NEM AQUI, NEM LÁ

Após meses de pesquisa, lendo vários textos e fazendo diversos encontros a Cia Foras da Lei estreia no dia 27 de abril a sua primeira produção “Nem aqui, nem lá” do dramaturgo Cássio Pires, com Danielli Guerreiro e João Carlos Gomes.

A peça conta a história de uma policial que após abandonar o comando de uma operação de desocupação de um prédio público, se isola no alto do edifício. Seu irmão, que também é policial, é chamado para convencer a irmã a descer do prédio e evitar seu suposto suicídio. Os dois conversam, relembram memórias de infância e aos poucos vão revelando suas motivações e desventuras. Refletem sobre o sentido de suas escolhas e o rumo que gostariam de dar a suas vidas.

Através de diálogos sensíveis, os protagonistas convidam o público a refletir sobre ética, papel das organizações sociais e a legitimidade de suas escolhas, de maneira afetuosa, porém realista. Num mundo cada vez mais caracterizado pela diversidade de pensamentos e ideias, onde se busca estabelecer o respeito entre as diferenças de raça, sexualidade, religião, situação econômica e idiossincrasias, torna-se cada vez mais necessária uma discussão sobre os princípios e valores estabelecidos.

A discussão proposta pela peça “Nem aqui, nem lá”, após atravessar os conflitos pragmáticos de decisões sociais e de carreira, mergulham fundo no universo existencial de seus personagens. O ambiente metaforicamente criado pela suspensão do espaço do alto de um edifício, coloca a reflexão em estado essencial, podendo ser comparado ao conflito das estrelas.

Sinopse: No drama do autor Cássio Pires, dois irmãos policiais, analisam os momentos críticos de suas vidas em um espaço simbolicamente distanciado, do alto de um edifício, relembrando memórias de infância e aos poucos vão revelando suas motivações e desventuras.

FOTO 01.jpg

Nem Aqui, Nem Lá
Com Danielli Guerreiro e João Carlos Gomes
Viga Espaço Cênico – Sala Piscina (Rua Capote Valente, 1323 – Pinheiros, São Paulo)
Duração 50 minutos
27/04 até 25/05
Sexta – 21h
$50
Classificação 12 anos

ENTRE 4 PAREDES

Formado em 2017, pelo interesse comum dos artistas em explorar textos tradicionais do teatro sob uma ótica contemporânea e acessível, o​ Grupo Queda Livre tem se dedicado, desde sua formação, ao aprofundamento do estudo do texto ​Entre Quatro Paredes, de Jean-Paul Sartre.

Dirigida por Gilson Totti Dias, retrata o encontro póstumo entre Garcin (Rodrigo Odone), Inês (Beatriz Belintani) e Estelle (Maristella Pinheiro), que não se conheceram em vida, e agora são obrigados a conviver pelo resto da eternidade, em uma sala fechada, sem nada para fazer e sendo constantemente observados.

Conforme a trama se desenrola, essas personagens questionam a essência das identidades humanas, do que se considera civilizado e racional. O grupo coloca as inquietações humanas presentes no texto ​de forma palatável, trazendo uma linguagem contemporânea em texto e estética, de forma a aproximar o máximo possível a obra de Jean-Paul Sartre aos jovens e adultos da nossa época.

“​Nosso desafio é provar que, apesar de ter sido escrita em 1944, as questões tratadas pela obra permanecem atuais e pungentes, sendo assim capaz de alcançar todos os públicos até hoje”, explica Gilson Totti Dias, diretor de ​Entre 4 Paredes. “A libertação dos padrões estéticos impostos pelo texto centrismo clássico e a valorização da liberdade criativa norteiam a produção cultural do grupo que se lança sem resistências na experimentação de novos modos de encenação contemporâneos, como sugere o seu nome”, complementa Totti.

CARTAZ - Entre 4 Paredes.jpg

Entre 4 Paredes
Com Beatriz Belintani, Maristella Pinheiro, Rodrigo Odone
InBox Cultural (Rua Teodoro Sampaio, 2355 – Pinheiros, São Paulo)
Duração 70 minutos
05/05 até 30/06
Sábado – 21h
$50
Classificação 16 anos

TODA NUDEZ SERÁ CASTIGADA

Projeto idealizado pelo ator Leonardo Silva, Toda Nudez Será Castigada é a segunda montagem da Cia Lâmina de Teatro, que traz a obra de um dos maiores dramaturgos brasileiros, Nelson Rodrigues. Quando o dramaturgo se coloca como um “menino olhando pelo buraco da fechadura”, escancara a hipocrisia da sociedade brasileira.

No ano de 2018, um cenário de retrocesso parece se instaurar no mundo inteiro. No Brasil, as mesmas questões abordadas por Nelson em 1965 – ano que lançou a obra, são ainda presentes na sociedade e o discurso moralista, é, assustadoramente dissolvido para que de uma forma latente, se mantenha vivo.

Neste momento aonde muitos conceitos, ou quase todos, estão distorcidos, aonde o olhar para o outro é pouco genuíno, a proposta de olhar pelo “buraco da fechadura” pode não ser tão agradável, mas se conhecer através do outro é catártico e necessário. Esta é a proposta da Cia Lâmina de Teatro.

A peça tem como principal símbolo em cena, uma cama de casal, que configura, um lugar íntimo e na qual todos os tabus são questionados. A moral, ética, gênero, hierarquia social, a repressão do desejo e os vários julgamentos são postos à prova.

Utilizando-se dos conceitos das Técnicas do Teatro de Máscaras, o espetáculo traz uma linguagem cênica clássica-contemporânea, misturando conceitos do antigo teatro com os da Vanguarda Realista. Com jogos de corpo, voz e máscaras, cinco atores incorporam doze personagens e propõem um mergulho em nós mesmos e sugerem que repensemos constantemente este mundo.

Quem assina a direção é Carolina Guimarães e Vitor Moreno. Carolina é atriz, roteirista e diretora. Formou-se em Artes Cênicas pela UFOP, cursa MBA em cinema no LA Film Institute. Dentre os seus trabalhos estão os curtas A Última Peça, Renda-me, Eva – A Heroína saindo de Pandora e Mandacaru. Como assistente de direção ganhou prêmio de melhor curta-metragem e melhor roteiro no Festival de Cinema do Brasil pelo filme “Ménage à Trois” e “Reencontro”.  No teatro trabalhou com Marco Antônio Braz, Marcelo Marcus Fonseca e David Rock.

Vitor acumula no seu currículo mais de 30 montagens teatrais como ator ou produtor. Já trabalhou com grupos como Parlapatões, XPTO, Prosa dos Ventos, Brancalyone Produções e Baobá Produções. No cinema, possui 05 longas-metragens na carreira: “Circuito Interno”, “Jogo do Copo”, “Black and White”, “Finito” e “Offline”, sendo o último diretor e roteirista. Já trabalhou com diretores e atores consagrados como Fernando Meirelles, André Garolli, Dalton Vigh, Rui Cortez e Otavio Martins, tornando se hoje um especialista no Método Stanislavski.

SINOPSE

Patrício, o antagonista, inicia de forma inconsequente sua trama quando seu irmão, Herculano, fica viúvo. Na tentativa de desmoralizá-lo junto de seus familiares, Patrício apresenta a prostituta Geni ao irmão, e estes acabam tendo uma relação conturbada e repleta de sentimentos antagônicos. Após algumas reviravoltas, Herculano casa-se com Geni que acaba envolvendo-se com o filho do marido. Essa traição leva não só a dissolução de uma família aparentemente unida, mas também a morte da esposa e amante.

Serginho e Geni- foto por Vitor Moreno

Toda Nudez Será Castigada
Com Carolina Rossi, Felipe Moura, Leonardo Silva, Vitor Moreno e Raquel Cantanho
Viga Espaço Cênico (R. Capote Valente, 1323 – Pinheiros, São Paulo)
Duração 85 minutos
05/04 até 24/05
Quinta – 21h
$40
Classificação 14 anos

É COMO DIZ O DITADO

Isabel e Joaquim são um casal de circenses. Ela, a mulher barbada e cigana. Ele, o versátil palhaço Coriza. Os dois, antigos artistas do grandioso Circo Vital. Um dia depois do casamento, por uma falha, o casal acorda e o circo não está mais lá. Abandonados, os dois descobrirão uma nova forma de viver com muita criatividade.

A narrativa passeia pelos ditados populares, tão presentes no nosso cotidiano, mas que muitas vezes nós nem nos damos conta de como eles resumem nossas situações mais corriqueiras. Assim, entrando numa saga repleta de aventura e emoção, os dois personagens vão nos mostrando suas histórias com muito humor, fazendo com que o público se identifique logo de cara.

A concepção de cenário e sonoplastia também tem a cara do artista popular, aquele que vive no improviso. Com uma cortina pendurada num varal, e alguns e adereços, a cigana e o palhaço conseguem expandir os limites da imaginação, gerando interesse aos olhos dos pequenos espectadores.

A direção também traz a criatividade nos elementos sonoros. Como se o casal tivesse “perdido tudo” na partida do circo, até a sonoplastia é feita no improviso.

Com certeza a fantasia criada junto com a plateia, resgatando os elementos da nossa cultura popular e, ainda, trazendo toda a ambientação do circo, faz com que É como Diz o Ditado … seja uma obra tão simples, mas ao mesmo tempo, tão potente nos dias de hoje.

 

FOTO 01

É Como Diz o Ditado
Com Beatriz Gimenes e Rodrigo Inamos
Inbox Cultural (Rua Teodoro Sampaio, 2355 – Pinheiros, São Paulo)
Duração 50 minutos
24/02 até 17/03
Sábado – 16h
$40
Classificação Livre

ADMIRÁVEL NINO NOVO

Ator e diretor de teatro, Cassio Scapin coleciona mais de 60 diferentes personagens em seu currículo, entre teatro, TV e cinema, dos mais variados tipos, como Ary Barroso, Jânio Quadros, Santos Dummont, Miriam Muniz na peça Eu não dava praquilo, Olavo Bilac, Brás Cubas na peça Memórias Póstumas, Urbano Madureira no Sítio do Pica Pau Amarelo, até um traficante chinês além dos vários personagens da peça O Mistérios de Irma Vap, entre tantos outros. Já recebeu 4 indicações ao Prêmio Shell, ganhando 1, e 4 indicações ao Prêmio APCA, ganhando 2. Além de ganhar também os prêmios Mambembe de teatro infantil, Arte Qualidade Brasil, Governador do Estado e 4 APETESP.

Para comemorar seus 36 anos de carreira, Cassio trás de volta aos palcos uma de suas mais importantes criações, depois de 20 anos sem interpretá-lo. O mais conhecido e querido personagem, do já legendário Castelo Rá Tim Bum, está de volta numa sensacional aventura inédita, com texto e direção de Mauricio Guilherme e produção de Rodrigo Velloni.

Numa arrojada iniciativa e acompanhado apenas do invisível Espírito da Aventura (na voz de Ney Matogrosso), o aprendiz de feiticeiro deixa o Castelo para cair na estrada e assim descobrir o sentido e a sensação do que é uma verdadeira aventura.

Como escolher para onde ir? Como se guiar? Que roupas levar? Com que meio de transporte? São tantas as perguntas para responder. E as possibilidades também. Sendo então nosso protagonista um jovem mágico, estas possibilidades se multiplicam em inúmeras outras.

Seja numa noite estrelada, num deserto escaldante, no alto do Monte Everest, no espaço sideral e até no fundo do mar, entre muitos outros lugares, explorar o desconhecido é o lema dessa viagem. Através de um novo olhar, Nino vai descobrindo o que é diferente no mundo e o que também pode vir a ser. Uma lição básica para todos que embarcam numa nova jornada, como a dele.

A montagem mostra um jeito completamente novo de reencontrar um velho amigo através de projeções arrojadas, truques cênicos, trilha especialmente composta e a presença do talento único de Cássio Scapin, o Nino original da série da TV Cultura que foi ao ar a partir de 1994, com inúmeras reprises até o dia de hoje, sendo considerado um dos melhores produtos audiovisuais da história da televisão brasileira.

Nino, o eterno menino de 300 anos, convida a todos para este reencontro nos palcos do Teatro das Artes. Crianças, jovens e (claro!) adultos também.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Admirável Nino Novo
Com Cassio Scapin
Teatro das Artes – Shopping Eldorado (Av. Rebouças, 3970 – Pinheiros, São Paulo)
Duração 60 minutos
13/01 até 25/03
Sábado e Domingo – 16h
$60
Classificação Livre

TUDO SOBRE OS HOMENS

Tudo Sobre os Homens é uma obra do escritor croata Miro Gavran traduzida para o português pelo ator e diretor Flávio Faustinoni. Na obra, Juan AlbaDenis Victorazo e o próprio Faustinoni se revezam entre quatro personagens que contam diferentes histórias sobre o universo masculino em uma montagem com ritmo ágil.

O espetáculo reúne histórias recheadas de humor e de uma forte carga dramática, em que a vida cotidiana masculina, é exposta de diferentes maneiras. As cenas contam desde a convivência entre três grandes amigos e sua separação até as dificuldades de um dono de boate de striptease masculino para encontrar bons profissionais. A peça passa também pelas relações familiares entre um pai e seus dois filhos e pela saia justa do aparecimento de um ex-namorado na vida de um casal.

Para viver os personagens, os atores trocam ou incluem pequenos adereços em cena. O cenário, composto por cadeiras, se transforma em sete ambientes diferentes, dando corpo às cenas. Tanto a cenografia quanto o figurino, são de Osvaldo Gonçalves, e os ternos confeccionado pela Etiqueta Negra.

A peça foi escrita em 2006 e já completou mais de 300 apresentações na Croácia, além de passar pelo Off Broadway e por diversas cidades europeias. Os textos de Gavran já foram traduzidos para mais de 35 idiomas. Tudo sobre os homens propicia até ao espectador mais desavisado, verdadeiros momentos de humor, reflexão e prazer.

TIMG_1669

Tudo Sobre os Homens
Com Juan Alba, Deniz Victorazo e Flavio Faustinoni
Clube Hebraica (R. Hungria, 1000 – Pinheiros, São Paulo)
Duração: 70 min
26, 28 e 31/10, 01/11
Terça, Quarta e Quinta – 21h, Sábado – 19h e 21h
$60
Classificação 14 anos

A MALA DE HANA

Após o sucesso da temporada no Teatro Folha, o espetáculo infantil A Mala de Hana faz apresentações no Teatro Anne Frank, localizado no Clube Hebraica, nos dias 29 de outubro, 5 e 12 de novembro, sempre aos domingos, às 17hDe forma singela e delicada, a montagem tem a direção de Marcelo Klabin e o elenco é formado pela dupla Fernando Chapaval e Luana Paroni. A peça é uma adaptação do aclamado livro infanto-juvenil homônimo da escritora canadense Karen Levine.

A trama conta a história da menina Hana Brady a partir das descobertas feitas pela japonesa Fumiko Ishioka e seus alunos, que foram em busca da história de quem seria a dona de uma mala que receberam para utilizar em uma exposição. A montagem é um retrato da vida das crianças no Holocausto em paralelo com a visão atual da realidade.

A Mala de Hana narra a história real de Fumiko, diretora de um centro educacional no Japão, que formou um grupo com alunos para estudar o período. A curiosidade e o fascínio pelo assunto fez com que, no ano 2000, o grupo de estudantes iniciasse uma jornada para conhecer detalhes sobre a história da jovem Hana. Foi assim que Fumiko chegou a George Brady, irmão de Hana (que ainda está vivo e mora no Canadá). Com a ajuda dele conseguiram recriar a história vivida nos campos de concentração, período em que foi separado da sua irmã. Hana, na época com apenas 13 anos de idade, chegou a Auschwitz acreditando que reencontraria George. Na mala, ela levou poucas roupas e alguns dos seus desenhos preferidos

Através de uma história que percorre três continentes diferentes – América, Europa e Ásia – o espetáculo traça, como a autora do livro diz, “uma lembrança da brutalidade do passado e da esperança do futuro”. Em cena, os atores se revezam pela narrativa da história.

A peça desperta na criança o interesse pelo estudo e compreensão de um período histórico extremamente importante para o seu desenvolvimento, não apenas como conhecimento, mas também como seres humanos”, conta Luana Paroni, atriz que interpreta Hana.

A pretende levar para as crianças uma mensagem sobre a intolerância e a injustiça, presentes no período da II Guerra Mundial, e que ainda circulam com diferentes facetas em nossa sociedade. “Queremos disseminar a profundidade do fato histórico de maneira sensível, lúdica e principalmente pedagógica, fazendo com que as crianças se interessem e mergulhem nessa história”, completa Fernando Chapaval, ator que interpreta George.

Este slideshow necessita de JavaScript.

A Mala de Hana
Com Fernando Chapaval e Luana Paroni
Teatro Anne Frank – Clube Hebraica (Rua Hungria, 1.000 – Pinheiros, São Paulo)
Duração 60 minutos
29/10, 05 e 12/11
Domingo – 17h
$40
Classificação 8 anos