FAZENDO SUAS GRAÇA

Depois do sucesso do show Eu, eu, Murilo, disponível no Netflix, o comediante Murilo Couto grava seu segundo especial de comédia stand-up, o Fazendo Suas Graça, entre 15 e 17 de dezembro – sexta e sábado, às 20 horas, e domingo, às 19 horas, no Teatro MorumbiShopping.

No show ele aborda, de maneira nada inteligente, assuntos diversos como métodos para criar um filho, UFC e sexo sadomasoquista, sempre acompanhado de um projetor com imagens para apoiar seus argumentos.

Além do stand-up, Murilo Couto mostra porque é conhecido como o Eminem brasileiro com uma apresentação de rap que deixaria Jay Z com inveja e dá um show de dança com uma sequência de funk gospel.

O humorista circula com Fazendo Suas Graça há cerca de um ano e meio. Na temporada do Teatro MorumbiShopping a apresentação será gravada para algum formato ainda a ser definido por ele.

No show, Murilo diz exaltar a “pura babaquice” e foge dos rótulos de humor inteligente que muitas vezes são associados à área.

MuriloCouto ©Anna Kumamoto (1)

Fazendo Suas Graça
Com Murilo Couto
Teatro Morumbi Shopping (Av. Roque Petroni Júnior, 1089 – Jardim das Acacias, São Paulo)
Duração 70 minutos
15 a 17/12
Sexta e Sábado – 20h, Domingo – 19h
$60
Classificação 14 anos

BRINCANDO EM CIMA DAQUILO

Depois de uma curta temporada de estreia, a obra dos italianos Dario Fo e Franca Rame, encenada no Brasil por grandes atrizes, como Marília Pêra, Denise Stoklos e Débora Bloch, chega ao Teatro Morumbi Shopping a partir do dia 29 de setembro.

Brincando em cima daquilo traz ator paulista Wilson de Santos dando vida a três mulheres mergulhadas em humor e poesia para desafiar as pequenas – e também gigantescas – repressões às quais estão sujeitas em suas relações cotidianas. A comédia fica em cartaz até o dia 26 de novembro, às sextas e sábados, às 21h, e aos domingos, às 19h.

Brincando em cima daquilo tem direção do ator e diretor Marcelo Médici e vem rendendo ótimos comentários juntos à imprensa paulistana. “Wilson de Santos é do tipo de ator que não teme grandes desafios. (…) Famoso por sua versatilidade justamente ao incorporar personagens femininas, Wilson dá conta do recado, divertindo e fazendo refletir a plateia do Teatro Renaissance, em São Paulo”, escreveu o crítico Miguel Arcanjo Prado em seu blog do portal UOL, depois da estreia na capital paulista. Já o crítico Dirceu Alves Jr. (Veja SP) escreveu: “Comediante de mão-cheia acostumado aos tipos femininos, o ator paulista Wilson de Santos é o primeiro homem a protagonizar os monólogos de Brincando em Cima Daquilo. (…) O protagonista acentua o caráter tragicômico dessas duas histórias e ganha o público pela identificação com as situações. Mas é na parte final, porém, como a dona de casa Maria, que o talento de Santos salta aos olhos do espectador”.

Três esquetes mesclam momentos de muito humor, retirados de rotinas identificáveis por cada um de nós, com a crítica contida no enfrentamento à violência e à educação repressora que insistem em recair sobre as mulheres, ainda hoje. Uma dona de casa é trancada no apartamento pelo marido, enquanto outra mulher enfrenta um ônibus cheio na volta do escritório. Já a operária acorda atrasada e tenta encontrar as chaves da porta de casa, numa luta contra o relógio e suas “obrigações” cotidianas. Ressignificadas pelo olhar, voz e corpo de Wilson, todas as cenas são capazes de nos fazer rir e se identificar com a força da peça de Fo e Rame, sempre ancorada na união da coloquialidade do texto e o desempenho dos artistas que decidem dar vida àquelas histórias.

A proximidade entre o ator e o público, utilizando a improvisação para manter um contato direto entre eles, é uma das características que não deixa Brincando em cima daquilo perder sua vitalidade. E essa é justamente uma das grandes características do trabalho de Wilson de Santos, que valoriza palavras, olhares e o timing em cena para estabelecer um diálogo íntimo – e sempre hilário – com quem se deixa contaminar pelo humor ácido com o qual constrói suas personagens. A autorização da peça – cujos textos foram encenados em cerca de 50 países e nunca antes haviam sido liberados para um ator – foi dada a Wilson por Jacopo Fo, filho do casal italiano e representante da obra, que se sentiu instigado com a novidade após analisar o currículo do ator. Nos últimos anos Wilson levou ao palco hilárias personagens femininas, como a freira Maria José, da comédia A Noviça Mais Rebelde, e a atriz Bette Davis, na peça Bette Davis e Eu. Essa nova versão de Brincando em cima daquilo, portanto, é uma oportunidade rara de viver através do teatro uma experiência emocionante e, sobretudo, divertidíssima.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Brincando em Cima Daquilo
Com Wilson de Santos
Teatro Morumbi Shopping (Av. Roque Petroni Júnior, 1089 – Jardim das Acacias, São Paulo)
Duração 60 minutos
29/09 até 26/11
Sexta e Sábado – 21h, Domingo – 19h
$60/$70
Classificação 14 anos

1 MELHOR QUE O OUTRO

Eles vão disputar a simpatia do público com o que sabem fazer de melhor. Marcinho Eiras toca duas guitarras ao mesmo tempo, Mauricio Dollenz faz números inusitados de mágica e mentalismo, Dinho Machado canta sobre relacionamentos amorosos e Paulinho Serra satiriza questões do seu cotidiano. Juntos, os parceiros de palco estreiam o show de humor 1 Melhor Que o Outro no Teatro MorumbiShopping dia 6 de setembro, quarta-feira, às 21 horas.

Cada comediante terá quinze minutos para registrar sua marca com o público e provar que é melhor do que o companheiro a se apresentar na sequência. “São quatro humoristas de universos bem diferentes mostrando o que têm de mais interessante em cena”, sintetiza Paulinho Serra, ressaltando que a competição não passa de uma brincadeira para promover um encontro de humor com o público. Paulinho irá vestir sua camisa de carioca e contar piadas sobre o período que morou no Rio de Janeiro, destacando as primeiras empreitadas como ator e comediante por lá.

O guitarrista Marcinho Eiras diz que rola uma afinidade grande entre os quatro no palco e que cada um se garante. Brincalhão, descobriu que suas apresentações encaixam-se no rótulo stand-up e agora investe na comédia. Empunhando duas guitarras que toca ao mesmo tempo, com pegada jazzista, o número de Marcinho ilustra casos do cotidiano com músicas. “Ele se intitula o melhor, o cara“, diz o artista sobre o espírito provocativo de seu personagem.

O mágico Maurício Dollenz entra e sai do palco durante o espetáculo, “um pouco como o garçom Alex, do Programa do Jô”, diz, explicando como será o formato de sua apresentação. “Vou fazer a plateia rir com números de mentalismo, quando adivinho o que passa na cabeça das pessoas“, adianta o artista chileno radicado no Brasil desde 2013.

Dinho Machado prefere surpreender a cada sessão. A surpresa, inclusive, é um prato cheio para o artista, que também é ator. “Na atuação profissional nós temos que pensar em cada atitude do personagem, já no humor tudo é imprevisível e vamos sentindo o retorno da plateia na hora”, conta. Conhecido por cantar músicas satíricas sobre relacionamentos amorosos, garante com esse recurso – normalmente ao ritmo de pop e sertanejo – um dos pontos altos das suas apresentações. “Canto sobre as três etapas: a de quem está procurando por um relacionamento, quem está em um e quem acabou de sair”, fala Dinho.

Todos os artistas já trabalharam juntos antes, seja participando dos shows dos colegas ou se encontrando em turnês pelo Brasil. Paulinho e Dinho, que se conhecem há pelo menos quinze anos, chegaram a se apresentar no mesmo período no Japão. A temporada do show de humor no Teatro MorumbiShopping vai até dia 22 de novembro e, repleto de improviso e diversão, é feito para se ver mais de uma vez.

image007.png

1 Melhor Que o Outro
Com Dinho Machado, Marcinho Eiras, Mauricio Dollenz e Paulinho Serra
Teatro MorumbiShopping (Av. Roque Petroni Junior, 1089 – Jardim das Acácias, São Paulo)
Duração 70 minutos
06/09 até 22/11
Quarta – 21h
$60
Classificação 12 anos

 

PESCADORA DE ILUSÃO

Pescadora de Ilusão conta a história de uma mãe que pede perdão aos filhos por ter esquecido de dar comida aos seus peixinhos vermelhos, o que fez com que eles morressem. Para justificar seu pedido de desculpas, Clarice garante que ama os animais e conta histórias divertidas sobre os bichos de estimação que passaram por sua vida, como o cachorro Dilermando e a macaquinha Lisete. No enredo da peça as atrizes Carol Badra e Mel Lisboa vivem as personagens EU e TU, duas atrizes, que pedem para as crianças perdoarem a Clarice Lispector por ter matado os peixes, assim como ela faz no livro. 
 
A adaptação do texto e direção geral do espetáculo são de GpeteanH, tendo como seu assistente Arnaldo D’Ávila. Em um clima de mistério, diversão e interatividade com a plateia, as atrizes explicam a importância do perdão e a relação com as perdas, separações e até mesmo a morte, fazendo uma analogia, entre as diversas histórias que intercalam a trama, com a morte dos tais peixinhos vermelhos. 
 
A encenação utiliza objetos e adereços animados, concebidos pelo diretor de arte Marco Lima, que assina também o cenário e os figurinos. Estes objetos são “pescados” pelas atrizes ou surgem de forma inusitada para ajudá-las a contar essa história.
 
A dupla de atrizes ainda mostra a sua versatilidade ao cantar, sapatear e tocar alguns instrumentos, na bela trilha idealizada pelo diretor musical Pedro Paulo Bogossian, e na coreografia de Chris Matallo”, completa o diretor GpeteanH.
 
SINOPSE
PESCADORA DE ILUSÃO – As personagens EU e TU são amigas inseparáveis. O que as une é o amor pelo teatro. Um dia, decidem sair em defesa da escritora Clarice Lispector que esqueceu-se de alimentar os peixinhos de seus filhos. Para conseguirem seu intento, montam um espetáculo pedindo para que os espectadores perdoem a “Pescadora de Ilusão”.
 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Pescadora de Ilusão
Com Carol Badra e Mel Lisboa
Teatro Morumbi Shopping – Shopping Morumbi Shopping (Av. Roque Petroni Júnior, 1089 – Vila Gertrudes, São Paulo)
Duração 60 minutos
09/09 até 29/10
Sábado e Domingo – 15h
$50
Classificação livre

COMO É QUE PODE

Visto por cerca de 500 mil espectadores, desde que estreou no Rio de Janeiro há seis anos, o espetáculo Como É que Pode está de volta a São Paulo, a partir do dia 30 de junho, sexta-feira, às 21h, para temporada de um mês no Teatro MorumbiShopping.

Mágico e ator desde a adolescência, Gabriel Louchard fez do seu espetáculo uma vitrine para seus múltiplos talentos ao mesclar números de ilusionismo, esquetes de humor, vídeos e stand-up comedy.

Em Como É que Pode, o humorista brinca com situações cômicas enfrentadas por mágicos durante o trabalho em uma festa infantil, convoca a plateia para participar de truques e realiza números impressionantes de mágica, sempre aliados ao bom-humor de seu texto. Com essa estrutura, a peça, segundo seu criador, tem a intenção de resgatar a mágica e a figura do mágico, aproximar o artista do seu público, divulgando e popularizando esse tipo de arte. A direção é de Leandro Hassum.

Na abertura de Como É que Pode, um vídeo mostra depoimentos de celebridades, como Patrícia Pillar, Bruno Gagliasso e Thiago Lacerda, que falam de forma cômica sobre “o maior artista do mundo”. O espetáculo usa e abusa de números tradicionais desse tipo de show. Um dos pontos altos é quando Gabriel Louchard chama alguém da plateia para participar do número da guilhotina, sempre com muito improviso e bom humor.

É um espetáculo que passeia por todo o universo da mágica. Tem stand-up, esquetes, mas sempre com foco na mágica. Por exemplo, o mágico faz uma mágica que dá errado e tem que ligar para o serviço de atendimento ao mágico para resolver. A gente aproveita e faz uma sátira desse tipo de atendimento”, conta Louchard. “Tem muito improviso e interação com a plateia também. Por isso, o espetáculo tem frescor. Cada dia é um show diferente porque depende da reação da plateia.”

O espetáculo já circulou por várias cidades brasileiras, além das norte-americanas Nova York, Boston e New Jersey. Em São Paulo, já esteve em duas outras ocasiões, mas, segundo Louchard, esta é a primeira vez em horário nobre. “Estou muito animado com essa nova temporada porque o grande público paulista ainda não conhece a peça. Como é uma audiência culturalmente ativa, que consome muito teatro, acho que vamos ser bem-recebidos”.

Eu comecei a perceber que o diferencial de um número de mágica é o mágico. Porque as mágicas são todas iguais. Agora, o jeito de ele se apresentar, a forma como faz para tirar uma moeda da orelha, por exemplo, faz toda a diferença. Então passei a procurar maneiras mais despojadas de fazer isso e vi que o meu maior aliado era o humor”, afirma Louchard, que se apresenta como ator, humorista, apresentador e mágico.

gabriel-louchard-apresenta-como-e-que-pode-no-teatro-glauce-rocha-espeta

 

Como é que Pode
Gabriel Louchard
Teatro MorumbiShopping – Shopping Morumbi (Av. Roque Petroni Júnior – Vila Gertrudes, São Paulo )
Duração 60 minutos
30/06 até 30/07
Sexta e Sábado – 21h; Domingo – 19h
$60
Classificação 12 anos

ALÔ ALÔ THEATRO MUSICAL BRAZILEIRO (OPINIÃO)

A atriz e cantora, Amanda Acosta, conta a trajetória do Teatro Musical do país no seu mais recente espetáculo – “Alô Alô Theatro Musical Brasileiro“, em cartaz, às terças feiras de abril, às 21 horas, no Teatro Morumbi Shopping.

Percorrendo de 1890 até 2016, Amanda canta 13 canções, e entre ela, conta em textos rápidos, como surgiu o Teatro de Revista no país, seu desenvolvimento e transformações ao decorrer dos anos até se tornar no nosso Teatro Musical Brasileiro.

É um show sobre as influências da identidade cultural do Brasil nos musicais. Um dos objetivos é reacender a interpretação de músicas maravilhosas que muitos ouvem sem saber que foram feitas para o teatro musical brasileiro”, diz a atriz.

Passam pelo palco, canções como “Feijoada do Brasil” e “Corta Jaca“, ambas composições de Chiquinha Gonzaga; os clássicos “Na Batucada da Vida” e “No Rancho Fundo“, além de “Tango de Nancy“, “Basta um Dia” e “Ode aos Ratos“, de Chico Buarque de Holanda, entre outras.

Além de interpretá-las de uma forma teatralizada, Amanda vai além. Ela emula os sotaques de cada época em que as canções foram compostas, situando o espectador antes de iniciar cada uma das faixas.

A atriz está bem acompanhada no palco pelos músicos Demian Pinto, pianista e que fez os arranjos do espetáculo, e Daniel Baraúna, na percussão.

Também tem a companhia de um dos mais importantes e criativos artistas do nosso Teatro/ Teatro Musical – Kleber Montanheiro. Em parceria com Amanda, Kleber assina a direção e roteiro, e também cuida do figurino e iluminação (realmente, um show a parte).

Em um país que não tem memória, “Alô Alô Theatro Musical Brasileiro” é quase um programa obrigatório. Além de se informar e se divertir, terá a oportunidade de (re)ver  Amanda Acosta, dona de uma linda voz e que prende a atenção do público em todos os minutos que está em cena.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Alô Alô Theatro Musical Brazileiro
Com Amanda Acosta
Teatro Morumbi Shopping (Av. Roque Petroni Junior, 1089 – Jardim das Acácias, São Paulo)
Duração 70 minutos
04 a 25/04
Terça – 21h
$50
Classificação 14 anos
Direção e Roteiro: Amanda Acosta e Kleber Montanheiro.
Figurino e Iluminação: Kleber Montanheiro.
Adereço de Cabeça: Paulo Bordhin.
Arranjos e Piano: Demian Pinto.
Percussão: Daniel Baraúna.
Designer de cabelo e Maquiagem: Anderson Bueno.
Produção: Waldir Terence e Amanda Acosta.
Realização: Acosta Produções Artísticas & Terence Produções.
Assessoria de Imprensa: Arteplural Comunicação

ALÔ ALÔ THEATRO MUSICAL BRAZILEIRO

Envolvida com a carreira artística desde os quatro anos, a cantora e atriz Amanda Acosta participou do grupo infantil Trem da Alegria, sucesso infantil nos anos 80, e em seguida consagrou sua carreira nos palcos, destacando-se em musicais como Grease, My Fair Lady e 4 Faces do Amor. Ao perceber a dificuldade do público em identificar as marcas de musicais criados no Brasil, a artista concebeu, ao lado de Kleber Montanheiro, o show Alô Alô Theatro Musical Brazileiro, que fará temporada no Teatro Morumbi Shopping entre os dias 4 e 25 de abril, sempre às terças-feiras, 21h.

Neste show, Amanda apresenta ao público treze canções que nasceram para os musicais desde 1890 até 2016. “Clássicos que se eternizaram fora dos palcos, como Na Batucada da Vida (Luis Peixoto e Ary Barroso) e No Rancho Fundo ( Ary Barros e Lamartine Babo) foram interpretados no teatro musical”, destaca Amanda. Especializada no gênero, a artista emula os sotaques de cada época, situando o espectador antes de iniciar cada uma das faixas.

No repertório, há músicas do início do século XX, como Feijoada do Brasil (Chiquinha Gonzaga) e Corta Jaca(Chiquinha Gonzaga e Machado Careca), o samba-canção Linda Flor (Henrique Vogeler, Marques Porto e Luiz Peixoto) e músicas do multiartista Chico Buarque de Hollanda, como Tango de Nancy, Basta um Dia e Ode Aos Ratos.

Amanda relata ao público, em textos simples e breves, como foi a inserção do teatro de revista no Brasil no final do século XIX, da retomada deste gênero já em 1965, dos traços dos musicais legitimamente brasileiros e como segue o cenário nos dias de hoje. Ela também dá informações sobre as canções e os compositores que interpreta, sempre conferindo dinamismo e agilidade ao show.

Sobre a potência dos musicais, Amanda afirma que o gênero pode falar sobre questões importantes e pesadas a partir de uma linguagem mais leve. “O espectador, ao mesmo tempo em que está relaxado, capta informações relevantes.”A artista completa que o gênero no Brasil passa por um problema de patrocínios. “Os musicais importados já vem com uma divulgação espontânea e com atrativos por terem sido apresentados na Broadway ou serem inspirados em filmes, mas os musicais feitos aqui, com a nossa linguagem, com o nosso jeito, com a nossa identidade, que se comunica diretamente com o nosso público, não têm as mesmas facilidades.” diz Amanda.

Amanda complementa que teve o apoio do diretor Kleber Montanheiro para a composição do espetáculo, tendo estreado esse show em outro formato pelo projeto Cabaret Solo, promovido pelo Espaço Cia da Revista, no Centro de São Paulo.

É um show sobre as influências da identidade cultural do Brasil nos musicais. Um dos objetivos é reacender a interpretação de músicas maravilhosas que muitos ouvem sem saber que foram feitas para o teatro musical brasileiro”, finaliza Amanda.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Alô Alô Theatro Musical Brazileiro
Com Amanda Acosta
Teatro Morumbi Shopping (Av. Roque Petroni Junior, 1089 – Jardim das Acácias, São Paulo)
Duração 70 minutos
04 a 25/04
Terça – 21h
$50
Classificação 14 anos
 
Direção e Roteiro: Amanda Acosta e Kleber Montanheiro.
Figurino e Iluminação: Kleber Montanheiro.
Adereço de Cabeça: Paulo Bordhin.
Arranjos e Piano: Demian Pinto.
Percussão: Daniel Baraúna.
Designer de cabelo e Maquiagem: Anderson Bueno.
Produção: Waldir Terence e Amanda Acosta.
Realização: Acosta Produções Artísticas & Terence Produções.
Assessoria de Imprensa: Arteplural Comunicação