MADAME SATÃ – UM MUSICAL BRASILEIRO

Unindo poesia e uma reflexão sobre a luta de invisíveis, espetáculo dos mineiros Grupo dos Dez com direção de João das Neves (In Memoriam) e Rodrigo Jerônimo, Madame Satã – Um Musical Brasileiro, faz temporada de 12 de julho a 8 de setembro de 2019, no Teatro Jaraguá. A dramaturgia é assinada por Rodrigo Jerônimo e Marcos Fábio de Faria.

Em Madame Satã, o grupo se vale da biografia de um dos mais peculiares personagens brasileiros para dialogar com questões que permeiam a homofobia, o racismo e a homoafetividade. Com trilha sonora inédita, o espetáculo é entrecortado por textos ora poéticos, ora combativos, e traz à tona não apenas a biografia de Satã, mas dá visibilidade às pessoas invisíveis da sociedade que não se enquadraram na heteronormatividade vigente.

A trama apresenta o mundo que rodeia uma das mais peculiares figuras brasileiras, aquele: Madame Satã, uma personagem escolhida para falar de um universo invisível: a prostituição, a pobreza, o racismo, a homofobia e toda a violência de uma sociedade calada frente ao preconceito e à intolerância.

A montagem traz Madame Satã antes mesmo de receber este nome. João Francisco dos Santos, foi um dos 18 filhos de uma família pobre. Trocado por uma égua, tornou-se, a duras penas, uma figura mitológica da Lapa carioca, sendo preto, pobre e homossexual, tudo isso no início do século XX. Analfabeto de pai e mãe, como ele costumava dizer, o artista é símbolo da incorporação de elementos da cultura ocidental europeia à malandragem carioca, com claras referências às manifestações africanas.

Com preparação corporal orientada pelo bailarino e ator Benjamin Abras, a corporeidade das danças afro-brasileiras sutilmente torna-se parte do trabalho, tendo como método principal o treinamento para a capoeira angola, o samba de roda, a dança dos orixás e a dança contemporânea. Dos terreiros de candomblé e das rodas de capoeira, deslocam-se os movimentos de origem afro brasileiros de seus locais originários para o palco, dando a eles significados diversos.

O espetáculo tem direção musical de Bia Nogueira, que conduziu um processo de experimentações sonoras e improvisações de melodias, com bases criadas por instrumentos musicais (harmônicos e percussivos), assim como a elaboração de letras que contribuam efetivamente para a dramaturgia. Neste processo, foi construída a trilha sonora inédita, criada pelos atores do espetáculo.

Especialmente esta temporada traz alguns artistas paulistas no elenco.   A montagem dá continuidade à pesquisa de linguagem do coletivo, desenvolvida desde 2008 sobre os musicais brasileiros, investigando como a ancestralidade e a corporeidade negras podem contribuir para os espetáculos musicais tipicamente brasileiros.

FACE (3)

 

Madame Satã – um Musical Brasileiro

Com Alysson Salvador, Bia Nogueira, Clarissa Bonvent, Drika Ferreira, Esdras de Lúcia, Gabriel Coupe, Kátia Aracelle, Laiza Lamara, Pedro Leal, Naaya Lelis, Vita Pereira, Rodrigo Jerônimo, Rodrigo Negão, Taiguara Nazareh e Telma Dias.

Teatro Jaraguá – Novotel São Paulo Jaraguá (R. Martins Fontes, 71 – Consolação, São Paulo)

Duração 80 minutos

12/07 até 08/09

Sexta e Sábado – 21h, Domingo – 19h (Em Setembro espetáculo será apresentado de segunda a domingo)

$60

Classificação 16 anos

 

EDUARDO II

Com montagem do diretor Paulo Ribeiro e interpretação do Núcleo de Estudos Cênicos Teatro de Sanca da Cooperativa Paulista de Teatro (NECTS), o espetáculo Eduardo II estreia no Teatro Jaraguá para temporada de 21 de julho a 26 de agosto, aos sábados e domingos, no horário das 17 horas. A peça tem como base as obras escritas por dois grandes dramaturgos da história, o alemão Bertolt Brecht (1898-1956) e o inglêsChristopher Marlowe (1564-1593), que contribuíram para revolucionar a arte e o pensamento de seu tempo.

A adaptação de Paulo Ribeiro é livremente inspirada em A Vida de Eduardo II da Inglaterra, de Brecht (a peça de teatro menos representada de Brecht) e O Reinado Problemático e a Morte Lamentável de Eduardo Segundo, Rei da Inglaterra, com a Queda Trágica do Orgulhoso Mortimer, de Marlowe. Eduardo II narra a história dos tempos do poder absoluto das monarquias, de suas dinastias, posições e privilégios, de suas atuações ante o povo, e entre seus pares, deflagra o absurdo, o cru das paixões, negociatas, abusos, que foram destrutivos, do poder e suas guerras. A encenação de Eduardo II de Brecht foi o ponto de partida para elaboração, muito a partir da prática, de uma nova teoria de encenação e interpretação que revolucionou o espetáculo teatral no século 20. Com ele Brecht estreia o Teatro Épico.

Brecht escreveu esse texto entre 1923 e 1924, quando ainda não havia lido o Capital, de Marx, e engravidado de suas ideias, mas elas já o habitavam como artista”, diz Paulo. O diretor cita a análise do pesquisador Fernando Peixoto, para quem com “esta adaptação Brecht inicia um de seus temas centrais, a gigantesca demolição do conceito de herói“.

Dramaturgia e encenação

A dramaturgia optou por uma adaptação para dois atores que se metamorfoseiam em variadas personagens. “O texto base pensou as obras e os autores, Marlowe e Brecht, mas não os tratou como intocáveis objetos de museu. Partiu principalmente de Brecht, por estar mais próximo ao nosso tempo. Revisitou Marlowe em alguns aspectos, e o clima das disputas pelo poder da história das monarquias e suas dinastias.

A encenação atravessa espaços temporais e geográficos. Privilegia a dramaturgia e o trabalho de criação do ator. Visa tornar esta mesma dramaturgia acessível a um amplo público, que ainda não tenha tido a oportunidade de conhecê-la de uma maneira simples e clara. Este processo conceitual centra-se na palavra e na atuação como condutores de uma cena que não busca subterfúgios cenográficos ou pirotecnias que possam se sobrepor ao textual. Só mesmo uma “cena limpa”, pode evidenciar uma obra complexa, afinal, trata-se de obras, autores e personagens históricos, transgressores por aviltar a ordem do seu tempo; e que equiparados, encontram completa ressonância com os nossos atuais “tempos sombrios” (como nos diria o próprio Brecht).

Para Paulo Ribeiro, “a história da peça nos propõe pensar sobre os grandes e universais males que afetam a humanidade – riquezas, paixões, poder, posições… Questões essas pertinentes a uma explanação, profundas reflexões, discussões e debates com a atual conjuntura de nosso país“.

CARMEN.png

Eduardo II

Com Rogerio Romera e Cintia Wartusch

Teatro Jaraguá – Novotel Jaraguá (Rua Martins Fontes, 71 – Centro, São Paulo)

Duração 65 minutos

21/07 até 26/08

Sábado e Domingo – 17h

$40

Classificação 12 anos

COISAS ESTRANHAS ACONTECEM NESTA CASA

Sucesso absoluto de público, a comédia Coisas Estranhas Acontecem Nesta Casa, do jovem dramaturgo Pablo Diego Garcia, estende sua temporada no Teatro Jaraguá, até 27 de setembro. A peça tem direção geral de Marcio Macena (diretor de Rita Lee, o musical e Pedras Azuis), co-direção de Marisa Orth e elenco formado pelo próprio Garcia, Bruno Sperança, Deo Patricio, Daniel Aguiar e Almir Martins.

Recheado de situações absurdas e hilárias, o espetáculo revela a reunião de cinco figuras excêntricas presas em uma mansão assombrada por segredos de um barão morto misteriosamente. A ideia é criar uma divertida reflexão sobre a diversidade, a família que podemos escolher, os monstros que precisamos enfrentar para sobreviver e os problemas que devemos enterrar no nosso jardim.

Nesse casarão, localizado na serra de Campos do Jordão, vivem Fleury, Kleber e Alfredo, homens dramáticos, afeminados e falidos, que se odeiam. Para sair da pindaíba, eles tentam preparar um jantar delicioso para a socialite Marcela Vitanozzi, que está interessada em contratar o costureiro sem talento Alfredo.

As coisas começam a dar errado quando o velho Fleury, que está perdendo a memória, esquece a panela de pressão no forno e explode o jantar. Durante a refeição, a socialite acaba morrendo misteriosamente e eles tentam desesperadamente enterrar seu corpo no jardim, quando são surpreendidos pela visita de um jornalista interessado em entrevistar a defunta. Eles precisam fazer de tudo para mostrar ao repórter que a falecida continua viva. Muitos segredos serão revelados, uma fortuna em dinheiro estará em jogo e coisas estranhas acontecem pela casa.

O espetáculo estreou em 2016 no Teatro Municipal João Caetano, onde cumpriu duas temporadas lotadas. No começo de 2018, reestreou com grande sucesso no Teatro Augusta e, agora, chega ao Teatro Jaraguá a convite de Carlos Mamberti.

image2

Coisas Estranhas Acontecem Nesta Casa
Com Pablo Diego Garcia, Bruno Sperança, Deo Patricio, Daniel Aguiar e Almir Martins
Teatro Jaraguá – Novotel Jaraguá (Rua Martins Fontes, 71 – Bela Vista, São Paulo)
Duração 90 minutos
16/05 até 27/09
Mês de Julho – Sábado – 21h, Domingo – 19h30
Meses de Agosto e Setembro – Quinta – 21h
$60
Classificação 12 anos

BENTO BATUCA

A Oficina de Alegria apresenta o espetáculo teatral infantil “Bento Batuca”, com estreia em São Paulo, no dia 7 de abril (sábado), às 16h, no Teatro Jaraguá. A primeira montagem teatral realizada pela produtora valoriza a cultura brasileira através da dança, ritmos e sua história, em texto assinado por Daniela Cury e Mariana Elisabetsky, direção de Edu Leão e Luciana Ramanzini e direção musical do grupo Os Capoeira. O espetáculo terá, algumas sessões específicas com tradução em libras. Bento Batuca é apresentado também, pelo Ministério da Cultura, por meio da Lei Rouanet.

No elenco, estão os atores: Sidney Santiago Kuanza (Bento), Fernando Oliveira, Lena Roque e Vitor Bassi. Com música ao vivo no palco, comandada pelos percussionistas Contramestre Leandrinho, Heverton Faustino “Bbzão”, Paulinho Percussão, Cauê Silva e Rogério Rogi, o espetáculo Bento Batuca tem repertorio que transita entre cânticos de capoeira e ritmos como frevo, maculelê e samba, além de referências a canções da música nacional, como Suíte dos Pescadores, de Dorival Caymmi. Entre os instrumentos estão atabaques, berimbau, pandeiro, surdos, chocalhos e objetos sonoros.

A peça revela uma viagem por São Paulo, Bahia, Pernambuco e Rio de Janeiro, onde Bento vai descobrir ritmos genuinamente oriundos da cultura afro, com personagens que homenageiam figuras emblemáticas, como Mestre Besouro Mangangá (lendário capoeirista baiano), Guerreiro Maculelê (lenda folclórica brasileira), Maestro Nunes (ícone do frevo pernambucano) e Tia Ciata (influente figura no surgimento do samba).

Bento é um menino sonhador, esperto e curioso, que batuca desde que nasceu, na mamadeira, na chupeta e transformando garfos e colheres em instrumentos de percussão. A cada encontro nessa aventura, Bento Batuca preenche a trouxinha que o acompanha de sons, cores, conhecimento e, a cada lugar que chega, descobre um pouco mais sobre a nossa cultura, a nossa música e sobre si mesmo.

O espetáculo Bento Batuca é uma montagem para toda a família que, propõe, por meio da linguagem poética, teatral e musical, enaltecer os ritmos, sons e danças da cultura afro-brasileira. O espetáculo traz uma conscientização sobre a nossa própria história, com lições educativas sobre como enfrentar as dificuldades da vida com coragem.

O público poderá embarcar junto a viagem de Bento, de forma interativa. O espetáculo garante, ainda, um final contagiante, onde o público é convidado a cantar, dançar e tocar junto ao elenco.

 

 

 

31364522_1985707858119536_7166751724831506432_n

Bento Batuca
Com Sidney Santiago Kuanza; Lena Roque; Fernando Oliveira; Vitor Bassi
Teatro Jaraguá (Rua Martins Fontes, 71 – Centro, São Paulo)
Duração 60 minutos
07/04 até 13/05 (06/05 apresentação com interpretação em Libras)
Sábado – 16h, Domingo – 11h e 16h
$40
Classificação Livre

O ARQUITETO E O IMPERADOR DA ASSÍRIA

O diretor Léo Stefanini dá continuidade à sua pesquisa sobre o Teatro do Absurdo – iniciada em 2016 com a encenação de “Esperando Godot”, de Samuel Beckett – com a nova montagem de O Arquiteto e o Imperador da Assíria, do dramaturgo espanhol Fernando Arrabal. O espetáculo estreia no dia 13 de abril, no Teatro Jaraguá e segue em cartaz até 1º de julho.

As comédias absurdas de Arrabal e Beckett têm muitas semelhanças entre si, segundo Léo Stefanini. “As duas são as obras-primas desses autores, os escritores são considerados os maiores dramaturgos de seus países, os textos apresentam o encontro entre personagens em um universo pouco definido e elas necessitam da participação do espectador. As histórias só se fecham quando o público se torna cocriador das obras. Quando montamos ‘Godot’, por exemplo, notávamos que as pessoas saíam do teatro com as mais diversas interpretações. Esse universo multifacetado de possibilidades é o que me encanta”, diz.

A trama se passa em uma ilha deserta onde vive apenas o Arquiteto. Certo dia, depois de ouvir uma explosão do lado de fora de sua cabana, ele encontra o único sobrevivente de um acidente de avião, que diz ser o Imperador da Assíria.  Depois de anos de uma convivência claustrofóbica, os dois vivem uma maratona de emoções: ora se desafiam, ora se solidarizam com a situação do outro.

O cenário da montagem, assinado por Chris Aizner, é uma ilha absolutamente poluída, que serve para representar a real situação de nossos oceanos. “É uma praia preta, porque nós chegamos à conclusão de que esta é a verdade em que vivemos. Existe um estudo que diz que, em 2050, teremos mais plástico no mar do que peixes. E quisemos cutucar nessa ferida. O figurino de Marichilene Artisevskis também não poderia ser diferente, uma vez que esses homens devem estar imundos depois de tanto tempo longe da ‘civilização’”, explica Léo Stefanini. Completam a ficha técnica criativa o iluminador Wagner Pinto e o músico Raul Teixeira, que assina a trilha sonora.

Para inserir a plateia nesse universo, a trilha sonora, criada por Raul Teixeira, é composta por todos os ruídos da ilha (das ondas, da chuva, dos trovões, dos pássaros, etc.), como uma ambientação.

Ainda segundo o diretor, o texto de Arrabal traz uma comicidade que os artistas buscaram preservar ao máximo, sem infantilizar o espectador. Algumas das referências da encenação, além da obra de Samuel Beckett, são as linguagens do grupo inglês Monty Python, dos filmes do americano Buster Keaton, do seriado brasileiro TV Pirata e da peça “O Mistério de Irma Vap”, do americano Charles Ludlam.

SINOPSE

A história se passa em uma ilha selvagem, onde vive um único habitante. Certo dia, por causa de um acidente aéreo, o único sobrevivente da tragédia também vai parar na ilha. A partir desta situação, os dois personagens vivem uma maratona de emoções; ora se digladiam, ora se solidarizam, em uma convivência claustrofóbica, surpreendente e permeada por refinado humor.

FELCO_180316-162-Editar.jpg
O Arquiteto e o Imperador da Assíria
Com Rubens Caribé e Eduardo Silva
Teatro Jaraguá (Rua Martins Fontes, 71 – Centro, São Paulo)
Duração 80 minutos
13/04 até 01/07
Sexta – 21h, Sábado – 21h, Domingo – 19h
$50
Classificação 12 anos

EU COM VOCÊS

Popularmente conhecido como Christian Pior, o humorista Evandro Santo apresenta seu stand-up comedy EU COM VOCÊS de 24 de março a 28 de abril, sábados, às 23h30, no Teatro Jaraguá.

Integrante do programa Pânico, da Rádio Jovem Pan e repórter do programa Melhor da Tarde, da Band,Evandro Santo, no espetáculo EU COM VOCÊS, brinca consigo mesmo, sua história de vida, cotidianos comuns e com sua plateia, gerando uma humanização no palco que ele define apenas como sendo um “adereço” para essa divertida experiência.

Baseado na premissa de que “somos todos muito interessantes”, o humorista conta que não consegue se diferenciar da plateia, pois cada presente alimenta suas inspirações. “Quer rir de mim mesmo, rir das pessoas, rir com as pessoas e passar a mensagem que a imperfeição humana é a melhor perfeição do mundo”.

Sobre Evandro Santo

Evandro Márcio dos Santos, 42 anos, nascido em Belo Horizonte criado em Uberaba e des/criado em São Paulo (assim se define sorrindo). Sonhava ser cantor, bailarino, ator, modelo e bonito, nada disso aconteceu, mas se tornou cômico. Em 1993 iniciou a sua carreira com os famosos telegramas animados, participava com seu espetáculo das melhores festas nas casas de famílias importantes da sociedade da cidade de São Paulo, se especializou em Chá-Bar, despedidas de solteiro, Bar Mitzvah, casamentos e eventos coorporativos. No início do ano de 2000 com o surgimento dos espetáculos Terça Insana e Cócegas, Evandro criou coragem e ampliou sua comédia para shows de humor em bares. Montou seu primeiro grupo The Bo Show, Paitê no Patê, Work Uma Incorporação de Humor, e o seu primeiro soloAbsurto, onde foi descoberto pelo programa Pânico. Há 10 anos paralelamente ao programa de TV e rádio Pânico, ele atua em shows de stand-up, tem o seu canal no Youtube com vídeos nada convencionais, faz shows e participação especial em eventos coorporativos e familiares.

IMG-20180316-WA0019.jpg

Eu Com Vocês
Com Evandro Santo
Teatro Jaraguá – Novotel Jaraguá (Rua Martins Fontes, 71 – Centro, São Paulo)
Duração 55 minutos
24/03 até 28/04
Sábado – 23h30
$60
Classificação 14 anos

VISITANDO SR. GREEN

Atendendo a pedidos, o ator, diretor, artista plástico e produtor cultural Sergio Mamberti reestreia Visitando Sr. Green no Teatro Jaraguá, a partir de 12 de janeiro, em curta temporada com ingressos populares.

Na peça, que estreou em abril de 2015, Mamberti divide o palco com Ricardo Gelli, sob direção de Cassio Scapin.

Um pequeno acidente de trânsito nas ruas de Nova York acaba provocando a aproximação entre o Sr Green, um velho e solitário judeu ortodoxo, e Ross Gardner, um jovem executivo de 29 anos que, acusado de negligência na direção e considerado culpado pela ocorrência, recebe como pena prestar serviço comunitário junto à vítima uma vez por semana, por seis meses. A circunstância legal que os uniu involuntariamente, envolve os dois em situações inusitadas, com traços de fino humor e de profunda emoção.

Revelando pouco a pouco a personalidade de cada um, suas realizações e suas frustrações acabam por constituir a trama central da peça através da riqueza da narrativa e dos instigantes diálogos de Jeff Baron. Retratam também, magistralmente, os aspectos mais pitorescos da cultura judaica, bem como os encontros e desencontros de dois habitantes de uma metrópole como Nova York.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Visitando Sr. Green
Com Sergio Mamberti e Ricardo Gelli
Teatro Jaraguá – Hotel Novotel (Rua Martins Fontes, 71. Bela Vista, São Paulo)
Duração 90 minutos
12/01 até 18/03
Sexta – 21h30, Sábado – 21h, Domingo – 19h
$50
Classificação 14 anos