VICTOR & LEO – ACÚSTICO

A dupla Victor & Leo, conhecida como “O Fenômeno da Música”,  aterrissa no Teatro J. Safra, em São Paulo, nos dias 16 e 17 de março, para apresentar seu show acústico, que faz parte da turnê de comemoração dos 25 anos de carreira.

Em um formato mais intimista, os cantores trazem as canções que embalaram tantos anos de sucesso desde os primeiros hits, como “Amigo Apaixonado”, “Fada”, “Vida Boa” e “Fotos”, passando pelas consagradas “Borboletas”, “Tem que ser você”, “Deus e eu no Sertão” e “Quando você Some”, até sucessos mais recentes como “Na linha do tempo”, “10 minutos Longe de Você” e “Momentos”.

Conhecida como uma das maiores e mais versáteis duplas do país, Victor & Leo deram início à carreira musical em 1992, na cidade em que foram criados, Abre Campo-MG. Compositores, produtores, cantores e arranjadores, os irmãos são responsáveis pela construção de quase todos os seus trabalhos.

A dupla que despontou no cenário nacional a partir do final de 2006 com um folk e uma identidade inconfundíveis, trouxe uma profunda renovação para a música como um todo e, de lá para cá, são 14 CDs, 4 DVDs ao vivo e 2 DVDs documentário. Mesmo em tempo de intensa pirataria, Victor & Leo venderam mais de 3,5 milhões de discos, somam quase 500 milhões de visualizações no YouTube, e acumulam diversas premiações na carreira, entre elas, a do Grammy Latino e do Prêmio da Música Brasileira.

A dupla fará dessa vez uma versão inusitada e acústica de seus grandes sucessos que promete encantar ainda mais seus fãs. Por oferecer um espaço mais intimista, o Teatro J. Safra dará a oportunidade para o público ficar ainda mais próximo de seus ídolos.

Victor & Leo Acústico
Com Victor & Leo
Teatro J. Safra (Rua Josef Kryss, 318 – Barra Funda, São Paulo)
Duração 60 minutos
16 e 17/03
Sexta – 21h30, Sábado – 21h
$250/$400
Classificação Livre

ALÉM DO QUE OS NOSSOS OLHOS REGISTRAM

O Teatro J. Safra inicia sua temporada teatral de 2018 com uma peça estrelada pelas atrizes Priscila Fantin, Luíza Tomé e Letícia Birkheuer, na sexta-feira dia 19 de janeiro. A comédia dramática “Além do que os nossos olhos registram” é escrita por Fernando Duarte, mesmo autor de “Callas” e “Depois do amor”, ambos dirigidos pela saudosa Marília Pêra. A direção artística da peça é de Fernando Philbert, que esteve a frente de aclamados espetáculos, como “O topo da montanha”, com Lázaro Ramos e Thais Araújo e “O escândalo de Felippe Dussack”, com Marcos Caruso.

Inédito em São Paulo, o espetáculo que já foi sucesso de público em duas únicas apresentações em Porto Alegre no último mês de outubro, chega ao Teatro J. Safra trazendo temas super atuais como família, amizades, classes sociais, racismo, homofobia e bullying, discutidos entre mãe, filha e avó. “Além do que os nossos olhos registram” trata da convivência entre três gerações de mulheres, com visões diferentes de suas vivências particulares, para problemas semelhantes. De maneira emocional, o espetáculo aborda as angústias e alegrias do universo feminino.

As personagens são mulheres comuns, dessas que encontramos nas esquinas da vida, e por isso são tão fascinantes. Delfina – personagem interpretada por Luíza Tomé – quando jovem, casou-se com um rapaz negro, a família era contra e, mesmo assim, enfrentou o preconceito da época e foi viver sua história de amor. Desta união nasceu Violeta, personagem de Letícia Birkheuer – que veio ao mundo com os traços da mãe, com a cor do pai, e desde pequena sente vergonha dele. Aos vinte anos, entre viver uma história de amor e casar com um homem mais velho e rico, optou pelo casamento por interesse e, nasceu Sofia. Sofia – interpretada por Priscila Fantin – como toda filha única, sempre foi muito cobrada, é a filhinha do papai, que eles esperam ver casada com um bonito rapaz de família importante. Violeta sonha e planeja o casamento do século para sua única filha. Quando Sofia assume ser lésbica, o mundo de sua mãe desmorona e ela põe para fora todo o seu preconceito até então velado.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Além do que os nossos olhos registram
Com Luíza Tomé, Priscila Fantin, Letícia Birkheuer
Teatro J. Safra (Rua Josef Kryss, 318 – Barra Funda – São Paulo)
Duração 65 minutos
19/01 até 11/03
Sexta – 21h30, Sábado – 21h, Domingo – 20h
$25/$80 – a partir 18/01 ($20/$50 – até 17/01)
Classificação 12 anos

A BELA E OS TENORES – ENTÃO É NATAL

O Teatro J. Safra antecipa as comemorações de Natal com o show dos tenores Jorge Durian, Armando Valsani e a soprano Giovanna Maira, em “A Bela e os Tenores – Então é Natal”, na sexta-feira, dia 17 de novembro.

Depois de 20 anos de sucesso se apresentando em espetáculos a bordo de diversos navios pelo mundo, o trio de cantores se apresenta, pela primeira vez no Brasil, neste show de lançamento do primeiro álbum de Natal “Hallelujha”.

Neste espetáculo de tirar o fôlego e que reúne essas belas vozes, o público irá se emocionar com canções clássicas e românticas internacionais, com temas natalinos como White Christmas, de Irvin Berlin, Adeste Fideles, de John Francis Wade, Ave Maria, de Johann Sebastian Bach e Charles Gounod e Panis Angelicos, de César Franck.

Sobre os cantores

Armando Valsani é um tenor lírico com quase 40 anos de carreira, que se destacou pelo mundo pela sua brilhante potência vocal e é muito requisitado pelas colônias italianas por todo o país. Já ganhou diversos prêmios, entre eles o de melhor cantor erudito do Brasil.

Giovanna Maira, cantora lírica (soprano), compositora e instrumentista, traz delicadeza para a apresentação com sua voz doce e cristalina, com canções que vão do pop ao erudito. Como solista, à frente da Orquestra Bachiana Jovem sob regência de João Carlos Martins, realizou grandes concertos, sendo um deles a abertura dos Jogos Pan-Americanos de 2007, no Rio de Janeiro.

Para abrilhantar ainda mais o espetáculo e com uma sólida carreira com mais de 30 anos, Jorge Durian, tenor que sempre foi destaque por transformar canções populares em clássicos eruditos. Já gravou diversos CDs em italiano e se encontrou com os Três Tenores (Plácido Domingo, José Carreras e Luciano Pavarotti).

A Bela e os Tenores
Com Armando Valsani, Giovanna Maira e Jorge Durian  
Teatro J. Safra (Rua Josef Kryss, 318 – Barra Funda – São Paulo)
Duração 90 minutos
17/11
Sexta – 21h30
$30/$100
Classificação Livre

 

AGNALDO RAYOL, 60 ANOS DEPOIS

O Teatro J. Safra recebe no sábado, dia 18 de novembro, o show especial e em única apresentação: “Agnaldo Rayol, 60 anos depois”.  Em comemoração aos seus 60 anos de carreira, Agnaldo apresenta um espetáculo pautado por um refinado repertório que passeia pelos seus grandes sucessos e novas canções.

Um dos maiores nomes da música brasileira, conhecido nacionalmente por sua estonteante voz e com uma carreira coroada com muito sucesso – com mais de 50 discos lançados e o carinho de milhões de fãs pelo Brasil e pelo mundo -, Rayol já garantiu seu espaço de honra na música brasileira.

O artista não esconde o entusiasmo em comemorar um marco tão importante em sua vida e carreira: “É um prazer e uma emoção muito grande completar tantos anos de trabalho. O que pretendo com esta apresentação tão especial é agradecer ao meu público, sempre fiel, que esteve ao meu lado desde o início de minha carreira. O show foi preparado com muito carinho e será composto por um repertório com alguns de meus principais sucessos como Ave Maria, Mia Gioconda, Fascinação, New York, New York, As Rosas não Falam e Chão de Estrelas. Além, claro, de outras músicas inéditas”, comenta ele.

Com uma banda e cenário íntimo e aconchegante, Agnaldo Rayol espera poder levar ao público momentos de muito amor, emoção e surpresas.

 

Rayol-672x372

Agnaldo Rayol, 60 Anos Depois
Com Agnaldo Rayol e músicos convidados
Teatro J. Safra (Rua Josef Kryss, 318 – Barra Funda, São Paulo)
Duração 90 minutos
18/11
Sábado – 21h
$50/$140
Classificação Livre

CRISE, QUE CRISE?

O Teatro J. Safra recebe no dia 2 de novembro, quinta-feira, o show inédito “Crise, que Crise?”, que reúne os mais diversos nomes e gerações através da música. Em única apresentação, o espetáculo que vai do pop rock, passando por músicas do folclore ao compositor Villa Lobos, foi idealizado por John Herbert Jr., o Johnnie Beat, cantor, compositor e filho da atriz Eva Wilma, promete grandes emoções. Além de Johnnie, o show traz ao palco sua mãe, Eva Wilma, o cantor e diretor musical paulista William Paiva e Heloá Holanda, cantora  semifinalista do programa X Factor Brasil, da Rede Bandeirantes.

Este espetáculo também marca a estreia de Eduardo Figueiredo como diretor de um show. Após receber o convite da própria Eva Wilma, aceitou o novo desafio. Muito respeitado no meio cultural, diretor de grandes sucessos no teatro, entre eles: “Mulheres Alteradas”, “Aprendiz de Feiticeiro”, “Frida y Diego” e atualmente “O Gatão de Meia Idade, a peça”.

“Crise, Que Crise?”, canção que dá nome ao show e será lançada nesta ocasião, é de autoria de Johnnie. Além disso, a música aborda o tema, tão em voga no país, de forma otimista. A capa do álbum da banda inglesa Supetramp, “Crisis, Wath Crisis”, de 1975, e este momento difícil que o Brasil passa, inspiraram o cantor e compositor.

Pensando na crise, não acho que devemos, de fato, nos preocupar e sim nos reinventar e passar por cima de tudo de maneira leve e com a esperança. Afinal, a música nos traz sentimentos bons. Estou muito feliz em levar tantos nomes bacanas e diferentes gerações ao palco. Minha mãe, que está ansiosa em relembrar os tempos em que aprendeu muito com Inesita Barroso, Heloá, uma voz feminina que trará delicadeza e encanto ao show, e, claro, William Paiva, um excelente cantor que trará força”, comentou Johnnie.

A participação de Eva Wilma, que, antes de iniciar sua carreira bem-sucedida como atriz, teve incursões na música, dá um colorido especial ao roteiro. E, como convidada de honra, homenageará o poeta ferreira Goulart e o compositor Heitor Villa Lobos, numa leitura moderna de suas obras.

A banda, composta especialmente para essa ocasião, ainda trará canções de sucesso de Nando Reis, Samuel Rosa, Erasmo Carlos, passando por The Beatles, Lou Reed e finalizando com o grande nome da música brasileira, Gilberto Gil. Sempre à sua maneira, com um pouco de rock n’roll e um sotaque blues.

EVA VILMa-10

Crise, Que Crise?
Com John Herbert Jr, William Paiva, Johnny Mantelato, Leandre Gomes, Samuel Junior, Felipe Marques, Wellington Maia
Participações Especiais: Eva Wilma, Heloá Holanda e Roger W. Lima
Teatro J. Safra (Rua Josef Kryss, 318 – Barra Funda, São Paulo)
Duração 90 minutos
02/11
Quinta – 21h
$15/$60
Classificação 12 anos

 

 

O APRENDIZ DE FEITICEIRO

O Teatro J. Safra receberá, nos dias 07 e 08 de outubro, a peça finalista do Prêmio São Paulo de Incentivo ao Teatro Infantil e Jovem (antigo Prêmio Coca-Cola), “O Aprendiz de Feiticeiro”.

Protagonizada pelo ator Maurício Machado – que interpreta o Mestre Feiticeiro – e grande elenco, a dramaturgia conta a história do jovem Arthur – interpretado pelo ator Vitor Thiré – um excelente aluno e dono de grande imaginação que, por conta disso, sofre um constantebullying na escola. Jane, interpretada pela atriz Thay Bergamim, é quem o ajuda nessa aventura. O espetáculo fica em cartaz nos 07 e 08 de outubro às 16h.

Com roteiro de Antônio Calmon – responsável por vários títulos da teledramaturgia da TV Globo e que fez com este espetáculo sua estreia nacional com seu primeiro texto escrito para o teatro: “O Aprendiz de Feiticeiro” (logo depois veio “Vamp” em cartaz no Rio) com elogiada direção de Eduardo Figueiredo. No elenco, o ator Maurício Machado (recentemente na novela “A Lei do Amor”, da Rede Globo, também atuou nas novelas: “Alma Gêmea”, “Cidadão Brasileiro”, “Cama de Gato”, “Cordel Encantado” e “Chiquititas”), e nomes como: Vitor Thiré(atuou em “Malhação” na temporada 2013 e recentemente na novela “Liberdade Liberdade”) e Júlio Oliveira (fez o filme “Salve Geral” e as novelas “Ti-Ti-Ti”, “Sangue Bom” e “Os Dez Mandamentos”). Completando o elenco, Thay Bergamim (participou das novelas “Amor e Revolução” e “Patrulha Salvadora” e do sucesso teen “Julie e os Fantasmas”), os atores, Wilson FeitosaVictor Garbossa e Miguel Roque, apresentarão um espetáculo repleto de dragões, vampiros, bruxas, efeitos especiais, música, ao vivo e ilusionismo que promete prender a atenção do público com aventuras mágicas do início ao fim.

“O Aprendiz de Feiticeiro”, que foi sucesso de público e de crítica na temporada de estreia em São Paulo no CCBB (Centro Cultural do Banco do Brasil) em julho de 2016, permaneceu por cinco meses em cartaz, com sessões todas lotadas e filas de espera para assistir. Sucesso ainda nos 15 dias corridos de temporada no Centro Cultural Banco do Brasil de BH em Janeiro deste ano. 3 meses em cartaz no Teatro J. Safra, em São Paulo e um final de semana de sucesso no Teatro Bradesco Rio. A peça aborda questões éticas, tais como lealdade, amizade, compaixão, traição, valor humano e união, salientando elementos importantes sobre o posicionamento de cada individuo no mundo, reconhecimento de nosso lugar e ponto de vista. E um dos aspectos mais importantes: apresenta questionamentos sobre a relação mestre e aprendiz.

O texto do espetáculo é inspirado na “Der Zauberlehrling”, poema escrito por Goethe, autor e estadista alemão, em 1797. Adaptações deste mesmo conto é que deram origem ao filme “Fantasia”, de Walt Disney, mais recentemente, a saga “Harry Potter”, de J.K. Rowling e “Senhor dos Anéis”.

Além de ter sido indicada para o Prêmio São Paulo de Incentivo ao Teatro Infantil e Jovem, nas categorias melhor produção, melhor ator, melhor ator coadjuvante e melhor iluminação, a peça foi eleita no prêmio melhores do ano pelo Guia da Folha de S. Paulo como melhor espetáculo infantil de 2016.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

O Aprendiz de Feiticeiro
Com Maurício Machado, Vitor Thiré, Júlio Oliveira, Thay Bergamim, Wilson Feitosa, Victor Garbossa, Miguel Roque
Teatro J. Safra (Rua Josef Kryss, 318 – Parque Industrial Tomas Edson, São Paulo)
Duração 75 minutos
07 e 08/10
Sábado e Domingo – 16h
$20/$40
Classificação Livre

NERINA – A OVELHA NEGRA

A produção infantil ‘Nerina – A Ovelha Negra’ chega ao Teatro J. Safra, em São Paulo. O espetáculo, que recebeu seis indicações ao Prêmio São Paulo de Incentivo ao Teatro Infantil e Jovem 2017 (melhor espetáculo, adaptação, direção, atriz, trilha e sustentabilidade), tem curtíssima temporada com apresentações aos fins de semana, do dia 2 a 24 de setembro, sempre às 16h.

Baseada em um dos livros sem palavras, feito somente com ilustrações, do reconhecido cartunista Michele Iacocca, a peça ‘Nerina – A Ovelha Negra’ encerrará a trilogia de espetáculos montados pelo grupo Maracujá Laboratório de Artes a partir de obras do autor, que inclui os espetáculos Rabisco – um cachorro perfeito (2010) e As Aventuras de Bambolina (2008), ambos contemplados com prêmios como FEMSA, Myriam Muniz, Zé Renato, Alfa Criança, e participantes de editais do SESI, CAIXA Cultural, SESC, ProAC (da Secretaria Estadual de Cultura de São Paulo), além da presença em inúmeros festivais e mostras de artes cênicas pelo Brasil.

Nerina, que significa “negrinha” em italiano, é uma ovelha negra que quer apenas fazer parte de um rebanho. Mas as demais ovelhas, todas brancas, se recusam a acolhê-la. Sozinha, Nerina dá de cara com um lobo faminto que, ao invés de devorá-la, pensa melhor e resolve usá-la para atrair as outras ovelhas. Acuada, Nerina o obedece, mas surpreende ao final, mostrando que o preconceito não é solução para nenhum problema.

O Teatro J. Safra escolheu trazer a peça de volta à cena, em função da qualidade artística do projeto e mensagem que incentiva o fim do preconceito. “As crianças se divertem e aprendem muito com a mensagem principal da peça: que o preconceito não leva a nada. Nerina, que se sente acuada, faz o que o lobo manda e assusta todo o rebanho, mas revela-se e surpreende ao mostrar que o diferente é o que muda as situações da vida, salva o dia, todas suas amigas e interrompe este ciclo de preconceito”, finaliza o diretor da peça, Sidnei Caria.

Caca Diniz_Nerina a ovelha negra 1

Nerina – a Ovelha Negra
Com Bia Rezende, Camila Ivo, Cassio Pereira, Lucas Luciano, Piva Silva, Sidnei Caria, Silas Caria e Yasmin Olí
Teatro J. Safra (Rua Josef Kryss, 318 – Barra Funda – São Paulo)
Duração 55 minutos
02 a 24/09 (exceto dia 16)
Sábado e Domingo – 16h
$20/$40
Classificação Livre