ELZA

A trajetória de Elza Soares é sinônimo de resistência e reinvenção. As múltiplas facetas apresentadas ao longo de sua majestosa carreira foram o ponto de partida para o musical “Elza”, que estreou em julho no Rio de Janeiro, passou por outras capitais e retorna ao Teatro Riachuelo após imenso sucesso popular e a aprovação irrestrita da homenageada.

De 7 a 23 de dezembro, Larissa Luz, convidada para a montagem, e outras seis atrizes selecionadas após uma bateria de testes (Janamô, Júlia Tizumba, Késia Estácio, Khrystal, Laís Lacorte e Verônica Bonfim) sobem ao palco para celebrar o trabalho, as indicações aos principais prêmios nacionais e os quatro troféus do Prêmio Reverência recém-conquistados (Melhor Espetáculo, Melhor Direção, Melhor Autor e Categoria Especial).

Em cena, as atrizes se dividem ao viver Elza Soares em suas mais diversas fases e interpretam outros personagens, como os familiares e amigos da cantora, além de personalidades marcantes, como Ary Barroso (1903-1964), apresentador do programa onde se apresentou pela primeira vez, e Garrincha (1933-1983), que protagonizou com ela um notório relacionamento.

Com texto inédito de Vinícius Calderoni e direção de Duda Maia, o espetáculo tem a direção musical de Pedro LuísLarissa Luz e Antônia Adnet. Além disso, o maestro Letieres Leite, da Orquestra Rumpilezz, foi o responsável pelos novos arranjos para clássicos do repertório da cantora, tais como LamaO Meu GuriA Carne e Se Acaso Você Chegasse. O projeto foi idealizado por Andrea Alves, da Sarau Agência, a partir de um convite da própria Elza e de seus produtores Juliano Almeida e Pedro Loureiro.

Ainda que muitos dos conhecidos episódios da vida da homenageada estejam no palco, a estrutura de Elza foge do formato convencional das biografias musicais. Se os personagens podem ser vividos por várias atrizes ao mesmo tempo, a estrutura do texto também não é necessariamente cronológica. Da mesma forma que músicas recentes (A Mulher do Fim do Mundo, a emblemática A Carne e Maria da Vila Matilde) se embaralham aos sucessos das mais de seis décadas de carreira da cantora, como Se Acaso Você ChegasseLamaMalandroLata D’Água e Cadeira Vazia.

Marcada por uma série de tragédias pessoais – a morte dos filhos e de Garrincha, a violência doméstica e a intolerância –, a jornada de Elza é contada com alegria.

A Elza me disse: ‘sou muito alegre, viva, debochada. Não vai me fazer um musical triste, tem que ter alegria’. Isso foi ótimo, achei importante fazer o espetáculo a partir deste encontro, pois assim me deu base para saber como Elza se via e como ela gostaria de ser retratada, conta Vinicius Calderoni, que leu e assistiu a infindáveis entrevistas que a cantora deu ao longo da vida e também pesquisou a obra de pensadoras negras, como Angela Davis e Conceição Evaristo, cujos fragmentos de textos aparecem na peça.

O espetáculo foi desenvolvido ao longo de um período em que Elza se encontra no auge de uma carreira marcada por reviravoltas e renascimentos. Ao lançar seus últimos dois discos, A Mulher do Fim do Mundo (2015) e Deus é Mulher (2018), a cantora não somente ampliou ainda mais seu repertório e sua base de fãs, como conquistou, mais uma vez, a crítica internacional, e se consolidou como uma das principais vozes da mulher negra brasileira.

Vinícius Calderoni, autor do texto, chama a atenção para a coletividade presente em todo o processo de criação da montagem. Após ter escrito as primeiras páginas, ele começou a frequentar os ensaios e estabeleceu um rico intercâmbio com Duda Maia e as sete atrizes. ‘Hoje poderia dizer que elas são coautoras e colaboradoras do texto. São sete atrizes negras e múltiplas, como a Elza é. Diante da responsabilidade enorme, eu estabeleci limites de fala para mim, por exemplo, em relação a alguns temas. Limitei a minha voz e disse que não escreveria nada, queria os relatos delas e as opiniões. Pedi a colaboração delas, das experiências vividas por uma mulher negra. Do mesmo jeito que a Duda propôs muitas coisas, as atrizes também tiveram este espaço’, conta o dramaturgo.

Tal processo colaborativo se estendeu para a música, com a participação ativa das atrizes e das musicistas nos ensaios com os diretores musicais, e o maestro Letieres Leite, que liderou algumas oficinas com o grupo no período dos ensaios. O processo gerou ainda duas canções inéditas que estão na peça: Ogum, de Pedro Luís, e Rap da Vila Vintém, de Larissa Luz. Se a escolha de Pedro Luís para a função foi referendada pela própria Elza – que gravou e escolheu um verso do compositor para nomear seu último disco –, Larissa Luz já estava envolvida com o projeto desde o seu embrião.

Elza

Com Janamô, Júlia Tizumba, Késia Estácio, Khrystal, Laís Lacôrte, Verônica Bonfim e a atriz convidada Larissa Luz.

Teatro Riachuelo Rio (Rua do Passeio, 38/40 – Centro, Rio de Janeiro)

Duração 120 minutos

07 a 23/12

Quinta – 19h, Sexta e Sábado – 20h, Domingo – 19h

$40/$150

Classificação 14 anos

TOCA LULU E RAUL!

Lulu Santos e Raul Seixas. Estes são os próximos cantores/compositores que terão suas canções levadas para o Teatro Musical.

Para o próximo ano, a Aventura Entretenimento tem previsto a estreia de “O Meu Destino é Ser Star“, com músicas de Lulu Santos; e “Merlin – Sinfonia de Lenda e Magia“, com repertório de “Raul Seixas.

O primeiro título é uma uma comédia musical, que trata da construção de um espetáculo em teatro musical. O musical contará a história de atores, que buscam pelos seus lugares ao sol, durante o processo de audições, aspirando o estrelato (relação com o nome do musical).

O elenco é composto por dez atores. São eles: Myra Ruiz, Gabriel Falcão, Jéssica Ellen, Helga Nemeczyk, Victor Maia, Carol Botelho, Marina Palha, Mateus Ribeiro, Ana Elisa Schumacher e Leonardo Senna.

“O Meu Destino é Ser Star” terá a direção de Renato Rocha (“Ayrton Senna – o Musical”), direção musical de Zé Ricardo, e Victor Maia na direção de movimentos e coreografias. A estreia será no dia 19 de janeiro, no Teatro Riachuelo (Rio de Janeiro)

Merlin – Sinfonia de Lenda e Magia” terá a concepção e direção de Guilherme Leme Garcia (“Romeu e Julieta ao Som de Marisa Monte”).

Guilherme escolheu as canções de Raul Seixas para contar a história do personagem mítico bretão, conselheiro do Rei Arthur. O processo de audição está em andamento, e a estreia ainda não teve sua data marcada.

(fonte – Teatro em Cena)

 

SONHO DE UMA NOITE DE VERÃO – O MUSICAL

Estreia dia 2 de maio, no Teatro Riachuelo Rio, Sonho de Uma Noite de Verão – O Musical. O espetáculo reúne os atores que se destacaram nas três edições do projeto Incubadora de Cias, realizado pelo CEFTEM em parceria com a Aventura Entretenimento, em uma adaptação inédita da clássica comédia de Shakespeare, com músicas originais. O espetáculo tem direção João Fonseca, direção musical de Tony Lucchesi e direção de movimento de Bella Mac.

SONHO DE UMA NOITE DE VERÃO

Às vésperas do casamento do Duque de Atenas, um casal de apaixonados (Hérmia e Lisandro) adentra a mata para tentar escapar de um destino terrível. Também entram Demétrio, apaixonado por Hérmia, e Helena, apaixonada por Demétrio. O caos está instalado na floresta por causa de uma disputa ciumenta entre os deuses Titãnia e Oberon, que não conseguem controlar os espíritos da floresta, e seu líder, Puck. Feitiços são lançados e os jovens apaixonados acabam se encantando pelas pessoas erradas, numa noite de perseguições amorosas confusas e cansativas. Nesta mesma floresta, uma trupe de atores amadores ensaia uma lamentável comédia de muito mal gosto para apresentar no casório que se dará em breve. Um deles é arrastado para o caos dos feitiços, quando é transformado em burro por Puck, e capturado pela rainha das fadas, que se apaixona profundamente por suas orelhas peludas. Em uma noite que mais parece um sonho, o amor é feitiço e todos vivem experiências misteriosas e memoráveis.

31542660_2065977930391697_976134977051688960_n

Sonho de uma Noite de Verão – o Musical
Com Alina Cunha, Anderson Rosa, Caio Lisboa, Clara Equi, Erick De Luca, Gabriel Lara, Hamilton Dias, Julia de Aquino, Maria Clara Cristóvão, Mariana Montenegro, Mateus Penna Firme, Milene Cauzin, Sidarta Senna, Vitor Louzada
Teatro Riachuelo (Rua do Passeio, 38/40 – Centro, Rio de Janeiro)
Duração 120 minutos
2, 9, 16, 23 e 31 de maio, 01 e 02 de junho – 20h
03 de junho – 18h
$40
Classificação 12 anos

ROMEU E JULIETA

A mais famosa história de amor de todos os tempos vai virar musical. A adaptação “Romeu e Julieta”, em formato inédito no país para o clássico de William Shakespeare, chega ao palco do Teatro Riachuelo Rio no dia 9 de março. Com direção de Guilherme Leme Garcia (Um Pai – Puzzle), o roteiro musical do espetáculo é composto por 25 canções do repertório de Marisa Monte, como “Amor I Love You” e “Um Só”, que ficou conhecida através do projeto Tribalistas. Apresentado pelo Ministério da Cultura e Circuito Cultural Bradesco Seguros, o espetáculo é assinado pela Leme Produções Artísticas, em parceria com a Aventura Entretenimento e patrocínio da Riachuelo.

Contamos com uma equipe de criadores incríveis para encantar o público, contando a história trágica do amor de dois jovens, obra imortal da literatura”, comenta Aniela Jordan, sócia-diretora da Aventura, ao lado de Fernando Campos, Luiz Calainho e Patrícia Telles.

A tragédia escrita entre 1591 e 1595, nos primórdios da carreira literária do inglês, conta a história de dois adolescentes apaixonados cuja morte acaba unindo suas famílias, outrora em pé de guerra. A obra é uma das mais levadas aos palcos do mundo inteiro e hoje o relacionamento dos protagonistas é considerado como o arquétipo do amor juvenil.

Histórias de amor sempre têm um lado melancólico, triste, mas, como todos sabem, Romeu e Julieta é a mais bela história de amor que já existiu“, comenta o diretor. “Eu assisti uma montagem do Antunes Filho há 30 anos, em São Paulo, e desde então fiquei totalmente emocionado. Sempre quis falar de Shakespeare para os jovens e trazer essa galera nova para o teatro, então pretendemos fazer um espetáculo atemporal, que mistura o texto de 1500 com a música dos anos 2000, além de um figurino e um cenário que circulam entre esses tempos”.

Para viver o jovem e apaixonado casal, estarão em cena Bárbara Sut (Rio Mais Brasil – O Nosso Musical) e Thiago Machado (Cazuza, Rent, Rocky Horror show, Cantando na Chuva). O elenco traz ainda nomes como Ícaro Silva (Rock in Rio – O Musical, Simonal, Elis, a Musical), no papel de Mercuccio, Pedro Caetano (Rei Leão, Les Misérables), Bruno Narchi (Rock in Rio – O Musical, Cazuza, Cinderella, Rent), Stella Maria Rodrigues (Cristal Bacharat, Cazuza, Emilinha), Claudio Galvan (Família Addams, Garota de Ipanema – O Amor É Bossa), Kacau Gomes (Rock in Rio – O Musical, Beatles num céu de diamantes, O médico e o monstro, Les Misérables) e Marcello Escorel (A Grande Viagem do Doutor Tchecov, Cheiro de Chuva, Vaidades e Tolices).

É uma personagem que já não imaginava fazer. Teve uma peça na escola que me colocaram para fazer a Ama. Todas as meninas fizeram a Julieta, mas eu era muito alta. Teoricamente eu também não tenho o perfil do que se espera de Julieta, né? Itália medieval, uma Julieta negra? Por isso também me sinto muito honrada de ter essa oportunidade, é um papel que eu pensava ser meio inacessível para mim“, confessa Bárbara. 

Já conhecido de musicais como “Cantando na chuva”, Thiago comenta sua primeira vez ao interpretar um texto de Shakespeare: “Eu acho que todo ator não só almeja, mas tem que viver pelo menos uma vez o teatro Shakespeariano. E contar a história do Romeu com a Julieta, que é a maior história de amor que tem, ainda mais na linguagem do teatro musical, vai ser uma aventura muito grande!“.

A escolha do repertório veio com naturalidade. “Quando comecei a pensar no espetáculo ele não era nem musical, na verdade. Mas, toda vez que eu ouvia Marisa, eu pensava ‘Nossa, essa canção ficaria tão linda nessa cena’. Quando o Gustavo Gasparani, que entrou para fazer o processo de criação, propôs que o espetáculo fosse inteiro com músicas da Marisa, topei na hora!”, conta Guilherme.

Sou muito próximo da Marisa e o meu universo se aproxima muito do dela”, comenta Gasparani. A ideia teve o aval de Aniela Jordan: “As canções casam como se tivessem sido escritas para a peça”, completa.

Romeu & Julieta” é a vigésima quinta produção da Aventura Entretenimento em 10 anos de estrada.

 Romeu e Julieta - Foto Fernando Torquatto

Romeu e Julieta
Com Bárbara Sut, Thiago Machado, Ícaro Silva, Stella Maria Rodrigues, Claudio Galvan, Marcello Escorel, Kacau Gomes, Bruno Narchi, Pedro Caetano, Diego Luri, Kadu Veiga, Max Grácio, Neusa Romano, Franco Kuster, Gabriel Vicente, Laura Carolinah, Luci Salutes, Saulo Segreto, Thiago Lemmos, Vitor Moresco, Gabi Porto, Santiago Villalba, Daniel Haidar e Natália Glanz.
Teatro Riachuelo Rio (Rua do Passeio, 40 – Cinelândia – Rio de Janeiro)
Duração 120 minutos
09/03 até 27/05
Sexta e Sábado – 20h, Domingo – 18h
$50/$160
Classificação Livre

ROMEU E JULIETA, O MUSICAL

Inspirado no clássico romântico de William Shakespeare, Gustavo Gasparani e Eduardo Rieche escreveram o texto de “Romeu e Julieta, o Musical“, que terá 25 canções de Marisa Monte. Sob direção de Guilherme Leme, o espetáculo tem estreia no Teatro Riachuelo (RJ) no dia 09 de março.

A produção divulgou na noite desta sexta feira o elenco completo do musical.

Como par romântico, temos Thiago Machado (“Cantando na Chuva”) e Bárbara Sut (“Rio Mais Brasil – O Musical”). Ícaro Silva (“S’imbora, o musical – A História de Wilson Simonal”) fará Mercúcio, Stela Maria Rodrigues (“Emilinha”) fará Ama, Claudio Galvan (“Forever Young”) fará Frei. Pedro Caetano (“Les Misérables”) fará Teobaldo, Bruno Narchi (“Rent”) fará Benvoglio e Diego Luri (“Mudança de Hábito”) fará Páris.

Os pais de Julieta serão interpretados por Marcello Escorel (de “12 Homens e uma Sentença”) e Kacau Gomes(“Les Misérables”). Os de Romeu serão interpretados por Max Grácio (“Les Misérables”) e Neusa Romano (“Mudança de Hábito”). Kadu Veiga (“O Musical Mamonas”) será o Príncipe de Verona.

Completando o elenco temos Daniel Haidar (“Trá lá lá”),Gabi Porto (“Beatles Num Céu de Diamantes”), Gabriel Vicente (“Cartola – O Mundo É um Moinho”), Franco Kuster (“Vamp, O Musical”), Laura Carolinah (“Alegria, Alegria”), Luci Salutes (“Salve, Malala”), Natalia Glanz (“Espelho, Espelho Meu”), Pedro Caetano (“Les Misérables”), Santiago Villalba (“On Broadway”), Saulo Segreto (“Bilac Vê Estrelas”), Thiago Lemmos (“Les Misérables”) e Vitor Moresco (“Les Misérables”)

Abaixo, uma parte de elenco durante uma pausa nos ensaios.

elenco-romeu-e-julieta-ensaio

 

AYRTON SENNA, O MUSICAL (Rio de Janeiro)

A história do brasileiro Ayrton Senna, tri-campeão mundial de Fórmula 1, o levou a ser reconhecido como um dos maiores pilotos de todos os tempos, herói nacional e ídolo internacional. Mas é a essência da sua personalidade e caráter, com espírito guerreiro e de solidariedade, que estará nos palcos do espetáculo “Ayrton Senna, o musical“, que estreia no Teatro Riachuelo Rio, dia 10 de novembro. Nesta sexta, 03 de novembro, inicia a venda de ingressos para o espetáculo.

Não será um musical biográfico tradicional. A história está focada durante as cinco últimas voltas, antes do acidente fatal em Imola (Itália).  “A vida dele passará por sua cabeça em um turbilhão de imagens, fragmentos e sensações”, explica Renato Rocha, o diretor. “A proposta era inovar dentro da estrutura do teatro musical.

Produzido pela Aventura Entretenimento, em parceria com a família Senna e apresentado pelo Bradesco, “Ayrton Senna, o musical” é a vigésima quarta produção da Aventura, em nove anos de estrada, e um espetáculo diferente de tudo o que já foi criado pela produtora até o momento. “Para falar sobre Ayrton Senna temos que voar alto“, comenta Aniela Jordan, sócia-diretora da Aventura, ao lado de Fernando Campos, Luiz Calainho e Patrícia Telles.

Claudio Lins e Cristiano Gualda são a dupla que assinam o roteiro e as canções originais – compostas especialmente para o espetáculo. “É incrível contar a história de uma pessoa normal que virou um herói nacional. O país precisa de referências nesse momento“, diz Claudio Lins.  “Escrevemos a primeira canção e fomos apresentar à família Senna. Estávamos muito nervosos, pois ninguém tinha ouvido ainda e eles foram logo os primeiros. Foi um momento inesquecível, único, muito emocionante!“, comentou Gualda.

Para dar movimento e velocidade ao espetáculo, a direção fica por conta de Renato Rocha, diretor que desenvolveu carreira internacional por quase 10 anos, reconhecido por unir circo e teatro. “Não tem como fazer um espetáculo sobre Senna sem muita velocidade, sons e luzes. Teremos muitos números aéreos e pendulares“, comenta o diretor.

Vinte e quatro atores/cantores/bailarinos/acrobatas compõem o elenco formado após audição entre 100 pessoas. Hugo Bonemer (Hair, Yank!, Rock in Rio, o musical e A Lei do Amor) foi o ator escolhido para interpretar o Ayrton. “Foi a audição mais difícil que já fiz. Além da pressão do personagem, o teste foi com uma música autoral“, comentou Hugo. “Eu buscava um ator que me emocionasse e o Hugo me emocionou com o olhar. Me lembrou o olhar do Senna pelo capacete“, disse Renato Rocha, diretor da montagem.

O espetáculo tem um canal no youtube onde apresentará uma websérie sobre como foi feito o musical. No segundo episódio, ficamos sabendo sobre a direção musical, a criação sonora e os músicos.

Ayrton Senna, o musical” traz nomes de peso na equipe criativa, como Gringo Cardia no cenário e direção de arte, Dudu Bertholini assina os figurinos, a direção musical é de Felipe Habib, criação sonora de Daniel Castanheira, coreografia de Lavínia Bizzotto e visagismo de Anderson Montes.

O espetáculo tem patrocínio da Atlas Schindler, Riachuelo, Sem Parar, Volkswagen Financial Services, apoio da Alelo e White Martins, Avianca como transportadora oficial e Localiza Hertz como locadora de carros oficial.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Ayrton Senna, o Musical
Com Hugo Bonemer, Victor Maia, João Vitor Silva, Lucas Vasconcelos, Pepê Santos, Will Anderson, Leonardo Senna, Adam Lee, Ivan Vellame, Kiko do Valle, Natasha Jascalevich, Estrela Blanco, Karine Barros, Lana Rhodes, Bruno Carneiro, Douglas Cantudo, Juliano Alvarenga, Marcella Collares, Marcelinton Lima, Olavo Rocha, Laura Braga, João Canedo, Gabriel Demartine e Paula Raia.
Teatro Riachuelo Rio (Rua do Passeio, 40 – Cinelândia – Rio de Janeiro/RJ)
Duração 140 minutos
10/11 até 04/02
Quinta e Sexta – 20h30, Sábado – 16h30 e 20h30, Domingo – 19h
$50/$150
Classificação Livre

 

 

 

CHACRINHA, O MUSICAL

Grande sucesso dos palcos em todo o país desde 2014, “Chacrinha, o musical” volta ao Rio de Janeiro, em curta temporada, em homenagem ao centenário de Abelardo Barbosa. O espetáculo marcou a volta de Stepan Nercessian ao teatro, emocionando com sua interpretação do velho guerreiro. Em cena, personagens emblemáticos do Cassino, como Russo, Elke Maravilha, Pedro de Lara, Boni e, claro, as Chacretes. Produzido pela Aventura Entretenimento, com texto de Pedro Bial e Rodrigo Nogueira, o musical conta com direção de Andrucha Waddington. “Chacrinha, o musical” reestreia dia 28 de setembro, no Teatro Riachuelo Rio.

Comandante de extravagantes concursos de calouros, responsável por revelar grandes nomes da música nacional e inventor de bordões infames, o apresentador completaria 100 anos em 2017. Para homenageá-lo, “Chacrinha, o musical” passará também pelas cidades de Ribeirão Preto (Centro de Eventos do Ribeirão Shopping), Recife (Teatro Guararapes), Campinas e Belo Horizonte (Cine Theatro Brasil).

A montagem é assinada pela Aventura Entretenimento e já foi assistida por mais de 2 milhões de pessoas no teatro e na exibição do espetáculo no Canal VIVA. As temporadas contaram com a participação especial de artistas que batiam ponto nos programas do Chacrinha, como Xuxa, Fábio Jr, Paulo Ricardo, Biafra e Wanderléa. Com texto de Pedro Bial e Rodrigo Nogueira, o espetáculo marca a primeira direção teatral de Andrucha Waddington. Com apresentação do Grupo Bradesco Seguros, “Chacrinha, o musical” tem patrocínio da Riachuelo e Avianca como transportadora oficial.

O espetáculo acompanha a trajetória do apresentador desde sua infância em Surubim, Pernambuco, até o auge da carreira na TV Globo, comandando o programa de auditório “Cassino do Chacrinha”, com espaço para as rebolativas chacretes, os trocadilhos infames, buzinadas e troféu abacaxi. Dois atores dão vida ao protagonista: Stepan Nercessian interpreta o Chacrinha consagrado no rádio e na TV, enquanto Thiago Marinho incorpora o jovem Abelardo Barbosa. Aos 63 anos, Nercessian retornou aos palcos depois de mais de 10 anos sem trabalhar no teatro. “Eu sempre disse que só voltaria se fosse para participar de um projeto muito especial. É uma atividade que requer muita dedicação, esforço e disciplina. Falei desde o início que não sou um imitador. O Chacrinha aconteceu naturalmente“, explica Stepan. Completam o elenco 18 atores-cantores-bailarinos, que vão dar vida a familiares do Velho Guerreiro e personalidades que fizeram parte da vida do apresentador como Boni (Saulo Rodrigues) e Elke Maravilha (Laura Carolinah). 

O diretor Andrucha Waddington fez sua estreia na atividade teatral depois de quase três décadas de carreira dedicada à produção cinematográfica.

A trama

O jornalista Pedro Bial foi responsável pelo primeiro tratamento do texto, a partir de extensa pesquisa de Carla Siqueira. A trama é dividida em dois atos, com espaço para episódios biográficos e momentos líricos e fantasiosos. A infância difícil com a falência do pai, o ingresso no rádio e revolução que ele promoveu na televisão brasileira são temas presentes, assim como momentos em que são revelados sua bipolaridade, autoritarismo e obsessão pelos números de audiência. “Responder a pergunta: ‘por que Chacrinha?’ é difícil. Temos que perguntar: ‘Como Chacrinha?’ . ‘Como o Abelardo inventou o Chacrinha?’ ,’Como esse sujeito inaugurou no Brasil e no mundo a comunicação de massas?’, ‘Como esse cara inventou o primeiro palhaço da televisão?’, ‘De onde ele tirou isso?’. A gente se pergunta e vai atrás das respostas durante o espetáculo“, descreve Bial. O dramaturgo Rodrigo Nogueira frisa o lado teatral que sempre marcou a carreira do apresentador. “Acho que o Chacrinha é uma das pessoas mais teatrais que eu já conheci. Ele conseguiu levar a profanação para a televisão, um ambiente que até então era careta e regido por fórmulas. O que a gente quer fazer é pegar toda essa liberdade e excentricidade e jogá-las de volta ao teatro. O público vai ter a oportunidade de viver a experiência que tinha quando assistia aos seus programas“, detalha Rodrigo. 

A trilha sonora é composta por mais de 60 canções (com medleys) consagradas na história da música nacional. Muitos desses sucessos fizeram parte do repertório do Cassino do Chacrinha e dos artistas que o comunicador ajudou a consagrar, como ‘O meu sangue ferve por você’ (Sidnei Magal), ‘O amor e o poder’ (eternizada por Rosana), ‘Tente outra vez’ (Raul Seixas), ‘Televisão’ (Titãs) e ‘Fogo e Paixão’ (Wando). “Vamos reunir músicas desde o fim dos anos 30 até meados dos 80, apresentadas nos últimos programas. Entre os musicais em que trabalhei, este é o que reúne canções com comunicação mais imediata da plateia. São obras bem populares, mas que os espectadores terão oportunidade de escutar de uma outra forma. Muitas são consideradas bregas, mas são belíssimas“, conta a diretora musical Delia Fischer. Os atores serão acompanhados por uma banda de cinco músicos.

Também fazem parte da equipe criativa o diretor de movimento  e coreógrafo Alonso Barros (Diretor e coreógrafo de ‘Se eu fosse você, o musical’), Gringo Cardia (Direção de arte e cenografia), Carlos Esteves (Desenho de som), Claudia Kopke (Figurinista – venceu o Prêmio Shell de Teatro do Rio de Janeiro na categoria figurino com o espetáculo), Paulo César Medeiros (Desenho de luz) e Marcela Altberg (Produção de elenco). 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Chacrinha, o Musical
Com Stepan Nercessian, Thiago Marinho, Ana Elisa Schumacher, André Lemos, Diego Campagnolli, Diego Montez, Fabiana Tolentino, Hugo Kerth, Jullie, Laura Carolinah, Leonam Moraes, Nay Fernandes, Neusa Romano, Saulo Rodrigues, Saulo Segreto, Vittor Fernando, Natacha Travassos e Gabriel Demartine
Teatro Riachuelo Rio (Rua do Passeio, 38/40 – Cinelândia, Rio de Janeiro)
Duração 160 minutos
28/09 até 11/10
Quinta e Sexta – 20h30, Sábado – 20h30, Domingo – 18h
$70/$150
Classificação Livre