ASSIM DIRIA SHAKESPEARE…

O Mundo é um palco e todos os homens e mulheres não passam de atores.” Com esta celebre frase tem início a comédia ASSIM DIRIA SHAKESPEARE, adaptação de Edna Ligieri Marllos Silva que chega ao Teatro Viga, em São Paulo, à partir de 07 de agosto para uma curta temporada.
 
Quando o amor fala todos os deuses ficam mudos para ouvir a harmonia da sua voz.
A partir da reunião de diversos textos de Shakespeare os autores conceberam um espetáculo inédito, que ganha vida pelas mãos do ator Flavio Baiocchi, intérprete do personagem Guilherme (tradução do nome Willian), e que tem como premissa mostrar o AMOR e as suas fases, pelos olhos do dramaturgo inglês. São utilizados trechos de quase todas as obras do BARDO: Romeu e Julieta, Hamlet, Macbeth, Otelo, Dois Cavaleiros de Verona, Titus Andronicus, sonetos, entre outras obras.
 
Quem nunca sofreu por amor não entende a dor de quem sofre.” 
A encenação do espetáculo, que está a cargo de Marllos Silva, “busca ser jovem e pop, tendo como objetivo mostrar que as palavras de Shakespeare ecoam até os dias de hoje e são a mais profunda representação do amor humano”, explica ele, que após um período afastado da direção de espetáculos de teatro não musical, está volta ao gênero.
  
O Verdadeiro nome do amor é cativeiro.” 
Edna Ligieri traduziu os textos a partir dos originais de Shakespeare, buscando aproxima-los dos dias de hoje, assim como a trilha sonora que é recheada de referências do mundo moderno, contando inclusive com uma composição original de Bukassa Kabengele e Omar Baiocchi, feita especialmente para o espetáculo.
Foto: Naira Messa
Assim diria Shakespeare…
Com Flávio Baiocchi
Viga Espaço Cênico (R. Capote Valente, 1323 – Pinheiros, São Paulo)
Duração 50 minutos
07/08 até 25/09
Segunda – 21h
$40

CAMA DE GATO

O drama “Cama de gato”, escrito por Max Mendes e dirigido por Marcello Gonçalves e Marcelo Dias, estreia dia 10 de agosto na Sala Baden Powell, Copacabana, zona sul carioca.

Montagem estrelada pelos atores Fabrício Portela, Fernando Dolabella, Felipe Freitas, Henrique Sathler, Hugo Carvalho, Tiago Homci, Thiago Tenório, e a DJ Cacá Werneck, ficará em cartaz às  quintas e sextas-feiras, às 22h30, até dia 1º de setembro.

A peça conta a história da aproximação entre três garotos de programa com uma misteriosa e elegante travesti, chamada Lois Lane. Ela aparece na vida de Mike, Biel e Bruno para quebrar preconceitos. A narrativa é costurada por músicas e debates sobre aceitação, distorção de valores, comercialização das relações e  amor. “Cama de gato” fala de amor. Amor capaz de quebrar barreiras. Amor capaz de transformações.

Observo que cada vez mais estamos nos tratando como coisas, que são descartáveis, rotuladas, comercializadas e julgadas. Escrevi esse texto para nos enxergarmos como gente. Gente que se forma na diferença, que tem sentimentos diversos e deve ser respeitada. A intolerância, a homofobia, os assassinatos e  a discriminação contra gays, lésbicas, travestis, transexuais e transgêneros se tornaram assustadores. Não devemos alimentar o ódio.” diz Max Mendes.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Cama de Gato
Com Fabrício Portela, Fernando Dolabella, Felipe Freitas, Henrique Sathler, Hugo Carvalho, Thiago Tenório, Tiago Homci, e a DJ Cacá Werneck.
Sala Municipal Baden Powell (Av. Nossa Srª de Copacabana, 360 – Copacabana, Rio de Janeiro)
Duração 80 minutos
10/08 até 01/09
Quinta e Sexta – 22h30
$40
Classificação 16 anos

AGNALDO RAYOL – A ALMA DO BRASIL

Agnaldo Rayol – A Alma do Brasil é um espetáculo musical que homenageia uma das mais emblemáticas vozes masculinas do nosso país. Com direção de Roberto Bomtempo e texto de Fátima Valença, a peça retrata momentos singulares de sua trajetória nos palcos e da sua vida ao redor do Brasil. O elenco é formado Marcelo Nogueira (que interpreta Agnaldo), Stela Maria RodriguesMona Vilardo e Fabrício Negri.  Direção musical e arranjos de Marcelo Alonso Neves.

Espetáculo foi indicado a 5 prêmios pela temporada no Rio de Janeiro: Melhor ator de musical, melhor atriz de musical e melhor direção musical (Prêmio Cesgranrio de Teatro 2014), melhor espetáculo pelo júri popular (Prêmio Fita de Teatro 2014) e melhor atriz coadjuvante (Prêmio APTR de Teatro 2014). Em São Paulo, a temporada será curtíssima: de 4 de agosto a 3 de setembro no Teatro Arthur Azevedo.

O texto conta passagens da vida musical de Agnaldo numa espécie de show intimista, entremeado de registros sonoros e visuais de sua carreira e as cenas. A ideia dessa estrutura é mesclar cenas ao vivo com os grandes sucessos da carreira de Agnaldo Rayol. “Importante destacar que, embora sejam contadas e vividas diversas passagens de Agnaldo em diferentes fases de sua carreira, o ator protagonista não se transforma. Não envelhece, não vira menino. É sempre o mesmo belo e elegante Agnaldo, como se pudéssemos congelar no tempo o nosso momento melhor. Nessa concepção, o que prevalece não é a emoção provocada pela transformação física, mas a que vem de dentro, que enternece e emociona”, diz o diretor Roberto Bomtempo.

Combinadas às fotos e cenas reais da vida e obra de Agnaldo Rayol, personagens e trechos de filmes, telenovelas, fotos, shows, entrevistas e programas de rádio e tevê – como os históricos: Papel Carbono, Jovem Guarda, Corte Real Show, Hebe Camargo – especialmente recriados para o espetáculo. Se constituindo num painel sonoro, visual e musical de uma época, que assim retrata, recria e rende a nossa homenagem ao personagem título do musical.

Cantor e ator, de cinema e televisão, apresentador de TV, pintor e poeta, Agnaldo Rayol começou cantando na Rádio Nacional aos oito anos de idade. Seu primeiro disco foi feito em uma das agências dos Correios, onde se gravava mensagens. Lá, neste estúdio, gravou seu primeiro disco. Agnaldo Rayol, que já foi galã de novela ao lado de Fernanda Montenegro e Hebe Camargo, ganhou vários prêmios em sua carreira, entre eles “O Festival Internacional da Canção” e o “Prêmio Sharp de Melhor Cantor de Música Popular”.

Com sua peculiar forma de cantar, a magistral interpretação de Ave Maria de Gounod emocionou noivas de várias gerações. No espetáculo apresentamos um roteiro de sucessos como: “Se todos fossem iguais a você”, “A Praia”, “Fascinação”, “Serenata do Adeus”, “O princípio e o fim”, “Mia Gioconda”, “A voz do violão”, “Estrada do sol” entre outras canções que transmitem a época, a cultura brasileira e suas influências.

(Abaixo, um clipe da divulgação do espetáculo enquanto esteve em cartaz no Rio de Janeiro).

Agnaldo Rayol – A Alma do Brasil
Com Marcelo Nogueira, Stela Maria Rodrigues, Mona Vilardo e Fabrício Negri.
Músicos: Cristina Bhering (Esaiadora/Pianista), Bateria) e Luciano Correa (Violoncelo).
Teatro Arthur Azevedo (Av. Paes de Barros, 955 – Mooca, São Paulo)
Duração 100 minutos
04/08 até 03/09
Sexta e Sábado – 21h; Domingo – 19h
$20
Classificação 12 anos

CANÇÃO DENTRO DO PÃO

Com direção de Bete Dorgam, a comedia Canção dentro do Pão estreia na sexta-feira, 14 de julho, às 21 horas, no Teatro Denoy de Oliveira. 

A trama traz um pretenso adultério entre a inconsequente Jacqueline e do intendente Monsieur Finot, que pretende incriminar Jacquot – marido de Jacqueline   e leal padeiro do rei Luiz XVI – com a introdução de uma canção subversiva dentro dos pães que serão servidos na corte, às vésperas da Queda da Bastilha.

O espetáculo conta com música ao vivo, cenários e figurinos com características de época, todavia também traz elementos anacrônicos tanto na concepção visual quanto na linguagem em cena. O texto traz a fragmentação de poderes da monarquia e coloca a ficção se aproximando da realidade em meio à crise política vivida pelo Brasil nos últimos anos. A Queda da Bastilha, evento central da Revolução Francesa, ocorreu em 14 de julho de 1789, por isso a escolha da estreia acontecer em 14 de julho no o Teatro Denoy de Oliveira.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Canção Dentro do Pão
Com João Ribeiro, Pedro Monticelli, Rebeca Braia, Ricardo Koch Mancini e Vittor Meneghetti. 
Teatro Denoy de Oliveira (Rua Rui Barbosa, 323/ Bela Vista – São Paulo)
Duração 90 minutos
14/07 até 10/09
Sexta e Sábado – 21h; Domingo – 19h
$20
Classificação Livre

 

 

VOZ E PIANO

Paula Lima, considerada uma das belas e marcantes vozes da sua geração, apresenta show inédito “Voz e Piano”, paralelo ao seu show “Mil Estrelas” atualmente rodando o Brasil e exterior.

Com repertório colhido de momentos especiais de sua carreira, como as canções “Mil Estrelas” (Ivo Mozart/Zeider Pires) e “Clareou” (Serginho Meriti/Rodrigo Leite) e canções que fazem parte da sua formação musical, a cantora se apresenta em novo formato.

Seus shows, que sempre tiveram como marca registrada a forte sonoridade de sua banda e a música dançante, aparecem agora enfatizando sua voz, que fica absolutamente em primeiro plano, apresentando algo muito particular e mais intimista, mantendo sua personalidade cheia de nuances e harmonia.

Além dos sucessos da artista, Paula interpreta canções de João Donato, Ella Fitzgerald, Roberto Carlos, Chico Buarque, e muitos outros.

Voz e Piano
Com Paula Lima
Teatro Porto Seguro  (Al. Barão de Piracicaba, 740 – Campos Elíseos, São Paulo)
Duração 70 minutos
19/09
Terça – 21h
$50/$70
Classificação 12 anos

NA LUZ DO SAMBA

Em seu sétimo álbum, Luciana Mello mergulha de vez no samba com um repertório que apresenta músicas de diferentes gerações.

O disco abre com Estrela Sorridente, faixa gravada em homenagem ao seu pai, Jair Rodrigues (1939–2014), e apresenta canções de outros grandes nomes do gênero como Somente Sombras, de Arlindo Cruz e Zeca Pagodinho, e Sou Eu, de Moacir Santos e Nei Lopes. Além de cantar uma música gravada há 35 anos por Beth Carvalho, Escasseia (Zé do Maranhão, Beto sem Braço e Aloísio Machado).

Luciana Mello veio dos palcos. Aos 5 anos de idade já se apresentava com o pai, Jair Rodrigues, em programas de TV. Seu primeiro disco foi lançado em 1995, quando Luciana tinha 16 anos de idade.

Na Luz do Samba
Com Luciana Mello
Teatro Porto Seguro (Al. Barão de Piracicaba, 740 – Campos Elíseos, São Paulo)
Duração 80 minutos
12/09
Terça – 21h
$80/$100
Classificação Livre

BACK2ITALIA

“Back2Italia”, apresentação do projeto “Davi Não Vê Estrelas” celebra os 60 anos do amor que o brasileiro (e o mundo) tem pelas canções pop italianas. Seguindo uma linha do tempo, de 1957 até hoje, mais de 40 canções italianas que embalaram a história de amor de muita gente no Brasil.

De Domenico Modugno e Peppino di Capri, passando por surpresas como Roberto Carlos, Zizi Possi e outras curiosidades (um dos maiores sucessos da carreira de uma das maiores cantoras da MPB é versão de uma música italiana), sem esquecer da era dos tenores (Pavarotti, Bocelli) e dos contemporâneos Eros Ramazzotti, Laura Pausini e Tiziano Ferro, retrabalhando ainda canções que fizeram sucesso na trilha de novelas e filmes brasileiros e estrangeiros.

Visualmente, pequenas mudanças no figurino e visagismo, além de textos curtos, vão acompanhando a evolução dos sucessos italianos. A sonoridade é aquela que se pode esperar de um projeto com a marca Davi Não Vê Estrelas, um projeto luso brasileiro com repertório totalmente acústico e versões particulares de grandes sucessos na voz envolvente de Davi Amarante.

img02-big

Back2Itália
Com Davi Amarante
Teatro Porto Seguro (Al. Barão de Piracicaba, 740 – Campos Elíseos, São Paulo)
Duração 110 minutos
05/09
Terça – 21h
$60/$100
Classificação Livre