MADAGASCAR, UMA AVENTURA MUSICAL

Há mais de uma década, o mundo se encantou com personagens que viviam em um zoológico em Nova YorK: a Zebra Marty, o Leão Alex, Glória (um hipopótamo fêmea), Melman (uma girafa macho) e os impagáveis pinguins se tornaram um fenômeno entre os públicos de todas as idades. A adaptação para os palcos foi um caminho natural. Assim nasceu ‘Madagascar, uma aventura musical’, que ganha uma versão brasileira, a partir de 11 de outubro, no Theatro Net São Paulo. A superprodução tem direção de Marllos Silva, versão de Daniel Salve, cenografia de Renata Borges, direção musical de Natan Bádue, coreografias de Vivien Fortes, figurinos de Fause Haten e direção associada de Carina Gregório. A produção é da Touché Entretenimento.  “BB Seguros Apresenta” o espetáculo, que tem o UOL como “Patrocinador Master” e, como “Patrocinadores”, a Drogaria São PauloColgate e Lorenzetti, com “Apoio Oficial” da Panco e Sonda Supermercados. O “Apoio Cultural” é da UPL, TOTAL BR Everest.

“Madagascar – Uma Aventura Musical” é inspirado na animação realizada pela Dreamworks, em 2005, e desenvolvido pela divisão teatral do estúdio (DreamWorks Theatricals), escrito por Kevin Del Aguila, com músicas originais e letras de George Noriega e Joel Someillan.  O espetáculo conta a divertida história dos animais criados no Zoológico de Nova York, que organizam um plano de fuga, com o objetivo de conhecer o que existia fora dos muros do local que sempre viveram. Entretanto, algo dá errado e eles embarcam em um navio e acabam acidentalmente na ilha que dá nome ao espetáculo. O sucesso do filme foi tamanho que deu origem a duas continuações no cinema e ao musical. “Madagascar fala da busca de um sonho, da importância da amizade e da família e, principalmente, do respeito ao próximo e sobre aceitar as diferenças. São temas que devem sempre ser pauta de uma sociedade”, explica Marllos Silva.

O elenco já está definido: Maurício Xavier (Marty, a zebra), André Loddi (Alex, o leão), Ludmillah  Anjos (Glória, o hipopótamo fêmea), Ivan Parente (Melman, o girafa), Lucas Cândido (Rei Julien, Funcionário do zoo I), Will Sancar (Capitão, Funcionário do zoo V, Lêmure V , Marty (cover)), Renato Belini (Rico, Funcionário do zoo IV, Lêmure II, Foosa II), Fernando Palazza (Kowalski, Funcionário do zoo VII, Lêmure IV, Foosa I, Melman (cover)), Júlio Oliveira (Recruta, Funcionário do Zoo VI, Lêmure III, Mort, Rei Julien (cover) e Policial (cover)), Nalin Júnior (Maurice, Funcionário do zoo II, Capitão do Navio, Policial, Kowalsky e Rico (cover), Lêmure II e IV (cover), Foosa I e II (cover), Funcionário do Zoo IV e VII (cover)), Rafael Aragão (Zeke – Funcionário do zoo, Mason (o macaco), Controle de Animais, Lêmure I, Foosa líder e Alex (cover)), Brenda Nadler (Zelda – Funcionário do zoo, Dulce Napaforte, Lynn lêmure, Recruta (cover), Funcionário do Zoo VI (cover), Lêmure III (cover)), Vanessa Mello (Funcionário do Zoo III, Mort, Lars Lêmure, Glória (cover), Capitão (cover), Lêmure V (cover), Funcionário do Zoo V (cover)), Letícia Mamede (Swing Feminino) e Guilherme Pereira (Swing Masculino).

A montagem nacional é 100% original, com a equipe com total liberdade de criação. “Estamos criando um musical muito alegre, colorido e dançante, diferente de qualquer outra versão já encenada”, celebra Marllos. “O que torna esse espetáculo encantador é a história de amizade entre este grupo de animais. Estamos sendo fiéis ao original, mas com o nosso tempero brasileiro. Quando se faz uma versão, algumas piadas perdem a força e, para que elas voltem a fazer sentido dentro da história, nós as adaptamos para a nossa cultura. Nossas referências estão presentes no estilo de interpretação, nas coreografias e na forma como os personagens são construídos”, explica o diretor.

Renata Borges, Diretora Executiva da Touché Entretenimento, que já trouxe ao país grandes musicais, como “Cinderella” (de Rodgers & Hammerstein´s), “Sim! Eu Aceito”“Como Eliminar Seu Chefe” e por último, “Peter Pan, O Musical”, todos originais da Broadway, ressalta a importância de se incentivar a cultura. “É fundamental o patrocínio da BB Seguros, do UOL e de todos os patrocinadores de Madagascar que enxergam a cultura como uma ferramenta de mudança positiva, apostando em conteúdo para toda a família, de uma forma leve, que consegue atingir todas as classes sociais”, celebra.

Além de produzir o espetáculo, Renata faz sua estreia assinando a cenografia. O projeto une alta tecnologia, com diversos efeitos, cenários físicos, além de um grande painel de led de 50m², que proporciona interação do elenco com a cenografia. Foram criados mais de 30 microfilmes especialmente para esta montagem, sendo a maioria em 3D.  A cenografia foi produzida quase na totalidade na China, o que traz um novo modelo de produção.

O nosso led é único no Brasil, com tecnologia de ponta, com telas flexíveis. Teremos ainda alguns puppets, que dão uma dinâmica visual ao espetáculo e, ao público infantil, um toque a mais da ilusão. Eles foram concebidos foram do Brasil. Desenhei e busquei o que seria viável para que os atores não ficassem cansados ao manipular, inclusive com o uso de tela lcd nos olhos”, explica Renata. A boca de cena retrata uma das entradas do zoológico do Central Park e as projeções da Maze FX dialogam com o cenário.

Os mais de 60 figurinos foram criados por Fause Haten.  “Eles são uma experiência à parte e foram concebidos após muitos testes para encontrar a melhor solução para cada um dos animais. O Melman, por exemplo, é um projeto de 2,75 m de altura. Os lêmures têm um figurino diferente para cada ator, o que proporciona uma diversidade poucas vezes vistas em montagens de outros lugares do mundo”, entusiasma-se Marllos. O diretor destaca ainda o visagismo: “após longa pesquisa, o Anderson Bueno criou um projeto que conversa com a animação e com os figurinos. É um grande desafio para o elenco, tem uma concepção especial de maquiagem artística pouco usada no teatro musical, algo muito próximo ao que é usado no Cirque du Soleil”.

O musical propõe ainda uma forte interação com o público, que irá aprender uma coreografia antes de cada sessão. Sendo assim, a plateia terá a oportunidade de dançar com os animais do zoo e também será convidada a responder a algumas questões. “É um desafio imenso, mas o espetáculo está lindo, com todos olhando para a mesma direção. Um projeto para ser feliz e para deixarmos o público feliz”, finaliza Renata.

A ficha técnica do musical traz ainda Bruno Junqueira (efeitos especiais), André Garrido (designer de som) e Rafael Reis (stage manager). O próprio Marllos Silva assina o design de luz e Túlio Pezzoni é o designer de luz associado. A preparação de atores é de Inês Aranha.

FACE (5)

Madagascar, Uma Aventura Musical

Com Maurício Xavier, André Loddi, Ludmillah Anjos, Ivan Parente, Lucas Cândido, Will Sancar, Renato Belini, Fernando Palazza, Júlio Oliveira, Nalin Júnior, Rafael Aragão, Brenda Nadler, Vanessa Mello, Letícia Mamede e Guilherme Pereira

Theatro NET São Paulo – Shopping Vila Olímpia (R. Olimpíadas, 360 – Vila Olímpia, São Paulo)

Duração 85 minutos

11/10 até 01/12

Sexta – 20h30, Sábado e Domingo – 15h e 18h

$70/$240

Classificação Livre

MARGEM

Após a turnê bem-sucedida de A Mulher do Pau Brasil, na qual Adriana Calcanhotto apresentou o resultado da sua estadia como docente na cidade de Coimbra, em Portugal, para brasileiros e portugueses, a cantora retorna ao palco para apresentar “Margem”. O novo show reúne três discos de Adriana: Maritmo (1998), Maré (2008) e Margem (2019). Em São Paulo, a apresentação acontece no Theatro NET, dia 05 de outubro, sábado, em duas sessões — às 19h e 21h30.

Adriana Calcanhotto assina a direção do espetáculo de seu novo álbum, Margem, lançado em junho de 2019. A banda que a acompanha é formada pelos mesmos músicos que tocaram e coproduziram com ela o seu mais recente trabalho de estúdio. Rafael Rocha (mpc, bateria, percussão, Handsonic, assovio), Bruno Di Lullo (baixo e synth) e Bem Gil (guitarra e synth), os dois últimos estiveram com Calcanhotto na turnê A Mulher do Pau Brasil que rodou o Brasil no segundo semestre de 2018.

O repertório do novo show tem como esqueleto as canções do novo álbum e resgata músicas de Maritmo e Maré, os outros dois discos da trilogia marinha (como “Mais Feliz”, “Vambora”, “Quem vem pra beira do mar”), além de sucessos da carreira de Adriana, como “Devolva-me” e “Maresia” canções arranjadas especialmente para o espetáculo, como ‘Futuros amantes”, de Chico Buarque, de 1993, que a cantora gravou como faixa exclusiva para a versão japonesa do álbum Margem.

Canção irmã de “Os ilhéus”, apontam as duas para muito tempo depois de nossa civilização, e apostam as duas no amor e na virtude como humanidades sobreviventes aos tempos. Não saberemos. As duas canções irmãs só se encontram no palco (e no disco japonês) e em sequência. É dos momentos mais fortes do show, pra mim, no sentido do quanto uma canção pode exigir de nós em termos da nossa capacidade de rendição à beleza. Será que um dia Copacabana será a nova Atlântida? Chico Buarque e Antonio Cicero é quem sabem”, especula a compositora.

No primeiro ensaio olhei para a banda e falei “vamos fazer um luau”. Esse foi o primeiro sentimento. Luaus dependem da força do vento, do tempo que ele sopra numa só direção, da maré, e esse show é assim; completamente dependente do mar. Com os ensaios porém, fui percebendo que o emaranhado de textos do roteiro, que tem muitos ecos e referências literárias, foi se superpondo à ideia de luau, que é a princípio menos complexo. Os arquétipos marinhos foram dando as caras, a meu ver em função da sonoridade que alcançamos tocando juntos tanto tempo depois das gravações do disco. O som do show não quis ser o som do disco, o universo timbrístico teve que se expandir pra conter as canções da trilogia e mais as outras todas e isso era previsto mas o som do show resultou mais relaxado, mais vagabundo. Interessante foi notar as ligações que as canções começaram a fazer entre si independentemente da minha ação. De certa forma, fui observando o roteiro se fazer a si próprio, maneira inteiramente nova pra mim de conceber um espetáculo.

O novo show traz mais uma novidade, a lojinha Margem. Dessa vez, com uma pegada sustentável. O espaço terá diversas opções de produtos e souvenirs que estarão à venda antes e após o espetáculo. Em parceria com a empresa Papel Semente, a tag das camisas, feita com papel artesanal, ecológico e biodegradável, poderá ser plantada e em 20 dias nascerá uma flor chamada de mosquitinho branco. Já as sacolas plásticas utilizadas na lojinha são da empresa Tudo Biodegradável. A decisão ecológica é fruto de uma parceria com a ONG Funverde, que investe no plantio de árvores.

“O espetáculo é onde as águas da trilogia se encontram, uma espécie de pororoca de água salgada” 

Adriana Calcanhotto in Margem 2019

 

FACE (2)

Margem

Com Adriana Calcanhotto

Theatro NET SP – Shopping Vila Olímpia (R. Olimpíadas, 360 – Vila Olímpia, São Paulo)

Duração 70 minutos

05/10

Sábado – 19h e 21h30

$80/$150

Classificação Livre

CASTELO RÁ-TIM-BUM – O MUSICAL

Castelo Rá-Tim-Bum – o Musical, apresentado pelo Ministério da Cidadania, com patrocínio da UOL, Aché e realização da 4ACT Entretenimento, faz nova temporada em comemoração aos 25 anos do programa Castelo Rá-tim-bum e aos 50 anos da TV Cultura.

Depois do sucesso em 2017, o espetáculo fará uma curtíssima temporada e traz todos os principais personagens da série televisiva que foi eternizada nos anos 90. O espetáculo reestreia dia 9 de agosto no Theatro Net São Paulo.

Com direção geral de Léo Rommano, direção musical de Paulo Nogueira, coreografias de Thiago Jansen e direção artística de Léo Rommano e Ricardo Marques, Castelo Rá-Tim-Bum – o Musical é baseado na série Castelo Rá-Tim-Bum, criada por Cao Hamburger e Flávio de Souza, que estreou na TV Cultura em 1994 e contou com 90 episódios e um especial. Até hoje, a série é considerada um dos melhores produtos audiovisuais da história da televisão brasileira.

Na nova temporada, a produção conta com a participação do ator Duda Mamberti estreando em musicais e interpretando o papel do Dr. Victor, que marcou a carreira do pai e ator Sérgio Mamberti. Vencedora da 1ª edição do reality show Cultura O Musical, exibido na TV Cultura em 2019, a estreante em musicais Aline Serra também é novidade no elenco, ao lado dos atores Roberto Rocha, Igor Pushinov, Alessandra Vertamatti, Fernando Rubro, entre outros.

Sinopse

Na trama, Nino, um garoto feiticeiro prestes a completar 300 anos, vive em um castelo escondido entre os arranha-céus de uma grande cidade.  Nesse castelo, ele tem a companhia de seu tio Victor, feiticeiro e inventor de 3.000 anos, e sua tia avó, também feiticeira, Morgana de 6 mil anos.  Além da família de feiticeiros, moram no castelo outras tantas criaturas fantásticas.

Apesar de viver em um lugar tão fenomenal, Nino se sentia triste, pois queria ter amigos, ir à escola e brincar na rua como as outras crianças.  No aniversário de Nino, sua tristeza é interrompida com a chegada de Pedro, Biba e Zequinha, três crianças sem magia, mas com o poder de alegrar a vida dele. Tudo está indo muito bem, até que coisas estranhas começam a acontecer. Para salvar o Castelo e todos, Nino terá que provar seu valor e encontrar o caminho da verdadeira magia.

FACE

Castelo Rá-Tim-Bum – o Musical

Com Roberto Rocha, Duda Mamberti, Alessandra Vertamatti, Igor Pushinov, Karol Nascimento, Lipe Volpato, Raphael Souza, Bruno Barros, Vânia Canto, Mari Rosinski, Aline Serra, Maitê Cunha, Lia Canineu, Rodrigo Fernando, Fernando Rubro, Enrico Verta, José Dias, Gabriel Ebling, Everton Granado, Bia Freitas

Theatro NET São Paulo – Shopping Vila Olímpia (R. Olimpíadas, 360 – Vila Olímpia, São Paulo)

Duração 110 minutos

09/08 até 22/09

Sexta – 20h30, Sábado – 16h e 20h, Domingo – 18h

$50/$120

Classificação Livre

70? DÉCADA DO DIVINO MARAVILHOSO – DOC. MUSICAL

Depois do sucesso de 60! Década de Arromba – Doc. Musical, que apresentou Wanderléa à frente do elenco, estreia dia 14 de março, quinta-feira, 20h30, no Theatro Net São Paulo, o espetáculo 70? Década do Divino Maravilhoso – Doc. Musical, produção que faz parte da tetralogia do idealizador, produtor e diretor Frederico Reder e do roteirista, dramaturgo e pesquisador Marcos Nauer.

Em cena, momentos marcantes dos anos 1970 em diversas esferas: política, moda, comportamento, esportes e artes em geral são embalados por mais de 250 músicas brasileiras e internacionais, divididas em duas partes, como num disco de vinil, em lado A (1970-1976) e lado B (1977-1979) – muitas das músicas são apresentadas em pequenos fragmentos.

As Frenéticas Dhu Moraes, Leiloca Neves e Sandra Pêra são as três cerejas do musical, no bloco dedicado à febre das discotecas, fenômeno nas pistas de todo o mundo há exatos 40 anos.

De forma cronológica, depoimentos, fotografias e vídeos desfilam num grande telão. A superprodução, apresentada pelo Circuito Cultural Bradesco Seguros, conta com 24 jovens talentos, uma orquestra de dez músicos, 20 cenários, 300 figurinos, toneladas de luz e som e mais de 100 profissionais.

O título do musical traz uma interrogação porque propõe questionamentos sobre as dualidades do período. “Uma década de incertezas”, como conceitua Cid Moreira em uma das retrospectivas apresentadas em projeção dentro do espetáculo. Com coreografia  e direção de movimento de Victor Maia, o espetáculo tem figurino de Bruno Perlatto, iluminação de Césio Lima, direção musical de Jules Vandystadt, cenografia de Natália Lana e direção de produção de Maria Siman.

Na timeline do musical, o tropicalismo, o glam rock, o punk e o reggae são revisitados com suas emblemáticas canções. De Novos Baianos (“A Menina Dança”) a David Bowie (“Starman”), de Raul Seixas (“Há Dez Mil Anos Atrás”) a Led Zeppelin (“Stairway to Heaven”), de Mutantes (“Top Top”) a Queen (“Bohemian Rapsody”), de Caetano Veloso (“Sampa”) a Donna Summer (“Last Dance”) e de Bob Marley (“No Woman, No Cry”) a Sex Pistols (“Anarchy in the UK”).

Reunimos teatro, documentário e música. Este formato propõe um novo olhar para a forma de se fazer musical”, diz o diretor Frederico Reder. “O doc.musical não apresenta a biografia de nenhum artista, porque o olhar está no coletivo, numa época, portanto, é de fato, a música a protagonista”, explica Nauer, que assina a pesquisa, texto e dramaturgia.

Em toda a América Latina, a ditadura apertava o cerco, a censura era intensa e a liberdade, cerceada. Os anos 70 mostraram caminhos possíveis por meio da arte, da música e da dança. E em todos eles era preciso ser forte para sonhar com um mundo novo e melhor”, pondera Nauer. “Foram anos de luta e força. Há canções que captam essa aura, e outras de muita beleza, com a  explosão de alegria da disco music”, acrescenta Reder.

70? Década do Divino Maravilhoso – Doc. Musical

Com Amanda Döring, Amaury Soares, Aquiles Nascimento, Barbara Ferr, Bruno Boer, Camila Braunna, Debora Pinheiro, Diego Martins, Erika Affonso, Fernanda Biancamano, Larissa Landim, Laura Braga, Leandro Massaferri, Leilane Teles, Leo Araujo, Nando Motta, Pedro Navarro, Pedro Roldan, Rany Hilston, Rodrigo Morura, Rodrigo Naice, Rodrigo Serphan, Rosana Chayin e Tauã Delmiro. Participação especial das Frenéticas: Dhu Moares, Leiloca Neves e Sandra Pêra.

Theatro NET São Paulo – Shopping Vila Olímpia (R. Olimpíadas, 360 – Vila Olimpia, São Paulo)

Duração 180 minutos

14/03 até 30/06

Quinta e Sexta – 20h30, Sábado – 17h e 21h, Domingo – 17h

$75/$220

Classificação 14 anos

70? DÉCADA DO DIVINO MARAVILHOSO – DOC. MUSICAL

Depois do sucesso arrebatador de ‘60! Década de Arromba – Doc.Musical’, que apresentou Wanderléa à frente do elenco e foi assistido por mais de 100 mil espectadores em todo Brasil, estreia no dia 15, no Theatro Net Rio, o aguardado espetáculo ‘70? Década do Divino Maravilhoso – Doc. Musical’, mais uma produção que faz parte da tetralogia do idealizador, produtor e diretor geral Frederico Reder e do roteirista, dramaturgo e pesquisador Marcos Nauer.  Desta vez, a dupla leva para o palco momentos marcantes dos anos 1970 em diversas esferas: acontecimentos da política, moda, comportamento, esportes e artes em geral são embalados por mais de

250 sucessos das músicas brasileira e internacional, divididos em duas partes, como num disco de vinil, em lado A (1970-1976) e lado B (1977-1979). De forma cronológica, depoimentos, fotografias e vídeos vão desfilar no grande telão que tomará conta do centro do palco nesta superprodução, apresentada pelo Circuito Cultural Bradesco Seguros, que conta com 24 jovens talentos, uma orquestra de dez músicos, 20 cenários, 300 figurinos, toneladas de luz e som, e mais de 100 profissionais dedicados a criar o espetáculo.

As Frenéticas Dhu Moraes, Leiloca Neves e Sandra Pêra são as três cerejas do musical, no bloco dedicado à febre das discotecas, fenômeno que estourou nas pistas de todo o mundo há exatos 40 anos, inclusive no Brasil, por meio da novela ‘Dancin’ Days’, de Gilberto Braga. “Símbolos de uma época”, como define Nelson Motta, as Frenéticas, que foram descobertas pelo jornalista e produtor musical em 1976, estouraram em todo o Brasil com a música “Perigosa”, de autoria dele em parceria com Rita Lee e Roberto de Carvalho.

O grupo de seis amigas (Leiloca, Sandra Pêra, Lidoca, Edyr, Dhu Moraes e Regina Chaves), que se reuniram na boate Frenetic Dancing Days, como garçonetes, logo largaram as bandejas e se transformaram em um dos maiores fenômenos da música brasileira. Estamparam a capa das principais revistas, lançaram clássicos instantâneos como o tema da novela homônima e ditaram moda. Elas abriram as asas, soltaram as feras e transgrediram em um Brasil que onde se confrontavam censura, liberdade de expressão, feminismo e empoderamento. Esses temas continuam atuais e são abordados na montagem, que segue o bem-sucedido gênero criado por Reder e Nauer em ‘60! Década de Arromba’, o Doc.Musical.  “Reunimos teatro, documentário e música. Este formato me permitiu unir tudo isso e ainda propor um novo olhar para a forma de se fazer um espetáculo musical”, vibra o diretor. “O doc.musical não apresenta a biografia de nenhum artista, porque o olhar está no coletivo, no grupo, numa época, portanto, é de fato, a música a grande protagonista”, explica Nauer.

O título do musical traz uma interrogação porque propõe questionamentos sobre as dualidades do período. “Uma década de incertezas”, como conceitua Cid Moreira em uma das retrospectivas apresentadas em projeção dentro do espetáculo.  Em toda a América Latina, a ditadura apertava o cerco, a censura era cada vez mais intensa, a liberdade, cerceada. E a arte surgiu exatamente como uma possibilidade de redenção. “Os anos 70 mostraram vários caminhos possíveis por meio da arte, da música e da dança. E em todos eles era preciso ser forte para sonhar com um mundo novo e melhor”, pondera Nauer. “Foram anos de muita luta e força. Há canções que captam essa aura, mas há também muitas outras de muita beleza e aquela explosão de alegria com o surgimento da disco music”, acrescenta Reder.

Na grande timeline do musical, outros movimentos, como o tropicalismo, o glam rock, o punk e o reggae serão revisitados com suas mais emblemáticas canções. De Novos Baianos (“A Menina Dança”) a David Bowie (“Starman”), Raul Seixas (“Há Dez Mil Anos Atrás”) a Led Zeppelin (“Stairway to Heaven”), Mutantes (“Top Top”) a Queen (“Bohemian Rapsody”), Caetano Veloso (“Sampa”) a Donna Summer (“Last Dance”), e Bob Marley (“No Woman, No Cry”) a Sex Pistols (“Anarchy in the UK”), os números não vão apresentar atores personificando os ícones da época. Os sentimentos que essas músicas emanam é que vão ditar as ações e coreografias assinadas por Victor Maia, que também cuida da direção de movimento. “70? Década do Divino Maravilhoso – Doc.Musical”, que chega agora ao palco do Theatro Net Rio, não se furta de narrar esse momentos polêmicos, mas é, sobretudo, uma ode à superação, à beleza, à alegria, à capacidade criativa de um povo que jamais se deixa abater. “É preciso estar atento e forte, não temos tempo de temer a morte”, como diz a emblemática canção-título de Caetano e Gil. Podemos e merecemos ser felizes.

Além de Frederico Reder e Marcos Nauer, o espetáculo ainda traz outros nomes de peso, como o do figurinista Bruno Perlatto, o iluminador Césio Lima, o diretor musical Jules Vandystadt, a cenógrafa Natália Lana e diretora de produção Maria Siman. Uma ficha técnica que promete mais décadas brilhantes, rumo aos 80, 90 e quem sabe muito mais.

CARMEN.png

70? Década do Divino Maravilhoso – Doc. Musical

Com Amanda Döring, Amaury Soares, Aquiles Nascimento, Barbara Ferr, Bruno Boer, Camila Braunna, Debora Pinheiro, Diego Martins, Erika Affonso, Fernanda Biancamano, Larissa Landim, Laura Braga, Leandro Massaferri, Leilane Teles, Leo Araujo, Nando Motta, Pedro Navarro, Pedro Roldan, Rany Hilston, Rodrigo Morura, Rodrigo Naice, Rodrigo Serphan, Rosana Chayin, Tauã Delmiro

Participação especial das Frenéticas: Dhu Moares, Leiloca Neves e Sandra Pêra

Duração 150 minutos

Classificação 14 anos

Theatro Net Rio – Sala Tereza Rachel (Rua Siqueira Campos, 143 – Copacabana, Rio de Janeiro)

15/11 até 16/12

Quinta e Sexta – 20h30, Sábado – 17h e 21h, Domingo – 18h

$45/$220

Theatro Net SP – Shopping Vila Olímpia (Rua Olimpíadas, 360 – Itaim Bibi, São Paulo)

14/03 até 02/06/19

Quinta e Sexta – 20h30, Sábado – 17h e 21h, Domingo – 17h

$45/$220

A BELA E A FERA – O ESPETÁCULO MUSICAL

A Bela e a Fera – o Espetáculo Musical chega aos palcos do Theatro NET São Paulo de 26 a 28 de outubro, sexta a domingo, 20 horas. Baseado no conto de domínio público francês, a encenação leva para os palcos 50 integrantes, entre atores, bailarinos, cantores e músicos de orquestra, além de 200 figurinos, cenários grandiosos e projeções em vídeo mapping 3D, com tecnologia para interagir personagens e cenário.

O conto de fadas, escrito pelos Irmãos Grimm (Jacob e Wilhelm) em 1812, fala sobre a história de amor entre uma linda e inteligente jovem (Bela) e um príncipe que foi enfeitiçado e transformado em Fera. Bela vive em um vilarejo francês com seu pai, que é capturado e aprisionado pela Fera em seu castelo. A jovem consegue localizá-lo e se oferece para ficar no lugar dele. Sua bondade a faz enxergar o lado humano da Fera, por quem se apaixona perdidamente, quebrando o feitiço.

No elenco, o destaque é a atriz Flávia Mengar, intérprete da Bela, protagonista de outros importantes trabalhos teatrais, como a Dorothy, de O Mágico de Oz, e a Ariel, de A Pequena Sereia. Brunno Rizzo faz a direção. Figurinos assinados por Bruno de Oliveira, um dos mais respeitados profissionais brasileiros, inclusive por ter sido o responsável por vestir os artistas que participaram do show de abertura da Copa do Mundo, em 2014.

Dividida em dois atos, a apresentação tem uma hora e meia de duração. A turnê passará por cerca de 30 das maiores cidades do país atingindo um público estimado de 100.000 expectadores. Algumas das cidades serão: São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Salvador, Goiânia, Brasília, Ribeirão Preto, Campinas, Paulínia, Londrina, Maringa, Maceió, João Pessoa, Joinville, São José do Rio Preto, Sorocaba, Porto Alegre, Curitiba, Florianópolis, Natal, Fortaleza, Belo Horizonte, Juiz de Fora, entre outras.

CARMEN (1)

A Bela e A Fera – O Espetáculo Musical

Theatro NET São Paulo – Shopping Vila Olímpia (Rua Olimpíadas, 360 – Vila Olímpia, São Paulo)

Duração 90 minutos

26 a 28/10

Sexta, Sábado e Domingo – 20h (sessão extra – 27/10 – Sábado – 16h)

$75/$250

Classificação Livre

FALANDO DE AMOR

As cantoras Isabella Taviani e Myllena apresentam o show Falando de Amor no dia 8 de outubro, segunda, 21h, no Theatro Net São Paulo. Acompanhadas por Pedro Braga, as artistas interpretam um repertório de canções de amor de variados compositores, entre eles Reginaldo Rossi, além de músicas autorais.

ISABELLA TAVIANI 

Na estrada com a turnê IT – 15 Anos Eu e Você, aos 15 anos de carreira, a cantora e compositora Isabella Taviani conquistou lugar de destaque na música popular brasileira. Filha de uma pianista e neta de um cantor de ópera, Isabella estudou canto para aprimorar a voz. Bebendo na fonte de Dalva de Oliveira a Elis Regina, de Maria Calas a Maria Bethânia e Simone -, lançou seu primeiro CD em 2003, pelo selo Green Songs, chegando às rádios do país inteiro com o hit instantâneo Foto Polaroid e os sucessos DigitaisDe Qualquer Maneira(“Peixinho”, para os íntimos) e Canção Para Um Grande Amor – todas no repertório do show.

MYLLENA

Apresentada ao Brasil como a revelação da Garagem do Faustão , em 2009, a cantora, compositora e instrumentista mineira concilia a música com a medicina. Em 2015,  Myllena lançou Liberdade de Ser, produzido por ela e pelo músico Torquato Mariano, com direção musical de Jorge Ailton. Já teve três músicas em trilhas sonoras de novela da Rede Globo. No repertório: a autoral QuandoCérebro Eletrônico (Gilberto Gil) e Apenas mais uma de amor (Lulu Santos).

Falando de Amor

Com Isabella Taviani e Myllena

Theatro NET São Paulo – Shopping Vila Olímpia (Rua Olimpíadas, 360 – Vila Olímpia, São Paulo)

Duração 80 minutos

08/10

Segunda – 21h

$100/$120

Classificação 12 anos