CÁLCULO ILÓGICO

A premiada atriz Jéssika Menkel chega a São Paulo com a peça de sua autoria “Cálculo Ilógico“. Dirigida por Daniel Herz, a atriz traz ao palco relatos da sua vida, juntamente a cálculos matemáticos.
Em um flash a personagem Ella apresenta seu universo numérico buscando uma nova perspectiva para ver o mundo. Relembra, revive e calcula acontecimentos. Expõe nos números a eliminação errada do seu irmão D+1. Enxerga a vida através de uma lógica matemática, calcula a probabilidade dos acontecimentos e busca razões nos números e nas fórmulas para explicar um cálculo chamado vida.
Uma peça documental, uma autoficção escrita a partir de questões da vida da autora e atriz Jéssika Menkel. Acontecimentos da vida podem ser cálculos matemáticos, como a morte. Uma autoficção misturada a uma autobiografia. A vida real em números, em um cálculo ilógico.
CARMEN
Cálculo Ilógico
Com Jéssika Menkel
TOP Teatro (R. Rui Barbosa, 201 – Bela Vista, São Paulo)
Duração não informada
06 a 28/10
Sábado – 21h, Domingo – 19h
$40
Classificação não informada

ALÉM DA IMAGEM

Marilyn Monroe ainda é considerada um dos maiores símbolos sexuais do século 20 e suas citações junto de passagens de “A Gaivota” de Tchekhov, são as fontes de reflexão da atriz Marília Moreira que apresenta a peça ‘Além da Imagem’ de 1 a 24 de setembro no Top Teatro – depois de temporada bem-sucedida no Sesc Ipiranga.

Hoje eu sei que na minha profissão, o que importa não é a imagem, a fama, a glória com que eu tanto sonhei, mas a possibilidade de investigar a essência humana e quem sabe, quem sabe, ajudar as pessoas a viverem melhor. Os homens estão indo à lua, mas ninguém parece interessado no coração humano pulsante“, cita Marilyn em trecho do monólogo.

Em oposição à imagem de loura exuberante e símbolo sexual, havia na figura de Marilyn Monroe uma aura de meninavulnerável e inocente que nunca conseguiu equalizar suas angustias pessoais. Da mesma forma,a peça russa “A Gaivota” é uma comédia, mas é interpretada por muitos como um drama ou uma tragédia.

A atriz e diretora Marília Moreira apresenta em ‘Além da Imagem’ essas dualidades explorando a sensualidade como forma de debate, crítica e aprimoramento.

_I2K4219 crédito Lenise Pinheiro.jpg

Além da Imagem
Com Marília Moreira
Top Teatro (Rua Rui Barbosa, 201 – Bela Vista, São Paulo)
01 a 24/09
Sexta e Sábado – 21h. Domingo – 19h
$40
Classificação 14 anos

PALAVRA DE STELA

Nascida em 1941, Stela do Patrocínio foi internada no Centro Psiquiátrico Pedro II aos 21 anos, quando diagnosticada como psicopata e esquizofrênica. Quatro anos depois, foi transferida para a Colônia Juliano Moreira, em Jacarepaguá, onde permaneceu até sua morte em 1992. Durante seus anos de isolamento, Stela desenvolveu um discurso poético. Seu “falatório”, carregado de angústias, retrata a rotina manicomial e, sobretudo, revela sua visão da vida, do mundo e de si mesma.

Palavra de Stela é um espetáculo solo interpretado por Cleide Queiroz com direção e dramaturgia de Elias Andreatoque estreia dia 4 de agosto no Top Teatro. No espetáculo a personagem narra sua trajetória, expõe seu cotidiano e revela seu olhar de perplexidade diante da vida e dos seres humanos.

Elias Andreato escreveu o texto especialmente para Cleide Queiroz. Com 50 anos de carreira em teatro, cinema e televisão, a atriz traz uma relação muito pessoal com a temática proposta, pois é uma mulher negra que durante sua adolescência conviveu com a internação de sua mãe esquizofrênica.

Por meio da fala de Stela do Patrocínio, pretendemos levar o espectador a uma reflexão acerca da visão que temos sobre loucura e lucidez, bem como chamar sua atenção para como a sociedade enxerga a diferença e lida com o outro”, diz Elias Andreato.

A criação do espetáculo tomou por base o registro em áudio da obra de Stela do Patrocínio realizado na década de 1980 pelas artistas plásticas Neli Gutmacher e Carla Guagliardi, posteriormente, transcrito e organizado por Viviane Mosé no livro Reino dos bichos e dos animais é o meu nome.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Palavra de Stela
Com Cleide Queiroz
Top Teatro (Rua Rui Barbosa, 201 – Bela Vista, São Paulo)
Duração 70 minutos
04 a 27/08
Sexta e Sábado – 21h; Domingo – 19h
$40
Classificação 14 anos

O QUARTO ESTADO DA ÁGUA

A água não precisa estar em estado sólido, líquido ou gasoso, como aprendemos na escola. Basta que ela se sinta pressionada o suficiente para surgir uma quarta fase, que a física clássica não é capaz de explicar. A descoberta, feita por pesquisadores americanos quando observaram moléculas de água aprisionadas em um mineral chamado berilo, que compõe as esmeraldas, foi divulgada no fim de 2016. Com esse mote, a diretora Bia Szvat leva aos palcos O QUARTO ESTADO DA ÁGUA, espetáculo que estreia dia 22 de abril, sábado, às 21 horas, no Top Teatro.

Anderson di Rizzi, Kiko Pissolato e Herbert Richers Jr. formam o elenco da montagem, que tem dramaturgia de Flavio Cafiero (Vencedor do Prêmio Jabuti com o livro Dez Centímetros Acima do Chão e finalista dos prêmios Jabuti e São Paulo de Literatura com o livro O Frio Aqui Fora). O espetáculo também conta com Fabio Cintra na direção musical e traz ao palco instrumentos tocados ao vivo (violoncelo, acordeão e sax), que, juntos formam um quarto personagem em cena e percorrem diversos ritmos, como valsa, jazz, tango e clássica. Para conseguir dar conta de toda técnica que a peça exige os três atores tiveram aulas extras de balé clássico, dança contemporânea, tango e flamenco.

O QUARTO ESTADO DA ÁGUA é sobre o homem contemporâneo. A história se passa em cima da laje de um prédio, com três homens que fogem de uma festa de ano novo (no andar térreo) e sobem para respirar um pouco. A partir daí, confissões, angustias e memórias surgem e um jogo de memória entre presente, passado e futuro entra em cena. Do alto do arranha-céu, os personagens questionam qual é o lugar do homem neste mundo contemporâneo, onde novas sexualidades e novas formas de amar estão cada vez mais latentes, em contraste a uma crescente onda conservadora.

A diretora Bia Szvat explica que o espetáculo faz uma analogia da vida dos personagens com os quatro estados da água. “Quero abordar os detalhes e sutilezas do homem contemporâneo e as construções da nova masculinidade, mas sem julgamentos e conclusões. O levantamento de questões de forma criativa e leve tenta resgatar a arte como entretenimento, espaço de reflexão e construção artística. O resultado é um espetáculo altamente atraente, uma comédia feita com humor corrosivo, diálogos bem esculpidos cheios de primeiras, segundas e terceiras intenções, repleto de musicalidade, tempos de reflexão para todo mundo que busca algum frescor na forma de se fazer teatro”, conta ela.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

O Quarto Estado da Água
Com Anderson di Rizzi, Kiko Pissolato e Herbert Richers. Stand-in – Francisco Zaiden.
TOP Teatro (Rua Rui Barbosa, 201 – Bela Vista – São Paulo)
Duração 60 minutos
21/04 até 18/06
Sexta – 21h30; Sábado – 21h; Domingo – 19h
$50
Classificação 14 anos
 
Direção Geral – Bia Szvat.
Dramaturgia – Flavio Cafiero.
Assistente de Direção – Élder Idelfonso.
Direção Musical – Fabio Cintra.
Músicos – Thayna Oliveira, Ricardo Venturin e Gerson Silva Jr.
Design de Luz – Cesar Pivetti e Vânia Jaconis.
Cenografia – Luiza Curvo.
Figurinista – Marisa Caula.
Designer Gráfico – Pietro Leal.
Fotos – Pedro Bonacina.
Produção – Andreia Porto.
Assistentes de Produção – Lucas Martins Néia e Priscila Biade.
Assessoria de Imprensa: Nossa Senhora da Pauta

MENINA BRUNO

A peça coloca em cena a saga de Bruno. Filha única, passou a infância e a adolescência sendo alvo de piadas pelo seu comportamento “inadequado” para os padrões de gênero ditados pela população de Arco Verde, agreste pernambucano.
Quando resolve fugir de casa, Bruno vê sua vida ganhar sentido e usa sua liberdade como força para enfrentar todos os desafios até chegar na grande São Paulo.

Escrita e dirigida por Rhommel Bezerra, Menina Bruno é uma narrativa poética que explora as questões de gênero, através de uma doce menina que carrega o peso de um corpo que nunca foi seu.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Menina Bruno
Com Dico Paz, Rogério Nóbrega, Fernando Dantas, Rhommel Bezerra, Carolina Jorge e Ewerton Novaes
TOP Teatro (R. Rui Barbosa, 201 – Bela Vista, São Paulo)
Duração 60 minutos
30/01 até 26/03
Domingo – 20h; Segunda – 21h
$20
Classificação 14 anos
 
Texto, Direção e Produção de Rhommel Bezerra
Foto: Livia Simardi
Cenário: Rhommel Bezerra
Figurinos: Antonio Miranda
Produção Executiva: Fora da Chuva Produções
Trilha Sonora
Direção: Rhommel Bezerra
Vozes: Fernando Dantas e Rhommel Bezerra
Composições e Violão: Fernando Dantas

MENINA BRUNO

A peça coloca em cena a saga de Bruno. Filha única, passou a infância e a adolescência sendo alvo de piadas pelo seu comportamento “inadequado” para os padrões de gênero ditados pela população de Arco Verde, agreste pernambucano.
Quando resolve fugir de casa, Bruno vê sua vida ganhar sentido e usa sua liberdade como força para enfrentar todos os desafios até chegar na grande São Paulo.

Escrita e dirigida por Rhommel Bezerra, Menina Bruno é uma narrativa poética que explora as questões de gênero, através de uma doce menina que carrega o peso de um corpo que nunca foi seu.

Leia a nossa Opinião sobre a peça: https://opiniaodepeso.com/2016/08/14/menina-bruno/
Saiba mais sobre o Grupo Itinerante através de sua página no Facebook.
Menina Bruno
Com Dico Paz, Rogério Nóbrega, Fernando Dantas, Rhommel Bezerra e participação de Carolina Jorge
TOP Teatro (R. Rui Barbosa, 201 – Bela Vista, São Paulo)
Duração 60 minutos
05/12 até 30/01
Segunda – 21h
$20
Classificação 14 anos
 
 
Texto, Direção e Produção de Rhommel Bezerra
Foto: Livia Simardi
Cenário: Rhommel Bezerra
Figurinos: Antonio Miranda
Produção Executiva: Fora da Chuva Produções
Trilha Sonora
Direção: Rhommel Bezerra
Vozes: Fernando Dantas e Rhommel Bezerra
Composições e Violão: Fernando Dantas
Realização: Grupo Itinerante de Teatro em parceria com o TOP Teatro

O CONTO DAS ESTRELAS

Neste fim de semana, tem pré estreia sensorial gratuita no TOP Teatro! O Grupo Itinerante preparou duas apresentações especiais de lançamento da sua nova produção “O Conto das Estrelas“.
A peça mistura bonecos e atores para retratar a deficiência física, mental e intelectual das crianças de forma lúdica. Um conto de fadas diferente, onde os habitantes do reino são deficientes, mesclando o mundo real com a fantasia. Uma história de amizade, igualdade e respeito às diferenças.
Ingressos podem ser retirados no Alô Ingressos a partir desta sexta!
 
Sinopse:
O Conto das Estrelas” é uma peça infanto juvenil sensorial que mistura bonecos e atores para retratar a deficiência física, mental e intelectual das crianças de forma lúdica.
Um conto de fadas diferente, onde os habitantes do reino são deficientes, mesclando o mundo real com a fantasia, numa linguagem clara e atual. Uma história de amizade, igualdade e respeito às diferenças.
A ideia é ressaltar o aspecto sensorial, possibilitando, especialmente às pessoas com cegueira ou baixa visão, sentir os elementos por meio do tato e do olfato.
Com texto e direção artística de Rhommel Bezerra, o projeto parte do princípio da garantia do direito de toda pessoa de participar da vida cultural.
O Conto das Estrelas
Com Fernanda Lippe, Gabriel Morgante, Rodrigo Holanda, Carolina Jorge, Fernando Dantas, Ewerton Novaes, Roberto Savioli e Enrico Verta
TOP Teatro (R. Rui Barbosa, 201 – Bela Vista, São Paulo)
Duração 80 minutos
03 e 04/12 (pré estreia sensorial)
Sábado e Domingo – 15h
Entrada Gratuita
 
10 a 18/12
Sábado e Domingo – 15h
08/01 a 26/02
Domingo – 15h
$30 (crianças $10)
Classificação livre
 
Texto, Direção e Produção de Rhommel Bezerra
Ass. de Direção: Carolina Jorge
Ass. de Produção: Fernando Dantas e Roberto Savioli
Foto, Figurinos e Cenário: Rhommel Bezerra
Designer: Fernando Dantas
Direção de Trilha Sonora e Iluminação: Rhommel Bezerra
Produção Executiva: Fora da Chuva Produções Culturais