. No início da história, ele descobre ser vítima de um câncer. O tratamento não funciona, e ainda tira sua visão. Até que juntos vão ao santuário da Padroeira do Brasil, pedir por um milagre.

Milagres não faltam na história da imagem de Nossa Senhora, desde quando foi encontrada em 1717, por três pescadores, e que se produziu o seu primeiro milagre – o dos Peixes. No musical são retratados, além deste, os milagres das velas, do escravo Zacarias e do cavaleiro prepotente, além de incluir a passagem do atentado em 1978, quando foi destruída e depois restaurada no MASP.

FACE (2).png

A produção

Assim como o Brasil, “Aparecida, um musical” é eclético – seja no seu elenco, nos ritmos musicais e nos figurinos. Não é uma obra de catequização, mas sim, um espetáculo de teatro musical, voltado a todo tipo de público.

No palco, são mais de 30 atores, das mais variadas raças e credos religiosos, oriundos das principais produções de musicais no país.

Não espere encontrar canções que já fazem parte do imaginário de devoção à Santa. Na verdade, somente “Ave Maria“, de Bach e Gounod, se faz presente no musical. Todas as outras canções são originais, e procuram complementar a história que está sendo contada. Os ritmos musicais são os presentes na nossa cultura, não podendo deixar de citar a presença dos ritmos afro-brasileiros.

Para também mostrar a força da brasilidade nos figurinos, foram escolhidos os tecidos de algodão cru e renda nacional.

Os cenários utilizam uma mistura de estruturas físicas grandiosas com projeções de vídeos. Para mostrar uma sensação de dinamismo, serão movimentados pelo elenco, inclusive durante as cenas e canções.

“Aparecida, um musical” tem tudo para ser considerado um dos grandes espetáculos do ano.

 

Aparecida, um Musical

Com Leandro Luna, Bruna Pazinato, Edson Monttenegro, Frederico Reuter, Nábia Villela, Ana Araújo, Maysa Mundim, Arthur Berges, Reynaldo Machado, Cadu Batanero, Talita Real, Alessandra Vertamatti, Pamella Machado, Joyce Cosmo, André Torquato, Marcelo Vasquez, Daniel Cabral, Rubens Caribé, Vandson Paiva e Bernardo Berro, Keila Bueno, Rafael Machado, Maria Clara Manesco, Isabel Barros, Ygor Zago, Ditto Leite, Lucas Nunes, Tutu Morasi, Nay Fernandes, Gigi Debei, Isa Castro, Guilherme Pereira e Nina Sato 

Teatro Bradesco – Bourbon Shopping (R. Palestra Itália, 500 – Perdizes, São Paulo)

Duração 135 minutos

Estreia 22/03

Sexta – 21h, Sábado – 16h e 21h, Domingo – 15h e 19h30

$75/$220

Classificação Livre

BAIXA TERAPIA

A comédia Baixa Terapia, que tem no elenco Antonio Fagundes, Mara Carvalho, Alexandra Martins, Ilana Kaplan, Fábio Espósito e Bruno Fagundes, se prepara para a retomada paulistana do espetáculo, no dia 19 de janeiro .

O espetáculo, que reuniu mais de 50 mil espectadores em sua temporada de três meses em Portugal, com 55 sessões esgotadas, passou por mais de vinte cidades no Brasil e também pelos Estados Unidos e retorna, para curta temporada, ao Teatro Tuca.

A debochada comédia de Matias del Federico, com adaptação de Daniel Veronse e direção de Marcos Antônio Pâmio, reúne três casais que não se conhecem e que se encontram inesperadamente em um consultório para sua sessão habitual de terapia. Dessa vez, descobrem que a psicóloga não estará presente e, a partir daí, vem à tona queixas, confissões, suspeitas, revelações, verdades e mentiras da maneira mais escrachada para eles e divertidíssima para o público.

Baixa Terapia começa rigorosamente no horário!

Experiência 360º

Bastidores

O público tem acesso aos bastidores, antes das sessões, para vivenciar o que acontece por trás do espetáculo, com uma conversa com o elenco e tour pelas coxias e camarim. O ingresso para os bastidores é vendido a preço único de R$ 100 + valor do ingresso para o espetáculo. Essa experiência tem duração aproximada de 30 minutos e é finalizada com uma foto exclusiva dos visitantes com o elenco do espetáculo.

Bate-Papo

O tradicional bate-papo de todo o elenco com a plateia no fim de cada espetáculo, permite ao público maior aproximação com os atores numa troca divertida e informal.

Sobre Baixa Terapia

Baixa Terapia é uma debochada comédia com um final que pega todos de surpresa. Três casais que não se conhecem, se encontram inesperadamente em um consultório para sua sessão habitual de terapia, mas dessa vez descobrem que a psicóloga não estará presente.

Ela deixou a sala preparada para recebê-los com um pequeno bar onde não falta whisky e uma mesa com envelopes, contendo instruções de como deverão conduzir essa sessão.

O objetivo é que todas as questões sejam resolvidas em grupo. Cada envelope traz uma situação mais engenhosa que a outra, transformando a sessão num caos hilariante.

CARMEN.png

Baixa Terapia

Com Antonio Fagundes, Mara Carvalho, Alexandra Martins, Ilana Kaplan, Fábio Espósito e Bruno Fagundes

Teatro TUCA (R. Monte Alegre, 1024 – Perdizes, São Paulo)

Duração 90 minutos

19/01 até indeterminado

Sexta – 21h30, Sábado – 20h, Domingo – 18h

$100/$120

Classificação 14 anos

NATAL MÁGICO

Projeções 3D, chuva, neve, telões de LED, experiências sensoriais, mais de 250 figurinos, voos cenográficos, interação e muitas surpresas. São necessárias quatro carretas para carregar tudo o que é utilizado nessa superprodução criada pelo icônico diretor italiano Billy Bond, que está de volta a São Paulo com o espetáculo Natal Mágico.

Entre as grandes novidades para esse ano estão: truques realizados por equipamentos de última geração, 160m de leds, cenário giratório de 30m (responsável por dar sensação de profundidade, movimento e agilidade para todo o equipamento cênico), orquestra interpretando as trilhas sonoras ao vivo, reforço de cantores de primeira linha ao coro e ainda mais super-heróis. Além disso, a família protagonista do musical também aumentou e a filha de dois anos, junto com a irmã e o irmão, viverá grandes aventuras por meio de histórias clássicas e personagens que ganham vida em uma narrativa mágica.

Trazendo toda a emoção da época mais encantadora do ano, Natal Mágico terá apresentações em São Paulo, no Teatro Bradesco, dias 15, 16, 20, 21, 22 e 23 de dezembro. A realização é de Black & Red Produções, Campo de Produção e Ministério da Cultura.

Com grande elenco, Bia Jordão, que interpretou a personagem Júlia na novela Cúmplices de um Resgate do SBT, e Clara Jordão (que é irmã de Bia) interpretará sua irmã também no espetáculo. Juntas, a dupla viverá fortes emoções como a visita a uma casa de bonecas vivas, ursos dançarinos e a presença de super-heróis. Aos que assistiram ao espetáculo O Mágico de Oz, de abril a julho desse ano, no Teatro Bradesco, a pequena estava frequentemente na plateia, vestida de Dorothy, e encantou o público também fora dos palcos. Além disso, Ana Luiza Ferreira também está confirmada no elenco, ela participou dos musicais Mudança de Hábito e A Era do Rock.

A megaprodução contará com super-heróis que se unirão ao elenco para viver aventuras emocionantes dentro e fora dos palcos. Um número com acrobatas e atletas na cama elástica também promete agradar ao público com números inéditos de tirar o fôlego.

ENREDO

Ao som da Ave Maria, de Bach/Gounod (uma das composições mais famosas e gravadas em latim da Ave Maria), um anjo sobrevoa o presépio para anunciar a nascimento do Menino Jesus. O tradicional quadro, um dos preferidos e mais emocionantes do musical, ocorre simultaneamente a seis anjos que cantam ao vivo, enquanto floquinhos de neve caem do céu. Em clima mágico, a luz desenha no ar os personagens e ajuda a encantar o espectador.

Sobre uma base musical, os cantos acontecem ao vivo. O espetáculo narra a saída do Papai Noel da Lapônia, em um trenó, para ir ao encontro de uma família no Brasil. O bom velhinho ainda irá realizar os desejos de todos, desde conhecer as princesas de suas fábulas favoritas até os super-heróis. A partir daí uma série de quadros musicais conduz os pequenos a uma viagem por mundos encantados.

EFEITOS ESPECIAIS

A montagem, com figurinos, cenários, máquinas e equipamentos multimídia, lota quatro carretas de 40 pés. Além disso, esse ano, serão 160m de LED de altíssima definição, utilizado em grandes centros culturais de Nova York e Londres, é um dos recursos para compor o pano de fundo dessa história mágica e resgatar a esperança do Natal, junto com os principais personagens das histórias infantis.

O espetáculo também tem projeções em 3D, uso de técnicas de ilusionismo e levitação, cheiro, neve, movimentos de cenário controlados por computadores e uma iluminação diferenciada. Incorporado a todos esses efeitos especiais, são utilizados dois projetores de última geração, que mapeiam e recortam desenhos e figuras no ar, criando um ambiente de pura magia para os espectadores.

CARMEN (1).png

Natal Mágico

Com Bia e Clara Jordão, Ana Luiza Ferreira e grande elenco

Teatro Bradesco – Bourbon Shopping (R. Palestra Itália, 500 – Perdizes, São Paulo)

Duração 100 minutos

15 e 16/12 – 11h30, 16h e 20h; 20 e 21/12 – 16h e 21h; 22/12 – 16h e 20h e 23/12 – 16h

$70/$160

Classificação Livre

UM DIA NA BROADWAY

Depois de quase 15 anos encenando clássicos do universo infantil, o diretor e músico Billy Bond volta a montar espetáculos adultos com a estreia de Um Dia na Broadway, a partir do dia 5 de outubro, sábado, às 21 horas, no Teatro Bradesco.

Tributo aos grandes musicais americanos, o espetáculo é uma produção viabilizada em parceria com a Opus, empresa do ramo de entretenimento que mantém nove casas de espetáculos no Brasil. Billy Bond aposta no encantamento dos brasileiros por Nova York. Acredita que o programa preferido dos turistas daqui por lá, além de fazer compras, é visitar os teatros, pontos icônicos da cidade, como a Estátua da Liberdade e o Empire State.

Assim, criou seu novo espetáculo na medida para seduzir uma platéia ávida para ver os “melhores espetáculos do mundo”. “Somos admiradores de Nova York, viajamos para lá anualmente, duas vezes por ano, no verão e no inverno“, conta, falando também em nome da mulher, a produtora-executiva Andrea Oliveira. Um dos investimentos mais curiosos da produçãé um carro tingido de amarelo fazendo às vezes de um táxi aos moldes dos que circulam pelas ruas da Grande Maçã, nome pelo qual ficou conhecida a cidade.

O diretor deseja reproduzir no espetáculo o espírito de Nova York. Quer agradar quem conhece e ama a cidade e também os que nunca estiveram por lá. Para levar o público nessa viagem, criou uma ambientação característica. Um painel de 160 metros de tiras de luz de LED irá reproduzir pontos turísticos clássicos da metrópole, como Times Square, Broadway, Estátua da Liberdade, Wall Street, Harlem, Empire State, Metrô e Grand Central Station. Minucioso e detalhista, Billy pretende que o espectador se reconheça no palco e nas personagens. Assim, até os ruídos característicos da cidade também devem cumprir seu papel de transportar o público nessa trajetória. Em estilo grandioso, a abertura com 20 bailarinos ao som da orquestra ao vivo  é um convite para se deixar envolver pelo universo dos musicais o encantamento de New York.

A história começa com a chegada de uma família de férias em Nova York. Acompanhado pelos filhos, um casal viaja para Nova York a fim de comemorar o aniversário de casamento onde se conheceu e se apaixonou. Logo há um desencontro e as crianças se perdem dos pais no metrô da Grand Central Station.

A partir de então, na tentativa de reencontrá-los, os irmãos se aventuram por lugares onde acreditam que encontrarão o casal.  Sabem que os pais são fanáticos por teatro, portanto na busca, visitam os teatros da Broadway e assistem trechos de musicais clássicos.

Na plateia, o público acompanha a saga da família e se delicia com as cenas concebidas por Billy para reproduzir a atmosfera de 10 dos mais famosos musicais de todos os tempos, em imagens, figurinos, cenarios e músicas cantadas ao vivo. 

São eles: Priscilla (aosom de It’s Raining Men), Evita (Don’t cry for me Argentina), Chicago (All that jazz), Grease (Summer Night), Les Miserable (One day more), Mary Poppins (Supercalifragilistic), West Side Story (Tonight), Jesus Cristo Superstar (Superstar), Cats (Memories), Mamma Mia (Dancing Queen), Welcome  In New York, Empire My Mind , Money Monet , On Broadway.

No decorrer da trama, uma personagem entra para ajudar a contar a história. Trata-se do próprio George Michael Cohan, artista identificado como um dos primeiros a fazer espetáculos no formato de musical nos Estados unidos. Para dar suporte e veracidade ao cenário virtual, a montagem conta com cenários físicos e outros elementos cenográficos, que estão sendo construídos no galpão da produtora, em Embu das Artes. A produção investiu na compra de um automóvel a ser usado como táxi cenográfico no palco. Retirou motor e outras, peças internas e pintou de amarelo. É nele que os personagens vão se movimentar pela cidade. 

Como não pode faltar nas montagens do diretor, a encenação conta com números aéreos, levitação e outros truques e efeitos especiais. Para dar a sensação de 3D, Billy explica que há um cenário virtual (foram compradas imagens em 4K em NY) e um físico, os dois mesclados. Foi construído um palco giratório automatizado de 15 por sete metros. Surround, o som envolverá o público. Para que tudo sai como o diretor concebeu, uma equipe de 10 profissionais trabalha há meses na computação gráfica. A reprodução dos espaços da cidade tem de ser fiel. É exigência de Billy.

CARMEN (1)

Um Dia na Broadway

Com Alvinho de Padua; Titzi Oliveira; Isabella Casarini; Henry Gaspar; MarcioYacoff. Cantores: Felipe Tavolaro, Luiz Pacini, Marcio Louzado. Cantoras: Ana Luiza Ferreira, Debora Dibi, Renata Ricci, Thais Piza. Bailarinas: Ale Lorena, Amanda Flowers, Camila Lacerda, Ingrid Marques, Jennyfer Kauana, Juliana Moretto, Larissa Porrino, Luana Oliveira, Luciana Romani, Luiza Freiria, Marina Trivelato, Mônica Gross, Nicole Bertaggia, Thalita Medeiros. Bailarinos: Denis Pereira, Emanuel Faioli, Heitor Garcia, Italo Rodrigues, Leandro Affonso e Estevam.

Teatro Bradesco – Bourbon Shopping (R. Palestra Itália, 500 – Perdizes, São Paulo)

Duração  105 minutos

05 a 28/10

Sexta e Sábado – 21h, Domingo – 20h

$80/$200

Classificação Livre

CARMEN

Sucesso absoluto de público e crítica, a versão de Nelson Baskerville para Carmen, inspirada na novela clássica de Prosper Mérimée, volta em cartaz no TUCARENA entre 16 de junho e 29 de julho, com sessões às sextas, às 21h; aos sábados, às 21h30; e aos domingos, às 20h.  Texto de Luiz Farina, direção de Nelson Baskerville com Natalia Gonsales, Flávio Tolezani e Vitor Vieira no elenco.

SINOPSE

Carmen e José vivem uma trágica paixão. Na trama, ele narra o seu amor por Carmen e o motivo que o levou a prisão. Já ela, através da obliquidade dos olhos, narra o seu ponto de vista em relação a história.

Palavras do diretor

Uma história contada e recontada nas mais variadas formas e gêneros. Carmen surgiu como romance em 1845 e já foi filme, ópera e novela nas mãos de grandes mestres. Um clássico.  A pergunta recorrente que todos se fazem ao remontar a peça é: por que fazê-la? Para mim, porque pessoas continuam morrendo por isso e precisamos recontar a história até que não sobre nenhuma gota de dor.

Na atual encenação elementos clássicos como a dança flamenca, os costumes ciganos, a tauromaquia, entre outros, são ressignificados ao som de guitarras distorcidas, microfones e coreografias para que não reste dúvida de que estamos repetindo histórias tristes de amor, de paixões destruidoras.

O ponto de vista que nos interessa é o de Carmen, a mulher assassinada, dentro de uma sociedade que pouco mudou de comportamento ao longo dos séculos, que aceitou brandamente crimes famosos cometidos contra mulheres como os de Doca Street, Lindomar Castilho e mais recentemente de Bruno, o goleiro. Crimes muitas vezes justificados pela população pelo comportamento lascivo das vítimas, como se isso não fosse aceito em situações invertidas relativas ao comportamento masculino. O homem pode. A mulher não. Nessa encenação Carmen morre não porque seu comportamento justifique qualquer tipo de punição, mas porque José é um homem, como tanto outros, doente como a sociedade que o criou”.

CARMEN.png

Carmen
Com Natalia Gonsales, Flávio Tolezani e Vitor Vieira
Tucarena (Rua Monte Alegre, 1024, Perdizes, São Paulo)
Duração 60 minutos
16/06 até 29/07
Sexta – 21h, Sábado – 21h30, Domingo – 20h
$50
Classificação 12 anos