QUE TAL NÓS DOIS?

A comédia romântica “Que Tal Nós Dois?”, com Carolina Ferraz e Otavio Martins, agradou tanto ao público paulistano que vai prorrogar temporada mais uma vez no Teatro Folha. A peça mostra com humor e sensibilidade o relacionamento de dois amantes que se encontram uma vez por ano na convenção da empresa onde trabalham. A temporada se estenderá até final de setembro, em sessões de sexta-feira a domingo.

A história do casal se desenvolve ano após ano, sempre mostrando os reencontros nas convenções da empresa e as mudanças na vida de cada um, o que reflete no relacionamento deles. Um homem e uma mulher, ambos casados e com família,  funcionários de uma grande empresa, se conhecem numa convenção. Embalados pelo clima de confraternização, e depois de beberem alguns drinks, acabam passando a noite juntos. No dia seguinte acordam juntos em quarto de hotel e, sem nenhuma intimidade, decidem não mais repetir o encontro amoroso. Mas como ninguém manda no coração, no ano seguinte, novamente na convenção da empresa, eles se reencontram e passam a noite novamente, estabelecendo um relacionamento.

O texto é resultado da parceria criativa entre o ator e autor Otavio Martins e a autora Juliana Araripe. A peça mostra a evolução da relação, que começa com o constrangimento de duas pessoas que acordam juntas sem lembrar exatamente os detalhes da noite vivida. No segundo ano em que as personagens se encontram os conflitos pessoais são revelados. Questões relacionadas ao poder surgem no terceiro ano porque, na medida em que ela passa a assumir um cargo de liderança na empresa, abala o lado machista dele. O desfecho da história de amor acontece no quarto ano, quando algo inesperado acontece com o casal.

O espetáculo conquistou o interesse do público porque fala de relacionamento amoroso de maneira leve, engraçada e sintonizada com questões que ganharam visibilidade social, como, o poder da mulher no mundo dos negócios. A personagem de Carolina Ferraz torna-se hierarquicamente superior ao personagem de Otavio Martins e, com isso, o homem precisa desapegar de conceitos machistas. Sobre mais esta prorrogação de temporada, o diretor Isser Korik comenta que “o espetáculo fica cada vez mais interessante porque os atores ganham mais sintonia a cada apresentação”.

CARMEN.png

Que Tal Nós Dois?

Com Carolina Ferraz e Otavio Martins

Teatro Folha – Shopping Higienópolis (R. Dr. Veiga Filho, 133 – Higienópolis, São Paulo)

Duração 80 minutos

06/07 até 30/09

Sexta – 21h30, Sábado e Domingo – 20h

$50/$70

Classificação 12 anos

MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA

A comédia ‘Morte Acidental de Um Anarquista’, que completa três anos em cartaz, tendo passado por 27 cidades, inicia nova fase nos palcos do Teatro Gazeta, em São Paulo, a partir de 30 de junho, desta vez, em temporada aos sábados, às 22h e aos domingos, às 20h. A montagem do texto de Dario Fo, prêmio Nobel de Literatura em 1997, que contou com Dan Stulbach no elenco ganha agora a participação do ator Marcelo Laham.

A peça parte de um caso verídico, uma controversa investigação de um caso ocorrido em Milão, em 1969, e tem como pano de fundo os ataques terroristas que feriram e mataram dezenas de pessoas e nas cidades de Milão e Roma. O mote é o suposto suicídio de um anarquista acusado pelos atentados que teria se jogado da janela do prédio da polícia durante o interrogatório. O caso ficou nebuloso com incoerências nos depoimentos dos policiais envolvidos, porém ninguém foi condenado por falta de provas.

Um ano após o episódio na história da Itália, Dario Fo estreou sua peça ficcional, uma comédia, que coloca dentro da delegacia naquele dia a figura de um louco revelando práticas de torturas física e psicológica nos interrogatórios policiais. Na dramaturgia, o louco é acusado de falsidade ideológica, por gostar de se passar por outras pessoas, porém se revela mais esperto que o delegado e, ali mesmo, engana a todos fingindo ser um juiz.

O que teria acontecido realmente naquele dia? O anarquista se jogou ou fora jogado do quarto andar?

A polícia afirma que o anarquista teria se jogado pela janela do quarto andar, a imprensa e a população acreditam que ele tenha sido jogado. O louco brincando com o que é ou não é real vai desmontando o poder e revelando a verdade ao assumir várias identidades médico cirurgião, psiquiatra, bispo, engenheiro naval, entre outras, além de juiz. Os espectadores se tornam aliados tanto do ator quanto do personagem e ao serem convidados a participar trazem à tona flashes do momento político atual do país para ajudá-lo na reconstituição do suposto crime.

Morte Acidental de Um Anarquista é a peça mais conhecida e premida de Dario Fo. Montada no mundo inteiro, recentemente, em Londres, foi encenada com referências ao caso Jean Charles (brasileiro que ficou conhecido após ser confundido e assassinado erroneamente pela Scotland Yard no Metrô de Londres). No Brasil, já foi montada com Antonio Fagundes e Sérgio Britto como protagonistas em São Paulo e no Rio de Janeiro.

Nesta montagem, há três anos em cartaz, com direção de Hugo Coelho, o público é recebido pelo elenco do lado de fora, na entrada, com uma apresentação musical. Já no teatro, Marcelo Laham entra em cena para contar o que aconteceu na vida real e explicar o porquê de montar o espetáculo, seguindo a estratégia que Dario Fo de aproximação e reconhecimento. Em seguida, público é convidado a tirar dúvidas e, só depois de todos estarem prontos, o espetáculo começa.

image003

Morte Acidenta de Um Anarquista

Com Marcelo Laham, Henrique Stroeter, Riba Carlovich, Marcelo Castro, Maíra Chasseraux e Rodrigo Bella Dona

Teatro Gazeta (Avenida Paulista, 900 – Bela Vista, São Paulo)

Duração 90 minutos

30/06 até 14/10

Sábado – 22h, Domingo – 20h

$70/$80

Classificação 14 anos

DARIO FO EM DOSE DUPLA

O projeto DARIO FO EM DOSE DUPLA, do Santa Víscera Teatro, chega aos palcos da capital paulista com estreia dia 6 de julho, sexta-feira, às 21 horas, no Hangar Teatro, na Barra Funda. União dos solos O Primeiro Milagre e Sempre Aquela Velha História… ambos do italiano Dario Fo e sua esposa Franca Rame e dirigidos por Graciane Pires, o projeto traz os espetáculos apresentados na sequência.

O Primeiro Milagre, com o ator Marco Antonio Barreto, mostra um olhar cômico e diferente da saga do menino Jesus, desde seu nascimento até o dia em que realiza o seu primeiro milagre. Com uma linguagem provocativa, Sempre Aquela Velha História…, com Graciane Pires, leva à cena as dificuldades e prazeres do universo feminino vistos na perspectiva de uma mulher em situações limites do cotidiano.

Para a diretora e atriz Graciane Pires os solos, econômicos nos meios e ricos em expressividade, tem foco no trabalho dos atores. “Propomos a apresentação teatral em sua forma mais essencial com apenas um ator em cena, frente a frente com o público, utilizando toda a sua capacidade criativa e o mínimo de recursos cênicos para contar sua história”. A diretora também conta que a ideia de apresentar dois textos de Dario Fo na sequência é a oportunidade de juntar temáticas para reflexão. “Os textos do autor, embora sejam mais enxutos, sempre trazem margem para bons debates, pois tratam de forma ácida temas delicados”.

DARIO FO EM DOSE DUPLA dá continuidade ao trabalho do Santa Víscera Teatro voltado a autores clássicos, como Enquanto Você Dorme, inspirado em obras de Edgar Allan Poe, Guy de Maupassant e John Collier,que cumpriu em junho uma temporada no Sesc Tijuca, no Rio de Janeiro.

O Primeiro Milagre

Baseado no evangelho Apócrifo de São Mateus, o solo é uma parábola que revela os valores humanos da Sagrada Família e conta a história desde o nascimento do menino Jesus até o dia em que ele realiza o seu primeiro milagre. Uma curiosidade é que os evangelhos apócrifos retratam Jesus com uma série de superpoderes, ele aparece: voando, cuspindo fogo, se transformando em serpente, cavalo, leão. Desaparece um lugar e aparece em outro, uma infinidade de peripécias, que nas mãos de um excelente contador de histórias como Dario Fo, ganham colorido, emoção, certo exagero e muita inventividade.

Em cena, o ator Marco Antonio Barreto se multiplica no palco fazendo mais de 25 personagens, que contracenam entre si e trazem ao público a infância de Jesus de maneira inusitada. “A proposta é abordar a paixão de Cristo olhando para seu lado mais humano. E assim, podemos ver a (des)construção da figura universalmente conhecida de Jesus Cristo, de forma a concretizar um espetáculo que satiriza sem ofender, que diverte sem escrachar. A figura de Jesus na montagem, não tem um caráter anti ou pró-religioso, pois aborda a ideia do mito, as mistificações e desmistificações em relação às pessoas e seus comportamentos”, conta a diretora.

Sempre Aquela Velha História…

Com criação e atuação de Graciane Pires, o espetáculo foi resultado da pesquisa pessoal da atriz e diretora, que propõe uma relação entre o autoconhecimento e o trabalho do ator. O espetáculo retrata a história de uma mulher sem nome. Esta “falta de identidade”, nos remete a um arquétipo, modelo que é proposto na encenação como “mulher-objeto”.

Elegeu-se então, a figura feminina da boneca como inspiração na criação cênica do cenário, figurino, maquiagem e adereços. A figura da boneca, nesse caso, é associada de duas formas diferentes e ambíguas: a boneca infantil frequentemente associada tanto à infantilidade, delicadeza, brincadeira, e a boneca inflável, associada ao fetiche, um objeto facilmente manipulado. “Busca-se, ao reunir essas duas imagens opostas, sublimar a crítica que o texto propõe deixando livre para que cada espectador, de sua própria maneira, uma identificação”, completa Graciane.

O Primeiro Milagre - 03bx - Jonas Santos.jpg

Dario Fo Em Dose Dupla

Com Marco Antonio Barreto e Graciane Pires

Hangar Teatro (Rua Conselheiro Brotero, 305 – Barra Funda, São Paulo)

Duração 90 minutos

06/07 até 07/09

Sexta – 21h

$30

Classificação 16 anos

ELES NÃO USAM BLACK-TIE

Um dos textos mais importantes da dramaturgia nacional volta aos palcos no dia 20 de julho no Teatro Aliança Francesa. Comemorando seus 60 anos, “Eles não usam Black-Tie”, de Gianfrancesco Guarnieri, foi montado pela primeira vez no Teatro de Arena, no mesmo ano de sua publicação, 1958.

Nesta obra, Gianfrancesco Guarnieri transcreve de maneira cotidiana questões sócio-políticas vividas por Tião, personagem que o próprio autor viveu na montagem do Arena.

A história revela, como primeira instância, a organização de uma greve com suas posições ideológicas, morais e divergentes para cada personagem, o que faz com que as discussões entre pai e filho sejam frequentes. Num plano abrangente estão apoiadas relações familiares como: gravidez, casamento, educação e religião.

A plateia poderá vivenciar no palco uma família comovente que sobrevive de maneira humilde, mas não menos digna, refletindo o espelho de uma camada social que abrange milhões de brasileiros. Além disso, a peça tem como pano de fundo reflexões sobre a frágil condição humana, sobre os homens e seus conflitos, trazendo um verdadeiro um debate entre a coletividade e o individualismo, simultaneamente cru e sensível.

Nessa montagem o elenco será composto Adilson Azevedo, Camila Brandão, Carolina Stofella, Kiko Pissolato, Pablo Diego Garcia, Paloma Bernardi, Paulo Gabriel, Samuel Carrasco, Teca Pereira e Tiago Real, com direção de Dan Rosseto.

SINOPSE: De um lado Otávio e outros operários estão organizando uma greve, em busca de melhores condições de trabalho. Do outro, Tião que não deseja participar desse motim e busca uma vida segura ao lado de sua noiva, Maria. No meio do fogo cruzado, está Romana, a mãe de Tião, uma mulher corajosa e massacrada pela vida.

36908157_624022981300345_7177687252733001728_n

Eles Não Usam Black-Tie

Com Adilson Azevedo, Camila Brandão, Carolina Stofella, Kiko Pissolato, Pablo Diego Garcia, Paloma Bernardi, Paulo Gabriel, Samuel Carrasco, Teca Pereira e Tiago Real

Teatro Aliança Francesa (Rua General Jardim, 182 – Vila Buarque, São Paulo)

Duração 90 minutos

20/07 até 16/09

Sexta e Sábado – 20h30, Domingo – 19h

$60

Classificação 12 anos

AVALON

A Cia London estreia no dia 20 de julho, no Teatro União Cultural, em São Paulo, o seu novo espetáculo: “Avalon“, conta a épica história de Rei Arthur e os cavaleiros da Távola redonda.
Avalon” é um texto original, baseado nas lendas inglesas medievais de Rei Arthur e nas crenças pagãs da época. Mostra, de maneira mística, a saga de um povo em busca de um rei que unifique a Bretanha política e religiosamente.
Quando Uther Pendragon tomou Merlin por seu conselheiro, ele não imaginava que teria, futuramente, que entregar seu filho Arthur para ser criado pelo mago, longe da corte. Ao morrer, Uther finca a clássica espada na pedra e apenas o herdeiro do trono seria digno de tirá-la de lá. Arthur o faz! Vira o grande e esperado rei e casa-se com Guinevere, uma donzela altamente católica e que não aceita a antiga religião.
As coisas parecem cada vez mais complicadas; a rainha não engravida, o relacionamento dos dois encontra um terceiro elemento em Sir. Lancelot e a meia irmã de Arthur, Morgana, a sacerdotisa da ilha sagrada de Avalon, espera um filho do Rei.
Com dois atos e um elenco de 28 artistas entre músicos, atores, dançarinos e cantores, “Avalon” é um espetáculo misterioso e questionador. De romances, intrigas, magia, reviravoltas, batalhas, mulheres fortes e que traz o público a reflexões sobre o homem, sua religião e seu caminho hoje e sempre.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Avalon
Com Mateus Polli, Luna Milano, Hellen Kazan, Rafael Mallagutti, Carla Leandro, Maíra Natássia, Mariana Terreri, Jefferson Mascarenhas, Augusto Portes, Gustavo Martins, Taís Cristina Orlandi, Thais Coelho, Nina Vettá, Marcio Vidgóy, Renan Rezende, Bella Santos, Helena Magon, Elizabeth Clini, Barbara Trabasso, Mariana Terreri, João Pedro Uvo, Cleber Cley Braz, Otávio Santiago, Anthony Caio, Rhayssa Rodrigues Martins, Mariana Gimenes, Leonardo Malinowski, Gregory Pena, Alex Ramos, Lucas de Campos, Victor Garbossa, Dominic Mendonza, Adriano Klinglebt, Nicholas Carrer Guerreiro, Octavio Amado
Teatro União Cultural (R. Mario Amaral, 209 – Paraíso, São Paulo)
Duração 120 minutos
20/07 até 14/09
Sexta – 21h
$70
Classificação 14 anos

O FRENÉTICO DANCIN’ DAYS

Asas abertas, feras soltas, o Rio de Janeiro era uma festa. E não havia lugar mais adequado para celebrar do que o Frenetic Dancing´Days Discotheque, boate idealizada pelos amigos Nelson Motta, Scarlet Moon, Leonardo Netto, Dom Pepe e Djalma. E por que não resgatar esse tempo quando o carioca era feliz e sabia? Os dias de alegria estão de volta!

Ao lado de Patrícia Andrade, o próprio Nelson Motta assina a história de ‘O Frenético Dancin’ Days’. O musical marca a estreia da coreógrafa e bailarina Deborah Colker na direção de um espetáculo teatral, com realização das Irmãs Motta e Opus e direção de produção de Joana Motta.

O musical será uma superprodução, com 17 atores e sete bailarinos, escolhidos através de audições, à exceção de Stella Miranda, uma das mais importantes atrizes de musicais do país, que foi convidada especialmente para o projeto. Além de Stella, que interpreta Dona Dayse, o elenco é formado por: Ariane Souza (Madalena), Bruno Fraga (Nelson Motta), Cadu Fávero (Djalma), Franco Kuster (Léo Netto), Gabriel Manita (Inácio/Catarino), Karine Barros (coro/stand in feminino), Larissa Venturini (Scarlet), Natasha Jascalevich (Bárbara), Thadeu Matos (Tony Manero), além das Frenéticas: Carol Rangel (Edyr de Castro), Ester Freitas (Dhu Moraes), Ingrid Gaigher (Lidoca), Julia Gorman (Regina Chaves), Larissa Carneiro (Leiloca) e Ludmila Brandão (Sandra Pêra).

WhatsApp Image 2018-07-11 at 22.25.20

Elenco e Equipe Produção

Deborah Colker (que acaba de ser premiada na Rússia com o Prix Benois de la Danse, considerado o Oscar da Dança) assina também as coreografias e terá ao seu lado uma ficha técnica de peso: Gringo Cardia (cenários), Maneco Quinderé (designer de luz) e Alexandre Elias (direção musical). Passarão pelo palco os principais personagens que marcaram não apenas a história da boate, mas da cultura nacional.

A noite carioca fervia nos anos 70, quando a casa foi criada para inaugurar também o Shopping da Gávea. A cena disco estava explodindo em Nova York, mas ainda não tinha acontecido no Brasil. O Dancin´Days foi inaugurado em 05 de agosto de 1976 e marcou a chegada da discoteca no país. Lady Zu, Banda Black in Rio, Tim Maia, a pista da boate fervia. Na casa, se apresentaram nomes como Rita Lee (ainda com o Tutti-Frutti), Raul Seixas, Gilberto Gil.

Entretanto, nada causou tanta sensação quanto o surgimento das Frenéticas. Contratadas inicialmente como garçonetes, elas também faziam uma breve apresentação durante a madrugada. O sucesso foi imediato: Leiloca, Sandra Pera, Lidoca, Edyr, Dhu Moraes e Regina Chaves logo abandonaram as bandejas e assumiram os holofotes. Elas foram o primeiro grupo contratado da multinacional Warner, que estava aportando no Brasil. O país inteiro cantou ‘Dancin´Days’, ‘Perigosa’, ‘O Preto que satisfaz’ (abertura da novela ‘Feijão Maravilha’, da TV Globo), entre tantas outras.

Freneticas

As Frenéticas

A boate funcionou por apenas quatro meses, pois o contrato era limitado ao período que antecedia a abertura do Teatro dos Quatro. Ela celebrava um Rio e um país que conseguiam ser livres, apesar da ditadura militar. A casa reunia famosos e anônimos, hippies e comunistas, todas as tribos com o único objetivo de celebrar a vida. O sucesso foi tamanho que a casa foi reaberta no Morro da Urca e inspirou a novela ‘Dancin´ Days’, de Gilberto Braga, que tinha a música homônima das Frenéticas como tema de abertura. O país inteirou caiu na gandaia e entrou na festa.

E é justamente esta festa que estará de volta a partir de agosto. O espetáculo relembrará grandes clássicos da discoteca como ‘I love the nightlife’, ‘You make me feel might real’, ‘We are Family’, ‘Y.M.C.A’, ‘Stayin´alive’, além de clássicos das Frenéticas e grandes sucessos nacionais da época, como ‘Marrom Glacê’ e ‘A noite vai chegar’, entre outros. O Rio de Janeiro voltará a sorrir!

Abaixo, as Frenéticas interpretam a música tema da boate.

O Frenético Dancin’ Days

Com Stella Miranda, Ariane Souza, Bruno Fraga, Cadu Fávero, Franco Kuster, Gabriel Manita, Karine Barros, Larissa Venturini, Natasha Jascalevich, Carol Rangel, Ester Freitas, Ingrid Gaigher, Julia Gorman, Larissa Carneiroe Ludmila Brandão

Teatro Bradesco Rio – Shopping Village Mall (Avenida das Américas, 3900 – Barra da Tijuca, Rio de Janeiro)

Duração 120 minutos

24/08 até 21/10

 

Sexta – 21h, Sábado – 17h e 21h, Domingo – 18h

$75/$160

Classificação Livre

 

 

 

15ª TEMPORADA DE DANÇA – TEATRO ALFA

No dia 2 de julho, segunda-feira, o Teatro Alfa abre as vendas individuais dos espetáculos da 15ª Temporada de Dança (os pacotes para todos os espetáculos estavam à venda desde maio).

Conhecida por ser uma das mais representativas de São Paulo, a temporada traz um importante panorama da área da dança no Brasil e no mundo, selecionando grupos de expressão e relevância na atualidade.

Nesta edição, que também comemora os 20 anos do Teatro Alfa, foram selecionadas companhias fundamentais na trajetória do local. Do Brasil, dançam o Grupo Corpo, a São Paulo Companhia de Dança e a Cia. de Dança Deborah Colker. A programação internacional fica por conta da Cie. DCA – Philippe Decouflé, da França; Mats Ek e Ana Laguna, da Suécia e Espanha, respectivamente; e a Tanztheater Wuppertal, a mítica companhia alemã fundada por Pina Bausch (1940 – 2009). As atrações custam entre R$ 37,50 e R$ 225,00.

Programação Completa da Temporada de Dança 2018

Grupo Corpo – 3 a 5 e 8 a 12 de agosto / Gira (2017) e 21 (1992)

Ingressos: Plateia – R$ 180,00 (inteira) e R$ 90,00 (meia) / Plateia Superior – R$ 75,00 (inteira) e R$ 37,50 (meia)

Cie. DCA – Philippe Decouflé – 31 de agosto a 2 de setembro /Nouvelles Pièces Courtes (2017)

Ingressos: Plateia – R$ 200,00 (inteira) e R$ 100,00 (meia) / Plateia Superior – R$ 75,00 (inteira) e R$ 37,50 (meia)

São Paulo Companhia de Dança – 15 e 16 de setembro / Melhor Único Dia (2017), 14’20” (2002) e estreia de Joëlle Bouvier

Ingressos: Plateia – R$ 100,00 (inteira) e R$ 50,00 (meia) / Plateia Superior – R$ 75,00 (inteira) e R$ 37,50 (meia)

Cia. de Dança Deborah Colker – 21 a 23 de setembro e 25 a 30 de setembro / Nó (2005 – releitura)

Ingressos: Plateia – R$ 180,00 (inteira) e R$ 90,00 (meia) / Plateia Superior – R$ 75,00 (inteira) e R$ 37,50 (meia)

Mats Ek e Ana Laguna – 20 e 21 de outubro / Memory (2004), Axe (2015) e Old and Door (1991)

Ingressos: Plateia – R$ 200,00 (inteira) e R$ 100,00 (meia) / Plateia Superior – R$ 75,00 (inteira) e R$ 37,50 (meia)

Tanztheater Wuppertal/Pina Bausch – 29 de novembro a 2 de dezembro / Néfes (2003)

Ingressos: Plateia – R$ 225,00 (inteira) e R$ 112,50 (meia) / Plateia Superior – R$ 75,00 (inteira) e R$ 37,50 (meia)