CHICO ALMEIDA

Trazendo influências da música sertaneja raiz, MPB, rock, folk e jazz em arranjos para viola, o cantor mineiro Chico Almeida divulga seu primeiro CD com duas apresentações gratuitas em São Paulo: 20 de novembro, no Teatro Cacilda Becker; e 4 de dezembro, no Teatro – Centro Cultural Olido, sempre quarta-feira, 21h.

O artista é natural de Andrelândia (Sul de Minas). Nascido em uma família de tradição musical, ainda criança conheceu os encantos da viola com a Folia de Reis e se apaixonou pela música. A influência do Rock surgiu na adolescência. O artista consolidou sua formação com a graduação em Música pela UFOP (Universidade Federal de Ouro Preto), em 2009.

Nesse período, começou a estudar a linguagem da viola, fazendo releituras de outros ritmos e gêneros da música popular. A partir de 2010, começou a apresentar sozinho seus trabalhos autorais. De 2014 para cá, o artista começou a reunir composições que formaram seu disco de estreia.

No repertório, estão criações de Chico Almeida, além de uma parceria com Fernando Sodré, em letras marcadas pela mineiridade e que tratam de temas cotidianos como Trem de ferro, Franciscos, Trem de Gente, Mais Fácil, Tropas de Minas, Chico, Deleite, Da estrada Clareira, Uma canção, Fugas, Frevorada, Démodé. No disco, Chico canta sua terra e a mineiridade, incrementando as canções com as mais variadas influências, das folclóricas às mais sofisticadas.

A turnê de lançamento do CD, que leva o nome do cantor, já passou por Belo Horizonte, Ouro Preto, Juiz de Fora e São João del-Rei. As apresentações ainda acontecem em outras cidades de Minas Gerais e nas capitais do Rio de Janeiro e de São Paulo. A iniciativa é uma realização da Sereno Produções, com aprovação na Lei Estadual de Incentivo Fiscal à Cultura de Minas Gerais e conta com o apoio de Módulo Embalagens.

CD – Chico Almeida

Com Chico Almeida

Grátis

 

Teatro Cacilda Becker (Rua Tito, 295 – Lapa – São Paulo)

20/11

Quarta – 21h

 

Centro Cultural Olido (Av. São João, 473 – Centro, São Paulo)

04/12

Quarta – 21h

PEOPLE

Quem se lembra da animada época dos bailes charmes e dos passinhos cheios de criatividade e sincronia? Esta será uma ótima oportunidade de reviver estes momentos, pois nos dias 27 e 28 de novembro (quarta e quinta-feira), o Teatro Cacilda Becker, no Largo do Machado recebe a companhia Dança Charme & Cia, que apresentará o espetáculo People. A apresentação que tem como protagonista o Charme, faz parte programação do teatro em comemoração ao mês da Consciência Negra.

Dirigido pelo coreógrafo e diretor da Dança Charme & Cia, Marcus Azevedo, o espetáculo coloca em voga o sucesso dos anos 80, além de mostrar o cotidiano e a realidade vivida pelos dançarinos de ritmos urbanos como o Charme, popularmente conhecidos como “Charmeiros”.

O elenco conta com 22 atores e bailarinos, todos frequentadores dos bailes, que passaram por uma preparação corpórea e de movimentos rigorosa. Na seleção musical, a platéia poderá assistir a performances coreografadas com canções clássicas dos bailes de charme, além de Elza Soares, Racionais MCs, Tim Maia, Chaka Khan, entre outros.

O espetáculo pretende mostrar o quanto a cultura charme se mantém viva e faz parte da história do carioca, sendo um estilo de ritmos de danças urbanas. Para o diretor Marcus Azevedo, que carrega multidões em seus eventos na Zona Norte, apresentar seu espetáculo na Zona Sul do Rio é uma conquista. “O Charme faz parte de uma geração e continua vivo. Quem vivenciou aqueles momentos lúdicos e sadios onde os jovens se reuniam para criar danças em conjunto, com o desejo de fazer bonito nas festas, vai querer reviver esses momentos. Nós fazemos arte por amor e nos entregamos a nossa dança.  Queremos mostrar o quanto a dança nos faz manter vivo em nossos sonhos, além de fazer com que muitos revivam esta época das danças em conjunto”, conta Marcus Azevedo.

Cia dedicará um dia a aulas de charme com preço popular

Na segunda e terça-feira, dias 25 e 26, os coreógrafos de charme Marcus Azevedo e Eduardo Gonçalves da companhia Dança Charme & Cia ministrarão um animado Workshop de Dança Charme, das 14h às 17h, no Teatro Cacilda Becker. Para participar não precisa experiência previa, basta ter paixão pela dança e vontade de se reunir com a galera para fazer passinhos harmônicos em conjunto. Os interessados poderão se inscrever via e-mail culturacharme@gmail.com, ou no local por R$10. Sujeito a lotação.

FACE (1)

People

Com Jade Pitanga, Cris Marques, Cleiton Santos, Daianny dos Santos, Fernanda Amaral, Gedson Glabson, Haniel Vianna, Igor Gomes, Jessica Esteves, Luan Adão, Pedro Barreto, Felipe Salsa, Katia Bispo, Sevenir Jr, Wallace Vinicius, Xandy Neguitto, Ruan Daumas, Caio Lafaiete, Jader Gama, Erika Vidal, Rogério Jr

Teatro Cacilda Becker (R. do Catete, 338 – Catete, Rio de Janeiro)

Duração 70 minutos

27 e 28/11

Quarta e Quinta – 20h

$20

Classificação não informada

Workshop de Dança Charme

Teatro Cacilda Becker (R. do Catete, 338 – Catete, Rio de Janeiro)

25 e 26/11

Segunda e Terça – 14h às 17h

$10

Classificação não informada

A NEVE OU FORA DE CONTROLE

Sucesso de público e crítica o espetáculo A NEVE OU FORA DE CONTROLE, um dos textos vencedores da quinta edição da Mostra de Dramaturgia em Pequenos Formatos Cênicos do Centro Cultural São Paulo, faz nova temporada na capital paulista. A montagem, da Cia dos Imaginários, escrita e dirigida por René Piazentin, sobe ao palco do Teatro Cacilda Becker todas as sextas-feiras do mês de outubro – dias 4, 11, 18 e 25 – sempre às 21h.

Com Aline Baba, Fernanda Gama, Gustavo Xella, Izabel Hart, Leandro Galor, Mateus Pigari, Renata Grazzini e Rodrigo Sanches, a peça procura mostrar o momento atual, em que a perplexidade muitas vezes congela a possibilidade de ação. Desde que começou a nevar no Rio de Janeiro Pedro nunca mais foi visto. Enquanto o país se prepara para a Copa do Mundo sinais de celular são rastreados e um atentado no Maracanã tira a vida de trezentas pessoas. Em meio a tudo isso figuras grotescas tramam um golpe de Estado.

A NEVE OU FORA DE CONTROLE começou a ser escrita por René Piazentin em 1996, inspirada no golpe de 1964, mas com um universo próprio, sem a intenção de constituir-se como registro histórico. O autor, que também dirige a montagem, conta que O Rinoceronte, de Ionesco foi uma influência enorme para a ideia inicial, pela forma com que representa a adesão a um regime de exceção e como ela vai se dando aos poucos, quer pela ignorância, quer pela covardia. Esquecido em um caixa, o texto foi reencontrado em 2015 após uma mudança.

Acho que temos uma tendência em não levar à sério nossa versão de vinte anos atrás quando nos deparamos com ela, mas de súbito me interessei em terminar a peça inacabada. Anotei algumas coisas, pensei em acréscimos e alterações, mas faltava algo que estruturasse o diálogo entre a minha versão de 1996 e a de 2015. Pouco tempo depois, ainda em 2016, uma amiga atriz, Thais Giovanetti, me mandou a seguinte mensagem pelo WhatsApp: “sonhei que você fazia uma peça sobre o golpe e que nevava” (o WhatsApp já estava, naquele momento, sendo decisivo). A mensagem da Thais foi aquele elemento do acaso que joga a nosso favor”, explica o autor.

O impeachment de 2016 e o escancaramento da fragilidade da democracia brasileira foi o elo de ligação e René decidiu que sua peça seria no Brasil, um Brasil imaginário onde começa a nevar no Rio de Janeiro trazendo mais um elemento estranho para a cena.

Narizes pretos de palhaços

Em A NEVE OU FORA DE CONTROLE questões políticas são discutidas sem o compromisso formal com o documental. “Como não é uma peça realista, tenho a liberdade de tocar em alguns temas e retratar figuras muito presentes na atualidade do país”, enfatiza René.

No espetáculo, os personagens vão aderindo ao embrutecimento e passam a usar narizes pretos de palhaço (a cor preta foi a saída para distanciar da figura do clown e de sua técnica específica) ressaltando um aspecto soturno, ainda que evidentemente patético. O nariz de palhaço que não é levado à sério de um lado, a neve que maravilha de outro. Ambos, por fim, tomam conta de tudo, quando já não há tempo para qualquer reação. A partir daí surgiu também a ideia de criar um plano onírico para o texto, onde as memórias do desaparecimento da personagem Pedro se confundem com os sonhos de Carmen, sua irmã e de Thais, sua namorada e amiga de sua irmã.

A NEVE OU FORA DE CONTROLE trata, claro, dos que resistem e se indignam frente a um sistema opressor. Mas também procura mostrar o nosso momento atual, onde a perplexidade muitas vezes congela a possibilidade de ação. Onde ficamos observando a neve cair, até cobrir o Cristo Redentor”, conta o autor e diretor.

Idealizada por Eliseu Weide, a cenografia ajudou a criar a linguagem do espetáculo. São seis módulos móveis (2,5m x 2,5m), que criam recortes e janelas colaborando para o jogo entre os atores, além de facilitar as transformações em cena. Já os figurinos, de Érika Grizendi, mesclam épocas distintas com adereços e texturas de 1964 aos dias atuais.

FACE (6)

A Neve ou Fora de Controle

Com Aline Baba, Fernanda Gama, Gustavo Xella, Izabel Hart, Leandro Galor, Mateus Pigari, Renata Grazzini e Rodrigo Sanches

Teatro Cacilda Becker (Rua Tito, 295 – Lapa, São Paulo)

Duração 105 minutos

04 a 25/10

Sexta – 21h

$30

Classificação 12 anos

RICARDO III OU CENAS DA VIDA DE MEIERHOLD

Considerado o mais importante representante atual do Teatro do Absurdo, o dramaturgo romeno Matéi Visniec tem mais uma de suas peças montadas pela diretora e atriz Clara Carvalho, que dirigiu recentemente Condomínio Visniec (2019) e codirigiu A Máquina Tchekhov (2015) ao lado de Denise Weinberg. Trata-se de Ricardo III ou Cenas da Vida de Meierhold, idealizado e produzido por Livia Prestes, com re-estreia marcada para 5 de outubro, no Teatro Cacilda Becker, temporada até o dia 27 de outubro, sábados e domingos.

Na trama, o consagrado diretor russo Meierhold (1874-1940), inventor da Biomecânica e membro do Teatro de Arte de Moscou, tenta encenar a peça “Ricardo III”, de William Shakespeare (1564-1616). Durante a montagem, ele tenta dirigir a peça e entender o que se passa na própria cabeça, mas é constantemente censurado por personagens políticos, familiares e fantasmas presentes em sua mente.

Da tentativa de concluir a encenação do clássico shakespeariano, nasce o filho do diretor russo: um boneco de manipulação que é o próprio Ricardo III. Até mesmo essa criatura animada desaprova a direção do pai. Meierhold acaba sendo preso por conta de um ato audacioso do filho, e a peça é finalmente cancelada.

O boneco manipulado em cena foi criado por Beto Andreta, da premiada Cia. Pia Fraus, que trabalha com teatro de bonecos há 35 anos. O grupo parceiro também ajudou o elenco a aprender como manipulá-lo. O espetáculo foi contemplado na 7ª Edição do Prêmio Zé Renato de Fomento à Produção Teatral para a cidade de São Paulo.

FACE (1)

Ricardo III ou Cenas da Vida de Meierhold

Com Rubens Caribé, Duda Mamberti, Fernanda Gonçalves, Junior Cabral, Livia Prestes,  Mara Faustino, Rogério Brito e Rogério Pércore

Teatro Cacilda Becker (R. Tito, 295 – Lapa, São Paulo

Duração 70 minutos

05 até 27/10

Sábado – 21h, Domingo – 19h

$30

Classificação 12 anos

DOM QUIXOTE

Livremente inspirada na obra-prima do escritor espanhol Miguel de Cervantes (1547-1616), Dom Quixote, com direção de Rodrigo Audi, estreia no Teatro Cacilda Becker, de 5 a 27 de outubro, e em seguida, cumpre uma nova temporada no Centro Cultural da Vila Formosa, entre 2 e 23 de novembro. Pensada para agradar a todos os públicos, sobretudo crianças e idosos, a peça tem elenco formado por Angela Ribeiro, Carú Lima, Hercules Morais, João Attuy e Rita Pisano.

A trama narra as aventuras de um homem, interno de um hospício, apaixonado por livros, que decide tornar-se um cavaleiro andante, sob a alcunha de Dom Quixote, com o propósito de ajudar as pessoas a vencerem as opressões do mundo. Ele terá por companhia o fiel enfermeiro Sancho Pança, que se torna, nas mais diversas aventuras por uma Espanha atemporal, seu fiel escudeiro.

Juntos, eles se deparam com um mundo imaginário esquecido em meio a solidão e distância dos parentes que vivem na metafórica e plástica sociedade pragmática contemporânea. Assim como no clássico de Cervantes, a terceira peça da companhia lembra o espectador de que as pessoas podem criar narrativas próprias em detrimento a tanta informação superficial que já recebem pronta e esvaziada de sentido. Criar narrativas é uma maneira de entrar em contato consigo e possibilitar o alargamento de si.

A encenação aproxima a luta das crianças – contra a perda do imaginário – e de idosos – contra o esquecimento – em um diálogo afetivo, reflexivo e intergeracional, mostrando que os nossos limites e a possibilidade de superação de nossos desafios reais e imaginários são inventados por nós mesmos, pelas nossas sombras e por nossos dogmas.

Amparada na experiência da companhia na passagem de seus integrantes pelo CPT (Centro de Pesquisa Teatral do Sesc, coordenado por Antunes Filho), que tem como diferencial o debruce no teatro de classificação livre – um  infantil para adultos, um adulto para crianças –, a montagem, minimalista, privilegia a interpretação dos atores e o uso de recursos essenciais à cena, característica do trabalho do grupo, já vista nos espetáculo Oliver Twist e Agora Eu Era o Herói.

FACE (2)

Dom Quixote

Com Angela Ribeiro, Carú Lima, Hercules Morais, João Attuy e Rita Pisano

Duração 60 minutos

Grátis (ingressos distribuídos uma hora antes)

Classificação 6 anos

 

Teatro Municipal Cacilda Becker (Rua Tito, 295 – Lapa, São Paulo)

05 a 27/10 (sessão extra 10 e 24/10 – Quinta – 10h e 14h30)

Sábado e Domingo – 16h

Centro Cultural Municipal da Vila Formosa (Av. Renata, 163 – Vila Formosa, São Paulo)

02 a 23/11

Sábado e Domigo – 16h (sessão extra 21/11 – Quinta – 14h)

TEATRO BREVE DE GARCIA LORCA

“Teatro Breve de Garcia Lorca”, do dramaturgo e poeta espanhol Federico Garcia Lorca, produzido pela Cia Noir Sur Blanc, estreia temporada no Teatro Cacilda Becker de 27 de setembro até 7 de outubro. A peça, dirigida por Brigitte Bentolila (“Hamlet é Negro” e “Os Negros”), francesa domiciliada no Brasil, traz em seu elenco os atores Paulo Guidelly (“Noites do Vidigal” e “Elza Soares – A Mulher do Fim do Mundo”) e Vanessa Pascale (“Anônimas”, “Medea en Promenade” e “Feira de Humor”). As sessões acontecem de qui a sáb às 20h e domingos às 19h.

O Teatro Breve de Garcia Lorca é composto por três peças: “O Passeio de Buster Keaton”; “A Donzela, o Marinheiro e o Estudante” e “Quimera” que são levadas em cena com poesia, dança e música. O espetáculo pode ser entendido e apreendido de forma quase muda. Percebido através do corpo e do gesto, feito de imagens, ruídos e sensações, escrito e desenhado no espírito de juventude que desperta um olhar sobre a vida. Sua leveza é poética e profunda, onde a palavra surge a partir da rara necessidade – diz a diretora.

Lorca foi poeta, pintor e músico. Criado por Lorca na década de 30, “La Barraca”, cuja tradução do espanhol, significa “tenda”, foi um lugar de encontro de pintores, bailarinos, comediantes, músicos, entre outros artistas que fomentavam o debate e as experimentações artísticas da época. Em Teatro Breve, ele fala desse encontro feliz de todas as artes reunidas em uma só: o Teatro.

Eu estou muito ansioso, pois é uma responsabilidade grandiosa fazer no teatro obras de Frederico Garcia Lorca e substituir o grande ator que foi Antônio Manso. Esse espetáculo é uma homenagem a ele. Não vou ser pretensioso de dizer que tudo que eu levo em cena partiu somente da minha intuição de ator, ele é minha grande inspiração. Somos atores de geração e formação bem diferentes. O espetáculo não será eu imitando o Antônio. De fato ele é o meu ponto de partida, meu anjo da guarda – diz Paulo Guidelly sobre a importância do papel que foi vivido posteriormente por Antônio Manso.

O cinema mudo de Buster Keaton, em Nova York, o amor da Donzela para o Marinheiro; o Estudante na Espanha; o pai que deixa filhos e mulher, em casa, na Andaluzia são histórias simples e curtas, com imagens leves e alegres, tristes e profundas, amargas e doces que se provocam, se interpelam.

Vanessa Pascale soube dos testes para a peça por intermédio de uma amiga. Ela, que recentemente viveu Manu em “Malhação: Vidas Brasileiras”, estrela, ao lado de Paulo Guidelly o espetáculo.

O processo é muito intenso e rico! Há dança, poesia, cinema e culturas variadas. Viajamos no tempo e no espaço. O Paulo é um presente, um ator habilidoso, com percepção refinada e gentil. É um trabalho de muita sensibilidade. A Brigitte, nossa diretora, é admirável, inteligentíssima, pragmática, generosa e também nos dá liberdade para criar junto – diz Vanessa Pascale sobre o processo de criação do espetáculo.

O desejo, a sexualidade e a homossexualidade afloram de forma sutil, porém violenta na obra do poeta. Lorca foi assassinado em plena guerra civil espanhola por causa das suas opções de vida e de arte. Teatro singelo e singular, diferente das obras antológicas do Teatro mais reconhecido de Lorca, como “A Casa de Bernarda Alba”, “Bodas de Sangue” ou “Yerma”. “Teatro Breve” se destaca nas Obras Completas de Lorca. Essa peça foi escrita em Nova York em plena crise mundial em 1929 e ressoa de uma forma atual, moderna e contemporânea – finaliza Brigitte.

CARMEN

Teatro Breve de Garcia Lorca

Com Vanessa Pascale e Paulo Guidelly

Teatro Cacilda Becker (Rua do Catete, 338 – Largo do Machado, Rio de Janeiro)

Duração 60 minutos

27/09 até 07/10

Quinta, Sexta e Sábado – 20h, Domingo – 19h

$30

Classificação 14 anos

PELO CANO

‘Pelo Cano’ é um espetáculo de palhaçaria criado a partir da paixão comum das atrizes Paola Musatti e Vera Abbud por esta linguagem. Duas palhaças vivem pequenas situações que revelam sua forma de interagir com o mundo, em geral de forma ridícula e catastrófica. Emily e Manela, chegam para tocar seus instrumentos em troca de moedas, como fazem os músicos e musicistas de rua. A partir daí, uma série de situações inusitadas envolve as palhaças. Elas tentam solucionar essas situações da melhor forma possível. Nem sempre conseguem!

Paola e Vera expõem os conflitos entre duas figuras antagônicas e, poeticamente, complementares. Neste sentido, apoiam-se na dramaturgia tradicional de palhaços. Mas em ‘Pelo Cano’ tais conflitos não se revelam por gags consagradas, típicas do repertório tradicional. No espetáculo, o recurso aos fundamentos clássicos não produz uma estética necessariamente clássica. A roupagem de ‘Pelo Cano’ é contemporânea. E suas gags, além de novas, buscam dialogar com questões também contemporâneas.

Toda a narrativa, que não é linear, é centrada na interação entre a dupla Emily e Manela, e também com o ambiente que as cerca. Através disto, as palhaças revelam suas formas de pensar o mundo, de estar no mundo. Utilizam objetos cotidianos: dinheiro, fita crepe, sifão de pia. Trabalham esses objetos sob formas que escapam da sua função cotidiana e utilitária.

‘Pelo Cano” começou com uma pequena cena de 15min em 2005. Participou de diversos festivais de cenas curtas como Cenas Curtas do Galpão Cine Horto de BH, onde ganhou vários prêmios. Isso motivou as atrizes a criar o espetáculo Pelo Cano. Ao longo desses anos, ‘Pelo Cano’ passou por muitas transformações. Desde sua estreia, cenas inteiras foram suprimidas, outras cenas inéditas entraram, outras ainda tiveram seus lugares mudados, e novas músicas foram acrescentadas à trilha.

Essas mudanças vêm da percepção interna das palhaças de que algo precisa mudar, ou vêm da resposta do público, ou de algum improviso que acontece durante alguma apresentação.

A dupla de palhaças Paola Musatti e Vera Abbud, trabalham juntas há mais de vinte anos, em projetos como Doutores da Alegria, Jogando no quintal, tendo como foco principal a linguagem do palhaço. Optaram neste espetáculo por uma vertente mais

poética do palhaço, com música ao vivo e poucas palavras. Sem dispensar a gargalhada que esta linguagem proporciona. É um espetáculo de palhaço que concebido para todas as faixas etárias, como no circo.

Muitas das cenas desse espetáculo surgiram no trabalho de palhaço em hospital que a dupla desenvolve. Nessas cenas utilizam objetos: dinheiro, fita crepe, sifão de pia.

Trabalham eles de diferentes formas que escapam da sua função cotidiana e utilitária.

Eles ajudam a revelar a inaptidão do palhaço com a vida, sua forma enviesada de resolver as situações e seu dom de transformar a realidade. Por vezes revelam novos espaços, emitem sons que são incorporados às músicas tocadas ao vivo pelas palhaças.

É um espetáculo de palhaço que proporciona poesia e gargalhada para todas as idades. Estão nos ingredientes do espetáculo o riso, a fragilidade, a brincadeira, músicas, mágicas, a liberdade, a transgressão do espaço, do tempo e um tanto de poesia.

 “Graças ao apoio do Fomento ao Circo, conseguimos criar e estruturar uma cena de mágica (quick-change) que fará parte desta temporada. ‘Pelo Cano’ contou com muitos colaboradores durante seus processos de criação e aprimoramento. Entre tais colaboradores encontram-se os palhaços e palhaças dos Doutores da Alegria, do Jogando no Quintal e, principalmente, o palhaço Fernando Sampaio. Esses são profissionais pelos quais nutrimos grande amor e admiração. São parceiros e parceiras com quem partilhamos nossa paixão: o ofício da palhaçaria. Dedicamos o espetáculo aos palhaços e às palhaças de ontem, de hoje, e de sempre!”, diz Paola.

image002

Pelo Cano
Com Paola Musatti (Palhaça Manela) e Vera Abbud (Palhaça Emily)
Teatro Cacilda Becker (Rua Tito, 295 – Lapa, São Paulo)
Duração 60 minutos
04 a 27/05
Sexta e Sábado – 21h, Domingo – 20h
Grátis
Classificação 12 anos