SENHORA DOS AFOGADOS

Ligações incestuosas, obsessões, pulsões arcaicas, conflitos entre o lógico e o irracional, todas as amarras são rompidas, os personagens se movem num tempo verdadeiramente mítico, do inconsciente. Senhora dos Afogados é uma peça que se aproxima das tragédias gregas, em que os clãs familiares se entre-devoram num inferno de culpas desmedidas.

Dona Eduarda, esposa de Misael, e Moema, única filha mulher que restara, além do irmão, Paulo, se degladiam em torno da questão do pudor e da honra da mulher, hostilizando-se devido a um ódio primordial. Moema, que gostaria de viver sozinha com o pai, urde um plano para que a mãe o traia com o próprio noivo, um ex-oficial da marinha.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Senhora dos Afogados
Com Alexia Dechamps, João Vitti, Karen Junqueira, Rafael Vitti, Letícia Birkheuer, Nadia Bambirra, Jaqueline Farias e Du Machado.
Teatro Porto Seguro (Alameda Barão de Piracicaba, 740 – Campos Elíseos, São Paulo)
Duração 90 minutos
23/02 até 29/04
Sexta e Sábado – 21h, Domingo – 19h
$70/$90
Classificação 16 anos

CHOPIN OU O TORMENTO DO IDEAL

A montagem consagrada a Chopin, associa música e poesia sob a direção de José Possi Neto. A atriz Nathalia Timberg  pela primeira vez em sua carreira, interpreta um personagem masculino. Partindo de recortes textuais da vida de Chopin, cartas de George Sand entrelaçadas com declarações e poemas de Musset, Liszt, Baudelaire, Gérard de Nerval e Saint-Pol-Roux, o espetáculo ilumina vinte anos da vida e da obra do compositor, criando uma possível subjetividade acerca de sua biografia com a objetividade e a poética do seu contexto histórico.

A montagem original teve sua estreia nos primeiros meses do ano de 1987, no Théâtre de la Gaîté-Montparnasse, em Paris. O pianista Erik Berchot, vencedor do prêmio Frédéric Chopin de Varsóvia (1980), uniu seus talentos aos do ator e autor Philippe Etesse para compor o espetáculo.

chopin-img-35-crc3a9dito-juliana-alabarse.jpg

Chopin ou o Tormento Ideal
Com Nathalia Timberg e Clara Sverner
Teatro Porto Seguro (Alameda Barão de Piracicaba, 740 – Campos Elíseos, São Paulo)
Duração 70 minutos
02 a 18/02
Sexta – 21h, Sábado e Domingo – 19h
$50/$80
Classificação 14 anos.

BIBI, UMA VIDA EM MUSICAL

Não consigo lembrar de mim fora de um teatro”. É assim que Bibi Ferreira, 95 anos, 76 como atriz, cantora, diretora e produtora, se descreve.

A trajetória pessoal e profissional dessa estrela brasileira só poderia ser contada e celebrada levando para o palco o próprio palco, das companhias de comédia, do teatro de revista, dos grandes musicais e do teatro engajado em que ela atuou.

E assim é BIBI, uma vida em musical, um espetáculo inédito, escrito por Artur Xexéo e Luanna Guimarães, sob direção geral de Tadeu Aguiar, que tem estreia nacional em 5 de janeiro de 2018, no Teatro Oi Casa Grande, no Rio de Janeiro.

Apresentado pelo Ministério da Cultura e Circuito Cultural Bradesco Seguros, através da lei Rouanet, o musical é uma realização da Negri e Tinoco Produções Artísticas [espetáculo “Excepcionalmente Normal” e diversos shows de Thereza Tinoco e Áurea Martins].

A atriz paulistana Amanda Acosta será Bibi. Ela foi Eliza Doolittle na montagem paulista de “My Fair Lady” de 2006, o mesmo papel que Bibi Ferreira fez na primeira montagem brasileira da peça americana. Amanda foi integrante do Trem da Alegria, de 1988 a 1992, quando o trio se desfez. Atriz de cinema e TV, ela fez no teatro musical “Essa é a nossa Canção”, “Baby, o Musical” e “4Faces do Amor”, todas sob direção de Tadeu Aguiar. Mais 18 atores integram o elenco.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Em BIBI, uma vida em musical, a história familiar, profissional e amorosa da artista se enredam. A formação em música, dança e línguas estrangeiras foi estimulada pela mãe Aida Izquierdo, bailarina espanhola. A estreia profissional no teatro, aos 19 anos, foi pela mão do pai, o ator Procópio Ferreira, em papel escrito por ele para a filha. Assim, o musical percorre todas as fases da vida de Bibi, da escolha do seu nome, sua preparação para os palcos, os espetáculos musicais como os inesquecíveis “Gota d’Água”, de Paulo Pontes e Chico Buarque, “My Fair Lady”, “Alô Dolly” e “Piaf, a Vida de Uma Estrela da Canção”,  seus casamentos, o nascimento da filha única, Tina Ferreira,  as viagens para Portugal e Inglaterra a trabalho, a homenagem da escola de samba Viradouro até sua chegada a um teatro da Broadway, aos 90 anos.

Artur Xexéo [“Cartola – O Mundo é um Moinho”, “Eu Não Posso Lembrar Que Te Amei – Dalva e Herivelto”, “Hebe, o Musical”] avalia a importância de Bibi Ferreira na profissionalização do ator no Brasil, em relação ao seu ofício. “Em relação ao teatro musical, ela foi, sem dúvida, a primeira atriz brasileira pronta para o gênero. Antes dela, havia as vedetes de revista, não necessariamente atrizes“, diz o coautor do texto.

Sob direção musical de Tony Lucchesi [“60! Década de Arromba – Doc. Musical”, “Eu não posso lembrar que te amei–Dalva e Herivelto”], oito músicos interpretam 33 canções, das quais cinco foram criadas para o espetáculo, letra e música, por Thereza Tinoco [suas composições foram gravadas por Simone, Ney Matogrosso, Lucinha Araújo, entre outros. Sua canção O Viajante foi tema do personagem de Tony Ramos, na novela Baila Comigo, da TV Globo. Compôs para vários infantis, para “Fica Combinado Assim”, de Herval Rossano, e dois números musicais para Bibi in Concert Pop, III, a pedido de Bibi Ferreira].

BIBI, uma vida em musical tem direção geral de Tadeu Aguiar [“Quase Normal”, “Ou tudo ou Nada”, “Essa é a nossa Canção” , “4Faces do Amor”, “Para sempre ABBA”, “Eu não posso lembrar que te amei–Dalva e Herivelto”].

 

Veja, abaixo, o convite do ator que interpreta o pai da atriz, Procópio Ferreira.

Bibi, Uma Vida em Musical
Com Amanda Acosta, Analu Pimenta, André Luiz Odin, Bel Lima, Caio Giovani, Carlos Darzé, Chris Penna, Fernanda Gabriela, Flavia Santana, Guilherme Logullo, João Telles, Julie Duarte, Leandro Melo, Leo Bahia, Leonam Moraes, Luísa Vianna, Moira Osório, Rosana Penna, Simone Centurione.
Teatro Oi Casagrande (Av. Afrânio de Melo Franco, 290 – Leblon, Rio de Janeiro)
Duração 140 minutos
05/01 até 01/04
Quinta e Sexta – 20h30, Sábado – 17h e 21h, Domingo – 19h
$50/$150
Classificação 10 anos

ROMEU & JULIETA 80!

Os jovens apaixonados mais icônicos da dramaturgia universal serão vividos pelos atores Renato Borghi e Miriam Mehler, em versão adaptada e dirigida por Marcelo Lazzaratto, a partir de 18 de janeiro, quinta-feira, no teatro do Sesc Ipiranga.

Além de celebrar a longevidade da dupla — amigos, que começaram a fazer teatro no mesmo período (1957) — esta versão de Romeu e Julieta de W. Shakespeare vai homenagear o próprio Teatro, já que o biênio 2017/2018 marca os 60 anos de carreira dos dois atores que fizeram do palco suas moradas e ajudaram a alicerçar o moderno Teatro Brasileiro.

Os jovens que se cuidem. Ou “envelheçam”, como já dizia Nelson Rodrigues. “Devemos ser reverentes a eles e à sua geração: Renato Borghi e Miriam Mehler são ‘nossos’ inusitados Romeu e Julieta do século XXI; as marcas de seus corpos nascidos nas primeiras décadas do século XX dão testemunho de suas paixões e sacrifícios. E têm mais: Eles se amam de verdade, o afeto dos primeiros anos de carreira quando formaram pares enamorados em algumas montagens permaneceu intacto”, diz Lazzaratto, que concebeu há quase uma década a versão com a dupla.

Quando foram convidados para esse projeto, como lembra Lazzaratto, Renato e Miriam riram como duas crianças! Eles aceitaram no mesmo instante. Imaginaram-se… O que poderá vir à tona, quantas sutilezas da alma humana podem se manifestar se os intérpretes de Romeu e Julieta já conhecem a vida há 80 anos?  Esta é a questão mobilizadora desta montagem e os resultados são surpreendentes.

Carolina Fabri e Elcio Nogueira Seixas completam o elenco para tornar jogo mais dinâmico; são eles, o casal mais jovem de atores que dará voz aos demais personagens: Ama, Mercucio, Teobaldo, Frei Lourenço, mães e pais, Prefeito, Benvólio, Paris, Boticário. A ênfase será dada à ação. Os papéis se revelam pelo que fazem e não em como se mostram, acrescenta Lazzaratto.

Daniel Maia e Simone Mina se juntaram à equipe para assinar a trilha sonora e o cenário/figurino respectivamente.

  • Sinopse 

Em Verona, na Itália, por volta de 1600, à rivalidade entre os Montecchios e os Capuletos acentua-se e os conflitos estendem-se a parentes e criados, apesar do apelo do príncipe pela paz. Num baile de máscaras na casa dos Capuletos, Romeu Montecchio conhece Julieta Capuleto. A paixão é mútua e instantânea. Ao descobrir que pertencem a famílias inimigas, os dois se desesperam. Resolvem casar-se secretamente. Como todos já sabem, o destino do amor entre Romeu e Julieta seria trágico. Nesta inusitada montagem do clássico de Shakespeare, os jovens Romeu e Julieta são interpretados pelos consagrados atores Renato Borghi e Miriam Mehler, ambos na casa dos 80 anos de idade. Todos os outros personagens da peça são distribuídos entre os atores Elcio Nogueira Seixas e Carolina Fabri. Direção e adaptação de Marcelo Lazzaratto.

image001

Romeu & Julieta 80!
Com Renato Borghi, Miriam Mehler, Elcio Nogueira Seixas e Carolina Fabri
Sesc Ipiranga (R. Bom Pastor, 822 – Ipiranga, São Paulo)
Duração 90 minutos
18/01 até 18/02
Sexta e Sábado – 21h, Domingo e Feriado – 18h (haverá espetáculo 25/01)
$30
Classificação 12 anos

A SERPENTE

Considerada uma ‘tragédia carioca’, de acordo com a célebre classificação do crítico teatral Sábato Magaldi para a obra de Nelson Rodrigues (1912-1980), A Serpente foi a última e mais curta peça escrita pelo “anjo pornográfico”, alcunha criada pelo próprio dramaturgo e jornalista pernambucano. Mesmo com apenas um ato, a peça de 1978 não deixa de criar polêmica ao retratar o amor de duas irmãs pelo mesmo homem.

Elas juraram nunca se separar e moram juntas na mesma casa com seus respectivos maridos. Lígia decide se suicidar porque tem um casamento infeliz – e não consumado – com Décio, que diz sofrer de impotência, mas, na verdade, tem um caso com outra mulher.

Para evitar que a irmã fizesse isso, Guida tem a ideia de emprestar Paulo, o próprio marido, para ela por uma noite. O que Guida não esperava era que Lígia se apaixonaria por ele, muito menos que esse erro poderia resultar até em morte.

Esta é a terceira montagem de Eric Lenate para peças de Rodrigues: em 2013, ele dirigiu “Vestido de Noiva” e, em 2015, “Valsa Nº6”. O elenco conta com a participação de Carolina Lopez, Fernanda Heras, Maria Guedes, Juan Alba e Paulo Azevedo.

SINOPSE

Duas irmãs que juraram nunca se separar vivem no mesmo apartamento com seus respectivos maridos. O casal Guida e Paulo vive uma aparente interminável lua de mel, enquanto Lígia e Décio não chegaram sequer a consumar o casamento. Lígia decide se suicidar movida pela infelicidade em seu relacionamento amoroso, mas Guida, na tentativa de impedir a morte da irmã, oferece o próprio marido por uma noite. A desconcertante oferta moverá toda essa trama de amor e morte.

Este slideshow necessita de JavaScript.

A Serpente
Com Carolina Lopez, Fernanda Heras, Mariá Guedes, Juan Alba, Paulo Azevedo
Teatro FAAP (Rua Alagoas, 903 – Higienópolis, São Paulo)
Duração 60 minutos
19/01 até 11/02
Sexta – 21h30, Sábado – 21h, Domingo – 18h
$60
Classificação 16 anos

1 MILHÃO DE ANOS EM 1 HORA

Adaptada de sucesso da Broadway visto por mais de 1 milhão de espectadores em 10 cidades americanas, chega ao Teatro Morumbi Shopping, a partir de 12 de janeiro, sexta-feira, às 21 horas, o espetáculo de humor 1 Milhão de Anos em 1 Hora, interpretado por Bruno Motta, com versão brasileira de Marcelo Adnet e direção de Cláudio Torres Gonzaga. A peça narra, em uma hora contada no relógio, a história do mundo desde os homens das cavernas até os tempos atuais.  A peça original é um monólogo chamado Long Story Short, de Colin Quinn e com direção original de Jerry Seinfeld, considerado um dos maiores comediantes de todos os tempos.

O trio criativo (Bruno Motta, Marcelo Adnet e Cláudio Torres Gonzaga) se reuniu para adaptar o ângulo do projeto original, criando uma perspectiva brasileira, mas que não mudasse sua essência: a observação incisiva e comentários afiados sobre impérios caídos e vigentes. De Sócrates ao Big Brother, da idade da pedra ao Facebook, o espetáculo foi considerado “Hilário e Imortal” pelo New York Times e “Afiado e de vanguarda” pela revista Time.

Uma vantagem de trabalhar em um espetáculo criado por figuras geniais da comédia só ajuda, afinal, um dos fatores que os torna geniais é a capacidade de lidar com valores universais. É isso: uma comédia sobre o mundo“, conta o diretor Cláudio Torres Gonzaga.

Composto por quinze quadros, a comédia atravessa os tempos, partindo do homem das cavernas e suas tribos e chegando a um mundo onde o império capitalista beira a ruína – mas continua a “melhor opção entre as piores”. Cobrindo todos os continentes e os mais importantes períodos históricos, descobertas, reis, rainhas, ditadores e presidentes, regiões e religiões. “Esse projeto é bom para o público e bom para os palcos porque é um desafio, algo pouco feito, portanto existe um ar de novidade e diferenciação em relação ao que se entende por comédia no teatro brasileiro hoje. É um projeto ousado, de extremo bom gosto e cheio de qualidade“, diz Marcelo Adnet.

Bruno assistiu ao espetáculo original duas vezes na Broadway, antes de conseguir os direitos. Através de amigos em comum, comediantes do Comedy Cellar, fez o contato via Twitter e conheceu Colin Quinn ‘ se reuniu varias vezes para manter as piadas e mudar o ponto de vista, escrevendo ainda um capítulo inédito na montagem sobre o Brasil acompanhado pelo autor original. A adaptação levou seis meses para ser realizada, e teve três meses de ensaios. A versão brasileira é a primeira montagem do espetáculo fora da Broadway.

1 Milhão de Anos em 1 Hora já circulou por São Paulo, Campinas, Roraima, Vitória, São Mateus, Belo Horizonte, Curitiba, Goiânia, Joinville, Balneário Camboriú e Florianópolis.

Este slideshow necessita de JavaScript.

1 Milhão de Anos em 1 Hora
Com Bruno Motta.
Teatro Morumbi Shopping (Av. Roque Petroni Junior, 1089 – Jardim das Acácias, São Paulo)
Duração 70 minutos
12/01 até 25/02 (não haverá sessão 02/02)
Sexta e Sábado – 21h, Domingo – 19h
$60/$70
Classificação 10 anos

RENATO RUSSO, O MUSICAL

Um espetáculo magnífico, sucesso de crítica e público por onde passa volta aos palcos de São Paulo para uma curta temporada no Theatro NET SP que promete muita emoção embalada pelas belíssimas canções e histórias curiosas sobre a vida e a obra do grande poeta, do Rock nacional.

O grande sucesso do musical também se dá pela combinação perfeita das músicas de Renato Russo, que marcaram toda uma geração, somados a  Dramaturgia de Daniela Pereira de Carvalho, Direção consagrada de Mauro Mendonça Filho, Iluminação de Wagner Pinto, Cenário de Bel Lobo e Bob Neri, além da banda Arte Profana que toca ao vivo para delírio dos fãs e também para os novatos que ainda não conhecem a fundo a grande importância do astro do rock nacional no cenário artístico brasileiro. “Apenas o ator que faz o Renato Russo é mais ou menos”, brinca Bruce Gomlevsky, protagonista de “Renato Russo – O Musical”.

A banda Arte Profana é formada por teclado, guitarra, baixo, bateria e ilustra com 22 canções, a peça que conta a história de Renato Russo desde a juventude “punk” em Brasília, quando fundou a banda Aborto Elétrico e ficou por dois anos em uma cadeira de rodas até o sucesso da Legião Urbana. O quebra-quebra num show em Brasília e os problemas com drogas estão na encenação.

Depoimentos, reportagens, entrevistas, livros e imagens de shows serviram como base para a concepção da obra biográfica, que estreou no centro do Rio há mais de 10 anos. “Renato é um grande poeta, e é por isso que continua causando comoção nas gerações de hoje. Sua obra gera um impacto enorme na nossa cultura”, afirma Gomlevsky.

Sem a menor dúvida o que move o espetáculo é a força do Renato e o legado que deixou na Legião Urbana, através das composições, que são a cada dia mais atuais. Os fãs se renovam e hoje temos além de adultos e idosos na plateia, jovens e adolescentes que se emocionam a cada sessão”, conta Bianca de Felippes, produtora do musical e do longa metragem “Eduardo e Mônica”, que está em produção.

Renato Russo- O Musical percorreu mais de 40 cidades, já foi assistido por quase 300 mil pessoas em 400 sessões. Após temporada no Teatro Frei Caneca, a peça realizará turnê por outras cidades brasileiras, reproduzindo toda a energia e brilhantismos das obras deste grande poeta e pensador que fez história e que até hoje segue como sendo um dos nomes mais importantes da história do rock nacional.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Renato Russo, o Musical
Com Bruce Gomlevsky e Banda Arte Profana:
Theatro Net SP – Shopping Vila Olímpia (Rua Olimpíadas 360 – Vila Olimpia, São Paulo)
Duração 120 minutos
05/01 até 25/02
Sexta e Sábado – 21h, Domingo – 17h30
$50/$120
Classificação 12 anos