CINDY

Acabar com as definições atuais de homem e mulher e apresentar um novo gênero, livre de tabus e sem tantas predefinições. Esta é a missão de Cindy Spencer, que se autointitula “A Nova Mulher”. A comédia Cindy, com dramaturgia de Gabriel Miziara Marcelo Lazzaratto, é inspirada em personagens de autores homossexuais, como Caio Fernando Abreu, Oscar Wilde, Gore Vidal e Pedro Almodóvar, figuras que desafiam a fronteira dos gêneros conhecidos.

Pensei em fazer uma colcha de retalhos de diversos autores. No entanto, durante o período de pesquisa e o começo dos ensaios, conversando com Marcelo Lazzaratto, entendemos que poderíamos construir uma única figura baseada em várias personagens e, assim, discutir o masculino e o feminino presentes em um único ser. E fazemos isso através do humor e não do drama”, explica Miziara, que também dá vida à protagonista.

Outras referências da peça são o livro “Amor em Tempos Sombrios”, do irlandês Colm Tóibim, textos das escritoras Elisabeth Bishop, Gertrud Stein e Marguerite Yourcenar e autorretratos do ícone da pop art Andy Warhol vestido de drag queen.

Fã do cinema das décadas de 1930 e 1940, Cindy tem o sonho de ser atriz, por isso, os mitos hollywoodianos estão constantemente presentes em sua fala. Não há nada que a excite mais do que um bom desafio. Seu ex-marido Prince Spencer cometeu suicídio, e, desde então, ela faz análise via correspondência com o terapeuta e dentista Dr. Boyle.

Este trabalho marca o retorno de uma longa parceria entre Lazzaratto e Miziara. Gabriel integrou por mais de dez anos a Cia Elevador de Teatro Panorâmico, dirigida por Lazzaratto. Este é o primeiro projeto dos dois juntos, depois que o ator deixou a Companhia.

SINOPSE

Cindy Spencer, que se autointitula “A Nova Mulher”, tem a missão de apresentar outras possibilidades de vivenciar o ser humano, para além das noções de homem e mulher, um outro gênero, sem tantas predefinições e tabus. A peça é livremente inspirada em personagens de Caio Fernando Abreu, Gore Vidal, Oscar Wilde e Pedro Almodóvar, nos autorretratos Andy Warhol montado de drag queen e em textos de Elisabeth Bishop, Gertrud Stein e Marguerite Yourcenar.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Cindy
Com Gabriel Miziara
Duração: 60 minutos
Classificação: 14 anos
Biblioteca Municipal Mário de Andrade – Auditório Rubens Borba de Moraes (Rua da Consolação, 94, Centro, São Paulo)
04 a 25/09
Segunda – 19h
Ingresso grátis (Distribuição de ingressos 30 minutos antes de cada sessão)
Viga Espaço Cênico – Sala Piscina (Rua Capote Valente, 1323, Sumaré, São Paulo)
2 a 31/10
Segunda e Terça – 21h;
$40

 

CLUBE DA COMÉDIA

Primeiro grupo exclusivamente de humor stand-up, o Clube da Comédia foi o principal divulgador do gênero no país, seguido pelo carioca Comédia em Pé.  O espetáculo estreou em São Paulo em 2005, ficando em cartaz por sete anos  consecutivos, sempre com casas lotadas.

Idealizado por Marcelo Mansfield, o Clube da Comédia foi o  responsável por lançar para o grande público o talento de comediantes, hoje expoentes do humor nacional.

Faziam parte do elenco fixo, além de Marcelo, como Mestre de Cerimônias,  Rafinha Bastos, Marcela Leal, Danilo Gentili, Oscar Filho e Patrick Maia, além de já conhecidos sucessos da comedia como Marcio Ribeiro e Diogo Portugal.

Cada edição também contava também com convidados especiais, tornando cada sessão um espetáculo único. Passaram pelo Clube da Comédia nomes como:  Ângela Dippe, Bruno Mota, Cláudio Torres Gonzaga, Dani Calabresa,  Evandro Santo, Fábio Porchat, Fernando Caruso,Fernando Muylaert, Graziela Moretto, Luis França, Ricardo Corte Real e  Sérgio Rabelo.

Nas apresentações no palco do  Burlesque Paris 6, o Clube da Comédia irá mesclar Stand up e humor de personagens, mas sempre mantendo o formato de um comediante atuando sozinho no palco. Entre os convidados desta temporada estão Marco Luque e Diogo Portugal.

Na estreia o Clube da Comédia recebe  Claudio Torres Gonzaga, precursor do gênero Stand Up Comedy no Rio de Janeiro com o grupo Comédia em Pé, Thiago Ventura, o principal nome do gênero na atualidade e Otávio Mendes, com a Irmã Selma.

As apresentações serão  “costuradas” pelo Mestre de Cerimônias, e fundador do Clube da ComediaMarcelo Mansfield.

image002

Clube da Comédia Stand-up
Com Marcelo Mansfield e convidados
Paris 6 Burlesque Music Hall & Night Bistro (Rua Augusta, 2809 – Jardins, São Paulo)
Duração 70 minutos
14 a 28/08
Segunda – 21h
$50
Classificação 16 anos

 

ASSIM DIRIA SHAKESPEARE…

O Mundo é um palco e todos os homens e mulheres não passam de atores.” Com esta celebre frase tem início a comédia ASSIM DIRIA SHAKESPEARE, adaptação de Edna Ligieri Marllos Silva que chega ao Teatro Viga, em São Paulo, à partir de 07 de agosto para uma curta temporada.
 
Quando o amor fala todos os deuses ficam mudos para ouvir a harmonia da sua voz.
A partir da reunião de diversos textos de Shakespeare os autores conceberam um espetáculo inédito, que ganha vida pelas mãos do ator Flavio Baiocchi, intérprete do personagem Guilherme (tradução do nome Willian), e que tem como premissa mostrar o AMOR e as suas fases, pelos olhos do dramaturgo inglês. São utilizados trechos de quase todas as obras do BARDO: Romeu e Julieta, Hamlet, Macbeth, Otelo, Dois Cavaleiros de Verona, Titus Andronicus, sonetos, entre outras obras.
 
Quem nunca sofreu por amor não entende a dor de quem sofre.” 
A encenação do espetáculo, que está a cargo de Marllos Silva, “busca ser jovem e pop, tendo como objetivo mostrar que as palavras de Shakespeare ecoam até os dias de hoje e são a mais profunda representação do amor humano”, explica ele, que após um período afastado da direção de espetáculos de teatro não musical, está volta ao gênero.
  
O Verdadeiro nome do amor é cativeiro.” 
Edna Ligieri traduziu os textos a partir dos originais de Shakespeare, buscando aproxima-los dos dias de hoje, assim como a trilha sonora que é recheada de referências do mundo moderno, contando inclusive com uma composição original de Bukassa Kabengele e Omar Baiocchi, feita especialmente para o espetáculo.
Foto: Naira Messa
Assim diria Shakespeare…
Com Flávio Baiocchi
Viga Espaço Cênico (R. Capote Valente, 1323 – Pinheiros, São Paulo)
Duração 50 minutos
07/08 até 25/09
Segunda – 21h
$40

PALHAÇOS

Com texto de dramaturgo Timochenco Wehbi (1943 – 1986), Palhaços volta com temporada no porão do Teatro Sérgio Cardoso a partir de segunda-feira, 10 de julho às 20h. As apresentações acontecem às segundas-feiras (10, 17, e 31 de julho e 14 de agosto, às 20h) e uma terça-feira (25 de julho, às 20h).

O espetáculo conta com direção de Marcio Vasconcelos e atuação de Antônio Netto e Sérgio Carrera, além do sanfoneiro Guilherme Padilha. O projeto é uma realização da Cia das Artes e a Cia Pompa Cômica.

A trama se passa no intervalo de apresentação do palhaço Careta (Antônio Netto) que recebe em seu camarim a visita de um espectador, Benvindo (Sérgio Carrera), um vendedor de sapatos encantado com a performance. Se aproveitando da extrema inocência do visitante, o palhaço Careta expõe as dificuldades e dores de ser um artista, e estabelece um jogo de faz de contas para que Benvindo perceba o sentido de sua própria vida, condicionada aos padrões estabelecidos pela sociedade.

A peça fala sobre a condição humana ao expor os dois lados de um mesmo tipo de fragilidade: a desilusão frente à exploração social somada à uma insciência desta. Nesta versão, a obra de Timochenco Wehbi, ganha um novo integrante: o sanfoneiro.

Este personagem, em meio às músicas, caminha entre as histórias de Benvindo e o palhaço Careta, conduzindo a dramaturgia em um labirinto entre ficção e realidade. A montagem traz elementos que ajudam a trazer a atmosfera do picadeiro para o palco com artistas circenses que fazem números de clown, malabares, mágica.

O espetáculo é uma metalinguagem na questão da dificuldade de se viver de arte pelo país. O texto é um contraponto ao abordar o universo dos artistas, que mesmo diante de muitas barreiras, fazem o que mais gostam na vida. E também representa o mundo em que as pessoas seguem os costumes ditados pela maioria”, fala Carrera.

O ator viveu uma situação contrária de seu papel na vida real ao desistir da carreira médica e optar pela vida artística. “Definitivamente, trabalhar com arte no Brasil é resistir. Já meu personagem Benvindo abriu mão de seus anseios ao entrar para todos os padrões possíveis”.

Um dos maiores trunfos do texto é fazer um jogo em que nos perguntamos quem é o palhaço de quem durante o encontro entre os personagens. Expurga os conflitos internos, coloca uma outra face do palhaço, além do picadeiro. Em cena, um é complemento do outro”, diz Netto.

Assim como o dramaturgo, Netto também nasceu em Presidente Prudente e sua atuação no espetáculo Palhaços na cidade natal foi um fator determinante para sua chegada em São Paulo e continuar sua carreira no início dos anos 90. Os dois atores têm uma longa trajetória de parceria nos palcos, pois já trabalharam juntos em duas montagens da comédia musical Bar D’Hotel e no espetáculo De Um Dia de Pierrot ao Curto-Circuito, obra também de Timochenco Wehbi.

Timochenco Wehbi é um dramaturgo extremamente significativo, contendente, transgrediu a época em que vivia. Estava inserido na era da contracultura, um momento de ebulição na sociedade. Questões que não passaram em branco e ficaram refletidas em sua obra. Era uma pessoa apaixonada pelo circo e acompanhou bem as famílias que viviam dessa arte pelo interior”, diz os Netto.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Palhaços
Com Antonio Netto, Sérgio Carrera e Guilherme Padilha. 
Teatro Sergio Cardoso – Porão (Rua Rui Barbosa, 153 – Bela Vista, São Paulo)
Duração 70 minutos
10, 17, 25, 31/07; 14/08
Segunda – 20h; Terça – 20h
$40
Classificação 12 anos

 

OS ATINGIDOS OU TODA COISA QUE VIVE É UM RELÂMPAGO

Com uma linguagem que permeia a relação entre teatro e cinema, a Ordinária Companhia traz os questionamentos que envolvem o impacto da maior tragédia ambiental no Brasil em Mariana (MG) com novo espetáculo. 

Os Atingidos ou Toda Coisa que Vive é um Relâmpago estreia sábado, 8 de julho, às 21h, na SP Escola de Teatro. A direção e dramaturgia é de José Fernando Peixoto de Azevedo e a temporada vai até 30 de julho com sessões sábados, às 21h, domingos, às 20h, e segundas, às 21h. 

Na trama, uma moradora da cidade atingida interroga: isso aí foi o quê, uma tragédia, um acidente, um desastre, ou um crime? A pergunta nos devolve ao campo próprio de uma disputa pela vida: aqueles que foram atingidos pela lama reclamam precisamente a sua condição própria, a de atingidos em meio ao processo de destruição. 

A peça procurou usar como propulsores para a construção os desdobramentos e os antecedentes da tragédia. Desde o histórico da rota do ouro e de minérios, além de deslizamentos menores que causaram morte ainda nos anos 80 nessa longínqua exploração da região. 

Durante a pesquisa, o grupo foi a cidade de Mariana e nos pequenos distritos em busca de contato direto com os que sofreram e ainda sofrem com o rompimento da barragem. O encontro trouxe a oportunidade de ver de perto todas as camadas que envolvem a tragédia desde os aspectos sociais, econômicos e ambientais, além das rupturas e discriminações que se tornaram a vida dos atingidos. As pessoas foram pulverizadas e classificadas de acordo com a lama que sujou suas vidas na tragédia. 

Todos esses elementos foram utilizados de maneira ficcional para criar uma montagem que constrói no palco uma espécie de filme ao vivo calcado pelo suspense. Uma linguagem que permeia o teatro e o cinema, característica que já foi trabalhada no espetáculo Zucco do grupo. 

Em cena, a situação é a de um “estúdio”, ao menos em dois sentidos simultâneos, justapostos: estúdio de gravação (atores e técnicos que, diante do público, gravam e editam materiais que são projetados, e este trabalho é também cena), mas também espaço de estudo da cena (atores atuam suas figuras em situação, diante do público). 

O resultado é um teatro-filme com um deslizamento entre os pontos de vista e perspectivas. Durante a pesquisa, filme de Alfred Hitchcock, David Lynch e o recente Corra!, de Jordan Peele, serviram para absorver os artifícios de suspense inseridos na encenação. 

A Ordinária Companhia surgiu em 2013, resultando do percurso de uma turma de alunos da Escola de Arte Dramática, a EAD, da ECA-USP, que naquele ano estreia seu trabalho de conclusão de curso, ZUCCO, uma adaptação do texto de Bernard Marie-Koltès, dirigida pelo também professor da Escola, José Fernando de Azevedo. O espetáculo fez temporadas em São Paulo – na EAD (2013), no TUSP e no CIT-ECUM (2014) – e o grupo foi indicado ao Prêmio Cooperativa Paulista de Teatro (2014), na categoria revelação.

 Peça Atingidos Crédito Caio Oviedo.jpg

Os Atingidos ou Toda Coisa que Vive é um Relâmpago
Com Áurea Maranhão, Conrado Caputo, Juliana Belmonte, Paulo Balistrieri e Rafael Lozano
SP Escola de Teatro (Praça Franklin Roosevelt, 210 – Consolação, São Paulo)
Duração 90 minutos
08 a 30/07
Sábado – 21h; Domingo – 20h; Segunda – 21h
$20
Classificação 14 anos

LEMBRO TODO DIA DE VOCÊ

Depois de temporada bem sucedida no CCBB, o musical Lembro Todo Dia de Você volta ao cartaz a partir de 8 de julho no Teatro do Núcleo Experimental. Texto, letras e direção musical de Fernanda Maia, direção geral de Zé Henrique de Paula e músicas de Rafa Miranda.

Nesta temporada, entram no elenco Luiza Porto e Pier Marchi, no lugar de Bruna Guerin (“Cantando na Chuva”) e Gabriel Mallo.  No elenco, além de Zé Henrique de Paula, estão os atores Anna Toledo, Davi Tápias, Fabio Augusto Barreto, Fabio Redkowicz, Luiza Porto e Pier Marchi.

Thiago (Davi Tápias) é um jovem que se descobre soropositivo aos 20 anos e, para aprender a conviver com o vírus, precisa antes passar por um acerto de contas consigo mesmo. Lembro todo dia de você é um musical inédito que faz um retrato realista e contemporâneo do HIV, colocando em questão muito do que se conhece sobre o assunto.

Com Lembro Todo Dia de Você, o Núcleo Experimental prossegue com a pesquisa de linguagem em teatro musical, que consiste em inserir as músicas no espetáculo de uma forma fundamental para a narrativa. A trilha sonora tem levada pop, com releituras de outros gêneros, como bolero, disco, jazz e música de jogos digitais dos videogames.

O Núcleo também se preocupa em fomentar a criação de espetáculos 100% nacionais, oferecendo ao público novas opções além das franquias internacionais ou adaptações de obras pré-existentes, como filmes, livros ou até mesmo outras peças teatrais. A produção vem depois do sucesso de público e crítica Urinal (2015), prêmio APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte) na categoria Melhor Diretor e Prêmio Reverência 2016 nas categorias Melhor Musical, Melhor Direção, Melhor Cenário (Zé Henrique de Paula), Melhor Direção Musical (Fernanda Maia) e Melhor Ator Coadjuvante (Fabio Redkowicz). A peça foi vencedora, ainda, de duas categorias no Prêmio Bibi Ferreira (concorreu a sete) e venceu/concorreu em diversas outras nos prêmios Aplauso Brasil, Shell, Governador do Estado, Quem e Reverência. Zé Henrique também esteve recentemente no elenco de Nuvem de Lágrimas, interpretando o pai da protagonista Bete (Lucy Alves).

Sinopse
Thiago (Davi Tápias) tenta entrar em contato com seu ex-namorado, Júlio (Pier Marchi) para conversar sobre uma questão de seu passado como casal. É que Júlio contraiu HIV por meio da relação sexual com Thiago e, desde então, não conversa mais com o antigo companheiro. A partir daí, Thiago inicia uma jornada de autoconhecimento em direção a questões decisivas de sua vida – como o abandono paterno, a descoberta da sexualidade, relacionamentos, amizades e o estigma enfrentado diariamente por pessoas com HIV.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Lembro Todo Dia de Você
Com Anna Toledo, Davi Tápias, Fabio Augusto Barreto, Fabio Redkowicz, Luiza Porto, Pier Marchi e Zé Henrique de Paula
Teatro do Núcleo Experimental (Rua Barra Funda, 637, Barra Funda – São Paulo)
Duração 120 minutos
08/07 até 28/08
Sábado – 21h; Domingo – 19h; Segunda – 21h
$60
Classificação 16 anos

AGRESTE

A premiada montagem da Companhia Razões Inversas, com direção de Marcio Aurelio, está de volta para uma curta temporada no Teatro de Contêiner, no período de 23 de junho a 31 de julho, de sexta a segunda, às 20h.

Juan Alba passa a integrar o elenco ao lado de Paulo Marcello (ator desde a primeira montagem) da obra que tornou o nome do dramaturgo Newton Moreno conhecido nacional e internacionalmente.

Agreste é um vigoroso manifesto poético, uma fábula sobre ignorância, preconceito e amor incondicional. Um drama de amor no interior nordestino, em que um dos protagonistas acaba sendo vítima do horror da intolerância.

Foi escrita a partir de depoimentos sobre a sexualidade de mulheres no Nordeste, o desconhecimento que estas mulheres tinham de seu corpo e de sua sexualidade e trata do que pode ser considerado “o invisível”, aquilo que ninguém descreve ou explica, apenas sente. “Agreste retorna à cena para refletirmos a respeito do “diferente”, num momento em que a desconstrução de corpo, gênero e sexualidade está em jogo”, diz Paulo Marcello.

O espetáculo flerta com a referência constante das artes plásticas e a direção de arte, a cargo de Marcio Aurelio, é inspirada nos trabalhos do artista plástico Joseph Beuys e dos fotógrafos Angélica Del Nery e Chema Madoz.

SINOPSE

No meio da seca, um casal de lavradores simples descobre o amor e fogem. Pressentem que “algo” de perigoso paira sobre seu amor. A esposa vem a compreender o porquê, anos depois, após a morte do marido. Essa mulher machucada pela perda, sem entender a dimensão de seus atos, acaba sendo vítima do horror da intolerância.

AGRESTE é um vigoroso manifesto poético, uma fábula sobre ignorância, preconceito e amor incondicional. Em cena, dois atores narram e representam as personagens de sua estória. Esses atores montam e desmontam a cena, com o mesmo domínio que assumem a passagem narrador-personagem para personagem-narrador.

 image001

Agreste
Com Paulo Marcello e Juan Alba.
Teatro de Contêiner (R. dos Gusmões, 43 – Santa Ifigênia, São Paulo)
Duração 60 minutos
23/06 até 31/07
Sexta, Sábado, Domingo e Segunda – 20h
$30 ($5 moradores do bairro)
Classificação 14 anos