1 MILHÃO DE ANOS EM 1 HORA

A comédia de sucesso da Broadway para o Brasil. De Colin Quinn e Jerry Seinfeld, a versão brasileira de Marcelo Adnet e a direção de Cláudio Torres traz o humorista Bruno Motta num espetáculo de ritmo alucinante em 15 quadros, da era das cavernas ao Facebook. Vários personagens, sotaques e regiões são apresentadas nesta comédia que viaja pelo mundo e pelo tempo. De Sócrates ao Big Brother, da idade da pedra ao Facebook, o espetáculo é sucesso de crítica e público desde a estreia.

A VERSAO BRASILEIRA

BRUNO MOTTA

Um dos mais premiados humoristas da sua geração tem considerável histórico no humor televisivo: redator de humor da TV Globo, comentarista de humor do Jornal da Record News e foi ainda um dos autores do sucesso Furo MTV, onde também desempenhava os papéis de repórter e colunista.

DIREÇÃO: CLAUDIO TORRES GONZAGA

Criador do grupo Comédia em Pé, o primeiro de stand up comedy no Brasil já visto por mais de 1 milhão de espectadores em dez anos em cartaz. Cláudio já escreveu programas de humor como Grande Família, Sai de Baixo e Os Caras de Pau, Sob Nova Direção e Divertics.  Como diretor tem no currículo mais de 100 espetáculos, incluindo: “Boca de Ouro”, de Nelson Rodrigues, com o qual ganhou o prêmio MinC, o sucesso “Enfim Nós”, com Bruno Mazzeo, “A Comédia dos Erros”, de William Shakespeare, também indicado como melhor diretor para o prêmio Shell.

TEXTO: MARCELO ADNET

Marcelo tornou-se conhecido nacionalmente através do programa 15 Minutos na MTV, que apresentou e escreveu por 4 anos, diariamente. Na MTV estrelou também os premiados Comédia MTV e Adnet Viaja, entre outros. Na Rede Globo esteve em O Dentista Mascarado e teve também quadros no Fantástico, até comandar o projeto de sucesso Tá No Ar.

A HISTÓRIA POR TRÁS DO ESPETÁCULO

A História do Mundo nunca foi tão engraçada – desde que vista de longe. A concepção original de Jerry Seinfeld (tido como o comediante solo mais famoso do planeta) pode ser notada pela construção ácida e minimalista em detalhes que até então passariam despercebidos.

A peça, contada em um ato, estreou na Broadway em 2010 com o título “Long Story Short”, de Colin Quinn e direção original de Jerry Seinfeld, considerado um dos maiores comediantes de todos os tempos. Concebido como um espetáculo simples, um one man show recontando fatos históricos, tornou-se logo um grande sucesso, sendo visto por mais de 1 milhão de espectadores em 10 cidades americanas. Em cartaz no ano de 2010 no lendário Helen Hayews Theather, fez turnê pelos Estados Unidos e chegou ao Brasil, onde viajou por vários estados e fazendo grandiosas temporadas no Rio e São Paulo.

Bruno assistiu ao espetáculo original duas vezes na Broadway, antes de conseguir os direitos. Através de amigos em comum, comediantes do Comedy Cellar, fez o contato via twitter e conheceu Colin Quinn nos bastidores do clube. O trio criativo – Bruno Motta, Cláudio Torres Gonzaga e Marcelo Adnet se reuniu várias vezes para manter as piadas e mudar o ponto de vista, escrevendo ainda um capítulo inédito na montagem sobre o Brasil acompanhado pelo autor original. A adaptação levou 6 meses, mais 3 meses de ensaios e a versão brasileira é a primeira montagem do espetáculo fora da Broadway.

CURIOSIDADES / DESTAQUES

Os projetores utilizados em cena são Kodak Ektagraphic e foram inventados em 1967.

Foram 6 meses de negociação dos direitos, 6 meses de preparação de texto e outros 3 meses de ensaio.

Bruno Motta foi apresentado a Colin Quinn nos bastidores do show do Comedy Cellar, em NY, onde ele e Seinfeld começaram a carreira.

O trio criativo – Bruno Motta, Cláudio Torres Gonzaga e Marcelo Adnet se reuniu várias vezes para manter as piadas e mudar o ponto de vista, escrevendo ainda um capítulo inédito na montagem sobre nosso país acompanhado pelo autor original

1 Milhão de Anos em 1 Hora
Com Bruno Motta
Teatro Gazeta (Av. Paulista, 900 – Bela Vista, São Paulo)
Duração 75 minutos
12/05 até 10/06
Sábado e Domingo – 20h
$70/$80
Classificação 12 anos

MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA

A comédia Morte Acidental de Um Anarquista, que completa quase 3 anos em cartaz, tendo passado por 27 cidades, volta aos palcos do Teatro Gazeta, em  São Paulo. A montagem do texto de Dario Fo, prêmio Nobel de Literatura em 1997, com Dan Stulbach no elenco e direção de Hugo Coelho, teve temporada prorrogada após novo sucesso de público e fica em cartaz até 27 de maio, com apresentações aos sábados (22h) e domingos (18h).

O autor Dario Fo partiu de um caso verídico, uma controversa investigação de um caso em Milão, em dezembro de 1969, quando o principal suspeito de um crime, um anarquista, caiu da janela. Morte Acidental de Um Anarquista é sua peça mais conhecida e premida, montada no mundo inteiro. Recentemente, em Londres, foi encenada com referências ao caso Jean Charles. No Brasil, já foi montada com Antonio Fagundes, em São Paulo, em 1985, e Sérgio Britto, no Rio de Janeiro, como protagonistas.

O espetáculo abre com uma festa na entrada do teatro, onde o elenco toca músicas e recebe o publico. Com todos no teatro, Dan Stulbach entra em cena e conta o que aconteceu na vida real e o porque de montar este espetáculo: “A idéia era aproximar a todos, quebrar qualquer distância entre o elenco e o publico”, diz Dan .

Depois, o publico tira suas duvidas, fazem todo o tipo de pergunta e, quando todos estiverem prontos, o espetáculo começa. Um louco (Dan Stulbach), cuja doença é interpretar pessoas reais, está detido por falsa identidade. Ali na delegacia, num momento de distração dos policiais, ele se passa por um falso juiz na investigação do misterioso caso do anarquista. Só o publico sabe que ele não é quem diz ser. “O Louco e o publico são cúmplices”, dizia Dario Fo.

Então, o Louco, com a ajuda do publico, inicia a investigação. A polícia afirma que o anarquista teria se jogado pela janela do quarto andar. A imprensa e a população acreditam que foi jogado. O que teria acontecido realmente? O louco assume varias identidades, como juiz, médico cirurgião, psiquiatra, bispo, engenheiro naval, entre outras, e assim, vai enganando um a um, e, brincando com o que é ou não é real, desmontando o poder e descobrindo a verdade.

Na delegacia, o Louco é preso pelo Comissário (Marcelo Castro) e encontra os responsáveis pela investigação, o Delegado (Henrique Stroeter) e o Secretário de Segurança (Riba Carlovich). Depois a imprensa aparece, através da Jornalista (Maira Chasseraux). Todos, menos o Louco, inspirados em personagens reais.

Um momento marcante e bastante divertido na montagem é quando o publico ajuda o Louco a “interpretar” o juiz, sugerindo, espontaneamente, frases, palavras e gestos para que o Louco incorpore. “Tento lembrar de tudo, e vou encaixando na peça. todos se sentem representados, falam de tudo. Faz de cada apresentação mais especial e única, porque nunca se repete, diz Dan.

E é incrível, porque passamos pelo Brasil destes 3 anos, impeachment, passeatas, tudo, estávamos em cartaz recebendo as frases e a mudança dos nomes e do pensamento, diz Henrique.

13494776_1743968809151898_2532496471399734304_n

Morte Acidental de um Anarquista
Com Dan Stulbach, Henrique Stroeter, Riba Carlovich,
Marcelo Castro, Maíra Chasseraux e Rodrigo Bella Dona
Teatro Gazeta (Avenida Paulista, 900 – Bela Vista, São Paulo)
Duração 60 minutos
03/03 até 27/05 (05/05 e 06/05 não haverá apresentação)
Sábado – 22h, Domingo – 18h
$70/$80
Classificação 14 anos

CASAR PRA QUÊ?

A comédia romântica CASAR PRA QUÊ? estreia no dia 2 de março no Teatro Gazeta.  O texto é de Alessandro Anes, que também atua na peça ao lado de Michelle Martins.  A direção é de Eri Johnson.

O espetáculo estreou em 2007  e nunca mais saiu de cartaz. Apesar de já ter rodado mais de 60 palcos de norte a sul do  país, somando um público de mais de 800 mil espectadores, a comédia chega pela primeira vez em São Paulo. “CASAR PRA QUÊ? permite mudanças no roteiro exatamente por brincar com o cotidiano e transforma-lo em comédia”, fala  Alessandro Anes sobre o espetáculo. “ Isso acaba fazendo o público voltar várias vezes ao teatro e torna cada apresentação um momento prazeroso também para nós, atores”, completa.

A história se passa no apartamento dos recém-casados Pedro Paulo e Ana Lúcia. O casal acabou de se conhecer numa boate, onde foram “atingidos” pelo cupido do amor à primeira vista. Ela, uma “patricinha” de classe média alta,  super vaidosa e culta; ele um suburbano, galanteador, enrolão, que omite suas origens para conquistá-la.

A partir desta união, a peça relata o cotidiano do casal, onde as brigas causadas pelas inúmeras diferenças só fazem divertir o público, não só com as piadas do texto, mas também pela identificação com as situações vividas no palco.

Mas o espetáculo não mostra e nem vive só das brigas. Pedro Paulo e Ana Lúcia são realmente super apaixonados e cada crise e discussão sempre  termina aos beijos e abraços, já que rola entre os dois  “aquele lance de pele”. Quando um encosta no outro  não há água no mundo que apague esse fogo.  Entre brigas e paixão, fica a interrogação:  CASAR PRA QUÊ?.

image004

Casar Para Quê?
Com Michelle Martins e Alessandro Anes
Teatro Gazeta (Av. Paulista, 900 – Bela Vista, São Paulo)
Duração 70 minutos
02/03 até 29/04
Sexta – 21h, Sábado e Domingo – 20h
$70/$80
Classificação 14 anos

COISA DE MULHER

A comédia Coisa de Mulher estreia no dia 10 de março, às 22h45, no Teatro Gazeta. Escrita por Walter Jr, a direção é de Maximiliana Reis e Octávio Mendes, que também integra o elenco ao lado de Márcia Manfredini e Deise Paz. Adriana Lessa faz uma participação especial.

Coisa de Mulher faz uma paródia bem-humorada do cotidiano de Núbia de La Canastra, uma famosa apresentadora de Tv,  que está a frente de um programa feminino de sucesso, esgotada  com sua rotina enfadonha de trabalho. Infelizmente ela não tem outra saída a não ser continuar cumprindo o seu papel.

Como sempre, tudo vai indo maravilhosamente bem até que chega a hora do primeiro comercial feito por Núbia durante o programa. 

Obviamente a peça não é baseada na vida real, mas sim em um conjunto de personagens peculiares que desfilam num espetáculo pintado a cores fortes no exagero. Todos deliciosamente reais e divertidos.

Sempre trabalhei em horários alternativos o que deu a oportunidade de assistir a vários programas vespertinos, direcionados ao público feminino. Certa vez me peguei pensando como seria a rotina de uma apresentadora que tivesse a obrigação de fazer programas diários ao vivo. E por muitos anos… Quais problemas ela enfrentaria? O que ela realmente pensaria dos produtos e convidados que mantinham seu programa no ar e muito dinheiro em sua conta bancária? E o que aconteceria se um dia ela chegasse ao limite? Como seria se fosse ‘eu’ essa apresentadora? Desses questionamentos – e algumas gargalhadas – brotou a semente de “Coisa de Mulher” em minha cabeça”, conta Walter Jr, que deixa uma pergunta para ser respondida pelo espectador:  Quem nunca esteve à beira de um dia de… Núbia?

Este slideshow necessita de JavaScript.

Coisa de Mulher
Com Octávio Mendes, Márcia Manfredini e Deise Paz. Participação Especial: Adriana Lessa
Teatro Gazeta (Av. Paulista, 900 – Bela Vista, São Paulo)
Duração 70 minutos
10/03 até 30/04
Sexta – 22h45; Sábado – 22h; Domingo – 20h
$60/$70
Classificação 12 anos
 
Texto- Walter Jr.
Direção: Maximiliana Reis e Octávio Mendes
Trilha Sonora Charles Dalla
Iluminação Criação – Mattheus Chaves
Figurinos- Márcia Bilhasi (Brechó Vip)
Cenário- Alex Costa ( SC Stand)
Design de Arte e Comunicação Pedro Veras
Produção Executiva: Deise Paz e Maximiliana Reis
Grupos e Caravanas: rmbrasileventos@uol.com.br e deisepazrs@yahoo.com.br
Realização: R&M BRASIL PRODUÇÕES ARTÍSTICAS rmbrasileventos@uol.com.br
Assessoria de Imprensa: Flavia Fusco Comunicação

 

PUTZ GRILL…

Começa a 9ª temporada  de Putz Grill…” , de  Oscar Filho, em São Paulo. Feito raro em se tratando de um espetáculo solo, as apresentações acontecem a partir do dia 04 de Março no teatro Gazeta, com sessões sempre aos sábados às 23h59.

Vida pessoal e fatos do cotidiano fazem parte do repertório do show, porém com uma pitada do sarcástico ponto de vista de Oscar Filho. Valendo-se de seu talento como ator, mímico e com um trabalho de corpo marcante, ele vem garantido a gargalhada da plateia que é o motor para a longevidade do espetáculo.

Visto por mais de 1 milhão de espectadores, em mais de 115 cidades visitadas, “Putz Grill…” estreou em Florianópolis em 2008 e foi eleito o melhor show de stand-up no Brasil, em 2011.

Sobre Oscar Filho

Depois de merecidas férias, o ator Oscar Filho volta ao teatro para a nona temporada do sucesso “Putz Grill…” e se prepara para as gravações da segunda temporada da série Xilindró, do canal Multishow, onde vive o personagem César, um banqueiro mimado que vai para a cadeia e que passa a conviver com políticos, assaltantes e traficantes. As gravações estão marcadas para abril de 2017. O ator estará também em campanhas publicitárias para o site  Buscapé, a Sul América Seguros e a Englishtown.

O multiartista Oscar Filho ficou conhecido do grande público ao fazer parte da equipe do extinto programa CQC, da Band, e desde então pode ser visto em atuações, sempre elogiadas, em peças, filmes e séries de TVs.

No cinema,  Oscar Filho interpretou o vilão atrapalhado Gonzalito, nos dois filmes inspirados na novela infantil Carrossel,  que já atingiu mais de 1 milhão de espectadores.

Com toda esta bagagem,  ele foi convidado a ministrar palestras em empresas,  onde divide com a plateia toda a sua trajetória profissional e pessoal, traçando um paralelo entre seu dia a dia  e o da empresa.

Acreditar nos  objetivos e ir atrás deles com objetividade, dignidade e força é uma das minhas dicas“,  fala Oscar sobre esta novidade em sua carreira.

“Putz Grill…”
Com Oscar Filho
Teatro Gazeta (Av. Paulista, 900 – Bela Vista, São Paulo)
Duração 70 minutos
04/03 – sem data definida de término
Sábado – 23h59
$60
Classificação 14 anos

NEURA

Regiana Antonini (Doidas e Santas, Amadas, Tô Grávida, Chá Das Cinco) tem como característica escrever peças teatrais sobre o seu tempo. Ela busca na própria vida coisas que vê, escuta, observa, questiona e sente. Esse é o seu material de trabalho: a observação daquilo que está em sua volta. Seus personagens estão todos por aí, andando nas ruas, sentados nos bares ou correndo nos parques.

No texto Neura, os personagens não apareceram aleatoriamente. Regiana percebeu que ela mesma precisava saber controlar seus desejos e suas neuroses. Entendeu que, por viver numa cidade grande, o seu ritmo de vida estava cada vez mais acelerado. E ao abrir seu foco, observou que a maioria das pessoas também está assim: estressada, solitária, carente, imediatista, violenta, enfim… neurótica mesmo. É só abrir os jornais e constatar através das notícias que a loucura se instala em nossas vidas a cada dia. E é aí, que o teatro entra. Com a função de retratar uma época e suas características. A NEURA é uma das fotos mais ampliadas do nosso tempo.

Essa comédia de oito esquetes tem uma linguagem simples e divertida e traz atores que se desdobram em vários personagens, surpreendendo o público que vai se identificar, rir de si mesmo, ou lembrar-se de alguém muito parecido com um dos personagens.

 

Neura
Com Brenno Leone, Josie Pessoa, Thaissa Carvalho, Marcio Lima e Leo Castro
Teatro Gazeta (Av. Paulista, 900 – Bela Vista, São Paulo)
13/01 até 19/02
Sexta – 21h; Sábado – 21h30; Domingo – 20h
$70/$80
 
Texto e Direção: Regiana Antonini
Figurinos: Milton Castanheira
Trilha sonora: Paula Leal
Iluminação: Ana Kutner
Cenário: Truque Produções
Assessoria de imprensa: Morente Forte
Direção de Produção: Nilza Guimarães e Martha Mutti
Realização: Dois Atos Produções Culturais
Patrocínio: Porto Seguro

 

 

 

#MeninoseMeninas (Matéria)

Conversamos com o elenco da peça #meninosemeninas. Eles falaram sobre o espetáculo, a reação dos fãs, a oportunidade que há do diálogo entre os jovens e os pais, a diferença da plateia do Rio de Janeiro para São Paulo e outros assuntos. O autor e diretor do espetáculo, Leandro Goulart, também conversou conosco.

# Meninos e Meninas
Com Johnny Baroli, Waah Gustavo, Gustavo Daneluz, Carlos Santana, Matheus Costa, João Fernandes, Lívia Inhudes, Rebeca Reis, Filipe Bragança, Matheus Severo, Vitoria Viana, Julia Sanchis, Gaby Oliveira, Julia Gomes, Carlos Santana, Bruno Gadiol, Carolina Amaral.
Teatro Gazeta
Estreia 30/04
Sábado e Domingo – 18h
$70