PLUFT, O FANTASMINHA

O novo Teatro Playcenter Family, localizado dentro do Playcenter Family no Shopping Aricanduva, apresentará o espetáculo, aclamado pelo público infantil, “Pluft, o Fantasminha” entre os meses de janeiro e fevereiro.

A peça, encenada pela Cia dos Reis, conta a cômica e inusitada história de Pluft, um fantasma que tem medo de gente. A trama também foca na amizade de Pluft com Maribel, uma jovem que irá ajudá-lo a superar seus medos. Com autoria de Maria Clara Machado, quem assina a direção da montagem é o ator e diretor Ivo Ueter.

Pluft, o Fantasminha começa quando o malvado e temido Pirata Perna de Pau, que está em busca do tesouro perdido do Capitão Bonança Arco-Iris, sequestra a jovem Maribel que é escondida na antiga casa de Bonança. Chegando lá, a menina descobre que a morada abriga uma família muito engraçada de fantasmas, inclusive Pluft, um gentil e bondoso fantasminha que tem medo de pessoas.

Quando os atrapalhados e divertidos marinheiros, amigos de Maribel percebem seu desaparecimento, logo começam a desconfiar que o maldoso Pirata possa ter levado a amiga para a antiga e assombrada residência do Capitão. Juntos, João, Julião e Sebastião vão atrás da garota para salvá-la, passando por momentos onde a coragem de cada um é colocada à prova. Com isso, o Pluft também terá que testar sua bravura e passar por cima do medo para enfrentar seus anseios e construir uma linda amizade entre ele e os humanos.

pluft

Pluft, o Fantasminha
Com Carol Marafiga, Fábio Brasile, Filipe Bertini, Ivo Ueter, Johnny Gonçalves, Luisa Galatti, Pamela Almeida, Pietro Alonso, Otávio Negri, Thiago Mantovani, Vivian Nóbrega e William Avelar
Teatro Playcenter Family – Shopping Leste Aricanduva (Avenida Aricanduva, 5.555, Vila Matilde, São Paulo)
Duração 50 minutos
25/01 até 25/02
Sábado e Domingo – 16h
$40
Classificação Livre

OS TRÊS PORQUINHOS E O LOBO

Apreciado por todas as gerações, a obra de Joseph Jacobs adaptada pela Companhia dos Reis, ganhou uma versão repaginada de “Os Três Porquinhos e o Lobo” sem perder a essência do clássico, com músicas e sapateado, inovando com cenário em tamanho diferenciado e moderno.

O espetáculo está em cartaz no novo Teatro Playcenter Family localizado dentro do Playcenter Family, no Shopping Aricanduva até 25 de fevereiro.

Com direção de Ivo Ueter, a saga narra a incrível jornada de três porquinhos que decidem construir uma nova moradia, em meio a muitas trapalhadas precisaram escapar de um lobo que está rondando a vizinhança e que utiliza muitos disfarces para enganar e perseguir os irmãos, o  lobo que  se sente esperto com planos que nunca dão certo, tentará ainda destruir as três casinhas feitas de palha, madeira e tijolos.

porquinhos

Os Três Porquinhos e o Lobo
Com Fábio Basile, Filipe Bertini, Ivo Ueter, Thiago Mantovani, Yago Senciani e William Avelar
Teatro Playcenter Family – Shopping Leste Aricanduva (Avenida Aricanduva, 5.555, Vila Matilde, São Paulo)
Duração 50 minutos
25/01 até 25/02
Sábado e Domingo – 19h
$40
Classificação Livre

 

O MÁGICO DE OZ – O ESPETÁCULO

Baseado na obra original de Lian Frank Baum O MÁGICO DE OZ tem texto e direção geral de um dos nomes mais conceituados na dramaturgia do Teatro para Crianças , FERNANDO LYRA JÚNIOR , que ao longo de seus mais de 20 anos dedicados ao palco foi detentor de vários prêmios e críticas elogiosas.

 

A peça conta a história de Dorot,uma garotinha que se perde no Mundo de Oz e para conseguir o caminho de volta para sua casa precisa encontrar o Grande Mágico de Oz.

 

Com a ajuda da Bruxa do Norte , Doroty , começa a sua procura no caminho até o Castelo do Mágico, onde muita coisa acontece .Ela conhece seus três inseparáveis amigos : O Espantalho , O Homem de Lata e o Leão, que ajudam a menina a atingir seus objetivos.

 

foto original O MAGICO DE OZ.jpg

O Mágico de Oz – O Espetáculo
Com Marina Ribeiro, Matheus Rodrigues, Cibelle de Martin, Rebecca Etiene, Fernando Lyra Jr, Luciano Brandão e Bruno Bianchi.
Teatro Ruth Escobar – Sala Dina Sfat (Rua dos Ingleses, 209 – Bela Vista, São Paulo)
Duração 50 minutos
28/01 até 25/03
Domingo – 17h30
$40
Classificação Livre

O BEBÊ QUE NÃO DORMIA E TROCAVA A NOITE PELO DIA

Depois do sucesso de seu monólogo cômico “Meu Trabalho é um Parto”, em que interpreta 12 personagens, a atriz e dramaturga Veridiana Toledo volta a narrar os apuros e os dilemas enfrentados por pais de primeira viagem na comédia musical infantil O bebê que não dormia e trocava a noite pelo dia. Escrito em 2012, o texto é levemente inspirado na experiência pessoal da autora e do diretor Marcelo Galdino com o nascimento de seu filho Ian.

Em cena, Veridiana e os atores Luciano GattiAndo CamargoLívia Ziotti e Diego Rodda contam em tom fabulesco as aventuras de um casal que está há meses sem dormir porque seu bebê trocou o dia pela noite, o que acontece com muitos recém-nascidos. Para tentar solucionar esta questão, eles buscam ajuda em muitos lugares. Eles chegam até a viajar ao Japão com a esperança de que o fuso horário ajude o filho a descansar na hora que eles querem.

Quando eles voltam dessa viagem, percebem que o bebê passa a dormir à noite naturalmente e que todos os esforços foram inúteis. A ideia da montagem é criar uma reflexão sobre o desejo do homem contemporâneo de controlar a natureza de acordo com as necessidades de sua vida acelerada, ignorando o tempo real das coisas.

Para dar suporte aos divertidos tropeços do casal, os atores, que se revezam em diferentes papéis, interpretam ao vivo uma série de canções compostas especialmente para a peça por Marcelo Galdino e Diego Rodda. Cada tema homenageia um estilo musical brasileiro.

O cenário é construído com objetos e instrumentos musicais, que adquirem diferentes funções de acordo com as demandas da encenação. Um carrinho, por exemplo, é usado ora como berço, ora como carrinho de bebê, ora como um avião. Uma caixa branca é usada para a projeção de sombras e para delimitar o espaço de representação.

Sem qualquer forma de fomento, o espetáculo só pôde ser realizado cinco anos depois de escrito, graças a uma campanha de vendas antecipadas de ingressos, crowdfunding, que também ajudou a para produzir um CD com a trilha sonora original e um livro com o texto da montagem.

IMG_3641

O Bebê Que Não Dormia e Trocava a Noite pelo Dia
Com Ando Camargo, Diego Rodda, Lívia Ziotti, Luciano Gatti e Veridiana Toledo
Teatro Viradalata (Rua Apinajés, 1387 – Sumaré, São Paulo)
Duração 60 minutos
17/02 até 01/04
Sábado e Domingo – 16h
$50
Classificação Livre

RECICLONES – NA CONQUISTA DE UM LIXO CONSCIENTE

Homem Plástico, Senhor dos Papéis e Vida Vitral, além do Latacão são os Reciclones, super-heróis do ano de 2063, data em que a natureza no Planeta Terra está devastada, graças a terrível vilã Nebulosa, que escurece a mente das pessoas para que elas não cuidem do meio ambiente. Esse é o ponto de partida do musical infantil RECICLONES – NA CONQUISTA DE UM LIXO CONSCIENTE, que está em cartaz no Teatro Viradalata.

A montagem da Cia Paulista de Teatro Bilíngue tem direção de Danielle Andrade, que também assina a dramaturgia ao lado de Liliane Zimermann e Milena Moura. Conhecida do público pelos espetáculos em língua inglesa, sempre com ótimas críticas, o grupo estreia sua primeira peça em língua portuguesa e traz no elenco os atores Alan Ribeiro, Jéssica Alves, Liliane Zimermann, Luccas Garcia, Matheus Polimeno, Milene Vianna, Milton Junior e Vinicius Candoti.

Em RECICLONES – NA CONQUISTA DE UM LIXO CONSCIENTE a natureza está devastada, há lixo por todos os lados e o mundo, no ano de 2063, está prestes a acabar graças a terrível vilã Nebulosa. Dessa necessidade de salvar a Terra surgem os Reciclones (Homem Plástico, Senhor dos Papéis e Vida Vitral). Quando Latacão, o fiel escudeiro robô, é sequestrado, os super-heróis têm que voltar no tempo e para deter Nebulosa. Nesta viagem ao passado acabam conhecendo Kadu, uma criança muito esperta que aprendeu tudo sobre a natureza com a sua avó e acaba se tornando aliada nesta batalha. Juntos eles ensinarão as pessoas sobre a importância de reciclar, reutilizar, reduzir e repensar, pois este é o único jeito de derrotar a temível vilã e conquistar um mundo melhor.

Ritmos brasileiros

Para Danielle Andrade, que assina a direção e as músicas de RECICLONES – NA CONQUISTA DE UM LIXO CONSCIENTE, o espetáculo traz momentos de reflexão sobre o meio-ambiente sem ser didático. “Minha maior preocupação era não deixar uma montagem piegas, então aliei as mensagens, principalmente sobre reciclagem, com a música e uma boa dose de humor”, conta ela.

Com ritmos brasileiros, como baião e frevo, as músicas e trilha sonora do espetáculo se encaixam com a dramaturgia. Já a cenografia e figurinos são todos confeccionados com material reciclável. “O espetáculo sensibiliza o público sobre os riscos que corre o meio ambiente e o que devemos fazer para minimizá-los. A ideia é que tudo pode virar outra coisa. Se não dá para reciclar, pode transformar ou achar um novo uso”, explica Danielle.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Reciclones – Na Conquista de um Lixo Consciente
Com Alan Ribeiro, Jéssica Alves, Liliane Zimermann, Luccas Garcia, Matheus Polimeno, Milene Vianna, Milton Junior e Vinicius Candoti
Teatro Viradalata (Rua Apinajés, 1387 – Sumaré, São Paulo)
Duração 55 minutos
14/10 até 26/11
Sábado e Domingo – 16h
$30
Classificação Livre

 

ZEPELIM (OU O BALÃO QUE NUNCA EXISTIU)

Zepelim (ou O Balão que Nunca Existiu conta a história de Zezinho, um garoto que mora e trabalha no lixão e só tem um amigo, o vira-lata Pelim e é com ele que divide seu abrigo, seu trabalho, sua comida, suas brincadeiras, suas aventuras e principalmente seus sonhos: e o maior deles é poder voar de balão. Para isso, os dois viverão grandes aventuras.
 
O espetáculo é de grande delicadeza, feito não só para as crianças, mas também para todo mundo, porque trata de assuntos como preconceito, utopias, reutilização de materiais jogados no lixo, trabalho infantil e muito mais, só que com muita poesia, músicas, cores, imagens e bonecos. A dura realidade estampada numa ficção doce e brincada. 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Zepelim (ou O balão que nunca existiu) 
Com Cia Variante (Danilo Mora, Samantha Verrone e Tati Takiyama)
SESC Ipiranga (R. Bom Pastor, 822 – Ipiranga, São Paulo )
Duração 40 minutos
15/10 até 19/11
Domingo – 11h
$17 ($5 – credencial Sesc)
Classificação Livre
 
 
(crédito foto – Thiago Takiyama e Lazerum)

A MALA DE HANA

Após o sucesso da temporada no Teatro Folha, o espetáculo infantil A Mala de Hana faz apresentações no Teatro Anne Frank, localizado no Clube Hebraica, nos dias 29 de outubro, 5 e 12 de novembro, sempre aos domingos, às 17hDe forma singela e delicada, a montagem tem a direção de Marcelo Klabin e o elenco é formado pela dupla Fernando Chapaval e Luana Paroni. A peça é uma adaptação do aclamado livro infanto-juvenil homônimo da escritora canadense Karen Levine.

A trama conta a história da menina Hana Brady a partir das descobertas feitas pela japonesa Fumiko Ishioka e seus alunos, que foram em busca da história de quem seria a dona de uma mala que receberam para utilizar em uma exposição. A montagem é um retrato da vida das crianças no Holocausto em paralelo com a visão atual da realidade.

A Mala de Hana narra a história real de Fumiko, diretora de um centro educacional no Japão, que formou um grupo com alunos para estudar o período. A curiosidade e o fascínio pelo assunto fez com que, no ano 2000, o grupo de estudantes iniciasse uma jornada para conhecer detalhes sobre a história da jovem Hana. Foi assim que Fumiko chegou a George Brady, irmão de Hana (que ainda está vivo e mora no Canadá). Com a ajuda dele conseguiram recriar a história vivida nos campos de concentração, período em que foi separado da sua irmã. Hana, na época com apenas 13 anos de idade, chegou a Auschwitz acreditando que reencontraria George. Na mala, ela levou poucas roupas e alguns dos seus desenhos preferidos

Através de uma história que percorre três continentes diferentes – América, Europa e Ásia – o espetáculo traça, como a autora do livro diz, “uma lembrança da brutalidade do passado e da esperança do futuro”. Em cena, os atores se revezam pela narrativa da história.

A peça desperta na criança o interesse pelo estudo e compreensão de um período histórico extremamente importante para o seu desenvolvimento, não apenas como conhecimento, mas também como seres humanos”, conta Luana Paroni, atriz que interpreta Hana.

A pretende levar para as crianças uma mensagem sobre a intolerância e a injustiça, presentes no período da II Guerra Mundial, e que ainda circulam com diferentes facetas em nossa sociedade. “Queremos disseminar a profundidade do fato histórico de maneira sensível, lúdica e principalmente pedagógica, fazendo com que as crianças se interessem e mergulhem nessa história”, completa Fernando Chapaval, ator que interpreta George.

Este slideshow necessita de JavaScript.

A Mala de Hana
Com Fernando Chapaval e Luana Paroni
Teatro Anne Frank – Clube Hebraica (Rua Hungria, 1.000 – Pinheiros, São Paulo)
Duração 60 minutos
29/10, 05 e 12/11
Domingo – 17h
$40
Classificação 8 anos