BOCA DE OURO

Boca de Ouro é um lendário bicheiro carioca, figura temida e megalomaníaca, que tem esse apelido porque trocou todos os dentes por uma dentadura de ouro. Também é conhecido como o Drácula de Madureira. Quando Boca é assassinado, seu passado é vasculhado por um repórter. Sua fonte é dona Guigui, a volúvel ex-amante do contraventor, uma mulher que, ao longo da peça, revela diferentes versões do bicheiro.

Malvino Salvador é Boca de Ouro, Mel Lisboa e Claudio Fontana fazem o casal Celeste e Leleco, e Lavínia Pannunzio vive a transtornada Guigui, ao lado de Leonardo Ventura, que faz seu fiel e apaixonado marido, Agenor. Chico Carvalho é Caveirinha, o repórter rodriguiano, que carrega em si o olhar afiado e crítico do dramaturgo-jornalista, que durante anos trabalhou em Redações e conheceu ele próprio os vícios e contradições da imprensa. Chico também interpreta a grã-fina Maria Luisa. Cacá Toledo e Guilherme Bueno completam o elenco.

Jonatan Harold assume o piano desta gafieira carioca oferecendo a ambiência musical para Mariana Elisabetsky interpretar as canções imortalizadas por Dalva de Oliveira (1917-1972).

Como toda a ação proposta por Nelson Rodrigues parte da mente contraditória de Dona Guigui, as diferentes narrativas da personagem são exploradas pelo encenador de forma muito diversa. A cada versão de Guigui, a arena de Villela circula, ressaltando o espaço arquetípico convergente, assim como o salão circular de uma gafieira, ou um ciclo de vida que se encerra.

Dentro das iconografias do subúrbio carioca, Gabriel se utiliza da simbologia do Candomblé e das mascaradas astecas no espetáculo. A casa de Celeste e Leleco traz muitas representações de Orixás sincretizados. A figura de Iansã, (Guilherme Bueno) aparece toda vez que uma cena de morte acontece. Iansã faz a contrarregragem das mortes da estória.

O Brasil cabe todo nesta arena: a política, as narrativas contraditórias, a libido, a festa da gafieira, o jogo do bicho, a fé e a música. Retratos de uma época que nos mostram que o Brasil pouco mudou, e que nosso dramaturgo nascido em Pernambuco em 1912 e radicado no Rio de Janeiro, nunca foi tão atual.

Além da direção, Gabriel Villela assina os figurinos e a cenografia. A iluminação é de Wagner Freire, a direção musical epreparação vocal são assinadas por Babaya e a espacialização e antropologia da voz por Francesca Della Monica. Os diretores assistentes Ivan Andrade e Daniel Mazzarolo completam a equipe criativa.

As diferentes narrativas para um mesmo fato, impulsionadas pelos amplos aspectos psicológicos dos personagens, cerne da dramaturgia de Boca de Ouro, já foi anteriormente explorada em Rashomon, de Kurosawa, filme que descreve um estupro e assassinato por meio dos relatos amplamente divergentes de quatro testemunhas, e também em Assim É Se Lhe Parece, dePirandello, na qual os depoimentos conflitantes da sogra e do genro sobre suas situações familiares geram curiosidade doentia nos moradores da cidade no interior da Sicília.

Esta é a terceira montagem de Nelson Rodrigues feita por Gabriel Villela. Em 1994 ele montou A Falecida, com Maria Padilha no papel título, depois foi a vez de Vestido de Noiva, em 2009, protagonizado por Leandra leal, Marcello Antony e Vera Zimmerman.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Boca de Ouro
Com Malvino Salvador, Lavínia Pannunzio, Mel Lisboa, Claudio Fontana, Chico Carvalho, Leonardo Ventura, Cacá Toledo, Mariana Elisabetsky, Jonatan Harold e Guilherme Bueno.
Teatro Tucarena (R. Monte Alegre, 1024 – Perdizes, São Paulo)
Duração 100 minutos
17/11 até 03/12
Sexta e Sábado – 21h; Domingo – 19h30
$50/$70
Classificação 14 anos

 

SE FOSSE FÁCIL, NÃO TERIA GRAÇA

Inspirado no livro Um palhaço na boca do vulcão (Editora Grua), de Nando Bolognesi, a primeira sit down tragedy narra, sempre com muito bom humor, a trajetória do autor/interprete, que conta como aprendeu a conviver com as limitações impostas por uma doença degenerativa, progressiva, incurável e com potencial incapacitante.

O ator mescla um relato engraçado, humano e comovente sobre como podemos transformar dificuldades, limites e crises em alegrias, desafios e realizações com diversas reflexões sobre a vida, a morte, nosso lugar no universo e nossa relação com a alteridade.

Se fosse fácil, não teria graça nos faz rir e chorar ao mesmo tempo e nos convida a uma série de reflexões sobre nosso modo de estar no mundo.

Nando Bolognesi nasceu em Maio de 1968. Aos vinte e um anos ficou sabendo que sofria de Esclerose Múltipla. Formou-se em economia na USP, história na PUC, se casou, adotou um filho e resolveu dar uma virada na própria vida ao ingressar na concorridíssima Escola de Arte Dramática EAD-ECA-USP.

Transformou-se no palhaço Comendador Nelson. Atuou por quatro anos nos Doutores da Alegria; fez parte, por dez anos, do elenco de palhaços improvisadores do espetáculo Jogando no Quintal, criou, atuou e dirigiu os projetos Fantásticos Frenéticos – palhaços em hospitais psiquiátricos e Cidadão Clown – Palhaço e cidadania.

No cinema participou do elenco dos filmes Bicho de sete Cabeças de Lais Bodanzky e Carandiru de Hector Babenco.

No teatro trabalhou com diretores como Celso Frateschi, Elias Andreato, José Rubens Siqueira, William Pereira e Cristiane Paoli Quito.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Se Fosse Fácil, Não Teria Graça
Com Nando Bolognesi
Teatro Tucarena (Rua Monte Alegre, 1024 – Perdizes, São Paulo)
Duração 80 minutos
01 até 30/07
Sexta e Sábado – 21h; Domingo – 18h
$60
Classificação 14 anos

 

THE GREAT COLLECTION OF STOLEN DREAMS

Em um espetáculo todo em inglês, o Teatro Viradalata vai abrigar durante todo o mês de julho o espetáculo teatral “The Great Collection of Stolen Dreams”; uma releitura divertida de contos clássicos da literatura infanto-juvenil. A iniciativa inédita idealizada pela Cia Paulista de Teatro Bilíngue proporciona ao público uma experiência única de educação e teatro para toda a família.

Com um roteiro bem-humorado e músicas originais, a trama conta a história do colecionador de fábulas Dick Van Dreams e seu ajudante Palermo Mocorongo em uma visita inusitada à Vila dos Sonhos. Tentando enganar o povo, eles planejam roubar todos os sonhos durante a apresentação de fábulas famosas que foram aprisionadas e delas retiradas os finais felizes. Agora a vila terá que contar com ajuda para dar uma reviravolta nessa história e resgatar todos os sonhos roubados!

Está lançado o desafio àqueles que estão adiando ou aprisionando seus desejos, para que através desta surpreendente comédia musical todos possam ver que nunca devemos abrir mão de nossos sonhos!

A peça estará em cartaz durante o mês de julho, aos sábados e domingos às 17h00.

Este slideshow necessita de JavaScript.

The Great Collection of Stolen Dreams
Com Jéssica Alves, Liliane Zimermann, Luccas Garcia, Márcio Cardoso, Matheus Polimeno, Milene Vianna, Milton Junior, Vinicius Candoti. Stand-in: Renan Souza e Jeferson Kucioyada
Teatro Viradalata (Rua Apinajés, 1387, Perdizes – São Paulo)
Duração 55 minutos
02 a 30/07
Sábado e Domingo – 17h
$60
Classificação Livre

 

BAIXA TERAPIA

 

Comédia escrita pelo argentino Matias Del Federico com a direção de Marco Antônio Pâmio, é a mais nova peça de Antonio Fagundes, que encabeça o elenco composto por Mara Carvalho, Alexandra Martins, Ilana Kaplan, Fábio Espósito e Bruno Fagundes.

Em cartaz em São Paulo, Baixa Terapia é uma debochada comédia com um final que pega todos de surpresa. Três casais, um após o outro, chegam para uma sessão de terapia. Quando se encontram, descobrem que esta sessão será em grupo e ainda que a psicóloga não estará presente. Ela deixou a sala preparada para recebê-los com um pequeno bar – onde não falta whisky, e uma mesa com envelopes numerados com instruções passo a passo de como devem conduzir essa sessão especial. O objetivo é que todas as questões sejam resolvidas em grupo. A partir daí vem à tona queixas, confissões, suspeitas, revelações, verdades e mentiras da maneira mais escrachada para eles e divertidíssima para o público.

Os três casais são formados por Ariel (Antonio Fagundes) e Paula (Mara Carvalho), Estevão (Bruno Fagundes) e Tamara (Alexandra Martins) e Roberto (Fábio Espósito) e Andrea (Ilana Kaplan). São pessoas com diferentes problemas e conflitos. A sessão corre regada a whisky e vai se aprofundando nos problemas de todos eles.

Cada envelope trata de temas para cada um dos casais. O ambiente vai esquentando até tornar-se quase caótico. Não são todos que estão dispostos a se abrir para falar dos assuntos que os afligem e aos seus parceiros – já que ocultam algo que jamais revelariam. No final, a sessão de terapia se converte em uma armadilha hilariante. Já teve uma “DR”? Você não imagina a deles!

Baixa Terapia é uma louca comédia com diálogos ácidos, às vezes contraditórios, que fluem num ritmo vertiginoso e mantém o público ligado desde o primeiro minuto.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Baixa Terapia
Com Antonio Fagundes, Mara Carvalho, Alexandra Martins, Ilana Kaplan, Fábio Espósito e Bruno Fagundes
Teatro TUCA (Rua Monte Alegre, 1024 – Perdizes – São Paulo)
17/03 até 01/10
Duração 80 minutos
Sexta – 21h30; Sábado – 20h; Domingo – 19h
$70/$90
Classificação 14 anos

BAIXA TERAPIA

Antonio Fagundes, Mara Carvalho, Alexandra Martins, Ilana Kaplan, Fábio Espósito e Bruno Fagundes, sobem ao palco do Teatro Tuca, em Perdizes, para a estreia do espetáculo Baixa Terapia.

O figurino e a cenografia da peça – com texto escrito pelo argentino Matias Del Federico, com adaptação de Daniel Veronese, tradução de Clarisse Abujamra e direção de Marco Antônio Pâmio – são assinados por Fábio Namatame, publicitário e artista plástico com ampla experiência em direção de arte, cenário e figurino para teatro, ópera, publicidade, cinema e TV.

Eu vi a montagem original para me inspirar. Como o cenário todo é um lugar sugerido, não um lugar físico, já que não tem paredes nem nada, optei por cores alegres e formas neutras, para ficar aconchegante tanto para os atores, quanto para o público. Além disso, me inspirei no pintor Piet Mondrian, que eu gosto muito e tem obras de arte nas cores do cenário: azul, vermelho e amarelo, além do branco e  preto, presente nos figurinos”, comenta Fábio.

Ganhador de prêmios como Shell, Apetesp e APCA, Fábio Namatame já foi responsável pela arte visual de Vermelho, última montagem de Antonio e Bruno Fagundes no Teatro Tuca.

O Fábio é um grande parceiro e artista. Resolvemos apostar nele para estar com  a gente em mais uma montagem”, comenta Antonio Fagundes.

Para o figurino, Fábio conta que buscou opções na essência de cada um e no que imaginava ser a personalidade de cada personagem. “Todas as peças de roupa, na verdade, foram escolhidas para que os personagens parecessem reais. Busquei o que cada um precisava transparecer com o texto e escolhi um figurino realista, já que a peça retrata problemas que podem acontecer com qualquer pessoa”, finaliza Fábio.

Baixa Terapia

Em cartaz em São Paulo a partir de 17 de março, Baixa Terapia é uma debochada comédia com um final que pega todos de surpresa. Três casais que não se conhecem, se encontram inesperadamente em um consultório para sua sessão habitual de terapia, mas dessa vez descobrem que a psicóloga não estará presente.

Ela deixou a sala preparada para recebê-los com um pequeno bar onde não falta whisky e uma mesa com envelopes, contendo instruções de como deverão conduzir essa sessão.

O objetivo é que todas as questões sejam resolvidas em grupo. Cada envelope traz uma situação mais engenhosa que a outra, transformando a sessão num caos hilariante.

unnamed

Baixa Terapia
Com Antonio Fagundes, Mara Carvalho, Alexandra Martins, Ilana Kaplan, Fábio Espósito e Bruno Fagundes
Teatro Tuca (Rua Monte Alegre, 1024 – Perdizes, São Paulo)
Duração 80 minutos
17/03 até 29/06
Sexta – 21h30; Sábado – 20h; Domingo – 19h
$60/$80
Classificação 14 anos
 
Texto: Matias Del Federico
Adaptação: Daniel Veronese
Tradução: Clarisse Abujamra
Direção: Marco Antônio Pâmio
Acessibilidade: Steno do Brasil
Assessoria Jurídica: OLN Advogados.
Assessoria de imprensa: Coletiva Comunicação.
Assistente administrativo: Gustavo de Souza.
Diretor de produção: Carlos Martin.

PONTO MORTO

Ponto Morto é a história da relação de amor e repulsa entre duas pessoas, é um recorte na vida de um pai atormentado pelo fardo de ter um filho limítrofe, eternamente dependente dele, criando assim uma co-dependência sem saída. Fala de um assunto complexo, que é o autismo, mas fala de uma maneira lúdica e amorosa.

Esse recorte é característico da dramaturgia contemporânea, que Helio Sussekind mostra numa sofisticada construção, onde não importa o que aconteceu antes e nem o que vai acontecer depois, é simplesmente um recorte daquele momento de duas noites na vida daquelas duas pessoas.

Com um texto forte e contundente, nos leva a analisar e discutir um assunto pouco explorado, cercado de medo, discriminação e exclusão social.

De alguma forma, as personagens dialogam com antigas fábulas infantis, uma espécie de João e Maria às avessas onde o pai procura não deixar pista para que o filho jamais “retorne” ao ponto de partida.

Ponto Morto é o ponto de partida de uma retomada, uma espécie de ponto de inflexão num relacionamento velho e cansado. É também o ponto final de uma busca e talvez de um reencontro ou renascimento.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Ponto Morto
Com Luciano Chirolli e Marat Descartes
Tucarena (Rua Monte Alegre, 1024 – Perdizes, São Paulo)
Duração 60 minutos
11/03 até 02/04
Sexta e Sábado – 21h; Domingo – 18h
$70/$80
Classificação 12 anos
 
Autor: Helio Sussekind
Direção: Camilo Bevilacqua e Denise Weinberg
Cenário: Chris Aizner
Iluminação: Wagner Pinto
Figurino: Helena Afonso
Trilha Sonora: Tunica Teixeira
Produção: Marcella Guttmann
Assessoria de Imprensa: Marra Comunicação
Realização: Fixação Marketing Cultural

 

ESPERANDO GODOT

O dramaturgo e escritor irlandês Samuel Beckett (Dublin, 13 de abril de 1906 – Paris, 22 de dezembro de 1989), vencedor do prêmio Nobel de Literatura, voltou-se para questões filosóficas sobre a condição humana, onde o tempo não existe senão como uma eternidade imóvel e morta e que tem como meio de expressão a decrepitude física dos corpos, a preocupação de Beckett não reside em mostrar o absurdo da existência a partir da vida social, mas sim através do choque do homem consigo mesmo, percebendo em seu íntimo a perplexidade desse encontro.

Em “Esperando Godot”, escrita no pós-guerra (1943-1953) ele explora uma situação estática, o lugar é deserto, somente uma árvore ao centro. Dois velhos vagabundos, Vladimir e Estragon estão esperando Godot. Nada acontece e a atmosfera de vacuidade e monotonia não é alterada senão pela passagem de Pozzo e Lucky (respectivamente senhor e escravo) que, ao saírem fazem retornar o vazio. Para preencher o tempo, para enganar o tédio dos dias vazios e iguais, Vladimir e Estragon falam um com o outro mesmo sem ter o que dizer, travam brigas inúteis e refazem as mesmas perguntas, para assim preencherem o vazio da existência e para se darem ao menos, a impressão de existirem.

Claudio e Elias já tem uma rica trajetória artística juntos, “Minha parceria com Elias Andreato nasceu da profunda admiração de um ator pelo trabalho de outro e cresceu pelo meu respeito ao respeito dele pelo teatro. Elias sabe o que é o ofício de ser ator. E como diretor empresta a sensibilidade do ator e intuitivamente cria cenas belas e poéticas. Minha parceria com ele nasceu da direção de “Adivinhe Quem Vem Para Rezar”, espetáculo com Paulo Autran, passou por “Andaime”, onde ele dirigiu e atuou, “Mãe é Karma”, texto de Elias que produzi, “Amigas Pero No Mucho”, “Édipo Rei” e finalmente “Um Réquiem Para Antonio”. Foi nos camarins “Réquiem” que “encontramos Godot”, comenta Fontana.

A encenação

Elias trabalhou em cima da ideia do tempo, o aceleramento das horas da existência contemporânea. “Quando foi escrito no pós guerra, a relação com o tempo era outra, hoje o tempo mudou, a espera é mais angustiante, vivemos em um tempo violento, as guerras são outras, tudo mais diluído, cada um batalhando no seu mundinho, não existe uma sensação coletiva, cada um tem o seu tempo individual de espera, porque você não sabe se o Godot já veio ou não, talvez ele tenha vindo e nem tenham percebido”, diz Elias Andreato.

A cenografia assinada por Fábio Namatame representa uma grande engrenagem de relógio e o figurino do Gabriel Villela também busca retratar o que está por dentro dos personagens, como uma maquinaria interna exposta. Claudio Fontana canta ao vivo poemas de Samuel Becket musicados por Jonathan Harold. A direção de movimentos é da atriz Melissa Vettore.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Esperando Godot
Com Elias Andreato, Claudio Fontana, Clovys Torres, Raphael Gama e Guilherme Bueno
Tucarena (Rua Monte Alegre, 1024 – Perdizes, São Paulo)
Duração 80 minutos
21/01 até 19/02
Sexta e Sábado – 21h; Domingo – 19h
$50
Classificação 12 anos
 
Texto: Samuel Beckett
Direção: Elias Andreato
Figurino: Gabriel Villela
Assistente de Figurino: José Rosa Neves
Bordadeira: Maria do Carmo Soares
Produtora de Figurino:Clissia Morais
Cenografia: Fábio Namatame
Trilha Sonora: Jonatan Harold
Coreografia: Melissa Vettore.
Iluminação: Wagner Freire
Técnico de Luz e Som: Cleber Eli 
Cenotécnico:Cláudioboi
Diretor Assistente: André Acioli
Assistente de Direção: Daíse Amaral
Fonodióloga: Edi Montecchi
Camareira: Ana Lúcia Laurino
Produção: DNA Produções Artísticas
Direção de Produção: Daíse Amaral
Produtor Executivo: Jefferson Pedace
Assistente de Produção: Paula Tonolli
Identidade Visual: ElifasAndreato
Assessoria de Imprensa: Pombo Correio
Programação Visual: Dib Carneiro Neto, Jussara Guedes e Suely Andreazzi
Fotos: João Caldas
Assistência de Fotografia: Andréia Machado